Aprendendo a lançar feitiços!

 

 

 
A clareira era vasta e as árvores envolta eram grande e sinistras, parecendo a boca de um predador a espera de devorá-los. Entre as árvores da floresta era possível ouvir o som do rugido de monstros.

―Não se preocupe, existe uma barreira ao redor da clareira que afasta os monstros ―Allan disse e retirou de seu manto uma pedra cristalina entalhado com runas. ―Esse pedra cristalina é chamada de “Cristal da verdade”, é um tipo especial de cristal comumente utilizado em feitiços de adivinhação. Uma de suas capacidade é revelar que tipo de Afinidade Elemental e atributo você possui. Normalmente uma pessoa nasce com apenas uma afinidade elemental, outros raramente nascem com mais de uma afinidade. Agora que foi dado as explicações, segure o cristal da verdade e derrame sua energia mágica.

Arthur tinha muitas perguntas em sua mente. Mas ficou de boca fechada e seguiu as instruções de seu pai. Derramou sua energia mágica no cristal da verdade até ela começar emitir um brilho estranho e dentro do cristal surgiu duas chamas bizarras.

Allan pegou o cristal da verdade e analisou por um tempo, até sua expressão imutável adquirir um expressão estranha.

―Pai o que aconteceu?―perguntou Arthur preocupado.―Por que essa cara estranha?

―Sua sorte é tão grande que chega a ser um crime ―disse ele franzindo a testa. ―Você tem afinidade com dois tipos de elementos diferentes. Essa chama escura um pouco avermelhado significa que você tem afinidade com Elemento Trevas com Atributo Ruína. É natural para demônios ter afinidade com o Elemento Trevas, mas o Atributo Ruína é extremamente raro.

Arthur, como sempre, queria fazer inúmeras perguntas. Mas ele não fez e aguardou Allan continuar com a explicação.

―A outra chama azulada com manchas brancas significa que você tem afinidade com o Elemento Gelo com Atributo Vácuo. Afinidade com Elemento Gelo vem de sua bloodline demoníaca. Todos na família Pentafrost tem afinidade com Elemento Gelo ou Água. No entanto, o Atributo Vácuo é ainda mais raro do que o Atributo Ruína.

Allan fez uma pausa e continuou:

―As chances de uma pessoa nascer com afinidade com dois elementos diferentes é 1 em 100.000! ―explicou com seriedade. ―Ter então um atributo raro é 1 em 1.000.000. Agora nascer com dois atributos raros…..As chances são….

Allan havia perdido a compostura, olhando para o pequeno Arthur como se ele fosse um anomalia no mundo.

―Pai, qual é a aplicação de atributos na magia?

Allan não respondeu e fez um gesto para acompanha-lo. Arthur seguiu até a borda da clareira. Os dois pararam em frente a uma árvore, tronco robusto, com um diâmetro de cinco metros.

Allan virou-se para Arthur e com um gesto estranho seus dedos se entrelaçaram formando um simbolo, liberando uma energia incolor e sem aviso afundou o dedo indicador entre as sobrancelhas do pequeno Arthur.

No mesmo instante a mente de Arthur foi inundado com conceitos básicos de um arte mágica. O fluxo de conhecimento era grande e logo sentiu como se alguém tivesse aberto sua cabeça e tivesse mexendo em seu cérebro.

Sangue começou escorrer de seu nariz.

Quando o processo terminou, Arthur caiu de joelhos. Sentiu seu estômago embrulhar e vomitou no local.

―Me perdoe filho―Allan afagou as costas de Arthur.―Se fosse possível queria te ensinar cada conceito mágico passo a passo, mas infelizmente não tenho tempo. Esse método que acabei usando se chama Arte Mágica da Alma, Link Mental, Transferência de Memória. Um feitiço da quinta camada que consiste em compartilhar seu conhecimento com outro individuo.

―Compreendo ―disse ele limpando a boca com a costa da mão.―Esse feitiço pode ser usado de forma inversa?

Allan ficou em silêncio por um momento, até seus lábios se erguerem em um sorriso sinistro.

―Sim, da mesma forma que você pode compartilhar seu conhecimento, também pode tirá-los de uma pessoa. As aplicações não se limita a só isso, mas também como plantar determinada ideia ou um gatilho na mente do alvo para agir de determinada forma quando certos requisitos são cumpridos. Resumindo pode chamar de controle mental, ou manipulação da alma.

Por um instante Arthur sentiu um arrepio em sua nuca. Não sabia que uma magia tão assustadora poderia existir.

