Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Jantar com a família real!(2 Parte Final)

 

 

Após a audiência com o rei Einar. Arthur foi guiado por servos para um segundo salão menor, dominado por uma rica tapeçaria de cores vibrantes. No meio do salão estava uma grande mesa de carvalho escuro. Em cima da mesa estava os mais diversos pratos, mas nenhum era tão chamativo quanto ao enorme javali assado com a maçã na boca, coberto por mel e outras especiarias, e grandes batatas cozidas.

No teto um requintado lustre mágico fornece luz a sala de jantar.

Will sentou-se próximo ao seu pai, rei Einar, enquanto Arthur sentou-se do lado oposto, ao lado da terceira princesa Jasmim Ryfhel Fênix. Ela usava um vestido de seda vermelha e uma tiara de selenita para o cabelo, trançado como a cauda de um dragão vermelho. O vestido tinha mangas compridas, seu pescoço era enfeitado por um pingente de jade.

Seus olhos verdes fitavam seu prato, comendo pequenos pedaços do javali assado. Para sua surpresa ela se comportava como uma nobre e estava estranhamente em silêncio.

Servos entravam e saiam, trocando pratos e servindo outros membros da família real.

“Vossa majestade havia falado de uma proposta?” Arthur peguntou com cautela, cortando um naco do javali.

Rei Einar servia-se de um grande pedaço do javali, com algumas mordidas e um grande cole da taça do vinho, falou:

“Sim, jovem Arthur” confirmou o rei com uma gargalhada rápida.”Mas antes de falar sobre a proposta, quero saber seus reais motivo para se estabelecer em Ryfhel, rei negro!”

Arthur congelou no mesmo instante, ao ser chamado de rei negro. As terras desoladas ficavam a meio mundo de distância, era praticamente impossível descobrir sua verdadeira identidade.

Apenas a pequena fada sabe sobre sua identidade de rei negro.

Um pensamento passou por sua mente, seu rosto se tornou sombrio.

“Acalme-se, rei negro, não fizemos nenhum mal a lady Liz” disse rei Einar.”Não foi difícil descobrir sua identidade como rei negro, após uma investigação detalhada. Há três anos atrás, lady Liz se dirigiu a região de Boenia, ensinar o filho de Milaine, depois disso desapareceu misteriosamente. Mesmo o Grã-mestre Lucius não sabia sua localização. O interessante e que ao mesmo tempo, histórias começou a serem contadas, sobre surgimento de um poderoso lorde demônio, derrotando vários reis bruxos.”

Arthur ficou em silêncio aguardando o fim da explicação. Não acreditava que havia descoberto sua identidade somente com essas informações.

Rei Einar continuou:

“Era apenas uma suspeita, mas, ai você derrotou minha jovem filha, Jasmim, apagando o fogo de fênix, chamas que não podem ser apagadas por magia comum. O grande ancião da família Ryfhel fez algumas pesquisas, descobrindo que o único modo de apagar as chamas de fênix era uma energia igual, ou seja, energia demoníaca.”

Arthur franziu a testa, encarando a jovem Jasmim ao seu lado. Ela não parecia surpresa, diferente do primeiro príncipe Will, que estava confuso, alheio a conversa dos dois reis.

“Como eu suspeitava, a chama de fênix são chamas demoníacas. Não havia percebido a principio, pela energia demoníaca ser fraca, mas depois de vários duelos com a terceira princesa Jasmim, suspeitava de se tratar de energia demoníaca.”

Arthur tomou um gole do vinho. Olhou para todos ao redor, nenhum deles estavam surpresos com exceção do primeiro príncipe.

“Me perdoe, Will” disse Arthur com um sorriso de desculpas.”Não estava o enganando, apenas não havia um modo simples de dizer que seu colega de classe e amigo, na verdade é um lorde demônio. Espero que entende, e continuemos sendo amigos.”

Will estava atordoado.

Arthur voltou sua atenção para o rei Einar, perguntou:

“Se sabia minha real identidade, porque o convide para jantar a sua mesa?”

