Capítulo 12: Vale Negro

[Nota: Me desculpem pela demora. Mas se tiverem que culpar alguém, culpem o Pokemon Go. Dava pra mim ter postado uma semana antes, mas eu me segurei. A história estava indo por um caminho que não estava me agradando, por isso passei uma semana pensando em como mudar isso e finalmente achei um meio. Tenho certeza que muitos não vão gostar, mas tentem entender que isso será para o bem da história. A mudança ocorrerá dentro dos próximos capítulos. Sem mais delongas, vamos ao capítulo. Espero que curtam.]


O misterioso homem encapuzado mantinha seu Qi escondido.

Desde a primeira vez que Rayzaki viu o encapuzado, ele sabia que deveria tentar ficar longe do estranho, pois acima da cabeça dele, os nomes, títulos e níveis que são azuis normalmente estavam em vermelhos e ainda por cima estavam todos escondidos.

[???]

???

Nível ???

O encapuzado não era o único. Havia outra pessoa na Casa de Leilões cujo acima da cabeça era exatamente igual ao do encapuzado.

Draiko. Apesar de Rayzaki não saber o nome dele, ele tinha um forte sentimento de que Draiko e ele eram inimigos.

O que ele Rayzaki não sabia era o quanto estava certo, afinal, seu irmão, Raikon, esta a beira da morte em algum canto da floresta por causa de Draiko.

Marcas de Qi foram criadas sem economizar energia.

Rayzaki não ousou se teletransportar, pois temia que o encapuzado tivesse algo para o rastrear.

Somente se ele fosse um idiota para subestimar o inimigo.

Alguém encapuzado com um cajado?

Era 99% de certeza do estranho ser um poderoso bruxo.

Apesar de nunca ter visto um, havia livros que ele leu que contavam histórias de pessoas usando magia. Magia real, e não Qi.

Os livros eram de fantasia, mas ele estava em um mundo onde pessoas podiam voar e se tornarem imortais, então era bem possível existir real magia.

Ter uma mente aberta pode ser a diferença que irar salvar sua vida em algum momento.

Rayzaki entrou na parte “segura” da floresta.

A floresta é dividida em duas partes por um aglomerado de montanhas, alguns penhascos e rios.

A parte “segura” e a “parte perigosa”.

A parte segura é chamada de Floresta Wingworts e seu real tamanho é equivalente ao estado de São Paulo.

A parte perigosa é chamada de Cordilheira Wingworts e seu tamanho é aproximadamente do tamanho de todo o Brasil.

Seja a Floresta Wingworts ou a Cordilheira Wingworts, tudo o que Rayzaki sabe é que ela é cheia de perigos e mistérios inimagináveis.

A Floresta Wingworts é considerada segura por que as bestas mágicas que nela vivem, em sua maior parte, são mais fracas que as que vivem na Cordilheira Wingworts.

Ele não ousou criar Marcas de Qi no encapuzado. O motivo era bem obvio.

Era o seu trunfo.

Sem pensar duas vezes, ele adentrou cada vez mais na floresta.

Ao seu redor estava cheio de animais normais, mas quando ele começou a correr em sua velocidade máxima, logo os animais normais começaram a ser trocados por bestas mágicas cada vez mais fortes.

Havia também ate mesmo plantas carnívoras. Esse lugar era um pesadelo.

Rayzaki era alguém medroso por nascença, mas havia algo que o incitava mais medo que tudo e eram plantas com consciência própria.

Imagine você não saber se tal árvore é uma simples planta ou uma árvore mágica que come pessoas?

Só de pensar nisto ele já sente um calafrio na espinha.

Tomando uma dose de coragem, ele prosseguiu floresta adentro ao mesmo tempo em que criava inúmeras Marcas de Qi.

Com o Olho de Águia, ele observou tudo ao seu redor. Ele viu claramente o momento em que o encapuzado começou a voar. Isso mesmo, voar.

Ele devia ser no mínimo alguém do reino Yeiran. Apenas a partir do reino Yeiran é que alguém se torna capaz de voar livremente pelos céus como os pássaros.

O encapuzado logo já estava acima das árvores.

