Crise dos elfos negro (Parte 3 final)

5 Parte

Não houve som de trombetas ou tambores de guerra. Somente um rugido e depois um show de luzes que nunca se esqueceria.

De pé em cima de um pilar caído, Nina, assistiu a barreira cair perante a poderosa magia do inimigo.

Não pode deixar de prender o ar em seus pulmões e depois de um longo suspiro, agradeceu a Érebo por ser somente a barreira cair e não seu irmãos.

Um pouco de sorte no infortúnio e o que ela pensou no fundo de seu coração.

Com a queda da barreira uma horda de orcs invadiu as ruínas de Lilac. Nina aguardou pacientemente os orcs avançarem e caírem na armadilha preparada por um dos anciões. No canto de seu olho avistou outros irmãos que se moviam silenciosamente por cimas das casas e escombros de Lilac aguardando a horda caí na armadilha.

Não demorou muito tempo para isso acontecer.

avançando como se nada importasse entraram dentro de uma formação mágicas, magia de quarto nível conhecido como [runas explosivas] ativadas assim que o inimigo pisa na formação mágica.

Assim que os primeiros orcs pisaram na formação mágicas, soltou um brilho avermelhado seguido por uma grande *BOOM* irrompendo em um mar de chamas vermelho.

Em uma simples armadilha mais de uma centena de orc foi incinerado.

“Como esperado de um dos anciões!” Disse Nina enquanto sorria e preparava para atacar com seu arco mágico. Ela puxou a corda do arco injetado sua energia mágica espiritual que se transformou em uma seta azul.

Disparou sem hesitar, a seta percorreu uma trajetória perfeita como o vento, acertando a cabeça de um orc que caiu como uma marionete que deve as cortas cortadas.

“Primeiro, segundo, terceiro, quarto….” Sempre que puxava a corda de seu arco um orc caía miseravelmente no chão sem saber como morreu. Se movimentava como um leopardo, disparando suas flechas espirituais derrubando o máximo de orcs que podia.

O fato da maioria dos orcs não estar usando elmos e pouca proteção era uma benção. Caíam aos montes, para serem substituído por uma nova leva de orcs. Era como tentar lutar contra uma nuvem de gafanhotos.

Uma situação completamente desesperadora.

Nina continuou disparando e derrubando orcs até perder a conta de quantos derrubou com suas flechas espirituais.

Não demorou muito tempo para as ruas de Lilac estarem lotadas de corpos de orcs criando assim em alguns pontos, uma pilha de cadáveres que aumentou bastante a moral dos elfos negro.

A situação estava promissora apesar da grande quantidade de inimigos. Nina tinha a esperança que se continuassem a derrubar os orcs iriam conseguir causar uma grande perda as fileiras inimigas a ponto que desistiriam de invadir Lilac.

O que não passava de pensamentos tolos.

A situação mudou com a chegada dos orcs de guerra.

Suas armaduras pesadas repeliam as flechas dos elfos negro e sua alabardas eram mortalmente afiadas. Não eram como os orcs anteriores, esses eram mais esperto e logo notou os elfos negros a espreita e cobraram em suas direções.

Apesar do seu grande tamanho e armadura pesada eram rápidos.

Um deles notou a presença de Nina e cobrou na direção dela apontando sua alabarda mortal. Ela gentilmente o recebeu com uma saraivada de flechas e desembainhou sua cimitarra se preparando para uma luta corpo a corpo.

Sobre olhos humanos era estaria em desvantagem com seu corpo esbelto, quando comparado ao enorme corpo robusto do orc de guerra. Mas nem tudo é como aparenta, Nina era tão forte quando o próprio orc de guerra.

Se não mais forte, depois de assimilar a dragon core sua força praticamente tinha dobrado.

O orc de guerra balançou sua alabarda formando uma linha horizontal. Nina usou sua cimitarra para se defender do ataque.

As duas armas se chocaram e Nina percebeu a grande força física do inimigo, mas, não era um jogo para ela. Nina usou sua cimitarra para jogar a alabarda do inimigo para o lado e aproveitando a brecha avançou como um leopardo e com um simples movimento gracioso de sua mão várias linhas prateadas surgiram acertando o orc de guerra.

Por um momento nada aconteceu, mas logo várias linha sangrentas apareceram no corpo do orc de guerra que impotente, caiu no chão.

