Intermissão 2

Arthur teve um sonho que não era um sonho. Um pesadelo que não era pesadelo. Uma visão que não era uma visão.

Sonhou com uma grande catedral de mármore branco enfeitada de flores, ilustrações e estatuas de santos ao longo da catedral. O local exalava um ar de paz e harmonia. Um local santo. Até quando pessoas de mantos brancos bordado com o simbolo do sol envolto por asas, apareceram. Eram homens, mulheres e crianças. Todos com sorrisos alegres, mas tinha algo estranho neles. Seus olhos pareciam mortos, sem cor, sem vida, como se fossem controlados por algo.

Um sacerdote velho, costas encurvadas pelo tempo, vestia um manto que emitia um tênue brilho branco, começou a falar alegremente. Palavras distorcidas, de loucura, contradizendo aquele local de aparência santa e imaculada. Não, não era apenas palavras loucas, era um canto, um canto sinistro é maligno.

As pessoas tiraram adagas de seus mantos, e soltaram risos loucos, risos histérico de gelar o sangue. Um homem gravou a adaga no coração de uma mulher, e uma criança cortou a garganta de uma outra perto. É assim um matou o outro, embebendo o chão da catedral de sangue e corpos mutilados.

O velho sacerdote se aproximou com um jarro dourado e o encheu com sangue da loucura ocorrida ali. Caminhou até grande estatua e com dedo pingando sangue, desenhou o simbolo do sol envolto de asas, dentro de uma formação mágica complexa e maligna. Erguendo o jarro se banhou em sangue e voltou a cantar loucamente.

A estátua foi envolto por uma aura de sangue, e essa aura entrou dentro do sacerdote pela boca como se tivesse o possuindo. Quando a aura parou de fluir para o sacerdote, ele já não era mais um velho. Era jovem e forte, cabelos loiros, de aparência elegante que encantaria qualquer mulher.

― O ritual foi concluído!― gritou o sacerdote que expressava um sorriso distorcido, cheio de loucura e maldade.

Ele estava alegre, dançando como uma criança em cima dos corpos. De repente ele parou, olhou a sua volta como se procurasse algo. Seus olhos dourados pareciam ter fixado na direção de Arthur.

―Temos um curioso! ― disse o sacerdote calmamente. ―Cavaleiros peguem ele!

Vários cavaleiros de armaduras prateadas, rostos escondidos por máscaras de ouro, surgiram de vários cantos da catedral como se fossem fantasmas. Correram na direção de Arthur, por um momento ficou assustado, até eles passarem correndo por ele. Olhando para trás viu um cavaleiro de cabelo vermelho, fugindo com o rosto apavorado. Passando pelas portas douradas da catedral, até desaparecer de sua vista.

Arthur voltou sua atenção para o sacerdote, mas ele não estava mais lá, e nem os corpos ou sangue. Ele olhou em volta, e deu de cara com o sacerdote andando em círculos ao seu redor, observando com olhos dourados sinistros.

Ele parou de andar e como se pudesse o ver falou:

― Sei que está ai! ― disse o sacerdote num tom calmo. ―Não sei quem é, ou por que está aqui. Mas saiba que um dia eu te encontrarei e me banharei com seu sangue, mas antes caçarei todas pessoas que conheceu e farei sofrerem uma dor que nunca sonharam. Tudo em sua frente, sofrendo lentamente até implorarem por suas mortes.

Todas suas palavras tinham um tom calmo, porém Arthur sentiu uma maldade sem limite escondida em cada palavra. Arthur não sentiu medo de suas ameaças, mas sentiu algo queimando dentro de si, um ódio irracional como se o sacerdote fosse seu inimigo natural.

Arthur não sabia se o sacerdote podia ouvir suas palavras, mas ele disse num tom gélido e afiado como a lâmina de uma espada:

― Eu serei o único que te caçara! Eu serei o único que irá banhar-se em seu sangue, destruindo tudo que planejou, tudo que é importante, você vivera temendo a própria sombra! Um dia você estará na minha presença, de joelhos, implorando por sua vida!

A máscara de pessoa calma caiu, e seu rosto estava distorcido de fúria. Seu corpo tremia e seu olhos tinha um brilho de loucura. Assim terminou seu sonho que não era sonho. Pesadelo que não era pesadelo. Visão que não era visão.

