Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

A caminho de Ryfhel! (2 Parte Final)

 

 

O sol era imponente sob o céu celeste.

Dois jovens montados em corcéis de guerra, cavalgam pela estrada de terra passando como uma tempestade de vento. Aldeões, comerciante e outros viajantes olhavam impressionados pela alta velocidade dos dois jovens.

Um usava um robe escuro como o pedaço da noite, bordado com fio de prata e adornado com botões requintados com ilustrações e símbolos arcanos. Seu cabelo esvoaçante era da mesma cor da túnica. Os belos traços de seu rosto e os olhos tempestades, era como as de um príncipe saído de um contos de fada.

A jovem do seu lado, era dona de uma beleza feérica. Cabelos loiros ao vento, olhos azuis como duas zafiras brilhante. Vestia uma túnica puro branco bordado com fios de verde e dourados. Em seu magnífico manto azul era adornado com folhas de jade.

Não seria exagero á coroar como rainha da beleza e do amor.

Arthur esporeava seu corcel negro disparando a frente, passando poucos centímetros a frente da pequena fada.

“Não vou perder! Hyaaaaaa!”gritou ela, esporeando seu corcel branco, alcançando o corcel dele.

Os lábios dele se curvaram formando um sorriso malicioso. Arthur desembainhou sua varinha espada, apontando para frente e com um controle delicado e sutil criou um pilar de gelo na estrada de terra. A jovem Liz puxou as rédeas do corcel, mudando de súbito a trajetória, desviando do pilar de gelo.

“Trapaceiro!”gritou ela irritada.

“No amor e na guerra vale tudo, meu amor!” gritou ele em resposta.

Liz perdeu muito a velocidade ao desviar do pilar de gelo. Não conseguiria o alcançar por meios normais.

“Se é assim, então vamos jogar o seu jogo!” Liz apontou seu delicado dedo branco a frente do corcel dele. No mesmo instante irradiou uma luz esverdeada e a frente dele, o chão explodiu, saindo várias raízes adornando de espinhos gigantes.

“[Congele]!” Apenas brandindo sua varinha espada, criou um ar gélido, congelando as plantas a sua frente.“[Quebre]!”

As raízes congeladas se estilhaçou em milhares de pedaços de cristais de gelo, como se fossem pó de diamante. Arthur cavalgou em frente, glorioso, passando pela chuva de cristais de gelo refletidos pelo sol resplandecente.

“Vai te que fazer melhor……” Antes que ele pudesse completar a frase. Sentiu o solo vibrar, no mesmo instante surgiu uma monumental parede de ferro. Magia de quarto nível「Muro de Ferro」, em Arcádia havia poucos magos que poderiam conjurar magia de quarto nível tão casualmente.“Droga, Liz, você está jogando sujo!”

Liz riu gostosamente e falou:

“Oh, não foi você que disse que no amor e na guerra vele tudo?!” zombou ela disparando a frente.

Arthur poderia desviar do muro de ferro, mais perderia muito tempo.Tenho que ganhar essa aposta, pensou Arthur se relembrando da aposta que fez com a jovem Liz. Algumas horas atrás em uma brincadeira casual apostaram quem chegasse primeiro a ponte das almas – uma grande ponte que cruza o rio joki ao redor da capital Ryfhel.

Quando Arthur chegou ao seu antigo lar, vendo as memórias da pequena fada se teletransportou para o local mais próximo da capital Ryfhel. No caminho de volta apostaram quem chegasse primeiro a ponte das almas realizaria qualquer pedido do vencedor.

Quanto mais ele pensava no que fazer com a pequena fada quando vencesse a disputa, maior era seu sorriso lascivo. Por esse motivo Liz tentava ganhar a todo custo, sabia que ele planejava fazer algo extremamente pervertido.

Arthur apontou sua varinha espada, no mesmo instante o ar soprou violentamente. A cada segundo, o ar se tornava cada vez mais gélido, o ar violento circulo ao redor da varinha espada.

“「Sopro de gelo」!”

A varinha espada disparou um sopro de gelo, congelando uma grande parte da monumental muro de ferro. Mas a estrutura era grande e maciça demais para que ele pudesse a congelar.

“「Sopro de fogo」!”

O sopro de gelo mudou para um de fogo abrasador, incandescente, línguas de fogo que aqueciam o metal frio, enfraquecendo o metal criando várias rachaduras no metal duro.

