No dia seguinte, alguém bateu na porta cedo. Quando Alan abriu, ele viu Elwanda parada na frente.

 

Ela estava com um sorriso e falou.

 

“Alan, posso me encontrar com sua irmã um pouco?”

 

Alan sorriu e falou.

 

“Eu sei que você quer levá-la como sua discípula, certo?”

 

Elwanda congelou, mas não negou nada.

 

“Então se você quiser que ela seja sua discípula, porque você não passa algum tempo com ela?”

 

Elwanda ficou surpresa e confusa.

 

-O que esse jovem está pensando?

 

Alan sorriu e falou.

 

“Mari é uma garota muito inocente, eu mesmo tenho medo do seu futuro com a sua mentalidade atual, por isso eu saio para caçar com ela as vezes, para firmar sua mente, e não ser fraca no futuro.”

 

Elwanda ouviu Alan, e depois concordou com ele.

 

“Mas existe um problema. Mari é muito tímida, e mesmo se eu levá-la para ela agora, ela provavelmente não aceitará, por causa da sua timidez.”

 

Elwanda finalmente entendeu o que Alan estava insinuando.

 

-Sua irmã deve ser muito tímida, e deve ter muito pouco conhecimento do mundo. Alan deve querer que eu fique com ela um tempo e ensiná-la outras coisas.

 

Elwanda sorriu e falou.

 

“Entendo. Se possível, eu queria ficar um dia com ela, você acha que será possível?”

 

Alan pensou um pouco e depois falou.

 

“Mari falou para mim que queria ver a Tribo um pouco, então eu pensei em andar por aí com ela e familiarizar com o ambiente, mas como você quer ficar um tempo com ela, será melhor para você e para mim!

 

Eu falarei com ela depois que ela acordar, e pedirei para algum servo chamá-la.”

 

Elwanda assentiu e depois saiu.

 

Logo depois que Elwanda saiu, apareceu um servo carregando uma caixa grande e entregando para Alan e falou.

 

“Dentro está os três equipamentos que você pediu, assim como algumas moedas de ouro para você gastar. Como presente do Patriarca!”

 

Assim que terminou de falar, o servo se virou e foi embora.

 

Alan não se importou, entrou no quarto e abriu a caixa.

 

Havia uma armadura feminina, bastante grande para Mari usar, fazendo ele querer reclamar do tamanho, mas então ele viu uma nota e a pegou.

 

-Armadura Feminina de Metal Vermelho

-Grau Amarelo, Nível Médio

-Descrição:Tem um efeito de se adaptar ao tamanho do usuário, sem deixar desconfortável ou interromper os movimentos do usuário.

 

Alan leu a nota e ficou surpreso, não achando que Paloma lhe daria uma armadura de Nível Médio para Mari. Mas de repente ele leu uma última parte da carta e viu o nome de Elwanda escrito.

 

-Parece que ela está querendo levar Mari como discípula até demais.

 

Alan sorriu e analisou bem a armadura, e viu que era um vermelho e como dizia o nome, era de um modelo feminino.

 

Alan percebeu que era bastante fino, então ele achou que era uma armadura para se vestir abaixo das roupas.

 

-Agora que parei para pensar, essa armadura é bastante fina, deve ser ótima para arqueiros.

 

Alan ficou impressionado pela visão de Elwanda, e ele pensou um pouco mais altamente dela.

 

Alan sorriu e depois viu as outras coisas.

 

O arco, era um arco Roxo parecido com o de Elwanda.

 

-Arco Púrpura de Madeira de 100 Anos

-Grau Amarelo, Nível Médio

-Descrição:Um arco que se adequa ao tamanho do usuário.

 

Assim que Alan colocou a mão no arco, ele aumentou de tamanho.

 

Alan pegou o arco, e viu que era o suficiente para o seu tamanho, e ficou surpreso.

 

Depois ele colocou de lado e olhou para a espada.

 

-Espada de Ferro Negro

-Grau Amarelo, Baixo Nível

-Descrição:Uma Espada de Baixo Nível comum.

 

Alan leu e ficou desanimado.

 

-Não poderia tratar seu marido um pouco melhor?

 

Alan suspirou e apenas colocou a espada negra em sua cintura e foi acordar Mari.

 

“Está na hora de acordar!”

 

Mari abriu os olhos lentamente e olhou para seu irmão sonolentamente, depois de alguns segundos, ela levantou a parte superior do corpo e esfregou seus olhos sonolentos.

 

Alan sorriu e levou ao seu lado uma bacia de água e falou.

 

“Lave o rosto e depois quero conversar com você. Ah… veja as coisas que vieram para você!”

 

Depois de falar, Alan foi e se sentou numa cadeira e começou a olhar pela janela.

 

Depois de alguns minutos, Mari já havia acordado completamente e ficou ao lado de Alan.

 

Alan sorriu e falou.

 

“Não tem a Elwanda? Eu pedirei que ela cuide de você hoje, ok?”

 

Mari ficou surpresa e perguntou.

