Armadilha

No final de setembro, sábado à tarde, depois da escola.

Em uma floresta a cerca de 5 minutos de distância da estrada que se ligava à divisão Colegial e Ginasial, eu segurava uma pá, coberta de lama, tentando fazer uma armadilha.

A profundidade desse buraco é muito maior do que a altura de uma pessoa.

Esta já é a terceira armadilha que escavei, portanto, é muito fácil.

Se você também contar as armadilhas cavadas e completas, essa já é a quinta. Depois de cavar tantas, mais ou menos você vai se tornar um especialista no que faz.

Quando senti que já estava quase pronta, espetei as lanças que preparei com antecedência para a armadilha. Esses são os bambus depois que eu os cortei, afiei e os transformei em uma lança improvisada. Coloquei a ponta para cima e enfiei-a no buraco. Uma após outra. Rigorosamente, uma após outra.

Eu puxei uma corda que estava amarrada a uma árvore próxima e escalei para fora do buraco, então, cuidadosamente cobri a armadilha com folhas para disfarçar.

Eu tenho que ser mais rápido, não resta muito tempo.

Ele está chegando.

Limpei o suor em minha testa. Agora são 14h30.

Para ele, eu ainda deixei pistas. Deixei uma mensagem, para guiar ele a esse lugar.

Suponho que ele provavelmente não não vai notar que aquilo é uma 「mensagem」 . Ele provavelmente vai pensar que eu acidentalmente cometi um erro e imaginará que eu estou escondendo alguma coisa importante aqui.

Essa coisa importante, é a razão porque venho a esse lugar todos os dias —- ele provavelmente vai pensar assim.

Ele deve estar pensando que o motivo de eu desaparecer logo que a aula terminava, é porque eu vinha aqui.

De um certo ponto de vista, esse tipo de pensamento não está errado. Por que eu estava cavando armadilhas aqui.

Na primeira armadilha, me senti insatisfeito com ela, por isso a enterrei novamente.

A segunda armadilha, ficou razoável, mas eu esperava que ela pudesse ser mais abrangente, portanto, eu também a enterrei. Por que não pode haver falhas no que estou prestes a fazer.

Eu estou prestes a matar alguém.

Farei com que ele caia nesta armadilha para que eu possa matá-lo.

Apenas cair nas lanças de bambu pode não ser capaz de matar, por isso escondi alguns galões próximo de uma árvore por aqui e eles estão cheios de gasolina.

Eu pretendo esperar ele cair na armadilha e em seguida, despejar a gasolina por cima e depois atear fogo.

Se ele for realmente sortudo, ou melhor, caso não seja o suficiente para ele morrer.

Eu preparei uma lança de bambu com mais de 5 metros de comprimento. Eu cortei o bambu na diagonal, em seguida, afiei o corte para torná-lo mais pontudo, vou usar essa lança para perfurá-lo de cima. Sem parar, até que ele não esteja mais se movendo.

Desta maneira, tudo vai acabar e a vingança terminará aqui.

E depois, o que eu faço? Realmente eu não me importo com o que vem a seguir.

Se isso continuar, com certeza vou ser morto por ele um dia.

Eu serei intimidado por ele até o meu fim e também serei obliterado pela sociedade.

Essa pessoa é muito poderosa, e claro, seu pulso é firme, mas não é apenas isso…

Os pais dele são as pessoas influentes que financiaram a escola.

Parece até enredo de mangá, mas essa é realmente a realidade.

Apesar do que esse aluno tem feito, nem mesmo os professores se atrevem a expressar-se contra ele. Esse tipo de pessoa realmente existe na nossa escola.

E eu sou o alvo deste tipo de pessoa ruim.

Essa escola adota o sistema de abrigar todos em dormitórios e essa mesma escola está situada nas montanhas.

Essa é uma sociedade tão fechada quanto uma aldeia e o chefe dessa aldeia tem seus olhos em mim.

Essa pessoa está me intimidando para aumentar seu padrão de vida.

Algum dia, eu serei levado à morte.

Uma vez que vai ser assim, só posso matá-lo antes de ser morto, não é?

Segurei minha respiração e esperei pacientemente.

Eu não sei se era porque eu estava ansioso, mas o assobiar habitual dos pássaros, dos insetos, não teve nada disso hoje. A floresta estava em um estado de silêncio.

Logo, ele estará chegando.

Ouço passos.

Esse é o som de alguém pisando em folhas mortas, esse é o som dos passos daquela pessoa chegando.

Estou muito nervoso e levemente pressiono minha mão trêmula. Meu suor escorria pelo rosto.

Apesar de ser o final de setembro, a montanha não deveria estar tão quente assim. Eu não sei se é porque eu fiz alguns exercícios a pouco, mas estou encharcado, até mesmo agora, eu ainda estou suando.

