Batalha nascordilheiras!(2 Parte Final)

1 Parte

Os impiedoso ventos gelados cessaram em volta ao trio.

Markus não entendia por que aquele trio estava ali. É por sua causa, inocentes morreriam. É o que ele pensava, até ver Milaine empunhado sua enorme espada “Assobio”.

Milaine andou com passos elegantes sorrindo em direção a Markus.

“A cavalaria chegou homem vermelho!” disse sorrindo, apontando sua espada para o cavaleiro santo.”Nós cuidaremos desses cavaleiros!”

Markus estava impressionado por sua beleza, mas não acreditava que seria salvo por duas mulheres é uma criança.

“Fuja enquanto pode!” Markus berrou.”Ele é um Cavaleiro Santo, vocês não tem chance!”

Milaine franzi a testa e falou:

“E dai que é um Cavaleiro santo? Poderia ser um deus, e mesmo assim nunca recuaria!”

Liz se aproximou é lançou magia de cura para aliviar seus ferimentos.

“Descanse agora, aqueles dois não são pessoas normais.” Liz disse em um tom gentil e sereno como se fosse um anjo em meio aquele pesadelo.

“Não posso descansar!” Markus tentou se levantar mas foi logo impedido por Liz que disse para apenas descansar e assistir.

Arthur e Milaine ficaram de frente para o Cavaleiro santo que os olhava com desdém.
Milaine sussurrou em um tom que apenas Arthur pode escutar:

“Filho, consegue se livrar daqueles nove, enquanto seguro esse velho?”

“Mãe, pode deixar comigo!”

“Não hesite filho, se hesitar poderá colocar nossas vidas em risco, compreendeu?”

“Por que hesitaria em matar esses vermes? Não merecem piedade!” disse em indiferente.

Suas palavras a lembraram de Allan. Com seus amigos era gentil, para seus inimigos um carrasco impiedoso. Aqui estava seu filho falando as mesmas palavras, com os mesmo olhos de Allan.Ele lembra tanto Allan que chega a ser assustador.

Arthur não entendia o conceito de matar, isso nunca passou por sua cabeça. Em sua vida passada assistiria dezenas de filmes em que pessoas morriam, e ele chorava em todas mortes. Mas hoje ele estava calmo é frio, e a ideia de matar não era nada. Ele se perguntou se estava deixando de ser humano e se tornando um demônio frio.

Quebrando o silêncio o Cavaleiro Santo perguntou:

“Por que interferem em um julgamento sagrado da ordem da luz?” Disse com um tom indignado.

Milaine pensou em várias palavras ofensivas para dizer ao cavaleiro santo, quando Arthur disse:

“Que julgamento?” disse em tom esnobe.”Estamos aqui para impedir a ordem dos vermes, assassinar esse homem inocente.”

Um carranca aparece no rosto do velho e junto com um grunhido ele continuou a falar:

“Esse homem é um traidor! Matou inocentes, homens, mulheres e crianças. Ainda sim querem o defender esse pecador?”

“Quem matou inocentes foi seu sacerdote.”disse Arthur.“Um verme que se banhou no sangue deles, sei também dos seus pecados velho cavaleiro santo.”

O Cavaleiro Santo ficou pasmo e se perguntava como aquela criança sabia sobre isso. Teria que torturar ele e tirar essa informação.

Arthur aproveitou o pânico dos cavaleiros, em um tom nem infantil e nem adulto falou:

“Os deuses não são cegos Cavaleiro Santo! Os deuses sussurram em meus ouvidos seus pecados e aqui vocês serão julgado. Seu sacerdote será o próximo e todos aqueles que tramaram com ele serão julgados. Saiba que a morte não é nada comparado ao que te esperam.”

Todas suas palavras eram mentiras claro. Arthur queria causar terror psicológico nos cavaleiros para abaixarem sua guarda e cometerem erros.

É sua tática estava surtindo efeito nos cavaleiros que tremiam de medo, ou talvez do frio.

O cavaleiro santo moveu sua maça flamejante em direção de Arthur, mas foi bloqueado pela espada de Milaine causando um barulho estridente.