Nina acertou vários pontos vitais no corpo do orc, mesmo sendo um corpo robusto como pedra não poderia parar sua poderosa espada.

“Esses orcs vão ser um problema para os outros…”

Com o canto do olhou viu outros irmão em uma batalha difícil contra os orcs de guerra.
Nina embainha sua cimitarra e apontou seu arco para os orcs de guerra.

“Espíritos dos vento e da água, tragam a potencia dos trovões e raios, perfurando os corações dos seres de carne! [Setas relâmpagos]! ”

Nina disparou uma seta relâmpago atrás da outra mirando em todos orcs de guerra. Se fosse uma seta normal não teria efeito sobre os orcs de guerra, mas com as setas relâmpagos era diferente. Como esperado cada seta atingiu em cheio os orcs de guerra, os eletrocutado até a morte, espalhando o cheiro nauseante de carne queimada.

“Sejam cuidadosos com os gradões, eles são mais fortes do que os outros orcs!” Avisou Nina para seus irmão elfos negro.

Eles assentiram com um sorriso grato em seus rostos cansados.

O tempo foi passando e a situação continuou, ficando cada vez pior. Para cada orc que caia outro assumia seu lugar, mesmo com a perda de tantos não paravam de vir em ondas cada vez maiores.

O cansaço e desespero estava nos olhos de todos elfos negro. Muitos viram seus amigos e amantes morrerem. Diferente dos orcs, para os elfos negro cada perda era importante. Todos cresceram e viveram juntos como uma família, eram ligados ao um nível emocional profundo que nenhuma outra raça poderia entender.

Rodwen estava próximo de Nina, lutando bravamente, se lançando contra as ondas de orcs. Suas ações heróicas inspiraram os elfos negro que perderam seus amigos e amantes. Seus gritos eram como tambores de guerra e suas espadas como a morte encarnada. Sua fúria era assustadora a ponto de fazer muitos orcs correrem com o rabo entre as pernas.

Matar um elfo negro era como pisar na cauda de um dragão adormecido. Uma vez que acordasse quase nada o pararia. Mesmo o cansaço não poderia parar a fúria daqueles que perderam entes queridos.

A horda foi recuando, suas perda passavam das casas dos dez mil.

Todos estavam em seu limite não aguentariam uma próxima investida.

Naquele momento um dos anciões apareceu.

“Todos recuar, vão para dentro do templo!” Gritou para que todos escutassem.“Annúndir encontrou uma forma de derrotar esse grande inimigo!”

As palavras do ancião foi como uma luz na escuridão. Desde o começo sabiam que era um luta na qual não poderiam vencer. Mas agora era diferente, surgiu uma esperança que poderia os salvar.

Movidos por aquele fio de esperança recuaram junto com o ancião para dentro do templo que era protegido por uma barreira.

Quando Nina entrou no templo se deparou com todos anciões em um circulo ao redor de uma grande formação mágica. O circulo mágico era complexo, mas ela tinha certeza de uma coisa; magia antiga.

Pelos padrões e símbolos da formação magica, Nina, percebeu de que se tratava de uma magia antiga de invocação.

Mas o que iriam invocar?

Magia antiga era usada antes da queda do império. Uma magia difícil de usar e perigosa. Uma magia mais poderosa do que magia comum e magia espiritual, mas como tudo tinha um preço a se pagar.

No caso da magia antiga o pagamento era parte da energia vital do mago.

Nina lançou um olhar triste para o ancião do seu lado e perguntou:

“Que tipo de magia antiga estão usando?”

Um tênue medo brilhou nos olho do ancião e falou:

“Annúndir encontrou na biblioteca antiga uma magia usada em momentos de crises pelos nossos ancestrais….A mesma magia que trouxe o Rei demônio Baltazor a esse mundo, magia de invocação demoníaca!”

Todos que ouviram as palavras do ancião imediatamente ficaram pálidos.

Na quarta era do caos quando a capital imperial estava prestes a cair, em um momento de desespero usaram magia antiga poderosa chamada de [Invocação demoníaca] que trouxe ao norte um pesadelo do qual jamais esqueceriam: O Rei demônio Baltazor.