Não, deve ser porque eu estou nervoso.

Mas também não tem jeito. Claro que estou nervoso, afinal eu estou prestes a matar alguém, ambas minhas mãos e pernas estão tremendo Uma vez que penso nisso, eu mal consigo resistir – revelando um sorriso ardiloso.

Eu posso matar ele. Só de pensar nisso, eu estou feliz o suficiente para gritar.

Por que aquela pessoa — —

De repente, meu corpo balançou. Eu rapidamente coloquei minhas mãos sobre as folhas caídas. *Crack*

Quando percebi o que eu fiz, comecei a me preocupar, será que esse som foi ouvido por ele…?

Não, isto é — —

A árvore em que estou encostado está vibrando. Percebi vendo os galhos e folhas balançando.

É um terremoto. E um dos grandes.

Uma onda de choque ecoou no meu estômago. Após um dos maiores dos tremores, tudo parou.

Os tremores cessaram Parece que não há árvores caídas, nem quaisquer deslizamentos de terra.Soltei um suspiro de alívio.

A armadilha está bem, o que é bom. Mas há um problema.

「Um terremoto!

Escutei a voz daquela pessoa e o som de um estalar de língua

Isso não é bom… eu não pude deixar de pensar nisso.

Se ele mudar de ideia, então as coisas que eu preparei não vão—

O som dos passos de fato gradualmente foram-se embora.

Eu que deveria estalar a língua. Mordi os lábios e cerrei os punhos.

Não, ainda não acabou.

Ele só deve estar preocupado que um deslizamento de terra possa acontecer ou algo assim.

Talvez ele volte depois de um tempo.

Eu silenciosamente rezei e esperei pacientemente.

Não sei quantos minutos se passaram.

Senti que tinha sido um longo tempo, mas provavelmente se passou cerca de apenas 10 minutos ou menos.

Sons de passos começaram a se aproximar novamente.

Isso é ótimo, eu cerrei meus punhos com força – desejando fazer uma pose de vitória.

Ele voltou. Desta vez ele passa por aqui.

Os passos se aproximaram. O que está acontecendo? O som dos passos parece ser mais pesado do que antes.

Eu acho que provavelmente sou eu pensando demais. Balancei a cabeça e me foquei.

Eu tenho esse pressentimento de que até mesmo a respiração dele ficou mais alta. O [Fuuhi.Fuuhi] de quando respira se parece com um porco.

O que é que está acontecendo, ele está cansado?

Que cara inútil. Sendo tão arrogante normalmente, mas no final, ele é tudo isso.

Sorrio sinistramente. Assim que é bom.

Se ele já está cansado, então sua atenção está fadada a se tornar mais fraca.

Seus passos também devem ficar mais desajeitados.

Só assistir.

A queda.

Um grito alto surgiu.

Saí correndo de trás do tronco da árvore e carreguei os galões enquanto corria em direção à armadilha. Sem sequer olhar para a situação dentro da armadilha, despejei o líquido do recipiente.

A gasolina fluía para a armadilha com um som *gushi gushi*. Fluía continuamente, se alguém visse diria que era um pouco exagerado.

Em seguida a faísca. Eu usei o isqueiro para acender um pedaço de papel e o joguei na armadilha.

O grito ecoou em meus ouvidos.

Essa é a última luta desse cara, isso faz com que você se sinta tão aliviado.

Peguei a lança de bambu e a apunhatei na armadilha, dando nele o golpe fatal.

A sensação da lança perfurando a carne foi transmitida até minhas mãos. Então o estômago de um humano é macio, isso é muito além do que eu poderia imaginar.

Fechei os olhos e desesperadamente investi a lança de bambu lá embaixo.

Enfim, ele parou de resistir.

Eu timidamente abri meus olhos e olhei para a armadilha.

O corpo daquela pessoa…

Não está na armadilha.

Em seu lugar, é uma criatura gorda com aparência de porco e bípede, coberta de sangue e morta lá dentro.

Era uma criatura gorda de pele marrom avermelhada.

E o sangue que fluía para fora era azul. Eu apenas o via completamente coberto de sangue de cor azul.

「Hã?

Não pude deixar de fazer um som confuso como um idiota.

Larguei a lança de bambu das minhas mãos.

Naquele momento, o porco-humano gordo soltou outro som como um assobio.

O corpo do porco-humano está gradualmente desaparecendo. Não, o seu corpo está se dissipando assim como fumaça.

Eu pisquei.

Enquanto eu estava chocado com tudo isso, o corpo do porco-humano desapareceu completamente.

O som de uma abertura em trompete soou em meus ouvidos.

Você upou!

Ouvi uma voz fria dizer isso e minha visão ficou totalmente branca

Comentários