“Não tão rápido!” Milaine gritou ferozmente e contra atacou com um pontapé feroz.

Em meio a confusão Arthur aproveitou a distração e sem recitar lançou nove lanças da sombra, uma para cada cavaleiro.

Os cavaleiros da ordem da luz são especialistas em lutar contra magos, contra aquilo podiam se defender facilmente com seus escudos; forjados para se defender contra ataques mágicos, mas, aquelas lanças das sombras não eram normais, eram mais escuras do que as lanças comuns.

Depois do duelo contra Liz, viu a falta de poder em suas lanças da sombras. Logo resolveu o problema, ele condensou enorme quantidade de poder mágico nas lanças, ato que para um mago normal seria impossível. Mas Arthur tem enormes poderes mágicos e não foi um problema conjurar nove daquelas lanças que contém o poder de dez lanças das sombras comuns.

Não seria exagero dizer que são morte certa.

O cavaleiro santo notou o verdadeiro poder das lanças e tentou alertar os cavaleiros, mas não conseguiu.

Com seus escudos erguidos, confiantes que defenderiam aquela magia de baixo nível. A nova versão de lanças da sombra, atingiu os cavaleiros como um raio estraçalhando seus escudos e perfurando seus corpos.

Foram atingidos, ainda assim tinham olhos surpresos vendo os buracos sangrentos em seus corpos, podendo ver seus orgãos, agora destruídos.

Um por um caiu, é a última coisa que ouviram foi o a criança que sorria dizendo:

“Em honra a vocês chamarei essa magia de “Lança perfuradora de cavaleiros”! ”

Agora não falta poder nas minhas lanças da sombras, pensou Arthur satisfeito com o resultado.

Markus o olhou perplexo. Sem uma palavra matou nove cavaleiro de elite treinados da ordem da luz. Algo que nenhum mago de alto nível poderia fazer, não dessa maneira.

Gaguejando Markus perguntou:

“O quê você é?”

“Um amigo para você, a morte para eles.”

Sua palavras eram carregadas de confiança e orgulho. Markus fixou seu olhar nele, em seus olhos cinzentos, não viu uma criança, viu alguém inteligente além da sua idade, além do seu próprio tempo. Notou seu rosto de traços nobres e suas orelhas pontudas quase como a de um elfo.

Markus nunca tinha visto um elfo, mas ouvira falar sobre eles. Altos, belos e poderosos. Habilidosos na forja, no combate, é mais habilidosos ainda na magia.“Nunca enfrente um elfo” é o que diziam, os únicos que se igualavam eram os Aurianos. Ele não sabia o quê era o garoto, mas era grato por ele, e a bela mulher que lutava magnificamente.

O cavaleiro santo, golpeava a jovem mulher a sua frente e ela sempre se defendia e contra-atacava. Não vacilava, e seus passos eram firmes e leves, parecendo que iria voar quando pulava e chutava. Sempre que o cavaleiro santo se defendia com o escudo, perdia o equilíbrio por segundos o suficiente para ela aproveitar a abertura e o acertava com sua enorme espada assobio.

Se não fosse por sua poderosa armadura, Jackson teria morrido várias vezes.

Ele estava caindo no ritmo do inimigo que tinha subestimado.

Quem era aquela mulher que se igualava a um Cavaleiro Santo? Se perguntava ele.

Milaine se divertia lutando contra o Cavaleiro Santo que para ela estava sendo um ótimo aquecimento. Tinha medo que todos aqueles anos somente caçando monstros na vila tinham a deixado fraca. Mas esse não foi o caso, se movimentou bem, previu todos ataques dele e contra-atacou com precisão.

Ela ouvi falar como eram fortes os cavaleiros Santos do Reino de Lux. Agora acreditava que eram só boatos exagerados, a única coisa que a impressionava era sua reluzente armadura branca.

Milaine se afastou, mantendo uma distância segura.

“Ouvi rumores sobre a bravura dos Cavaleiros Santos!” disse com um sorriso travesso.“Vejo que eram apenas rumores sem fundamento.”

