O pequeno Bruxo e a sereia Aquariana! (2 Parte Final)

 

 

Ano 2523 do calendário galáctico. Localização: Planeta Alys, Santuário das Águas.

 

 
Diferente de outros mundos, Alys era um planeta sem massa de terra na superfície. Suas cidades e templos ficavam sobre imensas ilhas artificiais – das pequenas do tamanho de um país, até as maiores do tamanho de continentes. Dos trilhões de habitantes, metade vive em mundos bolhas abaixo da superfície, enquanto a outra metade vive nas ilhas artificiais, movendo-se pelo mar eterno de Alys.

Em um mundo bolha, á milhares de quilômetros abaixo do mar eterno de Alys, havia um templo das águas. Um local repleto de templos e palácios, construídos com as melhores técnicas da engenharia Aquariana.

No pátio central do templo das águas, centenas de homens e mulheres de diversas etnias diferentes, sentados de pernas cruzadas, ouvindo o discurso de um sacerdote, cuja a própria água flutuava ao seu redor, assumindo diversas formas.

Em outras praças menores, pode se ver a mesma cena, com diversos sacerdotes, ensinando os mais jovens, sobre a primeiraessência, o Princípio da Vida. Há inúmeros templos da água espalhado pelo planeta Alys – casa dos Magistrados conectados com a primeiraessência.

– Vovó vamos receber convidados? – perguntou a jovem Aquariana. Uma garota pequena, de cachos dourados, com grandes olhos azuis claros, vestindo uma suave túnica sem manga, revelando seus pequenos braços suaves e brancos como neve e na costa das duas mãos, três gotas de água tatuada.

– Sim – respondeu a velha ao seu lado. Uma senhora de cabelos brancos e rosto enrugado. Caminhava lentamente pelos jardins floridos e pilares encrustados com pérolas cintilantes. – Uma velha amiga que não vejo a muito tempo.

A jovem não vez mais perguntas. Sua avó raramente saia de dentro do mundo bolha, é os únicos amigos que ela tinha eram outros sacerdotes dentro do templo da água. Então, nunca havia ouvido falar dela ter amigos em outros mundos.

– Vovó, você parece está bastante animada – disse a jovem com um sorriso alegre. – Vocês eram grandes amigas?

A velha soltou uma gargalhada rouca e falou:

– Hum…Pode se dizer que sim – respondeu.

Passaram por outros discípulos e Magistrados, todos paravam o que estavam fazendo para saudar a senhora idosa. Dentro do templo das águas, não havia maior autoridade do que ela, Alta Sacerdotisa do templo das águas, Nina Barduck.

Cada templo é chefiado por uma Alta Sacerdotisa, posto equivalente a uma Feiticeira da sextaessência.

As duas chegaram até um grande pátio circular, com uma pequena lagoa rasa no centro rodeado por imensos obeliscos entalhados com símbolos mágicos da era antiga. A senhora idosa acessou seu TPDA fazendo uma vídeo chamada para sua velha amiga, Magistrada Morrigan Lune Effroi Privity.

– Velha amiga, vou abrir o portal – disse a velha. Ela atirou uma pérola prismática na lagoa rasa,movendo as mãos como um borrão indistinto, fez dezenas de gestos mágicos. A pérola prismática cintilou ligeiramente no ar, e, explodiu, numa névoa prismática, que girou cada vez mais rápido até se tornar um vórtice. A velha bateu palmas e rugiu: – Abra!!

O vórtice se expandiu abrindo passagem para outro mundo. A velha fez mais gestos mágicos complexos, estabilizando o portal, deixando a passagem estável.

A jovem Aquariana assistia a abertura do portal com grandes olhos arregalados. Através do portal, viu as terras verdejantes e o céu azul com nuvens brancas e um sol radiante. Desde seu nascimento, a jovem Aquariana nunca havia deixado o mundo bolha. Sabia da existência de mundos terrestres e visto através de imagens do seu TPDA.

Sempre achou tal mundo um ambiente estranho, mas, agora vendo aquele deslumbrante mundo pelo portal. Acha tudo belo e deslumbrante, como uma pintura celestial.

Então, ela o viu, e ele a viu. Seus olhos azuis claros se fixaram com os olhos vermelhos do jovem, que atravessava o portal. Por algum motivo, qual não sabia, não conseguia parar de olhar pra ele. Era como se estivesse enfeitiçada e nada mais importava, nem sua avó ao seu lado ou a mulher que cruzava o portal ao lado do jovem de olhos vermelhos.

Assim que atravessou o portal, assim que seus pés tocaram a superfície da lagoa, tremulou e gradualmente, as águas se abriram para os dois formando dois paredões d’água. O portal se desfez atrás deles, explodindo em uma chuva prismática cintilante, fazendo os cabelos prateados do jovem de olhos vermelhos brilhar como se fossem prata líquida.

Ela colocou suas pequeninas mãos em seu peito, sua mente era um caos, seu coração palpitava. Cada passo do jovem de olhos vermelhos em sua direção, fazia seu coração bater ainda mais forte e seu rosto ruborizar. Confusa, não entendendo o que estava sentindo, escondeu-se atrás de sua avó.

– Não precisa ter medo – disse sua avó num tom afável.

A jovem abriu e fechou a boca, pensou em falar que não estava com medo. Mas, ela não sabia como contar o que estava sentindo. Então tranquilizou sua mente, conjurando um feitiço simples, colocou-se ao lado de sua avó.

Observou melhor o jovem de olhos vermelho. Ele usava um manto escuro com um capuz pontudo que escondia parcialmente seu belo rosto de traços nobres e cabelos prateados. Seus olhos vermelhos eram intimidantes, mas, após um olhar mais atento, notaria toda vivacidade em seus olhos. Sob o manto vestia um bio-traje obsidiana feita com nano fibras de carbono com absorção de energia cinética e outras funções de um bio-traje personalizado.