 

“Porque? Você não me disse que iria me levar para ver o resto da Tribo?”

 

“Eu não poderei levá-la para dar uma volta, mas vou pedir para Elwanda levá-la pela Tribo.”

 

Mari ficou deprimida e falou.

 

“Onde você vai então?”

 

“Eu irei ver o Rambo que está fora da cidade, não posso deixá-lo lá, sem dono, alguém pode matá-lo por engano, então será melhor se você se familiarizar com a Tribo assim como fazer amizades com outras pessoas, e comece com Elwanda, ela gosta de você!”

 

Mari apenas assentiu e não falou mais nada.

 

Depois de alguns minutos, os servos vieram com o café da manhã, e Alan falou para um dos servos mandar uma mensagem a Elwanda.

 

Depois de comerem o café da manhã, Elwanda apareceu do lado de fora do quarto e falou.

 

“Posso saber o motivo de ter me chamado?”

 

Alan sorriu e falou.

 

“Você poderia cuidar de minha irmã hoje? Tenho algumas coisas para arrumar, e não terei muito tempo hoje, se possível ande um pouco com minha irmã pela Tribo, se precisar de algo é só avisar.”

 

Elwanda sorriu e falou para Mari.

 

“Se ela quiser vir comigo, eu aceitarei!”

 

Mari assentiu timidamente e saiu de trás de Alan e segurou a mão de Elwanda.

 

Alan sorriu.

 

Elwanda sorriu gentilmente e depois se virou com Mari sem dizer nada para Alan.

 

Alan apenas sorriu e depois entrou dentro do Reino.

 

Ao entrar, ele viu o búfalo deitado dormindo.

 

Alan olhou bem, e percebeu que ele já estava no Pico do Discípulo Marcial.

 

“Ele já já estará indo para o próximo Reino, me pergunto como essas Bestas Espirituais quebram o reino. Será que elas também têm o Mundo Espiritual?”

 

Alan inspecionou o búfalo, e depois de ver que ele não estava com nenhum problema, ele entrou dentro do lago de EXP.

 

Como ele não poderá usar essa Energia Espiritual densa e pura para ajudar Mari, ele escolheu que será melhor usar em si mesmo por enquanto.

 

Ao entrar, ele começou a ouvir a voz do sistema como um cachoeira e depois de alguns minutos pararam.

 

Alan conseguiu um total de 300 mil pontos de EXP.

 

Alan sorriu e depois saiu do lago, olhou para os lados e começou a inspecionar bem o espaço.

 

Ele viu uma nova árvore com uma quantidade imensa de frutas em cada galho.

 

Alan chegou perto e viu escrito o nome da árvore.

 

-Árvore de Melhoramento Corporal

Ao comer uma de suas frutas, a força do corpo e defesa serão melhorados em 1%. Uma pessoa só pode comer 100 dessas frutas no total.

100 frutas nascem a cada 100 anos!

 

Alan ficou feliz com a árvore e tirou todas as frutas e colocou no segundo armazenamento.

 

Ele resolver comer a fruta quando estiver no Mestre Marcial.

 

Depois ele andou um pouco mais e viu um anel vermelho, acima de uma plataforma de pedra.

 

-Anel de Contrato Forçado!

Um Contrato será feito entre aqueles que pingarem seu sangue nele com o usuário do anel. Não funciona em humanos ou qualquer raça que não tenha Núcleos de Besta ou não sejam consideradas Bestas Espirituais.

 

Alan leu o segundo presente do anel, e ficou feliz, ele pegou o anel e colocou no dedo, pensando em sair para caçar e achar algumas Besta Espiritual tipo Lobo, Tigre, Leão e Pantera.

 

-Terei um zoológico dentro desse espaço, e todos com grande talento! O sistema deve ter algum item que ajude a Besta Espiritual a Evoluir.

 

[Existe a Orb da Evolução! Custa 100 mil pontos do Sistema por Orb!]

 

Alan ouviu e sorriu, e depois perguntou.

 

“Como funciona essa Orb da Evolução?”

 

[Para evoluir uma Besta Espiritual de Rank Comum para raro, é necessário 5 Orbs, Rank Raro para Épico, 10 Orbs. Sempre será 2x mais que a anterior, menos a última classificação que é Primordial, onde será necessário 1000 Orbs.]

 

Alan ouviu isso e pensou.

 

-Então para evoluir uma Besta Espiral comum, e necessário 500 mil pontos e raro 1 milhão?

 

Só de pensar nisso, Alan não pode deixar de ficar Triste e suspirar.

 

Andando mais um pouco, ele achou algo parecido com uma gaiola.

 

-Gaiola de Selagem

Ao usar Energia Espiritual na gaiola, ela se expandirá até o tamanho que quiser, e depois poderá ser jogado em Bestas Espirituais.(Não funciona em humanos.)

É possível selar qualquer Besta Espiritual do mesmo nível que o usuário.