Ele ficou vermelho de raiva pelo insulto.

O Cavaleiro Santo Jackson Markfall, o fortaleza ambulante. Não admitia que uma jovem mulher o trate como tolo e fraco.

Então gritou:

“Quem é você para me dizer alguma coisa, mulher!” disse elevando sua voz.“Aposto que é uma p**a” gargalhou e completou:”Uma p**a guerreira!”

“P**a deve ser sua mãe para dar a luz a um bastardo gordo e feio!”disse Milaine enfurecida.

Ela cravou a sua enorme espada no duro chão nevado é disse:

“Sou Milaine Magnus, ex- membro dos Dragões Dançantes!” disse fazendo pose de luta mostrando seus punhos.“É não vou precisar de uma espada para derrotar um bastardo como você!”

Milaine correu com olhos fúriosos e com um salto sobre humano gritou:

“[Dança da águia feroz]!”

Seus punhos é pés cobriu-se com chamas esverdeadas. Ele não acreditou no que estava vendo e balançou sua maça, pronto para acertar ela. Milaine do alto mergulhou com um poderoso chute acertando o escudo do cavaleiro santo, seguido por um estrondoso barulho.

A força do impacto o empurrou violentamente para trás, deixando seu braço dormente. Milaine avançava dando uma sequência de chutes e socos no peitoral da sua armadura – um furacão de golpes verde – A cada soco ele cuspia sangue, a cada chute sentia seus ossos quebrarem. As chamas em sua mão não o queimavam, mas destruíam seu corpo te dentro pra fora.

Aproveitando que seu oponente esta desorientando, o agarrou com as duas mãos e o jogou com sua força monstruosa contra uma rocha próxima. Com o impacto seu rosto se contorcer de dor e caiu de costa na neve, mais isso não era tudo. Milaine mergulhou como uma águia acertando um poderoso pontapé em seu estômago.

A força do impacto soprou para longe a neve, rachando o solo rochoso. O golpe era surreal, estraçalhou a reluzente armadura, destruindo seus orgão internos.

Ele rastejou pelo chão, vomitou tanto sangue que Milaine se perguntava como ainda estava vivo.

“impossível…” disse o cavaleiro santo, tremendo de dor.

“Isso é por ter me chamado de p**a!” Milaine o chutou impiedosamente e cuspiu o chamando de bastardo e porco e continuou xingando toda a linhagem de sua família.

Jackson estava no chão quebrado e humilhado. Milaine destruiu sua armadura com chutes e socos, seu escudo estava rachado.

Markus estava pasmo, aqueles dois estavam além de um humano normal. Eram como guerreiros dos antigos mitos, verdadeiros heróis. Poderosa, charme e magnifica naquela armadura imponente. Se sentiu atraído, sentiu seu coração bater um pouco mais forte por ela. Não de uma forma amorosa, mas, sim admirado por seu poder.

Com ajuda de Liz caminhou até Milaine e a agradeceu.

“Não me agradeça, se quiser agradecer alguém, agradeça meu filho. Ele que nos pediu para vir até aqui salvar você.”

“Me salvar?” perguntou confuso.

Pisando no Santo cavaleiro santo que grunhia de dor, ela falou:

“Meu filho, teve uma visão.” Milaine contou toda história para Markus.”Duvidei um pouco dele, mais aqui esta você, e esse porco bastardo.”

“Então o que ele disse sobre os deuses contarem sobre os atos malignos deles é verdade?”

Milaine e Arthur se entreolharam-se, e riram. Sorrindo ela disse:

“Era uma mentira dele, disse apenas para assustar os cavaleiros, e os fazerem baixar a guardar!” disse Milaine orgulhosa.“Um garoto bem esperto, me orgulho dele!”

Markus começou a rir, um riso triste, um riso misturado as suas lágrimas. Aquele trio o salvou, um milagre improvável tinha acabado de acontecer.

“Bom esta na hora de fazer o bastardo falar!” disse o chutando mais uma vez.“Então me conte sobre seu sacerdote!”

Seu corpo tremia, sentia dores insuportáveis, mas ficou em silêncio.

