Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

A procura pelos anões!

 

Um grupo de guerreiros e magos sobem as encostas íngremes da montanha negra Tywyll. O sopro forte do vento frio açoitam suas faces como se os tentasse expulsar daquelas montanha amaldiçoada.

Markus colocou sua mão na frente de sua face na tentativas de impedir o vento que fere seus olhos. Na sua frente Milaine caminhava tranquilamente como se fosse imune ao vento e os magos lançavam encantamentos para se proteger. Apesar de todo o vento, caminhavam vigilantes com o caminho íngreme e possíveis monstros que podem estar a espreita, aguardando um momento de descuido para os atacar.

Annúndir os guiava baseado no mapa que receberá de seu brenin, e de acordo com o mapa deveriam estar próximos da entrada da cidade abandonada de Mwynau. Na sua frente era visível o pico enorme da montanha, que já não era mais oculta pelas nuvens escuras, e no solo rochoso, notou o inicio do que uma vez foi as escadaria que levava até a entrada da cidade.

A paisagem foi mudando, pilares caído, enormes blocos de granitos e estátuas quebradas foi se tornando frequente com cada passo do grupo. É gravado na montanha, uma grande fenda escura, adornado por uma inscrição antiga: Mwynau, a mais grandiosa cidade e a mais bela cidade de Arcádia.

É da fenda lamentos dolorosos podia ser ouvido, lamentos causado pelo sopro do vento, mas esse conhecimento não deixava os lamentos menos assustadores.

“Chegamos ao nosso destino, se preparem! Não sabemos o que podemos encontrar lá dentro!” Gritou Annúndir para o grupo enquanto sussurrava encantos mágicos de proteção.

Markus segurou firme suas duas machadinhas [Garras do leão sanguinolento], seus olhos vigilantes contemplava a fenda na montanha, ao invés de chamar de entrada poderia ser chamada de entrada para o abismo. Uma fenda sinistra e tinha o mal pressentimento que se houvesse algo vivo, com certeza não seria um anão.

“Contam as histórias antigas que os anões abandonaram Mwynau durante a marcha de tenebris, será que algum monstro daquela época ainda vive dentro dessa montanha?” Perguntou Rodwen, imaginando que terrível monstro poderia estar vivendo dentro daquela cidade abandonada.

“Vai saber.” Disse Milaine entre os ombros.“Mas, assim que nós entramos, pode apostar que não serão os anões que vão nos saudar!”

O grupo prosseguiu, atentos e ao entrar dentro da fenda na montanha negra sentiu como se fosse engolidos pela escuridão. Os magos criaram orbes de luz, iluminando o local, revelando largas escadarias feitas a partir da rocha da própria montanha, levando-os para as profundezas da terra. Nas laterais da escadaria havia várias inscrições na pedra, exaltando deuses, contando o dia a dia do povo de Mwynau. Sob suas cabeças gigantescas teias de aranhas adornava a paredes da fenda.

Desceram incontáveis centenas de metros, mas ainda não havia o menor sinal do fim da escadarias. Acamparam e revezaram na vigília, descansando em turnos para recuperar suas energias. Magos criaram fogo para aquecer e afastar qualquer coisa que tentasse os atacar, monstro da escuridão temiam a luz, isso era sabido.

Após descasarem o grupo prosseguiu, avançando, avançando, avançando na escuridão interminável. Escuridão que oprimia, enlouquecia, fazendo os desconfortáveis. Desde os tempos antigos a escuridão invocava os medos primordiais dos humanos, monstros, assustadores, poderosos e devoradores de carne humana.

Markus e os guerreiros humanos presente sentiam o medo os abraçando, se infiltrando em cada osso de seu corpo, sussurrando palavras medonhas e pesadelos que poderiam surgir da escuridão. Ele se encolheu em seu manto e segurou com forças suas duas machadinhas, se preparando para as brandir ao menor sinal de perigo.

Uma mão tocou seu ombro, e por reflexo se virou brandindo as duas machadinhas. Seu olhar parecia alucinado, dominado pelo medo, e os dois flashs vermelhos como as presas de um leão desceram sob o que tocou seu ombro. Em um movimento rápido, um espada curvada, prateada, surgiu da escuridão bloqueando as duas machadinhas vermelhas, sedentas por sangue. Rodwen brandia a espada prateada e o vendo suas mãos se tornaram trêmulas, suspirou, e agradeceu por não ter ferido seu companheiro de armas.

Rodwen embainhou sua cimitarra e falou:

“A escuridão e assustadora para os humanos, pois vocês temem o que não conhecem, temem o que pode estar a espreita. Você é sábio em ser vigilante com a escuridão, porém não se deve deixar o medo dominar seu coração. O medo é uma doença silenciosa e aos poucos transformar um homem corajoso em um covarde que teme a própria sombra. Meu amigo, respire fundo e expulse todo medo de seu coração!”

Markus respirou várias vezes, acalmando seu coração frenético e limpou sua mente de seus medos primitivos.Patético, pensou ele.Eu sou patético, como posso me chamar de guerreiro? Enquanto tremo como um garotinho que se enrola nos lençois por temer o escuro!