Arthur havia Guardando bem o rosto do sacerdote em sua mente, pois um dia ele iria atrás daquele homem, nesse dia Arthur o mataria.

Comentarios em AUMDA (Reescrito): Capítulo 11



15

Índice×

  1. 1
    Nova Vida!
  2. 2
    Liz a Druida
  3. 3
    Batalha nas cordilheiras (1 parte)
  4. 4
    Batalha nas cordilheiras! (2 Parte Final)
  5. 5
    Técnica de Qi? Lilith? Azura? (1 Parte)
  6. 6
                                  Técnica de Qi? Lilith? Azura? (2 Parte Final)
  7. 7
    AUMDA: Aviso sobre lançamento
  8. 8
    AUMDA: Capítulo 7
  9. 9
                            Crise dos elfos negro (Parte 2)
  10. 10
                                          Crise dos elfos negro (Parte 3 final)
  11. 11
                                            Ascensão (Parte 1)
  12. 12
                                        Ascensão (2 Parte final)
  13. 13
    Viajando para as terras desoladas do norte!
  14. 14
    Antes da batalha!
  15. 15
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (1 Parte)
  16. 16
    Batalha de um demon lord e um rei bruxo! (2 Parte final)
  17. 17
    Segredo dos elfos negro e planos para o futuro!
  18. 18
    Intermissão
  19. 19
    Três anos depois (1 parte)
  20. 20
    Três anos depois (2 parte final)
  21. 21
    A procura pelos anões!
  22. 22
    Sobre AUMDA e HDUM
  23. 23
    Um monstro chamado Milaine!
  24. 24
    A jovem rainha! (1 Parte)
  25. 25
    A jovem rainha! (Parte 2)
  26. 26
    A jovem rainha! (3 Parte final)
  27. 27
    Reencontro impossível! (1 Parte)
  28. 28
    Reencontro Impossível!(2 Parte Final)
  29. 29
    A caminho de Ryfhel! (1 Parte)
  30. 30
    A caminho de Ryfhel! (2 Parte Final)
  31. 31
    Ryfhel, a mais gloriosa cidade de Arcádia!
  32. 32
    Jantar com a família real! (1 Parte)
  33. 33
    Jantar com a família real!(2 Parte Final)
  34. 34
    Antes do torneio
  35. 35
    Vencedor!
  36. 36
    Intermissão
  37. 37
    Tempo de guerra!(1 Parte)
  38. 38
    Tempo de guerra! (2 Parte)
  39. 39
    Tempo de guerra!(3 Parte final)
  40. 40
    Bloodbath! (1 Parte)
  41. 41
    Aviso importante HDUM
  42. 42
    Bloodbath! (1 Parte)
  43. 43
    Bloodbath! (2 Parte Final)
  44. 44
    Nascimento de um rei demônio!
  45. 45
    Epílogo
  46. 46
    Aviso sobre AUMDA!
  47. 46
    Prólogo
  48. 47
    Nova Vida!
  49. 48
    Arquimago da Névoa Congelante!
  50. 49
    Ars Goetia!
  51. 50
    Aprendendo a lançar feitiços!
  52. 51
    Intermissão
  53. 52
    A Druida! (1 Parte)
  54. 53
    A Druida! (2 Parte Final)
  55. 54
    Duelo Mágico! (1 Parte)
  56. 55
    Duelo Mágico!(2 Parte)
  57. 56
    Duelo Mágico! (3 Parte Final)
  58. 57
    Intermissão 2
  59. 58
    Batalha nas Cordilheiras! (1 Parte)
  60. 59
    Batalha nas Cordilheiras! (2 Parte)
  61. 60
    Batalha nas Cordilheiras! (3 Parte Final)
  62. 61
    Epílogo
  63. 62
    A Cidade dos Aventureiros, Al-Markhen! (1 Parte)
  64. 63
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (2 Parte)
  65. 64
    Viagem Para a Cidade dos Aventureiros! (3 Parte Final)
  66. 65
    Separação!
  67. 66
    Entrando em Al-Markhen e Curando a Jovem Espadachim!
  68. 67
    Guilda dos Aventureiros! (1 Parte)
  69. 68
    Guilda dos Aventureiros! (2 Parte Final)
  70. 69
    Akai Ito, O fio Vermelho do Destino!
  71. 70
    Intermissão