Ela perguntava e o chutava, socava, mas não falava nada.

Arthur suspirou e disse:

“Liz, cure ele.”disse Arthur de cara fechada.

“O que?” perguntou Liz, franzindo a testa.

“Sem perguntas, apenas faça.” disse em tom mal-humorado, mas ao ver a cara carrancuda de liz acrescentou em tom baixo.“Por favor!”

“Mãe fica atenta, se ele tentar alguma coisa quebre ele.”

Milaine sorriu e disse”Entendido”.

O cavaleiro santo foi curado, e já podia mover seus braços e pernas. Ele não entendia o porque, mas estava apreensivo pelo olhar do garoto. Ele não parava de o encarar, e aqueles olhos cinzentos emitiam um sensação ruim, temia o que ele planejava.

Arthur suspirou e disse:

“Não queria fazer isso, se você tivesse falado não teria que passar por isso.”

Arthur apontou sua varinha para o cavaleiro santo e disse:

“[Congelar]!”– disse Arthur congelado as pernas e braços do Santo Cavaleiro.

Ele berrou, e tremeu violentamente.

Arthur encostou sua varinha na testa dele é recitou:

“Tolo foi ele que desafiou o senhor do medo. Derrotado, foi atormentando eternamente com pesadelos sem fim, viva, chore e sinta a dor dos impotentes. Sinta seu corpo ser rasgado e estraçalhado por mil feras. viva a dor, contemple o medo.[Tormento sem fim]! – Arthur recitou e o cavaleiro santo foi possuído por uma névoa negra horripilante que emanava da varinha, fluindo para a cabeça do cavaleiro que fechou seus olhos e entrou em um estado de sono.

Mas não sonharia, teria um terrível pesadelo, e viveria tudo como se fosse real.

Na noite anterior da partida Allan apareceu e o ensinou essa magia que arrepiou os pelos de seu braço. Ele sabia o que Arthur planejava fazer, e disse:“Caso capturem um deles, e não falar nada, use essa magia. Não resistiram e contaram tudo.”

Tormento sem fim, magia de sexto nível das artes negras. Se possível não usaria, pois ele teria que assistir o sofrimento dele. Mais não tinha escolha, e não hesitou em usar.

Ele e o cavaleiro permaneceram imóvel.

“O que ele fez?” perguntou Milaine.

“Tormento sem fim, é uma magia de sexto nível das artes negras que coloca seus inimigos em um mundo de pesadelos.” esclareceu Liz.“É provavelmente Arthur está dentro de sua mente, assistindo sua tortura, tirando informações dele. Dizem ser a magia da arte negra mais terrível de todas!”

“O que você andou o ensinando?” perguntou Milaine levantando uma sobrancelha.

“Não o ensinei nada, eu não teria a capacidade de usar essa magia que requer tanto poder mágico e controle preciso!” disse com um sorriso auto-depreciativo.

“Se você não o ensinou, com quem ele apreendeu?”

“Não sei Milaine.” balançou sua cabeça e falou:”Uma vez eu perguntei como ele sabia de magias tão avançadas, e ele apenas respondeu “Apenas sei”, e não disse mais nada. É impossível aprender magias avançadas sem a instrução de outro mago, acredito que alguém vem o ensinando sem seu conhecimento.”

As duas ficaram em silêncio, com sorrisos tristes. Markus apenas assistia, não sabia o que falar. Tanto a mãe, como o filho eram impressionante para ele mas o garoto tinha feito seu espírito tremer de pavor como se estivesse diante de um monstro.

Depois de poucos minutos Arthur voltou a si.

Arthur tinha olhos furiosos, cerrando os dentes.

O cavaleiro santo tremia com o olhar de Arthur e chorava como uma criança. Ele viveu o inferno, e sua alma e mente estavam quebrados. Aprendeu com esse pequeno garoto o verdadeiro significado do medo e da dor.

“Então isso são eles? ” o cavaleiro acenou com a cabeça, tremendo e chorando.“Obrigado, cavaleiro Santo!”