Rei Einar gargalhou.

“Não é óbvio, rei negro?” perguntou o rei.”Parte de nossa família e meio demônio. Estamos no poder desde a fundação do reino da guerra, porque somos fortes e todas famílias e inimigos nos temem. Porém, com o passar dos séculos a densidade do sangue de demônio fênix está diminuindo, nosso poder nem se comparar com os nossos ancestrais….Se a situação continuar nesse ritmo, as futuras gerações vão ter quase nada da linhagem demoníaca em suas veias….É você pode adivinhar o que irá acontecer quando a família fênix, se não tiver mais o poder das chamas que jamais se apagam.”

Arthur assentiu. Meditava as questões levantadas. Desde seu duelo com a princesa Jasmim suspeitava que havia algo estranho em suas chamas, mas não imaginou que ela fosse meio demônio.

A situação era mais complexa do que inicialmente calculava.

O rei Einar alisou sua barba trançada, pensativo, depois perguntou:

“Quais suas verdadeiras intenções ao se estabelecer em Ryfhel?” voltou ele a perguntar.

“Não tenho intenções de prejudicar o reino” prometeu ele.”A princípio retornei para o reino da guerra, para cumprir o desejo da lady Liz em ajudar o Grã-mestre Lucius Fox, ganhando o torneio dos jovens talentos. Aproveitaria para comprar propriedades no reino, comprar suprimentos para as terras desoladas, e se fosse possível comprar as terras na fronteira com o reino Gronne.”

“Porque exatamente essas terras?” rei Einar perguntou em confusão.”A fronteira com reino Gronne é um território perigoso, atacado pelos exércitos de Lux, e uma questão de tempo, até o reino Gronne cair.”

“Eu estou ciente desse fato, e estou contando com a queda de Gronne, pois nesse exato momento eu vou atacar os exército de Lux, quando vão estar mais fracos. Mas meu objetivo não é as terras de Gronne, mas sim o reino conquistado de Sollunn. A rainha Emma única sobrevivente da família real de Sollunn está sob meus cuidados, prometi a ela, ajudar na reconquista de seu reino.”

Rei Einar estava surpreso pelo verdadeiro motivo de sua vinda para o reino da guerra.

“Então, sabendo sobre minha verdadeiras intenções, o que pretende fazer?” perguntou Arthur.

“Nada” respondeu o rei.”Se deseja aquelas terras, você as terá, se deseja propriedades em meu reino, elas serão suas….Em troca peço que aceite apenas uma condição.”

Arthur franziu a testa, imaginava que condição seria, mesmo assim perguntou:

“Qual é a condição?”

“Em Ryfhel você é o mais jovem arquimago de todos tempos, e o mais poderoso” disse o rei com a voz rouca.”Após o torneio dos jovens talentos eu vou lhe dar o título de nobreza, Warlord, e se você aceitar essa condição, anunciarei a todo reino o casamento da terceira princesa Jasmim, com o jovem talentoso Arthur Magnus, filho de Milaine e Allan, e futuramente anunciarei sua identidade como rei negro e a aliança formada entre nossos reinos. Eu o ajudarei pessoalmente na reconquista de Sollunn, junto com os outros Warlords de Ryfhel.”

Arthur se encostou na cadeira. Não esperava que o rei ofereceria o maior título nobre dentro do reino, Warlord, dados aos generais do reino. Além do título, receberia ajuda do rei Einar, um grande guerreiro de Arcádia, o que facilitária a reconquista de Sollunn. Havia muito o que ganhar aceitando a proposta do rei Einar.

Mas……

Arthur encarou a terceira princesa Jasmim. Ela encarava o prato vazio, seu olhar era distante. Havia muitas coisas que Arthur iria fazer, porém, forçar alguém que não o amar a estar ao seu lado, não era uma delas.

“Me perdoe, Vossa Majestade” disse com cortesia.”Mas devo recusar essa condição, eu tenho três esposas, talvez futuramente uma quarta, a Rainha Emma, amo todas elas. Não seria justo com elas, ou com a própria princesa Jasmim, aceitar uma união apenas por desejar títulos e poder. Não forçaria alguém que não me ama a estar ao meu lado, assim como não posso me unir com alguém que eu não ame.”