―É uma Arte Mágica Proibida?―Allan meneou positivamente a cabeça em resposta.―Pai, o que eram aqueles gestos estranhos?

―Existe três método para lançar magia ―Allan levantou um dedo e falou:―Primeiro método é o mais básico e utilizado pela maioria dos magos. Consiste em entoar determinadas palavras chaves em um cântico. Esse método é o mais fácil de usar. Em contrapartida requer que o mago tenha uma grande concentração e o tempo de conjuração é longo.

A fraqueza natural de um mago, pensou Arthur lembrando dos ensinamentos de sua mãe.

Milaine havia contado para Arthur todas fraquezas de um mago na tentativa de desencoraja-lo a aprender usar magia. A principal fraqueza de um mago aparecia na hora de lançar uma magia. No momento em que o mago tinha que ficar parado, concentrado, entoando o cântico até que a magia estivesse pronta. No período de tempo que um mago levava para conjurar a magia, um mago sem proteção, era um alvo fácil para um guerreiro.

Outro ponto fraco de um mago era fraca resistência contra ataques físicos.”A energia mágica fortaleze a alma, enquanto a energia interna fortalece o corpo” dissera sua mãe quando perguntou porque a resistência de um mago era tão baixa.

―O segundo método é mais usado por especialistas em combate e aqueles que dominaram um certo nível da compreensão das leis mágicas. O segundo método consiste em formar símbolos com a mão e liberar a magia dizendo a palavra chave. Esse método antes era chamado de “gesto arcano”, agora é popularmente chamado de “selos mágicos”. Esse método elimina a necessidade de ficar parado e o tempo de uma longa conjuração. Em contrapartida você tem que memorizar todos selos mágicos e executá-lo de forma correta, caso contrário a magia não é invocada.

Arthur agora compreendeu o motivo de Allan fazer os gestos estranhos antes de conjurar uma magia.

―O terceiro método é o mais difícil de todos chamado de “encantamento silencioso”, que permite conjurar feitiços sem palavras. Para ser capaz de conjurar feitiços sem palavras requer uma profunda compreensão das leis mágica. Mesmo entre os demônios, poucos dominaram esse método. De toda forma, você não precisa se preocupar tendo Ars Goetia. Usando ela como catalizador para lançar feitiços, elimina a necessidade de cantar a magia da terceira camada para baixo.

Arthur olhou com profunda reveneração para o grimório em sua mão.

―Agora que respondi sua pergunta. Vamos começar a praticar!―Allan colocou Arthur á poucos metros de distância da árvore robusta e se afastou. ―Através do feitiço de Transferência de Memória eu passei dois conceitos mágicos básicos de dois Legados Mágicos Antigos. Um deles é as Artes Mágicas da Perdição que é adequado para seu elemento trevas atributo ruína. O outro legado e as Artes Mágicas de Niflheim, adequado para o elemento Gelo atributo vácuo. São artes mágicas de alto nível, nem preciso dizer que dominá-los será extremamente difícil.

Allan continuou explicando sobre o conceito básico por trás de ambos legados mágicos antigos, esclarecendo as dúvidas que tinha e aprofundando seu conhecimento nas leis mágicas.

Arthur estava fascinado pela magia e compreendeu que a magia era mais complexo do que havia imaginado. Existia inúmeras artes mágicas, cada uma com inúmeros feitiços com diferente efeitos.

O mundo da magia era muito maior do que Arthur poderia sonhar!

Após de ouvir toda explicação Arthur respirou fundo e fechou seus olhos.

Segurou o grimório demoníaco na mão direita, e apontou a palma da mão esquerda para o tronco robusto. Mentalmente marcou seu alvo e deixou fluir o conhecimento do feitiço da primeira camada das Artes Mágicas da Perdição.

Em seguida derramou sua energia mágica para o grimório demoníaco, como antes o selo em sua mão direita expandiu e linha negras foram espalhadas por todo braço direito em linhas contorcidas e paralelas.

Arthur abriu os olhos e falou com uma voz profunda:

―Artes Mágicas da Perdição!「Chamas da Ruína」!

A energia mágica fluiu para o grimório e para seu braço esquerdo, convergindo em uma pequena bola de chamas carmesim com 30 cm de diâmetros. A pequena bola de chamas voou em direção ao alvo, com uma trajetória irregular numa velocidade nem rápida e nem lenta, como esperado atingiu o troco robusto da árvore.

Arthur não esperava nada daquela pequena bola de chamas mas…..

Um estalo surdo ecoou por toda clareira.

