Capítulo 20: Caindo aos Pedaços

[Nota: Esse é o segundo capítulo desta semana (2/5).]


Como Raikon parecia que iria ficar inconsciente por algum tempo, Rayzaki continuou a absorver o Qi que aquele monólito emanava.

Sem descanso, ele continuou a absorver. Toda vez que ele sentia fome ou cansado, ele tomava algum comprimido sem parar de absorver o Qi. E assim, dias se passaram. Ele só parou para ativar a Macbot. Infelizmente nenhum dos personagens que saíram tinha alguma habilidade especial, mesmo alguns sendo heróis ou vilões, pelo menos os que ele conhecia. E com aquela maldita condição de que ele só pode tomar uma pílula-avatar a cada 72 horas, ele tinha que fazer sua escolha boa para não desperdiçar a chance.

No final ele decidiu não tomar nenhuma.

Rayzaki chegou a pensar em dar aqueles comprimidos refinados pelo alquimista do clã para seu irmão, mas ao pensar bem, ele achou melhor não arriscar e esperar Raikon levar seu tempo para se recuperar.

Ele não se preocupou em ter alguma besta atacando, já que ele deduziu que o Qi que aquele monólito liberava era um sinal de perigo extremo e ninguém com um juiz perfeito iria se aproximar.

Rapidamente uma semana havia se passado. Olhando para a janela de informações, ele suspirou. Estava muito bom pra ser verdade. Esse titulo, Herdeiro de Buddha pode ser apelativo à primeira vista, mas a realidade é cruel. Sete dias, e apenas uma pequena porcentagem aumentou na maestria.

Iluminado

Sentando-se em estado meditativo, uma imagem ilusória de Buddha se forma atrás de você. Você pode absorver a energia natural do local regenerando e aumentando sua energia permanentemente. A velocidade de absorção depende da proficiência da habilidade. Maestria da habilidade irar aumentar em determinada porcentagem dependendo da qualidade da energia absorvida do local.

Iluminado (ativa) – Nível 1 (16,3549%)

Taxa de Absorção: 1 a cada 30 segundos

Área de Absorção: 5 metros

Consumo de Energia: nenhum

Tempo de Aferição: nenhum

Sete dias e nem ao menos 17% subiu. A não ser que a qualidade da energia subisse pelo menos 1 rank, ele teria que levar quase dois meses inteiros para subir apenas 1 nível.

Nestes dias, seu irmão não deu o menor sinal de que iria despertar, apesar de preocupado, Rayzaki não estava a ponto de perder as estribeiras. Raikon parecia estar apenas dormindo.

Cansado de sempre fazer a mesma coisa, desta vez Rayzaki decidiu explorar um pouco a masmorra, principalmente o monólito. Ele estava curioso pra saber que pedra era aquela.

Tendo certeza de que estava a uma certa distância segura, Rayzaki pegou uma pedra e a lançou contra o monólito. Nada aconteceu.

Nada aconteceu por dois segundos apenas.

Como um efeito dominó, o monólito começou a rachar como um espelho ou um lago congelado a partir do ponto onde a pedra atingiu.

Em seguida, uma formação mágica se formou por toda a caverna. Era um tipo de pentagrama feito de luz negra.

Logo isso aconteceu, uma voz rouca, antiga e sem emoção alguma, ressoou por toda a caverna, e talvez, para todo o mundo.

– Quando a lua de sangue resplandecer na escuridão, o sol da meia noite queimará toda a vida no altar da perdição. Sete reis e sete rainhas. Sete demônios e sete pecados. Pelas ações do amaldiçoado, o primeiro selo foi quebrado. Aquele que busca a destruição será despertado ao badalar do sétimo selo. Apenas pelas ações do amaldiçoado, tudo pode ser salvo ou condenado.

Assim que a voz terminou, o círculo mágico foi impregnado por descargas elétricas que atingiram sem um pingo de pena tanto Rayzaki quanto Raikon.

– AAAHHH!!!

Rayzaki berrou como nunca. Aquela dor era terrível, mas o que era mais terrível era o fato dele ter causado aquilo ao irmão que despertou justo naquele exato momento e começou a gritar também.

O monólito começou a cair aos pedaços antes de explodir e soltar uma onda de energia e fumaça para todos os lados.

– MALDIÇÃO!!! – Rayzaki gritou com toda a força dos pulmões antes de ser atingido pela onda de energia e fumaça.

Seu corpo foi lançado longe e se chocou bruscamente contra a parede da caverna. Ele perdeu a consciência no mesmo instante.

(…)

Em alguma cidade distante, sentado em seu trono observando a destruição e calamidade que ele causou sobre o lugar com um sorriso sádico, estava Draiko.

Sua atenção foi chamada para seu braço esquerdo. Uma tatuagem preta, uma ouroboros formando um oito em pé e um oito deitado na testa de um crânio, começou a formigar e a tatuagem parecia estar viva logo em seguida.

E então, ele ouviu uma voz:

– Quando a lua de sangue

E não era somente ele que ouviu a voz. Ao todo, 77 pessoas neste vasto mundo foram capazes de ouvir a voz. Entre estas 77 pessoas, 7 eram reis, 7 eram rainhas, 7 eram demônios e 7 eram pecados.

O sorriso de Draiko surgiu, porém mais sádico que nunca.

– Finalmente as coisas estão começando a ficar interessantes. Daniel, descubra quem é o amaldiçoado. Não mim decepcione. Quanto a mim, tenho uma princesa para encontrar.

Quebrando a barreirado som, envolto de uma esfera purpura, Draiko voou para longe deixando Daniel para investigar o paradeiro do “amaldiçoado”.

(…)

Em algum reino, na torre mais alta do castelo, um velho usando vestes brancas observava algo transmitido em um cristal azul com mais de dois metros de tamanho quando uma força maligna dissipou a imagem de uma luta de um exército contra criaturas humanoides demoníacas, demônios.

No cristal, uma fumaça negra foi transmitida e uma voz ressoou.

– Quando a lua de sangue resplandecer na escuridão, o sol da meia noite queimará toda a vida no altar da perdição. Sete reis e sete rainhas. Sete demônios e sete pecados. Pelas ações do amaldiçoado, o primeiro selo foi quebrado. Aquele que busca a destruição será despertado ao badalar do sétimo selo. Apenas pelas ações do amaldiçoado, tudo pode ser salvo ou condenado.

O velho alisou e enorme barba branca calmamente:

– Quem foi o idiota que quebrou um dos sete selos? Achei que poderia viver uma vida sem ter que passar por isso mais uma vez… Acho que não tenho opção… Esse velho homem terá que deixar para se aposentar uma outra hora…

Em sua mão surgiu do nada um cajado de madeira com uma joia verde na ponta de cima. Ele acenou o cajado e o cristal começou a transmitir a batalha mais uma vez.

Humanos lutavam contra um exército de demônios que buscava dominar o reino.

A joia verde no cajado brilhou e em seguida ele a apontou para a imagem no cristal.

Os humanos foram envoltos de uma luz verde, e em seguida meteoros começaram a cair do céu e esmagar os demônios e os humanos saíram ilesos.

E não era somente o velho que estava agindo, forças ocultas que ouviram a voz estavam começando a agir também.

Muito em breve o mundo irá ser envolvido em uma guerra sem igual.

Comentários