Arthur agradeceu, e o congelou completamente e usou magia para quebrar a estátua de gelo, despedaçando em vários pedaços de cristais de gelo. Ele não deve a chance de implorar, é talvez não teria implorado. Depois daquele pesadelo, a morte era tentadora, é assim caiu o cavaleiro santo Jackson Markffal.

Arthur recuperou sua calma e disse:

“Infelizmente ele não sabia muito, era apenas um peão.” disse Arthur para os três.

E os quatros voltaram para a vila.
  4 Parte

Após a épica batalha nas cordilheiras retornaram para vila.

Os três estavam na sala sentando no sofá em silêncio.

Milaine tinha o olhar clinico nele, e logo começaria o interrogatório. Liz apenas bebericava seu chá de ervas doces, fingindo não ter interesse – mas seus ouvidos estavam atentos ao menor ruído.

Milaine seria dura com ele, para obter respostas.

“Como, quando, e com quem você aprendeu essa magia?” questionou Milaine.

Arthur pensou em uma mentira elaborada, mas seu coração pesava com ideia de mentir para ela. Allan nunca disse para manter segredo, mas temia contar para ela.

Ele hesitou em responder, sentindo sua garganta seca disse:

“Allan me ensinou” respondeu hesitante.“As vezes ele aparece para mim e me ensina magia.”

Sua postura e face se quebrou com o nome de Allan. Ela esperava qualquer coisa, menos ele. Allan que tanto amava e sonhava em procurar estava perto. Ela não sabia o que falar.

Com a voz abalada ela perguntou:

“Aonde ele esta?” perguntou com uma voz fraca.

“Não sei, ele aparece e desaparece sem aviso.”

Milaine e Liz ficaram em silêncio.

Foi mais doloroso que Arthur imaginou, não queria ver Milaine naquele estado.

Ela tentou forçar um sorriso.

Liz suspirou e perguntou:

“Tem certeza que era Allan?”

“Seus olhos eram cinzentos como o meu, assim como seu rosto.” respondeu Arthur.“Então acredito que seja ele, de qualquer forma não faz diferença se é ou não.

Liz levantou uma sobrancelha e perguntou:

“Como assim não faz diferença?” questionou Liz.

“Para mim é apenas alguém que aparece a as vezes me ensina magia.” disse indiferente.“Se é ou não meu pai, não me importo. Minha única família é Milaine.”

Arthur não pensava realmente nisso. Queria penas dar um conforto para Milaine.

“Entendo.” disse Liz, ficando em silêncio.

“Obrigado Arthur.” disse com a voz abalada.“Você é meu único consolo.”

Arthur abraçou carinhosamente Milaine.

Depois de encerrar o assunto sobre Allan.

Arthur perguntou o que era aquela técnica que usou contra Cavaleiro Santo.

“Que tipo de magia era aquela?” perguntou Arthur.

“Não é magia, é uma técnica de Qi.” esclareceu Milaine.“Espírito do Guerreiro, só pode ser usada por aqueles que cultivam Qi dentro de si.”

Arthur começou a ficar entusiasmado. Milaine ficou feliz pelo interesse dele.

Como se colocasse lenha na fogueira, continuou a explicação:

“Cada praticante de Qi tem um animal ou entidade que o representa. No meu caso é uma águia, que representa força e agilidade!” disse orgulhosa.“Cada espírito guerreiro tem um efeito diferente, no meu caso aumenta minha força e agilidade, além de ignorar as defesas do inimigo!

Ele finalmente entendeu como ela causou tanto dano no Cavaleiro Santo, mesmo ele equipado com aquela armadura pesada.

“Impressionante mãe, pode me ensinar?” perguntou entusiasmado.

“Acho que é ainda muito cedo, mas não vejo problemas em te ensinar algumas técnicas de Qi!”

Arthur sorriu e falou:

“Mal posso esperar, mãe!” disse sorrindo, sorriso meigo de criança.

Mal podia esperar para apreender as técnicas de Qi. Porém as informações tiradas do Cavaleiro santo ecoava em sua mente. Tinha tropeçado em algo grande, maior do que esperava. Temia que aquilo fosse só a ponta do iceberg.

