Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Três anos depois (1 parte)

 

1 Parte

 

Dentro da cabine do navio voador [Adorável morte] Arthur dorme tranquilamente em uma luxuosa e espaçosa cama, grande o suficiente para caber ele e suas companheiras que dormem pesadamente. Fora do navio voador o sol nasceu, aquecendo com os primeiros raios de sol as planícies desoladas e o navio voador que flutua acima das nuvens.

Ele despertou com o nascer do sol, vendo o teto familiar da cabine luxuosa do navio voador. Tão familiar que tinha se tornado sua segunda casa nesses três anos que se passaram desde o inicio da sua longa e tediosa guerra contra os reis bruxos.

Ele sentiu seus braços dormentes e um leve peso sobre seu peito, o motivo era três graciosas mulheres que dormem sem nenhuma vestimenta. No seu braço esquerdo pequenas e suaves colinas pressionando contra seu braço, seus cabelos loiros como o raio do sol era uma bagunça e seu rosto adormecido era uma visão angelical que banhava seus olhos com alegria.

Liz, sorriu ele ao ver o rosto adormecido de sua amada.

No seu braço direito, enterrado no meio de duas montanhas imponentes, cabelos brancos como a neve e longas orelhas élficas que torna aquela figura feminina uma beleza sem precedentes, qual um simples deslumbre de seu sedutor corpo moreno levaria um homem ao delírio.

Nina-gwraig, disse mentalmente enquanto era fascinado pela beleza alienígena de Nina e agraciado pelo agradável aroma de pinheiro que seu corpo emanava.

Em cima de seu peito estava uma garota de corpo delicado e nobre, pele pálida e medias colinas que agraciava os sentidos de Arthur. Seu belo rosto parecia ter sido esculpido no mármore e seu cabelo prateado brilhavam como prata sobre os primeiros raios do sol.

Lilith, disse ele depois de um longo suspiro pesado ao se lembrar de suas atitudes devassas de ontem a noite. Sua personalidade devassa contradiz sua aparência nobre e delicada que mostra perante as pessoas ao seu redor.

Lilith despertou, dois grandes par de olhos dourados sedutores encarou Arthur, que foi hipnotizado por seu olhar paquerador. Ela se ergueu sobre o corpo dele e avançou sem se importar em revelar suas curvas graciosas, levando seus lábios até o pescoço dele e após um beijo carinhoso, gravou suas presas, sugando seu sangue.

Após sua breve alimentação, ela graciosamente lambeu seus lábios vermelhos e disse em um tom jovial e ao mesmo tempo adulto:

“Obrigado pelo café da manhã.”

“Bom dia para você também.” Resmungou ele baixinho.

“Oh, querido após esses três anos você devia estar acostumado com meu modo alternativo de bom dia, você sabe que a primeira alimentação do dia é importante para manter um corpo jovem é saudável!” Disse ela em um tom educado e ao mesmo tempo divertido, enquanto habilmente se esgueirou para fora da cama sem acorda as outras duas garotas e procurou suas roupas entre as várias peças de roupas jogadas no chão de madeira do navio.

Arthur retirou seus braços delicadamente sem acordar Liz e Nina e caminhou até Lilith é abraçou, sentido seu corpo formoso, seguido por um beijo carinhoso.

“Acredito que um beijo de bom dia não seja nada mal.”Disse ela enquanto acariciou o rosto de Arthur, emergindo na sensação de ser abraçada pelo homem que ganhou seu coração nesses três anos.

A princípio foi atraída pelo poder de demon lord de Arthur, mas após conviver dia a dia e travar várias batalhas ao seu lado. Inevitavelmente se apaixonou por ele como demon lord e como Arthur Magnus com sua personalidade libertino.

Após se separar dos braços dele vestiu suas roupas íntimas; um longo vestido vermelho com o emblema de um dragão branco com o triângulo estrelar de Érebo; um cinto branco enfeitava sua fina cintura; cabelo amarrado em um rabo de cavalo e enfeitada com uma tiara dourada ornamentada com jóias.; enfeitou seus antebraços com braceletes de ouro gravados com dragões e em seu delicado pescoço um colar mágico de proteção; finalizando com um par de botas escuros e um manto branco.

