Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Ryfhel, a mais gloriosa cidade de Arcádia!

 

 

Quanto viu a capital Ryfhel, quase arrancou seus olhos, pois sabia que nada que visse seria tão gloriosa como a cidade diante de seus olhos. Primeiro se sentiu encantado, facinado pela magnificência da cidade. Depois sentiu vergonha ao se lembrar de sua cidade, sua amada Nova Lilac era rústico e bárbaro.

Ryfhel parece ter sido construída sob um lago artificial, mas logo percebeu seu erro, ao descobrir que era um foço de águas profundas. Três muralhas magníficas rodeavam Ryfhel que parecia ser construída em uma colina. A primeira era de bronze, com vinte metros de altura, a segunda era de prata, com trinta metros de altura. A terceira muralha era de ouro, com quarenta metros de altura, ilustrada com guerras, heróis lutando contra monstros, massacres, animais gloriosos que á muito tempo deixaram de existir.

Na terceira muralha se erguia torres vermelhas finas ostentando o símbolo da fênix e dezenas de outros estardantes que desconhecia. O palácio feito de granito vermelho incrustadas das mais variadas joias, glorioso, ostentando toda sua riqueza.

Liz se divertia vendo Arthur boquiaberto pela magnífica Ryfhel.

“Você nunca me disse que Ryfhel fosse tão bela!”exclamou Arthur ao passar pelo primeiro portão em arco esculpido em forma de duas águias de bronze, e as portas de ferro reforçado estavam abertas como dois braços estendidos.

Guardas de elmos emplumados e armaduras escamadas segurando longas lanças com a ponta pontiaguda feita de um metal vermelho que ele desconhecia. Havia vários comerciantes, viajantes, nobres vindos de longe apenas para contemplar a joia dos reinos centrais – a capital do reino da guerra Ryfhel.

“Se eu te falasse” disse ela com um largo sorriso encantador.“Eu não poderia ter me deliciado com essa sua cara de bobo!”

Arthur riu, envergonhado.

Em toda sua vida conhecia apenas dois lugares. Primeiro foi a pequena região de Boenia aonde cresceu; pequenas casas simples, rodeados por plantações e florestas e as cordilheiras canino branco. O segundo lugar era as terras desoladas do norte; lugar arruinado de céus escuros e florestas assombradas por terríveis monstros. Toda beleza que faltava nas terras desoladas encontrou nessa cidade.

“Nos passamos pelos portões exteriores do primeiro nível. Aqui e aonde os “plebeus”, comerciante e a aliança dos aventureiros e localizada. Naquele canto ali está as dez torres heroicas ocupadas pelas guildas mais poderosa de Ryfhel. Existem guildas menores ocupando pequenas mansões e edifícios.”

Arthur olhou boquiaberto as terras torres heroicas – torres coloridas e esguias que subiam mais alto do que qualquer torre que ele tinha visto. No topo de cada torre ondulava uma bandeira diferente.

“Antes de conhecer você”disse ela com olhos sonhadores.”Meu sonho era formar uma equipe que superasse os dragões dançante e fundar uma poderosa guilda que ocuparia umas das dez torres heroicas. Mas depois que o conheci, tudo parecia tão bobo, e passei a desejar estar ao seu lado e nada mais.”

Arthur aproximou da pequena fada e segura sua pequena e delicada mão.

“Lembra-se que eu te disse naquela noite?” Liz assentiu com a maçãs do rosto avermelhadas.”Minha pequena fada, eu vou realizar todos seus sonhos! Após o torneio dos jovens talentos vamos formar a mais poderosa guilda de Ryfhel e ocupar uma das dez torres heroicas!”

“Arthur……Não precisa se esforçar tanto por mim….”disse Liz com a voz chorosa.

“Qualquer coisa que envolva minha pequena fada, não é esforço algum!”disse Arthur com belo sorriso.“Eu te amo, Liz!”

“Eu também te amo, pirralho!”

Seguiram em seus corcéis em meio a multidão de pessoas até a segunda muralha. O portão em arco do segundo nível era de prata esculpido em forma de dois lobos monumentais.

Liz e Arthur foram parados pelos guardas e foram liberados quando Liz mostrou um cartão da academia mágica Rhyfel.

“Passamos pelos portões intermediários do segundo nível. Apenas nobres, grandes comerciantes, magos e outras autoridades tem a permissão para viver. Mais adiante está a academia mágica Ryfhel regida pelo meu mentor Grã-mestre Lucius Fox.”

Diferente do primeiro nível – um aglomerado de edifícios. No segundo nível passou por inúmeras mansões e praças ocupadas por vários jovens nobres vestindo túnicas coloridas e vibrantes, mantos de animais diferentes e exóticos. Todos acompanhavam Arthur e Liz com olhos curiosos, tentando adivinhar se eram magos ou novos nobres.

Depois de trinta minutos a cavalo chegaram a academia mágica Ryfhel.