Sua chegada a esse mundo destruiu o exercito inimigo, junto com as terras do norte. Até hoje era visível a marca da passagem de Baltazor por esse mundo, as planícies desoladas eram uma prova inegável dessa verdade.

“O-oque vocês estão pensando?!” Nina não pode deixar de gritar, como não poderia? Só de pensar no nome Baltazor era o suficiente para fazer qualquer elfo negro tremer de medo.

“Annúndir falou que não tem força o suficiente para invocar Baltazor…. No máximo poderiam invocar um lorde demônio…” DIsse o ancião que tinha um olhar complicado em seu rosto.

“Mesmo assim, um Lorde demônio seria o suficiente para por pra baixo toda Lilac! Naquela época o preço por invocar Baltazor foi a vida de centenas de cidadão do império! Quantas vidas você acha que esse demônio ira cobrar por nós ajudar?! ”

Não se podia chamar de bom senso querer repetir os mesmo erros do passado, mesmo que fosse seu avô tentando realizar a invocação demoníaca. Para Nina só poderia ver como um ato desesperado e imprudente.

O ancião balançou a cabeça melancolicamente e falou:

“Você não entende, não entende nada….”Ele suspirou, hesitou por um momento então contou:” Em baixo de seus pés há um segredo que é somente conhecido por nós anciões. Desde que a profecia foi realizada, em segredo foi criado algo que irá ajudar a criança da profecia quando assumir o papel como nosso rei….Não posso falar o que é, mas saiba que se o que protegemos por milênios cair nas mãos do Rei bruxo Ulundir, o futuro de todos as raças livres de Arcádia será sombrio!”

Nina podia ver um medo profundo nos olhos do ancião.

…Mas o que eles vem protegendo por tanto tempo? Pensou Nina enquanto olhava para as costa de seu avô.

Não falaram mais nada e apenas ficaram em silêncio aguardando ao termino do ritual de invocação demoníaca.

Parte 6

Grandes gotas de suor percorria a face de Annúndir pelo enorme esforço em estabelecer a formação mágica.

No rosto de seus colegas havia o mesmo sinal de cansaço.

O ritual de invocação demoníaca não era algo fácil de realizar. Havia requisitos, o primeiro era o estabelecimento de uma formação mágica. Poderia parecer uma tarefa fácil se vendo de fora, mas, a verdade era que a formação mágica era complexa.

Um erro e seria o fim de todos.

A segunda condição era ter um lugar em que no mínimo dez mil seres vivos foram mortos, o que normalmente seria uma tarefa quase impossível. Mas com a luta acontecendo iria facilmente cumprir com essa condição.

Terceira condição era dar metade da energia vital para a formação mágica para estabelecer uma conexão com o demônio e o invocar no local.

Annúndir sabia que não tinha força o suficiente para invocar um demônio nível rei como Baltazor. Com sua força atual poderia invocar um lorde demônio se tivesse sorte.

…Apenas desejo que conseguimos proteger nosso povo, mesmo que seja as custa de minha própria vida! Pensou Annúndir enquanto continuava cantando a invocação demoníaca.

No inicio pensou em lutar contra o exército inimigo com todas suas forças, uma vez usado a arte da transformação poderia destruir grande parte do exército inimigo. Mas logo desistiu da ideia quando se lembrou do Rei bruxo Ulundir, senhor da morte.

Mesmo que ele levasse metade do exercito, o rei bruxo poderia facilmente usar seus corpos para invocar mortos-vivos.

Pensou em vária maneiras de lidar com a situação atual, mas, nada poderia os salvar de Ulundir.

Somente uma coisa poderia salvar seu povo, magia antiga.

….Use fogo contra fogo, pensou Annúndir.Para derrotar um lendário rei bruxo seria necessário um herói, como isso não é possível então que seja um demônio!

O ritual continuou por vários minutos até finalmente ser finalizado.

A formação mágica emitiu luzes multicoloridas e ar em volta começou a distorcer e todas luzes em volta pareciam ser sugados pela formação mágica. Então a formação mágica explodiu em uma onda negra fazendo o templo tremer violentamente.

Todos olharam para a formação mágica é o que estava lá era um jovem….

Um silêncio mortal caiu sobre o templo, ouvindo apenas os rugidos furiosos dos orcs do lado de fora e o canto do jovem nu.

“~ ♫ La~ ♫ La~ La….” O jovem que foi invocado cantarolava enquanto jogava um caneco de água em seu corpo.