Arthur que observou a troca de sua amante só pode soltar um suspiro de fascínio. As vezes ele não acreditava que aquela bela garota o amava e era sua mulher assim como Liz e Nina, cada uma bela o suficiente para fazer reinos travarem guerras por sua beleza.

“Não fique me encarando com esse olhar bobo e vá se trocar!” Lilith o repreendeu, fazendo lembrar que em breve se iniciaria um longo e cansativo dia em que ele como rei teria que discutir seus próximos movimentos com seus generais e dar audiência para seus súditos.

Nunca imaginei que ser rei fosse tão cansativo, pensou ele relembrando dos filmes de sua vida passada. Nos filmes o rei ficava sentando no trono sendo servido por belas mulheres com uvas e vinhos e ria com as palhaçadas do bobo da corte. Mas sua experiência como rei estava sendo totalmente diferente e os únicos momento de relaxamento era na cama com suas três esposas, ou melhor rainhas.É pensar que acabaria me casando com as três e elas me ajudando com meu farto como rei!

Lembrou-se da grande comemoração de casamento a um ano atrás quando ao mesmo tempo se casou com Liz, Lilith e Nina que no começo o tratou friamente mas com o decorrer do tempo acabou aceitando seu sentimentos e tratando Liz como uma amiga é irmã mais nova. Lilith acabou se tornando a irmã mais velha das duas e a que mais ajudou ele em seu farto como rei, como uma nobre demônio do sangue – o que se pode chamar de vampira – ela aprendeu desde cedo etiqueta e a gerenciar os negócios de sua família.

Sem ela seu exército já teria morrido de fome.

Arthur caminhou até o banheiro do quarto e lavou seu rosto, vendo seus rosto alienígena de cabelos brancos e feições élficas, não pode deixar de se estranhar, mesmo após três anos desde sua grande mudança ele não conseguia se acostumar com sua aparência.

As vezes quando estava sozinho ele mudava sua forma para quando ele tinha cabelos escuros e feições mais humanas. Como demon lord, mudar sua aparência não era nada difícil, era como trocar de roupa. Mas para manter sua imagem como rei negro manteve sua aparência de demon lord para inspirar suas tropas.

Após lavar seu rosto, vestiu uma túnica escura que emite um fulgor misterioso; colocou um cinto adornado com várias jóias qual era um cinto de armazenamento; um par de botas e luvas metálicas negras parte de sua armadura dada por Érebo; em sua cabeça uma coroa branca projetando vários espigões de cristal.

Arthur moveu suas seis asas como se tivesse as espreguiçando.

“Tudo pronto, agora falta acordar essa duas.” Disse Arthur vendo as duas belas mulheres enroladas nos lençóis.

“Você exagerou ontem, eles devem estar cansadas.” Disse Lilith com um sorriso malicioso.

“Culpa sua……” Só de pensar na noite animada que tiveram fez ele se sentir um pouco de culpa por estar as maculando durante esses três anos.

É Lilith com sua personalidade devassa acabava tornado as coisas um pouco mais intensas.

Arthur balançou sua cabeça afastando suas lembranças de ontem a noite e acordou Liz e Nina.

Liz esfregou seus olhos e com um sorriso gracioso falou:

“Bom dia amor!” Disse ela com seu sorriso de fada.

“Bom dia, Arthur-gwr!” Disse Nina timidamente e rapidamente começou a se vestir.

Nina vestiu uma bela túnica azulada; cinto negro ornamentado com safiras e diamantes; ombreiras de prata estrelar; braceletes e um par de botas feita de prata estrelar.

Liz ajudou Nina a arrumar seu cabelo fazendo um penteado que combinava com os belos traços de seu rosto e como toque final uma tiara em forma de um dragão mordendo a própria cauda.

Após terminar de se vestir, Nina ajudou Liz a se vestir como se ela fosse uma criança. Liz vestiu uma túnica cor verde vibrante; cinto branco ornamentado com folhas dourada; luvas e um par de botas verde escuro; em seu pescoço um pingente de prata; é enfeitando sua cabeça uma coroa de louros.