Ele limpou sua mente e coração, seguindo em frente junto com seu companheiro de armas.

O grupo prosseguiu até ruídos se tornarem frequentes, Milaine levantou sua mão e fez um gesto para o grupo, gesto que significava: ataque de monstros!

Ela segurou sua espada de duas mãos [Assobio] e a brandiu criando uma meia lua de vento cortante que parecia assobiar e ao mesmo instante aranhas gigantes que desciam sob eles caíram, divididas em duas pelo vento cortante da espada.

Os magos conjuraram mais orbes de luz que flutuaram para o alto, revelando várias teias e centenas de aranhas gigantes com quase três metros de altura. Se movendo pelas teias, descendo para as escadarias, iniciando seu ataque, cercando todo o grupo.

”[Bola de fogo]! ”

”[Golpe brutal]! ”

”[Chuva de flechas]! ”

Magos, guerreiros e arqueiros atacaram ao mesmo tempo, lançando bolas de fogos que carbonizavam várias aranhas ao mesmo tempo, espadas que dilaceravam as aranhas gigantes, arqueiros que disparavam sem parar suas flechas que enchiam os corpos das aranhas de flechas.

Milaine pulou no mar de aranhas gigante e gritou:

“Assobie minha espada e desperte do seu sono!” Sua espada vibrou e um névoa verde surgiu da espada, transformando em chamas esverdeadas e um baixo assobio podia ser ouvido vindo da espada em chamas.”[Primeiro corte: Assobio]! ”

Sua espada criou um som ensurdecedor, e todas aranhas dentro de um raio de dez metros foi cortado em inúmeros pedaços, transformando as aranhas em uma massa de carne disforme.

Essa era sua assustadora técnica de espada [Primeiro corte: Assobio], técnica que cria lâminas sônicas! Milaine era um dos poucos espadachins que dominaram as artes do som cortante que são divididos em noves cortes, considerados uma das artes de espada mais poderosas de Arcádia!

Markus seguiu o exemplo de Milaine e pulou em cima do mar constante de aranhas, entrando em modo berserker, desferindo vários golpes de machadinha, um turbilhão vermelho, cortando pernas, rachando cabeças, banhando as escadarias com o sangue viscoso e nojento das aranhas gigantes.

Seus olhos se tornaram vermelhos e todo seu corpo emite uma aura poderosa. Markus ergueu suas duas mãos e a machadinha emitiu um brilho intenso e com um grito, ele falou:

”[Presa dupla do leão sanguinolento]! ” Sua voz era um rugido, as duas machadinhas desceram, rasgando o ar e criando duas ondas vermelhas que cortou tudo a frente.

A luta prosseguiu intensa e as aranhas foi diminuindo até pararem de atacar. Sob a escadaria várias aranhas gigantes e por milagre dos deuses nenhum deles morreram, apenas se feriram e se jogaram no chão, exaustos pela batalha intensa, que durou horas.

Quase todos guerreiros e magos estavam exaustos.

“Não esperava uma festa de boas vindas tão animada!” Milaine gritou em uma gargalhada.

“Espero nunca mais ter uma recepção tão animada.” Markus respondeu, enquanto limpava o suor de sua testa.

“O que você esta dizendo, essa foi apenas o aperitivo o prato principal será servido em breve!” Gargalhou ela e todos a olharam, um olhar com medo.

“O que você quer dizer?” Perguntou Rodwen.

“Há vários anos atrás, minha equipe, dragões dançante, desafiamos o grande labirinto Hynadoll, um dos mais perigosos e antigos de Arcádia. Hynadoll e dividido em cem níveis, quando mais você desce, mais perigoso se torna. Se não me engano, no nível 47 e um ninho de feiticeiras.”

“Feiticeiras?” Perguntou Rodwen.

“Sim, nós as chamamos de “feiticeiras” as mães da aranha que acabamos de matar, percebi no primeiro instante que isso é um ninho de feiticeira, então aconselho a se recuperarem rapidamente e se prepararem para o próximo combate!” Respondeu ela.

Sem dizer mais nada, todos começaram os preparativos para o próximo ataque. Três sacerdotes da legião Protector lançaram encantamentos nos guerreiros e magos, recuperando suas forças e fortalecendo suas defesas.

Depois de breves minutos um grito furioso ecoou por toda escadaria e do alto desceu a “feiticeira” que Milaine mencionou, uma mulher com quatros braços e nove olhos, coberto por uma carapaça negra e sua metade inferior a de uma aranha gigante.

Ela ergueu suas mão e criou uma bola esverdeada, disparando em cima dos guerreiros. Ergueram seus escudos, fortaleceram suas defesas e se prepararam para o choque do ataque….

….Mas assim que a bola esverdeada atingiu os guerreiros, derreteu seus escudos e todas suas proteções defensivas, derretendo e dissolvendo seus corpos tão rapidamente que nem puderam soltar gritos dolorosos.

A bola esverdeada, era uma bola de ácido!