Rei Einar soltou um longo suspiro.

“…Entendo, é uma pena, a família Ryfhel está condenada a perecer no futuro. Se vocês se unissem, seus filhos nasceriam com sangue puro de demônio, fortalecendo o poder de nossa Família….Ah, uma pena perder um genro tão formidável!”

“…Eu realmente sinto….”

Jasmim se levantou de súbito. Seus ombros tremeram. Era voltou seus olhos verdes para Arthur, furiosos. Em um instante saltou em cima dele, o derrubando no chão. Jasmim pressionou o joelho contra o peito dele, e apontou uma faca afiada para seu coração.

“Olha aqui seu babaca! Eu estou pouco me lixando se você é a porcaria de um lorde demônio, ou o rei negro, ou o arauto de Érebo” guinchou ela ameaçadoramente.”A questão é quem você pensa que é para recusar a minha mão?”

Arthur estava atordoado pelo evento repentino.

A jovem de cabelos flamejantes estava exalando uma intenção de matar assustadora.

“…Bem você obviamente estava com uma expressão de quem não me desejava….”

Jasmim o interrompeu.

“Eu estava tímida” decretou ela.

“Não, não estava….”

Jasmim pressionou a faca contra o pescoço dele.

“Eu estava tímida” voltou a dizer.

Arthur engoliu em seco. Sabia que se não concordasse com ela, sua garganta seria cortada no mesmo instante.

Mas o que há com essa garota maluca? Pensou Arthur sentindo-se intimidado.

Arthur acenou com a cabeça concordando.

“Agora que sabe que eu estava sendo tímida, você vai aceitar minha mão não vai?” perguntou em um tom que não permite ser contrariada.

Arthur sentia vontade de chorar.

“….Mas eu não a amo, e você não me ama” argumentou ele.

“Vou fazer você me amar” disse ela pressionando ainda mais a faca contra seu pescoço.

Mentirosa, ele queria dizer.

“Como pode ter tanta certeza?” perguntou ele.

“Tenho duas formas de fazer você me amar, a primeira forma é a rápida, a segunda forma é a lenta. Se você recusar minha mão novamente, vou fazer você me amar da primeira forma.”

Arthur estava com um mal pressentimento.

Mas perguntou:

“Se eu recusar, como seria a primeira forma de fazer eu te amar rápido?” perguntou cauteloso.

Jasmim moveu sua faca, desenhando um caminho até seu peito, parando sob seu coração.

“A primeira forma, se trata de eu arrancar seu coração e o mudar, colocando coisas minha dentro dele, depois o colocaria de volta, e você me amaria.”

Arthur ficou pasmo.

“V-você é louca, se arrancar meu coração eu vou morrer!” protestou Arthur.

“Então aconselho a não recusar minha mão novamente, entendeu, rei babaca? Ou vou ter que arrancar seu coração com essa faca? Entenda uma coisa, não é como eu te odeio ou nada parecido. Desde de criança eu sabia que meus pais iriam decidir meu casamento com a melhor opção para a família, nesse caso você é essa melhor opção, então você irá aceitar gentilmente a condição do meus pai, e, agradecerá aos céus por ter eu como sua quarta esposa, seu pervertido maldito, e ainda vem com essa conversa bonitinha que tem que ter amor quando você tem três mulheres? Não tem vergonha na cara te falar aquelas palavras nojenta, seu pervertido……”

Naquele momento Arthur estava sendo abusado verbalmente. Seu coração e mente estava sendo destruído pelo princesa Jasmim.

Arthur sempre achou Lilith ameaçadora demais, e mandona, mas quando comparada com Jasmim, Lilith era um anjo.

Após um longo abuso verbal, Jasmim voltou a perguntar:

“Como vai ser seu lorde demônio lixo, pervertido #@#@#@, vai aceitar a condição do meu pai, ou vou ter que te convencer um pouco mais?” guinchou a terceira princesa Jasmim.