Sopro de gelo e de fogo eram ambas magias de quinto nível, imitações do sopro dos poderosos dragões. Se houvesse um mago assistindo aquela show de magia, com certeza arregalaria os olhos e imploraria para ser seu aprendiz.

Mas ainda não tinha acabado.

“「Vórtice negro」!”

Luz negra veio de todos lugares e se juntaram na ponta da espada varinha. Surgiu uma esfera negra do tamanho de uma bola de basquete. Disparou contra a parede de ferro, assim que a esfera atingiu seu objetivo, o ar vibrou violentamente e explodiu em um vórtice de luz escura.

A parede ferro enfraquecida pelo gelo e fogo, explodiu, a onda de energia negra lançou pedaços de ferro para todo lado. Algum pedaços caíram sob Arthur, mas foram desviados por uma barreia que o protegia. Vórtice negro era uma magia de sétimo nível que humanos somente poderiam sonhar em usar.

A estrada vez uma curva, saindo do bosque, revelando no horizonte distante uma monumental cidade construída no que parecia ser um lago artificial. Próximo estava a ponte das almas ligando as duas planícies separadas pelo gigantesco rio Pike – uma grade fita azul sob o sol, serpenteando até onde os olhos poderiam enxergar.

Arthur passou em alta velocidade por carruagens e viajantes a pé na estrada de terra, levantando poeira.

“Droga o que foi aquilo!”gritou um viajante assustado.

“E-era um garoto montado em um corcel de guerra!” respondeu outro viajante.

“Tsch….Esses garotos esnobes ricos!” resmungou outro.

O solo tremeu violentamente, olhando para traz viram a chegada da deusa da beleza e do amor, cavalgando um corcel branco. Seu cabelo dourado esvoaçante era como ouro líquido sob o sol resplandecente, arrebatando o ar de todos homens na estrada.

O charme que ela exalava não poderia pertencer a nenhuma mulher mortal.

“É uma deusa?”

“Sim, sim, uma deusa!”

“Definitivamente uma deusa!”

Logo aconteceu uma comoção na estrada. Viajante debateram se a jovem montada no corcel branco era a encarnação da deusa da beleza e do amor Sknany. Alguns acreditaram ser apenas uma ilusão de suas mentes, outros que fossem uma sacerdotisa de Sknany.

Arthur estava quase alcançando a magnífica ponte de mármore. Ao lado nas águas do rio se erguia seis estátuas, três de cada lado, cada um representando um rei sábio das eras antigas. As estátuas tinham aproximadamente trinta metros de altura, olhando para ponte como se julgasse todos que passassem pela ponte das almas.

Liz estava a poucos segundos atrás dele, murmurando encantamentos, aumentando a força e velocidade de seu corcel. Porém não havia maneira dela o ultrapassar, Arthur havia usados o mesmo encantamento quanto adquiriu vantagem sobre Liz.

A vitória é minha, pensou Arthur, sorrindo.

Mas, quanto sua vitória era certa, uma carruagem requintada parou e a porta se abriu saindo uma bela jovem de cabelos vermelhos e olhos verdes. Ela entrou em sua frente, cruzando os braços, o encarando com olhar amedrontador.

“Droga, o que essa garota está pensando?!” se perguntou Arthur, puxando as coreia de seu corcel negro. Seu cavalo parou se erguendo sobre as duas patas, relinchando.“Calma, calma, garoto!”

Suas duas patas poderosas desceram sob a terra levantando poeira.

Liz passou por ele com um sorriso zombeteiro, uma cara que dizia:“Você perdeu, idiota!”

Arthur desmontou seu cavalo, caminhando até a garota de cabelos vermelhos flamejantes. Ficou de frente com ela, a encarando com uma cara azeda e falou:

“Você é louca por acaso?” perguntou Arthur furioso.“Que tipo de garota entra na frente de um corcel de guerra? Ah, já sei, uma idiota, sim, uma idiota!”

Seus olhos se arregalaram, seus ombros tremeram, era rugiu:

“Quem você está chamando de idiota? Seu babaca!”

“Ah, tem alguém atrás de você? Não, então é com você mesmo que estou de chamando de idiota, maluca!”voltou a gritar com a garota de cabelos vermelhos.

“Seu babaca, eu vou te ensinar uma lição!” berrou a garota retirando do seu cinto uma varinha vermelho escarlate.“Vou queimar sua língua podre!”

“Oh, quero ver tentar! Maluca!” zombou Arthur retirando sua varinha espada, que lembrava um florete, sua lâmina prata foi coberto por uma densa névoa gélida.