Ele tinha 180 centímetro de altura, pele branca como mármore polido e longos cabelos negros com um tênue brilho azulado. Apesar da situação estranha algumas mulheres não podiam deixar de se sentirem atraídas pelo jovem.

Ele não parecia ter notado o que acabou de acontecer e assim que abriu os olhos, cobriu imediatamente suas partes intimas expostas.

“Huh?!….Caramba aonde estou?” Perguntou o jovem confuso, depois de alguns instantes acenou com a cabeça como se suas dúvidas foram respondidas.“Entendo…Então é isso……Foi vocês que me invocaram?”

Annúndir estava paralisado não por medo, mas por que não entendia o que tinha acontecido. Todas condições foram completadas e não sabia dizer aonde errou. Era para ele ter invocado um lorde demônio e não um jovem garoto.

Annúndir suspirou pesadamente, por sua causa o segredo escondido embaixo das ruínas cairia nas mãos do rei bruxo Ulundir.

No momento em que tudo parecia perdido os olhos do jovem brilharam.

“Ohhh vocês escondem algo interessante no subterrâneo……Interessante…” Falou o jovem com um olhar animado.

“Impossível!! Como você pode ver o que esta no subterrâneo?! Existe várias camadas de magias de camuflagem e de proteção!” Annúndir não pode deixar de escapar um grito de descrença pelo segredo que vem sendo protegido visto tão facilmente. Se ele não soubesse do segredo nunca imaginaria que existisse algo escondido no subterrâneo.

“Algo desse nível não é nada!” Ele riu friamente e lançou um olhar para Annúndir que naquele momento percebeu seu erro. Ele tinha julgado como um jovem normal, mas era impossível para a magia antiga ter falhado.

Só havia uma possibilidade.

“V-você é um Lorde demônio? Perguntou Annúndir.

“Hummm……Sou apenas um simples meio demônio……Alguém pode me arranjar roubas? Mas sinceramente que lugar deprimente é esse? Por que me invocaram enquanto eu tomava banho? Sabia que em meu mundo isso é chamado de sequestro?”

Todos foram repreendidos pelos jovem meio demônio que visivelmente estava se divertindo com a situação. Annúndir não sabia como reagir as reclamações do jovem.

Depois de serem repreendidos por vários minutos, o jovem se acalmou depois de receber uma túnica verde musgo que serviu bem em seu corpo.

Se não fosse pelos olhos cinzas e orelhas pontudas pensariam que fosse um humano comum.

“Humm…Então aonde estou e qual o motivo para me invocarem?” Perguntou ele com um olhar sério mostrando que não estava brincando.

Annúndir contou sobre o local que estavam e sobre o exercito que invadiu Lilac, não omitiu nenhum detalhe sobre a força dos inimigos.

“C-compreendo….Mais de cem mil……”Naquele momento um sorriso malicioso surgiu em seu rosto e seus olhos pareciam vibrar de emoção.” Ohh entendo, entendo, se eu te oferecer todas essas almas…”

Annúndir ficou confuso vendo o jovem meio demônio falando consigo mesmo.

“Eu vou cuidar do exercito orc….Apesar que posso acabar destruindo alguns edifícios em volta, tudo bem?”

“Desde que esse templo fique em pé, você pode destruir tudo em volta!” Disse Annúndir revelando um pouco de alegria.

Ele andou em direção a frente do templo, com cada passo uma aura lilás começou dançar em volta do jovem meio demônio e de repente emanou uma poderosa aura mágica o suficiente para deixar todos no templo tremendo pela terrível pressão que o jovem emanava.

Era como se fosse uma pessoa completamente diferente.

“Pode me dizer seu nome?” Perguntou Annúndir.

“Me chamo Arthur Magnus!” Disse Arthur, virando o rosto revelando um par de olhos negros aonde três estrelas roxas formaram um triângulo invertido.

Vendo aqueles olhos,  Annúndir e todos em volta caíram de joelhos com rostos pálidos, como se tivessem visto um fantasma.

O templo foi dominado por um silêncio opressor até Annúndir dizer as palavras que todos estavam pensando.

“Esses olhos….O triângulo estrelar de Érebo….Sinal da criança da profecia!”