Ele movimentou o cajado e 10 bolas de fogo do tamanho de uma bola de basquete surgiram do nada ao redor do encapuzado e com apenas um aceno do cajado, uma a uma, como meteoros, elas foram lançadas bruscamente contra Rayzaki que por sua vez, nem ao menos olhou para trás, apenas aumentou sua velocidade para o máximo e com sua flexibilidade e habilidades dos personagens adquiridos, saltou para o lado.

A bola de fogo acertou uma árvore e explodiu fazendo a área tremer.

– Tudo isso, pra mim? Me sinto tão querido… – ele murmurou.

Como um macaco, ele saltou pelas árvores com um equilíbrio anormal.

Em questão de segundos, a floresta estava cheia de sons explosivos, fumaça negra subindo aos céus e o fogo se espalhando para todos os lados.

O encapuzado bateu o cajado no ar como se estivesse batendo-o no chão. O ar envolta dele se ondulou como uma miragem e ele desapareceu.

– Droga! – Rayzaki exclamou.

Usando o Olho de Águia, ele visualizou tudo em uma área de 1000 metros, mas não encontrou nada.

Os pelos de seu corpo se arrepiaram com a sensação de perigo eminente. Como se ele pudesse ver o futuro, Rayzaki parou de correr e deu um mortal para trás desviando do cajado que estava sendo usado como uma espada.

O encapuzado apareceu onde ele estava.

– O sentido-aranha é bem útil mesmo. O Olho de Águia não foi capaz de pegar nada antes de ser tarde demais. Já o sentido-aranha me salvou me salvou uns segundos antes.

Rayzaki caiu em pé no chão. O encapuzado desapareceu do galho da árvore e reapareceu no chão uns 10 metros de distância de Rayzaki.

– Existe algum motivo para você, irmão taoísta, me atacar repentinamente? Por acaso nos conhecemos? Eu lhe fiz algo para receber tal tratamento? – Rayzaki forçou a voz tentando parecer um pouco mais velho.

Ele parecia calmo e confiante, o que estava longe de ser verdade.

– Essas pílulas-avatares, onde você as conseguiu? – o encapuzado perguntou com um tom autoritário.

– Eu as encontrei em uma antiga caverna na Cordilheira Wingworts por acaso enquanto lutava pra proteger minha vida – ele mentiu sem hesitar. Se ele não soubesse que era uma mentira, ate mesmo ele teria acreditado.

Pelo tom de voz do encapuzado, Rayzaki podia dizer que ele devia ter em torno de uns quarenta ou cinquenta anos. Bom, pelo menos quando ele parou de envelhecer.

Rayzaki tinha que tomar extremo cuidado, pois com o Olho de Águia, ele viu algumas figuras os observando de longe. Eram todas que estavam no leilão.

Algumas tinham apenas aparecido no último leilão pela primeira vez.

O mais estranho é que antes ele tinha visto seus nomes em azuis e ele podia ver seus títulos e níveis, mas agora estavam em vermelho e tudo estava com pontos de interrogação.

Eles deviam estar usando algum tesouro para mascarar seus níveis de cultivo, e isso interferiu com sua habilidade de identificar.

Ele estava me uma baita enrascada.

Todos ali pareciam ser seus inimigos e estavam apenas o momento certo para agirem com serpentes e darem o bote.

Ciente de sua péssima situação, Rayzaki começou a pensar em um plano para escapar.

O encapuzado parecia estar tentando identificar algum traço de mentira nas palavras de Rayzaki.

– Entregue-me todas as pílulas que você possui e eu lhe permito ter uma morte rápida e indolor.

Rayzaki começou a sentir uma chama de fúria se ascender dentro dele. Ele precisou de todo o seu esforço para não estragar seu disfarce e mandar ele ir tomar naquele lugar.

– Você é retardado? – Rayzaki perguntou friamente. Ele estava com raiva. Das novels que ele leu, a atitude do encapuzado era algo que o sempre irritava ao ver os personagens fazerem. – Antes de ameaçar alguém, você deve provar ter tal capacidade. E ao meu ver, isso é algo que você está longe de possuir.

O encapuzado nada disse, apenas bateu o pé do cajado no solo liberando uma onda de energia chocante.

[Vale Negro]! – a voz do encapuzado ressoou junto da onda de energia.

A onda se espalhou em um raio de 1000 metros. Um campo de força esverdeado se ergueu mantendo todo o raio de 1000 metros aprisionado.