Arthur teria que ficar mais forte, para no futuro poder sobreviver ao que possivelmente iria acontecer.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 4



15

Índice×

  1. 1
    Nova Vida!
  2. 2
    Liz a Druida
  3. 3
    Batalha nas cordilheiras (1 parte)
  4. 4
    Batalha nas cordilheiras! (2 Parte Final)
  5. 5
    Técnica de Qi? Lilith? Azura? (1 Parte)
  6. 6
      Técnica de Qi? Lilith? Azura? (2 Parte Final)
  7. 7
    AUMDA: Aviso sobre lançamento
  8. 8
    AUMDA: Capítulo 7
  9. 9
       Crise dos elfos negro (Parte 2)
  10. 10
      Crise dos elfos negro (Parte 3 final)
  11. 11
      Ascensão (Parte 1)
  12. 12
       Ascensão (2 Parte final)
  13. 13
    Viajando para as terras desoladas do norte!
  14. 14
    Antes da batalha!
  15. 15
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (1 Parte)
  16. 16
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (2 Parte final)
  17. 17
    Segredo dos elfos negro e planos para o futuro!
  18. 18
    Intermissão
  19. 19
    Três anos depois (1 parte)
  20. 20
    Três anos depois (2 parte final)
  21. 21
    A procura pelos anões!
  22. 22
    Sobre AUMDA e HDUM
  23. 23
    Um monstro chamado Milaine!
  24. 24
    A jovem rainha! (1 Parte)
  25. 25
    A jovem rainha! (Parte 2)
  26. 26
    A jovem rainha! (3 Parte final)
  27. 27
    Reencontro impossível! (1 Parte)
  28. 28
    Reencontro Impossível!(2 Parte Final)
  29. 29
    A caminho de Ryfhel! (1 Parte)
  30. 30
    A caminho de Ryfhel! (2 Parte Final)
  31. 31
    Ryfhel, a mais gloriosa cidade de Arcádia!
  32. 32
    Jantar com a família real! (1 Parte)
  33. 33
    Jantar com a família real!(2 Parte Final)
  34. 34
    Antes do torneio
  35. 35
    Vencedor!
  36. 36
    Intermissão
  37. 37
    Tempo de guerra!(1 Parte)
  38. 38
    Tempo de guerra! (2 Parte)
  39. 39
    Tempo de guerra!(3 Parte final)
  40. 40
    Bloodbath! (1 Parte)
  41. 41
    Aviso importante HDUM
  42. 42
    Bloodbath! (1 Parte)
  43. 43
    Bloodbath! (2 Parte Final)
  44. 44
    Nascimento de um rei demônio!
  45. 45
    Epílogo
  46. 46
    Aviso sobre AUMDA!
  47. 46
    Prólogo
  48. 47
    Nova Vida!
  49. 48
    Arquimago da Névoa Congelante!
  50. 49
    Ars Goetia!
  51. 50
    Aprendendo a lançar feitiços!
  52. 51
    Intermissão
  53. 52
    A Druida! (1 Parte)
  54. 53
    A Druida! (2 Parte Final)
  55. 54
    Duelo Mágico! (1 Parte)
  56. 55
    Duelo Mágico!(2 Parte)
  57. 56
    Duelo Mágico! (3 Parte Final)
  58. 57
    Intermissão 2
  59. 58
    Batalha nas Cordilheiras! (1 Parte)
  60. 59
    Batalha nas Cordilheiras! (2 Parte)
  61. 60
    Batalha nas Cordilheiras! (3 Parte Final)
  62. 61
    Epílogo
  63. 62
    A Cidade dos Aventureiros, Al-Markhen! (1 Parte)
  64. 63
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (2 Parte)
  65. 64
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (3 Parte Final)
  66. 65
    Separação!
  67. 66
    Entrando em Al-Markhen e Curando a Jovem Espadachim!
  68. 67
    Guilda dos Aventureiros! (1 Parte)
  69. 68
    Guilda dos Aventureiros! (2 Parte Final)
  70. 69
    Akai Ito, O fio Vermelho do Destino!
  71. 70
    Intermissão