Seguiram até os portões elegantes da academia protegida por magos de robes vermelhos equipados com uma leve armadura vermelha, seus peitoral era ilustrados com o símbolo de Toth – o deus da guerra.

Seguravam cajados e na cintura uma espada embainhada. Em volta dos guardas havia um ar veterano que Arthur encontrava em seus companheiro de armas.

Liz se identificou aos magos e prosseguiram sem incidentes. Dentro dos portões, seguiram até o edifício principal – qual lembrava Arthur um palácio de jogos de fantasia. A magia naquele local era rica e densa, jovens meditavam, estudavam ao ar livre. Bestas mágicas invocadas seguiam seus mestres, todos na maioria jovens entre dez a dezessete anos.

“Olha, pessoal não é a mestra Liz?” perguntou um dos jovens.

“É sim, e a mestra Liz, nossa pequena fada retornou!” gritou outro jovem entusiasmado.

“Quem aquele garoto ao lado da nossa fada?” perguntou alguns lançando olhares invejosos.

Arthur abaixou a cabeça em direção aos ouvidos de Liz e sussurrou:

“Se alguém mais a chamar de “nossa fada”, eu vou acabar com a raça desses pirralhos!” disse Arthur mal-humorado.

“Não seja ciumento, meu amor”disse ela com um sorriso.”Todos na academia me chamam dessa forma, e um costume adotado entre os alunos.”

Em menos de um minuto os dois estavam cercados por alunos da academia.

“Ei, ei, ei, essas botas e luvas são feitos de escamas de Lâmia?”

“Uau, a varinha espada dele e feito de puro Mithril! Me venda ela!”

“Que material e feito seu robe? Eu não consigo analisar os componente, me diga aonde você o comprou?!”

Arthur não pensou que teria uma recepção tão calorosa. Metade dos alunos estava concentrado em Liz, enquanto outros mais novos puxavam as mangas do robe de Arthur, tentando chamar sua atenção e obter respostas.

“Que confusão é essa?!”gritou uma voz feminina.

No mesmo instante os alunos sumiram de forma tão ágil, que Arthur ficou impressionado pela velocidade dos jovens.

“Oh, Lady Liz!”exclamou uma senhora de cabelos escuros e olhos castanhos.”Aonde você esteve todo esse tempo? Mandamos várias cartas nos últimos meses!”

Liz desmontou seu corcel e correu em direção da senhora de cabelos escuros, abraçando-a.

“Lady Allis, que saudade!”gritou Liz se enterrando nos seios enormes da maga.”Eu estava ocupada……Em um treinamento especial, veja esse e Arthur o jovem que fui designada a treinar!”

Arthur desmontou seu corcel, reverenciou a maga mais velha e beijou sua mão como manda a etiqueta.

“E um prazer te conhecer, Lady Allis!”

“Oh, que jovem mais educado!”disse ela com uma risadinha.

“Cuidado, Lady Allis! Arthur e pior e mais esperto do que um nobre mulherengo!”avisou Liz afastando a maga mais velha.”Pode nos levar até o Grã-Mestre Lucius?”

“Sim, sim, venha por aqui!”

Arthur e Liz seguiram Lady Allis pela academia mágica, passaram por salas de aulas, laboratórios de alquimistas e subiram vários lances de escadas até chegar ao escritório do Grã-mestre.

Lady Allis bateu na porta anunciando o retorno de Liz e do jovem Arthur. No mesmo instante foram convidados a entrar e Lady Allis retornou a suas tarefas.

“Eu demorei um pouco, mas estou de volta!”disse Liz alegremente.

O escritório do Grã-Mestre era espaçoso com enormes estantes de livros e pinturas de povos antigos e cidades que deixaram de existir. O piso era forrado por uma tapeçaria de cores escuras e em cima da escrivaninha havia vários pergaminhos e sentado na cadeira estava Lucius Fox – um mago de cabelo crisalho, manto negro e corpo robusto.

“Um pouco não é o problema, Lady Liz” disse ele com um olhar afiado.”Mas, desaparecer por três anos sem avisar! Sinceramente, você é digna de meus elogios quanto se tratar em me preocupar…E me irritar.”

Lucius soltou um longo suspiro cansado e falou:

“Arthur eu presumo”disse ele o fitando.”Seus olhos, rosto, tudo lembra meu grande amigo Allan! Venha aqui jovem, deixa eu ver se tão talentoso como seu pai!”

Arthur se aproximou. Lucius segurou sua mão, verificando o poder mágico nas veias do filho de Allan. Através desse simples teste ele e capaz de verificar o tamanho e qualidade do poder mágico no corpo do aluno. Porém, não importa quanto ele analisava, não conseguia acreditar no tamanho do poder mágico do jovem! Era como tentar analisar o que há no fundo de um mar profundo!

“Impossível….Todo esse poder mágico…….”Lucius estava perplexo demais para completar a frase.