 

Alan leu e percebeu que essa gaiola é para ajudar com a domar as Bestas Espirituais, e talvez seja para selá-las, se forem desobedientes.

 

Alan procurou por mais um pouco de tempo, e não achou nada, ficando desanimado, mas um pouco feliz e animado para a próxima atualização.

 

Alan colocou a Gaiola de Selagem dentro do segundo espaço e depois saiu do espaço.

 

Ele saiu do quarto e perguntou a algum servo se tem alguma biblioteca dentro da mansão.

 

O servo indicou a biblioteca de artes Marciais, que é só para aqueles ligados à família podem entrar, e disse que tem 5 andares.

 

Alan assentiu e foi para a biblioteca.

 

Ao chegar, ele viu um dos Elders sentado na frente da biblioteca, ele estava lendo um livro, quando viu Alan, ele sorriu e falou.

 

“Você veio para ver se há alguma técnica para você? Se for, então pode entrar, mas saiba que você pode apenas ir até o terceiro nível, os níveis acima são apenas para nós Elders, e o quinto é apenas para os Patriarcas.”

 

Alan assentiu e entrou dentro da biblioteca.

 

No primeiro andar haviam poucas pessoas, no segundo andar havia muito menos e no terceiro andar não havia ninguém.

 

-Aqueles abaixo, devem ser servos da família que tem algum talento, assim como filhos e netos dos Elders.

 

Alan não se importou mais com eles e olhou ao redor.

 

Todas as Técnicas Marciais nesse andar estavam entre o Grau Amarelo, Nível Médio e Alto Nível.

 

Dedo Perfurador

Espada do Vento

Passos de Cervo

Artes do Gelo

Machado Quebrador de Crânios

 

As técnicas tinham esses nomes extravagantes, mas nem todos eram assim.

 

Alan percebeu que a Espada do Vento, a técnica que Paloma usa, também estava aqui, Alan tocou o livro e o sistema perguntou se ele queria aprender, mas Alan recusou e apenas leu um pouco dela.

 

Depois de ler um pouco, ele colocou a técnica de lado, pois achou que era lixo.

 

-A ordem que se circula a Energia Espiritual no corpo é completamente desordenada, fazendo que fique Caótica. Essa deve ser uma técnica variada de alguma técnica de um grau mais alto, mas o falsificador dessa técnica é um lixo que nem ao menos consegue entender a técnica direito.

 

Alan sentiu desprezo por quem fez uma variação tão horrível de uma técnica de mais alto nível, Alan acha que a técnica verdadeira é de Grau Profundo pelo menos.

 

Alan suspirou e depois de algum tempo, ele não achou nada de interessante, apenas os Passos das Sombras, que estava danificado.

 

Alan não se importou se estava danificado ou não, e ele apenas aprendeu.

 

[A Técnica, Passos das Sombras(Parte 1)(Danificada), foi aprendida! Como a técnica está danificada, o usuário terá que preencher completamente os requisitos de evoluir a técnica para depois usá-la no seu máximo efeito!]

 

Alan não sabia que para completar a técnica, ele deveria treiná-la até o pico e depois recomeçar do começo no mesmo nível.

 

Alan apenas suspirou e se consolou.

 

“É apenas para sua esposa, apenas para sua esposa! Para você ver como é para sua esposa, eu mesmo vou aprender a Espada do Vento, olhe!”

 

Alan falou e aprendeu a Espada do Vento também.

 

[A Técnica, Espada do Vento foi aprendida!]

 

Alan de repente entendeu o que ele fez e se arrependeu.

 

-Por que merda eu fiz isso!

 

Alan suspirou e depois saiu da biblioteca de mau humor.

 

O Elder olhou para Alan e viu que ele ficou com raiva, e pensou que Alan não achou nenhuma técnica apropriada para ele e suspirou.

 

No caminho de volta, Alan se encontrou com Paloma.

 

“Oi esposa, como vai seu dia?”

 

Paloma não respondeu, e mudou de assunto.

 

“Quero lutar com você hoje!”

 

Alan ficou surpreso e perguntou.

 

“O que eu ganho?”

 

Paloma ficou com raiva e falou.

 

“Você não se cansa de tirar proveito de mim não? Eu já não sou sua? Por que continuar a me provocar!”

 

Alan sorriu e falou.

 

“Ok ok, mas eu quero um beijo!”

 

Paloma ficou com raiva e iria se virar, mas foi parada pela mão de Alan que a puxou.

 

“Você me pediu para uma luta certo? Não precisa ficar com raiva, eu lutarei com você, apenas estava lhe provocando, vamos para o pátio.”

 

Paloma ficou envergonhada e se afastou de Alan, enquanto ia com raiva para o pátio.

 

E Alan ficou na parte de trás, apenas observando o espetáculo na sua frente.

 

-Até que para uma criança, ela já está bem desenvolvida.

Paloma sentiu o olhar de Alan, mas quando olhou para trás, ela apenas viu Alan olhar para ela com o sorriso no rosto, a fazendo ficar irritada.

Comentários