Os guerreiros ficaram assustados vendo a poça borbulhante de carne é ácido que uma vez foi seus companheiros.

“Não tente se proteger do ataque, desviem, desviem, desviem!”Gritou Annúndir para outro grupo de guerreiro que a feiticeira atacou com outra bola ácida. Graças ao aviso dele, o grupo fugiu do ataque e iniciou seu contra ataque, golpeando as várias pernas da feiticeira.

Milaine, Markus e outros guerreiros golpearam as pernas da feiticeira, mas quase não causaram danos, a carapaça da feiticeira era muito mais resistente do que as aranhas gigantes.

A feiticeira criou seis chicotes mágicos de ácido e brandiu acertando inúmeros guerreiros, destruindo suas defesas mágicas, mas não os derretendo como no ataque anterior da bola de ácido. Mas se receberem outro ataque seria o fim deles, então se manterão atentos as chicotadas impiedosas da feiticeira.

Rodwen manteve a distância e mirou na perna gigante esquerda da feiticeira e começou a cantar:

“Senhores espirituais que regem as forças dos espíritos me conceda sua força e transforme minha flecha em uma espiral da morte! [Espiral de flechas espirituais]! ”

Ele disparou uma flecha roxa que se tornou inúmeras flechas espirituais, girando em uma espiral, bombardeando e perfurando a dura carapaça da perna da feiticeira. Ele repetiu o mesmo ataque na perna direita, até ela cair no chão e aproveitando a oportunidade, MIlaine se aproximou com sua espada [Assobio] e usou a técnica de espada [Primeiro corte: Assobio] fazendo aparecer inúmeros cortes sangrentos na dura carapaça.

Markus entrou em modo berserker mais uma vezes, mesmo que significasse colocar um grande fardo em seu corpo, e usou a técnica [Presa dupla do leão sanguinolento] criando um grande corte duplo sobre a carapaça da feiticeira. Magos e arqueiros lançaram seus ataques sob as feridas apertas na carapaça, fazendo a feiticeira soltar um sibilar furioso e ao mesmo tempo soltou um jato venenoso que derreteu as pedras ao redor e dissolveu alguns magos distantes em um poça ácida de carne.

“Tch…Precisamos acabar logo com essa p**a!” Gritou Milaine cobrando para cima da feiticeira. Ele usou mais três vezes a técnica [Primeiro corte: Assobio], causando apenas leves cortes sob a carapaça inferior da feiticeira.

Milaine começou a soar e sentir os primeiros sinais de cansaço.

“Quando enfrentamos a feiticeira no labirinto foi extremamente fácil e não durou nem dez segundos, mas sozinha é diferente e não imaginei que a feiticeira possuísse ataques tão poderosos!” Disse ela para si mesma e pulou nas costas da feiticeira gravou sua espada dentro da ferida aperta e concentrou toda sua força na espada a cobrindo com chamas verdes e gritou:”[Segundo corte: Grito]! ”

A espada vibrou e um grito ensurdecedor provocou uma onda de choque que lançou todos próximos ao chão, um breve grito que durou menos de um segundo, mas o suficiente para fazerem todos atordoados e a feiticeira, cair no chãos, sangrando um sangue ácido por todos orifícios de seu corpo.

Milaine derrotou a feiticeira.

A técnica de espada [Segundo corte: Grito] causa uma breve e intensa onda sonora que atordoa seus inimigos, mas ela usou diretamente no corpo da feiticeira e intensificou a onda sonora com seu Qi, destruindo todos órgãos internos da feiticeira.

“Alguém pode lançar uma cura em mim!” gritou ela com ambos ouvido sangrando, usando a técnica de tal maneira cobrou seu preço, estourando seus tímpanos.

Os sacerdotes e magos tiveram um longo trabalho cansativo curando todos guerreiros. Markus estava também exausto por usar o modo berserker duas vezes em um período curto de tempo.

Após curarem seus ferimentos, Milaine se aproximou de Markus e Rodwen.

“O que você vê?” Pergunto Milaine, apontando para a escuridão a frente.

Ambos franziram a testa e respondeu:

“Não vejo nada além de escuridão.”

Milaine soltou uma gargalhada e falou:

“Eu vejo outros anfitriões a nossa espera, mais ninhos de feiticeiras, espectros, ogros e outros seres que podem apenas viver na escuridão e lá estão todos, nós esperando!”

Markus e Rodwen sentiram suas gargantas secas e perguntaram:

“Você está brincando, certo?”

Milaine apenas riu e não falou mais nada. Manteve seus olhos atentos a escuridão vendo o que ninguém podia ver, para alguém como ela que viveu inúmeras aventuras, e desafiou vários labirintos mortais de Arcádia. Sabia que aquela batalha era apenas as boas vindas e o que esperava no fim da escadaria era algo mais terrível e sinistro do que uma feiticeira.

O prato principal sera servido no fim da escadaria, pensou Milaine.Ou talvez, seja só a entrada?

É assim foi a primeira batalha nas escadarias da entrada da cidade abandonada de Mwynau.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 20

Categorias