Em uma ocasião normal, Arthur manteria a calma e tentaria acalmar a outra parte. Mas, por causa da jovem de cabelos vermelho, perdeu a grande oportunidade de fazer as coisas mais pervertidas com sua pequena fada.

Poderia Arthur perdoar alguém que o fez perder a corrida e a chance de fazer o que quiser com sua pequena fada?

Definitivamente não, impossível, Arthur perdoar ela, mesmo sendo uma garota.

“Ó, fênix, regente das chamas imortais me conceda seu poder para queimar meus inimigos! 「Fogo de Fênix」!”

Ela apontou sua varinha em direção do Arthur, o ar tremeluziu como um dia quente de verão. Da ponta da farinha surgiu um fabuloso pequeno pássaro de fogo escarlate.

Arthur ficou surpreso por alguns instantes. O fogo que a garota estava usando não era comum, para alguém como ele, que podia ver e compreender o fluxo mágico e as propriedades mágicas do feitiço. Sabia que o fogo não era totalmente mágico, era como se fosse algo natural, como o sopro de um dragão.

Era um enigma para ele como uma garota humana poderia produzir um fogo não mágico.Mas era cantou, pensou perplexo.Deve ser alguma magia de alto nível que eu desconheço, ou ela é algum tipo de monstro em forma humana? Seria a única conclusão plausível.

Arthur recuperou-se da surpresa, de forma casual brandiu sua espada varinha, concentrando a bola de névoa congelante na ponta da lâmina.

“「Bola de névoa congelante」!”

Arthur lançou a bola de névoa congelante em direção do pequeno pássaro de fogo.

“Hump! Babaca, essa magia de gelo de baixo nível jamais irá congelar as chamas da minha fênix!” bufou a garota estufando seu peito orgulhosamente.

As duas magias se colidiram, a pequena fênix de fogo guinchou, quanto foi envolvido pela névoa congelante. No mesmo instante suas chamas morrem, se apagando completamente.

“I-impossível!”disse a jovem com a voz rouca.

“Porque é impossível?” perguntou ele com desdém.“Admito que foi uma surpresa ver essas chamas não mágica, mas quanto comparado com minha magia e o mesmo que comparar uma espada de ferro enferrujado com uma de puro aço, não, aço não, com mithril!”

A jovem de cabelos vermelhos estremeceu ao ouvir a comparação entre suas magias. Magia que sua família e tão orgulhosa tinha acabado de ser insultado pelo jovem a frente. Magia que sua família pesquisou e desenvolveu por várias gerações! Como poderia a jovem não sentir-se enfurecida?

“I-imperdoável!” berrou a garota, com a mão trêmula apontou sua varinha novamente para Arthur.“Ó, fênix regente das chamas imortais, me conceda suas chamas gloriosas! 「Investida da Fênix」!”

Uma fênix maior e mais gloriosa se materializou, disparando com o jovem Arthur. Normalmente a jovem não iria usar uma magia de quarto nível contra um jovem desconhecido, mas ele havia insultado a magia que sua família sangrou e suou, trabalhando duro para desenvolver a mais poderosa magia atributo fogo – fogo de fênix.

Investida da fênix era um segredo da sua família, magia capaz de derreter pedras. Não haveria a menor chances dele poder apagar as chamas da investida fênix.

Arthur soltou um suspiro entendiado.

“É inútil, uma espada de ferro enferrujada chamais irá derrotar uma espada de mithril, apenas se quebrar e dobrar para um poder superior” disse calmamente enquanto a fênix de fogo se aproximava.“「Manopla do Soberano do Gelo」!”

Suas mãos foram engolfadas por um frio anormal, se transformando em gloriosas manoplas de puro gelo cristalino. A varinha espada congelou instantaneamente. se transformando em um enorme martelo de guerra de gelo.

Manopla do soberano de gelo, e uma magia de quinto nível. Porém no momento a magia atributo gelo manopla do soberano do gelo rivalizava com uma magia de sétimo nível!!

Arthur ergueu alto o martelo de gelo, aguardando a magia atributo fogo investida fênix se aproximar, até ficar ao alcance de seu ataque.

“Isso é por me fazer perder aposta! 「Queda glacial」!”

O martelo de gelo desceu como a queda de uma estrela cadente. Toda temperatura ambiente caiu, como se fosse um dia de inverno, então o martelo pressionou a investida fênix contra o chão. O solo tremeu com o impacto, as chamas se apagaram como uma chama fraca de uma vela.