Não importa se foi jovens ou velhos, todos se aproximaram formando um círculo de elfos negro em volta de Arthur tocando seu rosto enquanto choravam em felicidade.

A vigília tinha terminado, a profecia se cumpriu, a criança da profecia apareceu.

Surgiu o rei dos elfos negro.

Comentarios em AUMDA: Capítulo 9



15

Índice×

  1. 1
    Nova Vida!
  2. 2
    Liz a Druida
  3. 3
    Batalha nas cordilheiras (1 parte)
  4. 4
    Batalha nas cordilheiras! (2 Parte Final)
  5. 5
    Técnica de Qi? Lilith? Azura? (1 Parte)
  6. 6
      Técnica de Qi? Lilith? Azura? (2 Parte Final)
  7. 7
    AUMDA: Aviso sobre lançamento
  8. 8
    AUMDA: Capítulo 7
  9. 9
       Crise dos elfos negro (Parte 2)
  10. 10
      Crise dos elfos negro (Parte 3 final)
  11. 11
      Ascensão (Parte 1)
  12. 12
       Ascensão (2 Parte final)
  13. 13
    Viajando para as terras desoladas do norte!
  14. 14
    Antes da batalha!
  15. 15
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (1 Parte)
  16. 16
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (2 Parte final)
  17. 17
    Segredo dos elfos negro e planos para o futuro!
  18. 18
    Intermissão
  19. 19
    Três anos depois (1 parte)
  20. 20
    Três anos depois (2 parte final)
  21. 21
    A procura pelos anões!
  22. 22
    Sobre AUMDA e HDUM
  23. 23
    Um monstro chamado Milaine!
  24. 24
    A jovem rainha! (1 Parte)
  25. 25
    A jovem rainha! (Parte 2)
  26. 26
    A jovem rainha! (3 Parte final)
  27. 27
    Reencontro impossível! (1 Parte)
  28. 28
    Reencontro Impossível!(2 Parte Final)
  29. 29
    A caminho de Ryfhel! (1 Parte)
  30. 30
    A caminho de Ryfhel! (2 Parte Final)
  31. 31
    Ryfhel, a mais gloriosa cidade de Arcádia!
  32. 32
    Jantar com a família real! (1 Parte)
  33. 33
    Jantar com a família real!(2 Parte Final)
  34. 34
    Antes do torneio
  35. 35
    Vencedor!
  36. 36
    Intermissão
  37. 37
    Tempo de guerra!(1 Parte)
  38. 38
    Tempo de guerra! (2 Parte)
  39. 39
    Tempo de guerra!(3 Parte final)
  40. 40
    Bloodbath! (1 Parte)
  41. 41
    Aviso importante HDUM
  42. 42
    Bloodbath! (1 Parte)
  43. 43
    Bloodbath! (2 Parte Final)
  44. 44
    Nascimento de um rei demônio!
  45. 45
    Epílogo
  46. 46
    Aviso sobre AUMDA!
  47. 46
    Prólogo
  48. 47
    Nova Vida!
  49. 48
    Arquimago da Névoa Congelante!
  50. 49
    Ars Goetia!
  51. 50
    Aprendendo a lançar feitiços!
  52. 51
    Intermissão
  53. 52
    A Druida! (1 Parte)
  54. 53
    A Druida! (2 Parte Final)
  55. 54
    Duelo Mágico! (1 Parte)
  56. 55
    Duelo Mágico!(2 Parte)
  57. 56
    Duelo Mágico! (3 Parte Final)
  58. 57
    Intermissão 2
  59. 58
    Batalha nas Cordilheiras! (1 Parte)
  60. 59
    Batalha nas Cordilheiras! (2 Parte)
  61. 60
    Batalha nas Cordilheiras! (3 Parte Final)
  62. 61
    Epílogo
  63. 62
    A Cidade dos Aventureiros, Al-Markhen! (1 Parte)
  64. 63
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (2 Parte)
  65. 64
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (3 Parte Final)
  66. 65
    Separação!
  67. 66
    Entrando em Al-Markhen e Curando a Jovem Espadachim!
  68. 67
    Guilda dos Aventureiros! (1 Parte)
  69. 68
    Guilda dos Aventureiros! (2 Parte Final)
  70. 69
    Akai Ito, O fio Vermelho do Destino!
  71. 70
    Intermissão