A chamas da ruína ao entrar em contado com a árvore robusta explodiu em um pequeno vórtice de chamas berserker deixando um cratera no tronco da árvore. Essa cena foi o suficiente para fazer Arthur suspirar em admiração, mas o que aconteceu a seguir o deixou sem palavras.

*Crack!**Crack!* *Crack!* *Crack!*

O local do impacto adquiriu uma coloração cinzenta e gradualmente foi se espalhando por todo tronco robusto da árvore criando várias fissuras. O que estava acontecendo diante dos olhos de Arthur era o efeito de seu atributo ruína, que tem o poder de destruir um alvo a nível molecular.

Em poucos minutos ouve outro estalo é a árvore tombou de lado enquanto lentamente era desintegrada até virar pó.

―Pai….Isso realmente é uma magia da primeira camada?

Se aquela chamas da ruína é realmente um feitiço da primeira camada. O quão forte seria um feitiço da segunda camada das Artes Mágicas da Perdição?

―Sim ―confirmou Allan e explicou:―Você havia me perguntando qual era aplicação do atributo em um feitiço ―Allan estendeu o braço apontado para o que era uma vez uma robusta árvore. ―Eis sua resposta. A chamas da ruína é um feitiço que reúne energia negativa em uma chama, aplicando o atributo ruína para dar mais dano e tem o efeito desintegrar o alvo. O poder desse feitiço é equivalente ao poder de três bolas de fogo da terceira camada das Artes Mágicas do Fogo.

Allan também explicou que todas magias dos dois legados mágicos, do primeiro até a quinta camada, estava em sua mente. De acordo com seu progresso na compreensão das magias de primeiro nível dos legados, o conhecimento da magia do seguinte nível seria desbloqueado.

Tudo dependia de seu próprio esforço e compreensão das leis mágicas para desbloquear as próximas magias.

―…Não é atoa que faz parte das Artes Mágicas da Perdição―disse Arthur pasmo. ―Agora vamos ver o feitiço da primeira camada da Artes Mágicas de Niflheim!

Arthur selecionou uma das árvores próximas e derramou sua energia mágica no grimório. Deixou o conhecimento do feitiço da primeira camada da Artes Mágicas de Niflheim fluir por sua mente.

―Artes Mágicas de Niflheim, Multiplos-Disparos,「Flechas do Vazio」!

A energia mágica fluiu por seu braço esquerdo e da palma de sua mão, disparou seis flechas em chamas brancas. Cada flecha do vazio voou em linha reta em direção a árvore, penetrando o tronco da árvore estourando em várias lascas de madeiras e depois congelou lentamente a árvore em uma estátua de gelo cristalina.

―Uauu! ―exclamou Arthur.―Eu não entendo muito de magia, mas uma coisa eu sei: essas artes mágicas não são comuns!

―Como eu havia falado são legados mágicos antigos ― explicou. ―Artes Mágicas de Niflheim é uma forte arte mágica do elemento gelo, ficando em quarto ranking das mais fortes. Assim com as Artes Mágicas da Perdição é uma poderosa arte mágica do elemento trevas, acredito que no ranking atual seja a quinta arte mágica mais forte das trevas. Aliás, apesar de serem feitiços da primeira camada consome muita energia mágica. Como está se sentido?

Arthur fechou os olhos e concentrou seu sentidos no reservatório de energia mágica em seu corpo. Apesar de ter gastado uma parte de sua energia mágica, estava bem e poderia lançar outro feitiço.

―Eu estou bem….

Antes que pudesse terminar de falar o grimório deixou sua mão, flutuando diante seus olhos. O grimório se abriu e parou em uma determinada página. Arthur entrou em um estado de transe e gradualmente começou entoar palavras de um feitiço, e como se fosse um buraco negro, o grimório demoníaco estava drenando toda sua energia mágica restante.

O selo na mão de Arthur se transformou no número XLII (42) e expandiu propagando linhas em espirais brancas entrelaçadas uma com a outra por todo seu corpo.

Allan percebeu a grande concentração de energia mágica. Pensou em tentar para-lo, mas era tarde demais. Para evitar ser pego na magia de larga escala ele desapareceu nas sombras.

―Na terra do sol da meia noite. Aonde o manto branco de neve abraça todos homens, novos ou velhos, tolos e sábios. nobres e camponeses. Tudo congela quando ele vem em um sopro implacável de neve, o ar, a terra, o fogo é os céus. O mundo cai em silêncio e tudo se congela no tempo! Artes Mágicas Proibidas, 9° Círculo Infernal,「Sopro de Cocytos」!