“N-não pode ser……”

Arthur caminhou em direção a jovem perplexa, apesar de sua aparência de um garoto, sua aura era a de um soberano. Não aguentando aquela pressão a garota se afastou batendo as costas na carruagem requintada.

“Princesa Jasmim!” gritou várias vozes vindo da ponte.

Cavaleiros de armadura vermelha, galantes, montados em corcéis brancos se aproximou, ficando entre ele e a jovem garota de cabelos vermelho.

“Bastardo, o que você fez a terceira princesa?” perguntou um jovem de armadura vermelha, ostentando no braço direito o símbolo de uma fênix dourada.

“Eu?” perguntou Arthur com uma cara de inocente.“Estava apenas instruindo ela sobre magia e a diferença de poderes!”

“C-como ousa chamar a terceira princesa de forma tão casual?!” rosnou o jovem de armadura, desembainhando sua espada.“Vou arrancar sua língua fora, insolente!”

A garota estremeceu. Em seus olhos podia imaginar aquele jovem de cabelos negro os esmagando facilmente com seu poder. Ela não sabia quem ele era, mas não poderia ser alguém comum. Por um acaso seu cavaleiro o ferisse e se o jovem diante dela for algum príncipe de outro reino, a responsabilidade do incidente cairia sobre ela.

“Chega, Alex!”gritou ela para o jovem cavaleiro.“É como ele disse, o deixe em paz!”

Ele embainhou sua espada com relutância.

Liz retornou a entrada da ponte após ver de longe todos aqueles viajantes se reunindo. Cavalgando gloriosamente se aproximando do jovem Arthur. Sem desmontar desferiu um cascudo a cabeça dele, e falou:

“O que você está fazendo Arthur?” perguntou Liz, depois voltou-se para a jovem de cabelos vermelhos e perguntou:“Ele estava intimidando você?”

“Ei, porque estou sendo tratado como o vilão aqui?!” protestou Arthur.

“Porque você é um!” respondeu Liz.

“Não, não, está tudo bem!” disse a jovem de cabelos vermelhos vendo a bela garota montada no corcel e tinha certeza de que ele não era um jovem comum.

“Ah, céus peça desculpas a ela e vamos logo para a academia mágica!”

Arthur desenhou um meio sorriso, fazendo uma reverência simples.

“Me perdoe pela grosseria, princesa Jasmim!”disse Arthur com tom formal e se virou montando em seu corcel negro.“Se desejar se instruída novamente, me procure!”

Arthur disparou a frente junto com Liz, enquanto sua risada alta pode ser ouvido a distância. Por mais que ela foi cuidadosa com ele no final, ainda estava nervosa por ele zombar da magia de sua família.

Ela entrou na carruagem com a cara amuada.

“Um jovem interessante!”disse a voz masculina dentro da carruagem.“Não fique chateada minha neta. Não havia a menor maneira de você derrotar aquele jovem.”

“Porquê avô?” perguntou a jovem perplexa.

Seu avô vestia uma túnica vermelha escarlate, com o símbolo da casa real – fênix.

Seus cabelos brancos e as rugas em seus rosto mostravam sua idade avançada.

“A aura mágica dele é como o mar profundo, insondável” disse ele com a voz rouca.”Seu último feitiço「Queda glacial」 e uma magia atributo gelo de sétimo nível usado pelos gigantes de gelo nas guerras antigas.”

Os olhos dela se arregalaram surpresa. Ele invocou uma magia de sétimo nível que é dito ser um reino que humanos normais só podem sonhar alcançar. Não havia a menor possibilidade dela acreditar, mesmo se fosse seu querido avô contando.

“É brincadeira, certo?” perguntou ela incrédula.

“Não, eu também estou surpreso. Lançar magia de sétimo nível, sem cantar……Seu poder real deve ser muito maior do que vemos!” ele coçou seu queixo pensativo.

“Mas, ele parece bastante jovem……Ele é realmente um humano?”

Seu avô não respondeu sua pergunta. Em seu coração se perguntava a mesma coisa, pois quanto viu os olhos cinzento através da janela da carruagem. Ele sentiu um arrepio em suas costas e um medo instintivo, e uma aura de poder ao redor do jovem que faz as pessoas suarem frio.

Se ele fosse um humano, então era alguém que alcançou um reino transcendental na magia.

Com esses pensamentos em mente, decidiu investigar o jovem pelo bem do reino de Ryfhel.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 28

Categorias