“Não, chega, eu me rendo, eu aceito!” Arthur disse choramingando.

Will assistiu o jovem Arquimago mais poderoso do reino ser abusado verbalmente por sua irmã mais nova. Estava relutante em chamar Arthur para jantar com sua família. Porque seu pai havia condado os planos para Arthur se casar com sua irmã mais nova jasmim. Melhor do que ninguém sabia da verdadeira personalidade de Jasmim e o quão terrível ela pode ser quando está decidida a fazer algo.

Will tremeu ao se lembrar de uma vez quando era criança, quebrou a boneca de Jasmim. Ele passou um inferno na terra até ela o perdoar.

“Sinto muito Arthur” disse Will com um olhar de pena.

“Essa é minha garotinha!” gritou o rei Einar.”Vamos celebrar essa boa notícia! Servos tragam mais vinhos! mais comida! chamem um bardo! Vamos celebrar a futura união de Arthur e Jasmim!””

Servos entraram no salão retirando os pratos antigos, os trocando por novos pratos de comida.

Jasmim abaixou sua cabeça até o ouvido de Arthur e sussurrou:

“Você vai me amar, Arthur” disse ela com uma voz doce, depois com um tom frio completou:”Se não amar, eu arranco seu coração.”

Ela o beijou na bochecha, e o puxo para cima.

“Um brinde a futura união de Arthur e Jasmim!” gritou o rei Einar, erguendo sua taça de vinho.

Sem exceção todo brindaram, até mesmo Arthur.

Assim se teve início a um romance de contos de fadas – ou terror.


Após a celebração Arthur foi gentilmente convidado a passar a noite no palácio real. Estava na varanda do quarto de visitas. O céu estrelado sem nuvens, era adornado com uma imponente lua crescente. O vento morno vindo do oeste, acariciava o rosto de Arthur, curando as cicatrizes em seu coração e mente, feitos pela terceira princesa Jasmim.

Seis belas asas negras cobertas por formações douradas surgiram em suas costas, exalando um fulgor escuro, combinando com a noite estrelada. Para Arthur suas asas eram seu maior orgulho, prova inegável de sua hierarquia racial.

As vezes imaginava como seria sua forma como rei demônio.

Will bateu na porta, Arthur permitiu que entrasse. Vendo as asas de Arthur não pode deixar de ficar impressionado.

“Quem poderia imaginar que meu colega de classe era um lorde demônio!” Will se apoiou na varando vendo os belos jardins e as magníficas mansões do terceiro nível.”Se eu contasse para Melly e Jeny, me tratariam como um louco!”

Arthur riu.

“Quem poderia imaginar que meu colega de classe tivesse uma irmã tão insana!” resmungou, fitando a lua crescente.”Graças a sua irmã, tenho medo de dormir e ela aparecer com uma faca sob meu pescoço!”

Will soltou uma risada rouca.

“Ah, você nem imagina como e crescer com duas irmãs malucas! Para sua sorte não é com a segunda princesa Érica que você irá se casar, ela chegar ser mais intimidadora do que Jasmim, você nem imagina como o pobre marido dela, sofre!”

“Posso simpatizar com você, já quem em breve ela será minha “esposa”, parece que os deuses estão me punindo por ter sorte com as mulheres……Falando em mulheres parece que a lady Melly tem uma queda por você. Não está na hora de responder seus sentimentos?”

Will soltou uma risada impotente.

“Eu e a lady Melly crescemos juntos, me lembro ainda de quando corríamos por aqueles jardins, brincando como duas crianças inocentes……Não acredito que ela tenha uma queda por mim, deve ser apenas o carinho que se sente por um irmão.”

Arthur balançou a cabeça, rindo, e falou:

“Se realmente acredita nisso, és um cego” Arthur disse vendo os edifícios distantes do primeiro nível, e as altas torres heroicas.”Os olhos dela brilham ao ter ver, assim como os seus ao ver ela, você tenta chamar atenção dela olhando para o traseiro da lady Allis…Will vocês estão no último ano, declare seu amor a ela enquanto tem chances, e pare de ser covarde ou eu vou levar ela para meu harém!”