O ar agitou-se e toda energia mágica convergiu em névoa branca girando em espiral ao redor de seu corpo. Em menos de um segundo, a névoa branca congelante assumiu a forma de um imenso cavalo fantasmagórico e avançou em uma incrível velocidade congelando tudo pela frente.

Houve um relincho ensurdecedor, e depois, o mundo caiu em silêncio.

Não era possível ouvir o menor ruído.

Quando a névoa branca congelante dissipou, revelou uma cena de tirar o fôlego. Tudo em um raio de um quilômetro havia sido congelado, transformados em belas esculturas de gelo.

Arthur contemplou pássaros em seus ninhos nas árvores, lobos monstruosos a espreita e pequeninos animais protegendo seus filhotes. Tudo congelado no tempo, deslumbrantes esculturas de gelo.

Tudo era tão belo e, ironicamente, frágil. Tão frágil que parecia poder se quebrar com um único toque.

Então de repente Arthur sentiu vontade de quebra-los, e ele quebrou.

Ele pegou o grimório aberto e o fechou. Ao fechar o grimório, liberou um pulso de energia mágica, criando uma onda de força destruindo aquele belo mundo congelado. Como uma taça de cristal frágil, tudo congelado em um raio de um quilômetro, quebrou em uma chuva de pó de flocos de cristais de gelo que mais pareciam preciosos diamantes.

Os lábios de Arthur se ergueram em um sorriso. Estava orgulhoso pelo seu ato, o ato de destruir toda uma área com simples gesto de fechar seu grimório. Aquela sensação o enchia de êxtase, o sangue em suas veias pulsava clamando por destruição, desejando o êxtase de lançar feitiço mas….

Arthur sentiu toda força abandonar seu corpo e caiu de joelho no solo de terra batida da clareira. Ele havia esgotado quase toda a energia mágica de seu corpo, estava extremamente cansado.

Saindo da escuridão, Allan apareceu novamente aplaudindo o feito de Arthur.

―Parabéns, filho! ―disse ele cheio de aprovação. ―Você realmente é digno de ser o novo mestre do Grimório Demoníaco, Ars Goetia!

Arthur queria fazer várias perguntas, mas só tinha forças para sorrir fracamente.

―Vamos voltar.

Allan pegou ele do chão e abriu um portal para o quarto de Arthur.

De volta para sua casa. Arthur guardou o grimório novamente na caixa e o escondeu em um lugar que nem mesmo sua mãe encontraria. Suspeitava que não ficaria nada feliz em saber que havia ganhado um presente da pessoa que os abandonou.

Arthur se deitou na cama, lutando contra o sono que sentia, perguntou:

―Pai, que camada pertence aquele feitiço?

―Sétima camada das Artes Mágicas Proibidas ―respondeu Allan. ―De acordo com os registros históricos, no passado o Grande Rei Demônio Sirakhy-Azim em vingança contra o responsável pelo assassinato de sua amada usou「Sopro de Cocytos」para congelar todo seu reino.

Arthur ansiava por conhecimento, ganhar mais compreensão sobre as leis da mágica. Em um canto de seu coração guardava a esperança que Allan o leva-se consigo, mas ao mesmo tempo desejava que ele não pedisse para acompanha-lo. Por que durante todos esse dez anos, Milaine o criou com todo amor do mundo. Ficaria com o coração pesado se a abandonasse.

Interrompendo seu devaneio, Allan falou:

―Tenho que ir, meu tempo acabou.

Allan abriu um portal para um lugar desconhecido e ficou lá parado de costas para Arthur.

―Pai ―chamou Arthur.―Posso fazer uma última pergunta?

―Pergunte, farei meu melhor para responder.

―Porque nos abandonou?―perguntou sem rodeios.

―Nem tudo é como parece ―respondeu vagamente. ―Fiz o que acreditava ser certo ― e acrescentou: ―Sou um Pentafrost, tenho meus deveres com minha família. No futuro você e Milaine vão compreender meus motivos.

Arthur fechou seus olhos e falou com um sorriso:

―Foi para nos proteger, certo?

Allan não respondeu e virou a cabeça revelando um sorriso. Não um sorriso frio, mas um cheio de amor paternal.

Sem dizer nenhuma palavra atravessou o portal.

Arthur enrolou-se em um lençol de pele de animais e lentamente começou a cair no sono gravando a imagem da floresta congelada firmemente em sua mente.

...Eu me tornei a morte, a morte congelante, pensou Arthur antes de dormir.

Sem perceber ele estava trilhando o mesmo caminho de Allan, o caminho de um demônio.

Comentários