“Allan, o treinou”disse Liz.”Ele fazia visitas, o ensinando magias sem o conhecimento de Milaine, Grã-Mestre Lucius, Arthur recebeu treinamento de ambos, seu poder mágico, técnica e inteligência supera qualquer jovem da mesma idade!”

Lucius levou um tempo para recuperar do choque. Não esperava que o filho de seu grande amigo fosse tão poderoso. Melhor do que ninguém sabia da força de todos integrantes dos dragões dançante, especialmente de Allan e Milaine, monstros poderosos que superava todo senso comum. Havia muitos boatos exagerados sobre a equipe lendária, mas os que envolvia os dois, por mais que parecessem mentiras absurdas, estava longe de contar o real poder deles.

O jovem Arthur era como os dois, poderosos, quebrando o senso comum. De certa forma era o esperado quanto se tratava de seus queridos amigos.

“Seu poder mágico e um poço sem fundo……”disse Lucius pensativo.”Preciso ver seu poder com meus próprios olhos, vamos ver como você irá lutar contra o melhor aluno de nossa academia!”

“Tudo bem, Grã-Mestre!”respondeu Arthur.

 

******

 

Arthur e Liz desceram vários lances de escadas e seguiram para o espaço aberto atrás da academia. No local havia outros magos testando magias e duelando, outros simplesmente observando.

Pouco tempo depois Grã-Mestre Lucius apareceu junto com outros magos mais velhos e um aluno com aproximadamente dezessete anos. Para um mago seu corpo era robusto e seu olhar atento, afiado como duas espadas.

“Esse e Benno, nosso aluno mais forte da academia.”

Arthur e Benno, trocaram cumprimentos rápidos e se dirigiram para o centro do espaço designado e aguardaram o Grã-Mestre iniciar o duelo.

“Esse duelo irá definir quem será o representante da academia mágica Ryfhel no torneio dos jovens talentos. Vou ser o juiz do duelo, aquele que desmaiar, ou ficar sem poder mágico perde! Entenderam?”

“Sim!” responderam os dois.

“Comecem!”

Arthur apontou sua varinha espada para o jovem Benno e pensou em que magia de baixo nível usar sem que possa o ferir gravemente. Do outro lado, Benno já conjurava sua magia sem cântico.

“「Bola Relâmpago」!”

Bola relâmpago e uma magia de terceiro nível. Para um jovem como Benno conseguir usar magia de terceiro nível tão jovem era algo só um mago talentoso poderia conseguir fazer.

Mas.

“「Dissipar」!”

Arthur com gesto usou seu poder mágico para anular o ataque do oponente.

“Não pode ser……Magia de anulação!”gritou um dos professores.

“Em tal idade e já consegue usar anulação mágica!”

Para usar anulação mágica era necessário usar um poder maior do que o conjurado e ter bastante controle sob a própria magia. Mesmo para magos experientes era difícil usar anulação mágica durante em uma batalha. Para Arthur conseguir dissipar a magia com tamanha facilidade, seu talento era assustador.

“Acho que é minha vez de atacar……「Sol de gelo」!”

Na ponta da lâmina da varinha espada apontada para o céu surgiu uma pequena bola de cristal azulado. Porém, o vento dançava ao redor da bola de gelo e gradualmente foi aumentando de tamanho, até ficar tão grande que Benno perdeu toda cor de seu rosto.

A bola de gelo gigante caindo do céu em sua direção, era como um pesadelo. Como ele poderia contra atacar tal coisa?!

Benno concentrou todo seu poder mágico em seu ataque mais poderoso:

“「Relâmpago」!”

Todo seu braço reluziu luzes roxas e brancas, a partir da varinha, disparando contra a gigantesca bola de gelo. O ar tremeu violentamente com o choque dos dois ataques, pedaços enormes de cristais de gelos foram lançados para todos lados. Se não fosse pela barreira os alunos que assistiam o duelo, teriam sido esmagados.

“Droga, como alguém com tamanho poder mágico existir?”

Várias gotas de suor se formaram em sua testa. O esforço era tanto para manter a magia, que veias surgiam em seus braços e logo seu poder se esgotou, caindo ofegante com as mãos trêmulas.

Ele olhou para cima e não podia acreditar no que viu. Seu ataque mais poderoso, com todo seu poder, apenas causou um arranhão na superfície do sol de gelo. Sua confiança em seu poder foi quebrado.

“Chega, Benno perdeu o duelo por esgotar todo seu poder mágico!”Declarou o Grã-Mestre Lucius Fox.

Antes que o sol de gelo esmagasse o jovem mago, Arthur usou [Quebre] destruindo a bola de gelo, criando uma chuva de pó de gelo sob toda academia. Todos moradores próximo olharam admirados pelos inúmeros cristais de gelo que lembravam diamantes.

Naquele dia Arthur chocou todos magos presentes.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 29

Categorias