Arthur gargalhou, mais logo parou diante o olhar ameaçador dele.

“Estou brincando, já tenho mulheres demais!” disse rapidamente.

“Você está certo, Arthur! Amanhã vou me declarar a lady Melly!” disse ele com convicção.”Mudando de assunto, como são suas três esposas? E as terras desoladas?”

“Uma delas você já conhece, e lady Liz, minha terceira esposa” disse com orgulho, ao ver o rosto espantado dele.”As outras duas são Nina, rainha dos elfos negros, uma mulher valente e guerreira, dona de uma beleza sem precedentes, e minha outra adorável esposa, se chama Lilith Dephes, determinada e calma nos momentos certos, em outros momentos e como sua irmã…. Ela me ajuda na administração do meu reino, tão bela que me faz suspirar só te pensar nela, se Lilith aparecer em Ryfhel, todos homens arrancariam seus olhos, pois saberiam que não iriam ver nada mais belo……Sobre as terras desoladas, e um lugar perigoso e cheio de lutas, depois do torneio dos jovens talentos vou abrir um portal e viajar de voltar para verificar a situação e matar a saudade, nesse momento vou te levar comigo para conhecer meu reino e as belas mulheres e elfas negras….”

Arthur começou a falara em tom animado sobre as terras desoladas e as mulheres do reino. Pouco a pouco estava mudando sem intenção, o coração e mente do primeiro príncipe Will.

“Oh, parece que os dois estão se divertindo bastante!” disse uma voz feminina familiar.

Will virou o rosto, e o que viu fez seu rosto perder toda cor.

“Jasmim, não….Não é que nós estamos falando mal sobre você….Por favor me perdoe!” Will gritou e correu do quarto, mas, jasmim foi mais rápida acertando um chute no traseiro dele, e fechando a porta do quarto com um estrondo.

Arthur sentiu um arrepio nas costas, ouvindo os passos próximos dela.

“Então meu futuro, marido, me fale mais sobre as mulheres das terras desoladas, estou curiosa para saber o quão inferior eu sou quando comparado a elas!”guinchou Jasmim, se apoiando na varando observando o jardim real.

Arthur controlou seu tremor e falou:

“Não vale apena falar sobre outras mulheres, que jamais vão se comparar com a sua beleza!”

“Babaca, mentiroso, mantenha essa boca cheio de mentiras fechada!” Jasmim resmungou.

Arthur fechou a boca, observando com cautela os olhos verdes dela. Se soubesse que Jasmim fosse uma garota tão intimidadora jamais teria a provocado tantas vezes em seus duelos.

“Por que está calado? Vamos, continue a falar das terras desoladas!”

Arthur contou sobre os arredores da nova Lilac, os projetos de construção, as batalhas contras os reis bruxos, e sobre as cidades estados. Falou sobre os terríveis monstros, e os ambientes extremamente hostil a vida. Falou sobre o povo que habita o mar de areia negra, e o povo dos homens lagarto dos pântanos e outras criaturas estranhas.

Jasmim ouviu tudo em silêncio, imaginando em sua mente as terras estranhas e perigosas do norte. Local em que grandes monstros vagam, e reis bruxos governam. Local aonde uma vez existiu um grande império.

“Quando você abrir o portal, após o torneio que será anunciado nosso casamento, me leve com você. Quero conhecer as terras do norte e seu povo, que será meu povo no futuro. Quero conhecer essas mulher que falou com tanta paixão.” Jasmim soltou um suspiro, caminhou em direção da porta.”Não ouse perder o torneio, idiota, ou será sua morte. Tenha uma péssima noite!”

Ela fechou a porta com um estrondo.

“Esse é meu castigo divino?”Arthur perguntou aos céus.

Arthur havia ganhando uma futura bela esposa, mas, não estava feliz.

Ter um harém nem sempre é sinal de felicidade.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 31

Categorias