O sentido-aranha de Rayzaki se ativou. Ele deu um mortal para trás desviando de um galho de árvore que o atacou como uma lança e se esticou como se fosse feito de borracha.

Ao tocar o solo, ele girou, saltou, se curvou ao estilo Matrix. Inúmeras acrobacias marciais foram feitas, todas para desviar dos inúmeros ataques aleatórios das árvores.

O que ele mais temia, aconteceu, o maldito encapuzado de alguma forma esta controlando as árvores como se elas tivessem vida própria.

Ele saltou em cima de um galho que estava se elevando para o alto, e com o impulsou, Rayzaki pulou girado inúmeras vezes no ar ao mesmo tempo em que com as duas mãos, ele fez a famosa pose das mãos e lançou inúmeras boras de teias como se fossem meteoros contra o encapuzado.

O encapuzado ergueu o cajado para o ar e uma esfera avermelhada de energia surgiu o cobrindo todo.

As bolas de teias se tornaram cinzas ao entrarem em contato com o escudo esférico em torno do encapuzado.

O mais assustador sobre o encapuzado é que ele parecia não estar fazendo esforço algum para lidar com Rayzaki.

E Rayzaki não era o único que estava lutando. Todos que ficaram presos dentro do Vale Negro, estão sendo atacados pelas árvores que tem uma estranha capacidade de se regenerarem e são ridiculamente resistentes.

Draiko e seu fiel servo eram os únicos que não foram pegos pelo Vale Negro. Ambos estavam no ar, envoltos de uma esfera de energia purpura assistindo tudo. Draiko tinha um estranho sorriso cínico em seus lábios.

– Uma criança que mal tem 17 anos, já esta em um reino tão elevado…? Isso é interessante… – o sorriso de Draiko ficou ainda mais assustador. Seu tom de voz tinha uma pitada de cobiça. – Ele ousou ate mesmo usar uma Marca de Qi em mim. Pois bem, deixe-me ver o quão longe você pode ir… Sinto ate mesmo um fio de Qi da minha princesa em você…

Draiko se sentou em pleno ar ao mesmo tempo em que um trono dourado e antigo surgiu atrás dele.

– Mostre-me um belo espetáculo.


[Nota: Gente, lembrem-se que este é um mundo de cultivo. Se você nunca leu alguma novel chinesa, eu aconselho que leia, tem muita coisa boa por aí. Pode-se dizer que a história tem dois pontos de vista. O ponto de vista do protagonista, que vê o mundo como um jogo de RPG, e tem o ponto de vista do mundo que vê tudo como cultivo, reinos, essas coisas. Pelo ponto de vista do protagonista, a força dos outros pode não parecer nada.

Rayzaki sobe de nível fácil como em um jogo, mas para as pessoas deste mundo, as vezes eles levam anos para subir um unico nível.

O povo deste mundo usa o Qi para fortalecer o corpo, romper barreiras, e muitas ouras coisas antes de conseguirem subir de nível, por isso quando Rayzaki considera sua força igual a alguém do nível 30 e pouco, isso já é muito. Como nos jogos os atributos sobem de acordo com a classe escolhida, neste mundo os cultivadores escolhem o caminho que vão prosseguir. Alguém pode muito bem escolher seguir o caminho de um corpo extremamente resistente e forte, usando alguma técnica de cultivo comum ou secreta. O que eu quero dizer é que alguém no nível 30 (do ponto de vista de Rayzaki), pode mito bem ter a força do Superman em sua fase mais fraca nos quadrinhos. Não importa se um determinado personagem dos quadrinhos é forte, no mundo do cultivo, isso pode significar nada onde as pessoas treinam ate mesmo milhares de anos e absorvem o Qi, a energia primordial que rege o universo.

Não sei se consegui explicar meu ponto de vista para os leitores confusos. Sou péssimo nisso.

Mais uma coisa, eu pesquiso em vários sites antes de descrever algum poder e habilidade de algum personagem. Não pesquiso em só um. Antes eu tento ter o máximo de certeza o possível antes de escrever qualquer coisa. Bom, é só isso.

Não sei como vou fazer ainda, mas acho que será pelo menos três capítulos por semana. Em todo caso, todo final de semana a partir de agora terá pelo menos 1 capítulo.]

Comentários