Com tudo pronto caminharam pelos corredores do navio voador até um salão cheio de mesas e quebraram seu desjejum com um leve ensopado de verduras, carne de um monstro pássaro, queijo e fatias de pão e uma bebida adocicada feita pelos elfos negros chamado de gwin melys.

Depois de quebrar o desjejum seguiram para broa do gigantesco navio de guerra. Sentada no alto do mastro principal estava Goetia que observava o nascer do sol. Vendo seu pai e suas mulheres desceu rapidamente.

“Bom dia, Pai.” Disse Goetia com uma voz fria, mas diferente de três anos atrás, agora havia um pouco de emoção e calor em suas palavras.

Arthur acariciou sua cabeça e respondeu:

“Bom dia, filha, você já fez corretamente seu desjejum?” Perguntou Arthur como um pai preocupado. Mesmo Goetia não sendo uma filha vindo por meios normais, ele a considerou como filha, nascida da sua magia e pensamento.

“Sim, como pai falou eu estou comendo corretamente.” Respondeu ela com um pouco de orgulho em sua voz.

“Compreendo, uma boa filha, agora vamos descer!”

Arthur, Liz, Lilith, Nina e Goetia desceram do barco voador flutuando até o mar de tendas e construções que se erguiam dando forma a futura nova Lilac. De cima pode ouvir o som de martelar dos ferreiros, o barulho de crianças humanas correndo para lá para cá, enquanto homens e mulheres ex-escravos se levantavam para o inicio de um novo dia de trabalho. Em volta das tendas e construções havia uma enorme muralha e altas torres de madeira com arqueiros elfos negro vigiando os horizontes. Nas muralhas guerreiros humanos, elfos negros e outras raças que se juntaram a Arthur patrulhava em grupos de seis pessoas.

Após a queda das primeiras cidades estados governado pelos reis bruxos, a noticia se espalhou como fogo em uma floresta o que começou um verdadeiro êxodo de massas vindo de todas direções para as planícies desoladas. No começo Arthur ficou preocupado, mas com sua habilidade mental de entrar na mente das pessoas e a ajuda de Goetia descobriram que queriam apenas fugir do governo tirânico dos reis bruxos.

O que era apenas seus 3 mil homúnculos e quase dois mil elfos negros se tornou 200 mil pessoas, o que tornou sua vida difícil. Além de se preocupar com os reis bruxos, precisava se preocupar com comida, água, equipamentos, moradia, saneamento básico entre outros vários problemas.

Com ajuda de Lilith conseguiu administrar e resolver os problemas trazido por 200 mil pessoas. O mais difícil de todos foi conseguir alimentos para tantas pessoas, mas com ajuda da magia de Liz, renovou o solo permitindo a criação de cultivos além dela poder acelerar o crescimento das plantações, resolvendo grande parte do problema de alimentação.

Para sua sorte alguns deles eram artesões, ferreiros, criadores de Kishi – um cavalo demoníaco – e construtores, além de vários escravos fugitivos. Muitos clãs e raças espalhadas pelo norte se juntaram sobe seu estandarte para poderem se vingar dos reis bruxos que vem escravizando seus povos.

Números que aumentava a cada dia.

Sua descida do céu foi recebido por reverência e no coração de toda aquela cidade que estava sendo construída, foi erguido uma grande tenda com a intenção de receber seus súditos e reuniões do conselho de guerra.

Arthur se dirigiu para tenda e sentou-se no trono de prata estrelar, dado por Érebo, para facilitar sua conquista do norte. Trono que contém muitos segredos e poderes ancestrais.

Ao seu lado suas três belas esposas ficaram em pé enquanto Goetia sentou-se no colo de seu pai e todos demais estavam ajoelhados; guerreiros; artesões; cultivadores; e uma longa fila que esperava resolver os problemas que os afligiam.

Um longo dia se iniciaria, após um longo suspiro, ele sorriu e disse com uma voz majestosa:

“Levante-se, meus caros e me contem o que afligem seus corações!”

Todos se levantaram com sorrisos e olhares de gratidão. Apenas por estar diante do rei negro, um rei que ajuda seu povo de maneira ativa era algo nunca visto antes naquelas terras do norte.

Como poderiam olhar para seu rei com gratidão?

Então começou a sessão de Arthur com seu povo.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 18

Categorias