– Aquele bio-traje foi feito especialmente pela pesquisadora e Magistrada, Ádalia El Neth – disse sua avó num tom baixo.

– Então, ele é o Bruxo dos rumores? – perguntou a jovem espantada.

– Sim – confirmou a velha. – É aquela, mulher, é sua mestra, uma senhora do vácuo.

Pela primeira vez a jovem olhou para a mestra do jovem de olhos vermelhos. A senhora do vácuo, usava um longo manto vermelho com um capuz pontudo – mantos com capuzes pontudos é usado somente por Magistrados do princípio infernal -, sob um bio traje negro. Cabelos, cacheados, ruivos emoldurando seu rosto de traços orgulhosos e belos olhos azul cristalino.

– Saudações! Magistrada Morrigan Lune Effroi Privity – saudou a velha, curvando-se respeitosamente.

A jovem despertou de seu estado e saudou a Magistrada com o máximo de respeito.

A Magistrada meneou com a cabeça em resposta.

– Alta Sacerdotisa Nina Barduck –disse a Magistrada brincando com as palavras. – A última vez que eu estive aqui você era uma mera discípulo bagunceira.

– Muito tempo se passou, velha amiga – disse a velha. – Após aquela nossa pequena aventura, recebi mais atenção do Alto Sacerdote e aos poucos esculpi os degraus que me fez chegar ao cargo de Alta Sacerdotisa do templo.

A Magistrada não falou nada e seus olhos caíram sob a jovem Aquariana.

– Essa é minha neta, Rana Barduck – apresentou. – Da geração mais jovem, minha neta tem a maior taxa de compatibilidade com a primeiraessência, 45%, e materializou três gotas de água.

A velha pegou a mão da jovem mostrando com orgulho as três gotas de água tatuadas na mão da jovem Aquariana.

A manifestação do poder de um Magistrado, depende de qual princípio ele esteja conectado. Magistrados da sextaessência manifesta seu poder em estrelas demoníacas. Magistrados da primeiraessência, manifesta seu poder em tatuagens de gotas de água na costa da mão.

Nenhum Magistrado sabe o por quê de seus poderes se manifestar de tal forma, apenas sabem que servem de pilares para condensa-los em um anel de poder.

– Uma jovem cheia de talento – a Magistrada olhou para a jovem Aquariana, sorrindo enigmaticamente, então olhou para seu discípulo. – Aur, mostre-as.

Pequeno Aur suspirou, com um pensamento, seu corpo irradiou luzes escuras e acima de sua cabeça surgiu três estrelas demoníacas, vermelhas, brilhando com ferocidade, distorcendo o espaço ao seu redor. Involuntariamente, a jovem deu um passo para trás ao sentir a pressão do poder do jovem de olhos vermelhos.

– 50% de compatibilidade com a sextaessência – mentiu a Magistrada, para não causar problemas desnecessários. – Cálculo que até o próximo ano, meu discípulo irá manifestar sua quarta estrela demoníaca.

A velha ofegou surpresa, não imaginava que o Bruxo dos boatos teria tão alta compatibilidade com a sextaessência.

– Enfim, vamos conversar em particular – disse a Magistrada. – Estou muito interessada em saber o que está tramando.

A velha suspirou emocionalmente.

– Rana leve o jovem Bruxo em um passeio pelo templo das águas.

A jovem desejava presenciar a conversa de sua avó com a Magistrada. Mas, sabia que era impossível. Era obvio que as duas queriam manter a conversa em segredo.

A jovem Aquariana acalmou seu coração e falou para o jovem de olhos vermelhos:

– Vamos. Vou te mostrar todos lugares do templo das águas.

– Todos lugares? – perguntou com uma expressão calma, mas seus olhos brilhavam com uma intensidade chocante. – Todos lugares, inclue a seção de arquivos secretos do templo das águas?

– Hum…Bem….Para forasteiros é impossível – disse a jovem sem graça.

O pequeno Bruxo suspirou melancolicamente.

– Tudo bem – disse ele. – Vou obter as informações de forma ilícita.

– Ilícita?! – exclamou a jovem espantada.

– Sim! – respondeu animadamente o jovem Bruxo. – Vou rackear o banco de dados do templo das águas e obter todas informações. Minha mãe sempre ensinou, que se você desejar algo, você tem que usar sua própria mãos e agarrar com toda sua força.

– Mas….Humm…Isso é crime… – gaguejou a jovem Aquariana.

– Não é crime se não te pegarem – disse o jovem casualmente como se você a coisa mais comum do universo. – É a filosofia de vida da minha mãe.

– Sua mãe é uma ladra?! – exclamou a jovem indignada. – Um crime é um crime, sendo pego ou não, caso você faça alguma coisa errada eu serei testemunha!

– Nesse caso só preciso eliminar as provas – disse ele sorrido maliciosamente.

– Aur – disse sua mestra semicerrando seus olhos. – Pare de provoca-lá! Não cause nenhum problema. Se eu ouvir um palavra sobre você…

– Vou me comportar, mestra! – disse ele com seriedade. – Prometo – pequeno Aur se curvou para jovem Aquariana e falou com um sorriso tímido: – Me perdoe, eu estava apenas brincando, prometo que não vou fazer nada ilícito com você ao meu lado.

A jovem Aquariana suspirou aliviada e levou o jovem Bruxo por um passeio no templo das águas.

Mal os dois podiam sonhar que esse era o primeiro encontro de muitos que teriam no futuro.

Comentários