Kuork

Apenas Tradutores Errantes

CC: Capítulo 4

Kuork
iLivro

Miríade da Morte

[Mais um capítulo de CosmoCrator. Não sei se notaram, mas eu sou péssimo pra por nome. A maioria dos nomes que já apareceram nos capítulos anteriores vieram tudo de minha cabeça.]

(…)

Assim que Niklaus abriu os olhos, uma inundação de informações surgiu em sua cabeça.

Yala. Academias. Cultivadores. Camadas. Qi. Soul-Elemental.

As informações que Klaus Rayzaki tinha era tudo de Niklaus agora. De alguma forma, ele tinha sobrevivido. E agora, Klaus Rayzaki deste mundo estava… ele não sabia se Klaus estava vivo ou morto, só sabia que agora o corpo de Klaus Rayzaki se tornou o seu corpo.

Ele se sentiu como um parasita. Infelizmente não havia nada que ele pudesse fazer para mudar isso, então ele tinha que engolir e aceitar.

Já que possivelmente não tinha nenhuma forma de retornar para o seu mundo natal, ele decidiu-se.

Niklaus Rayzaki agora é Klaus Rayzaki e a vida de seu benfeitor, agora era a sua vida.

– Sua família é a minha família agora. Seus amigos são os meus amigos. E seus inimigos são os meus inimigos.

Ele respirou fundo e pôs a sua cabeça em ordem.

Olhando em volta, ele se viu dentro da caverna. Não havia nenhuma entrada ou saída, além das que estavam de baixo d’água.

Sentindo seu corpo cansado e dolorido, Klaus se arrastou até o rio e enfiou a cabeça na água. Ele estava sedento.

Se sentindo imundo, ele se jogou no rio de roupa e tudo. Por incrível que pareça, ele ainda estava usando a roupa de seu antigo corpo.

Depois de se lavar, ainda dentro do rio e submerso, como se estivesse liberando energia do corpo, Klaus contraiu os ossos de seu novo corpo de 12 anos. Utilizando essa técnica ele constatou que ainda tinha todo o seu real poder. Isso era bom.

Em seu antigo mundo, Klaus havia atingido a sua atual faixa de poder aos dez anos. Ele era um gênio inigualável. Infelizmente ele havia atingido um gargalo. Não havia mais como crescer naquele mundo. O seu poder já havia ultrapassado todos os mestres daquele mundo, mas agora, neste novo mundo, era certo afirmar que ele ainda nem havia começado.

Ele ainda tinha que se tornar um cultivador.

Apesar do antigo Klaus Rayzaki ter se tornado um cultivador, agora este corpo assumiu as características do antigo corpo de Niklaus.

Ao assumir o corpo de Klaus Rayzaki, este corpo sofreu um tipo de mutação. O cultivo foi desfeito para que o poder do antigo corpo de Niklaus pudesse ser transferido.

Em outras palavras, Klaus ainda tinha que romper e se tornar um Sangue-Mortal novamente.

Ainda submerso na água e com os ossos contraídos, a água ao redor dele foi tingida de vermelho. O seu corpo liberou todo o sangue acumulado nas juntas de seus ossos. Ele sentiu o seu corpo mais leve e relaxado. Foi como se ele tivesse renascido.

Ao sair da água, ele endureceu todos os ossos os contraindo novamente, em seguida ele os liberou. Toda a água em sua pele e roupa voou para longe dele.

Olhando em volta com amis cuidado, ele soube no exato momento em que pôs os olhos qual era a parte mais frágil da parede daquela caverna.

A katana de lâmina prateada surgiu em sua mão. Ele cortou 10 vezes na direção em que o rio fluía, mas para qualquer pessoa sem uma ótima visão, seria como se ele não tivesse cortado nem uma única vez.

A parede da caverna foi cortada e explodida para fora.

Uma rajada brusca de ar invadiu a caverna.

Klaus andou até a saída. Ele estava a pelo menos 200 metros de altura, foi o que ele supôs, pois foi o máximo que ele enxergou. Logo abaixo desses duzentos metros, tudo estava coberto por uma camada de névoa.

O local era um cânion circular.

A água começou a sair pela abertura recém feita por Klaus. Uma cachoeira havia sido criada.

Olhando para cima, ele constatou que devia estar a mais de 900 metros de altura do topo. Do ponto em que ele estava até a outra extremidade, devia ter 200 metros de diâmetro. Diferente do normal, ele notou que o diâmetro ia aumentando conforme foi descendo ao invés de diminuir.

De acordo com as memorias do original Klaus Rayzaki, aquele era o cânion Miríade da Morte. Todos ali que entravam, tinham pelo menos 10 mil formas de ser morto. Uma vez lá dentro, nunca mais saíra de lá vivo.

Mesmo no topo era possível ouvir os sons emitidos pelas inúmeras bestas mágicas que ali viviam.

Klaus não levou mais que 1 segundo para decidir o que fazer a partir daquele momento me diante. Se no futuro ele encontrar alguma forma de voltar para o seu real mundo, ele pelo menos iria pra se despedir de seus pais.

Enquanto isso não era uma opção no momento, ele iria aproveitar essa oportunidade para ultrapassar os seus limites.

Em 12 dias iria começar o torneio interno da academia Tyrant para classificar os melhores discípulos. Antes disso, ele tinha que saber o quanto ele era forte neste mundo.

– Nada como um bom treino. – ele disse.

Sem hesitar nem por 1 segundo, Klaus Rayzaki saltou para a Miríade da Morte e mergulhou cânion adentro.

Caindo rumo a uma morte certa para qualquer outra pessoa, Klaus não demonstrou um pingo de medo.

Niklaus nasceu com uma peculiaridade, ou é uma doença? Ele nunca se preocupou em descobrir. Ele não sente medo, jamais sentiu um pingo sequer de medo e jamais vai sentir.

Caindo de cabeça, literalmente, para um local desconhecido, Klaus abriu uma fenda e logo em seguida ele já estava segurando uma segunda katana parecida com a outra em sua mão esquerda.

Tormenta: Asas de Aço.

Ele simplesmente disse e em seguida ele cortou o ar com as duas espadas como se fossem asas.

As nuvens a sua frente foram todas dissipadas. A lateral da montanha próxima a ele foi cortada inúmeras vezes. Enormes rochas e pedregulhos começaram a cair bruscamente.

Agora que as nuvens foram dissipadas, Klaus podia ver claramente o fundo do cânion. Havia pelo menos mais de 900 metros de altura para ele atingir o solo.

O chão do cânion tinha pelo menos um raio de 10 km. Tudo parecia ser coberto por árvores densas. A floresta parecia ser uma floresta tropical vista em filmes de terror, onde qualquer coisa pode sair dela.

Klaus Rayzaki deu um mortal em pleno ar e quando ficou em pé em pleno ar, ele usou o Jumppo suavemente, apenas para diminuir a velocidade de sua queda.

Jumppo é uma técnica que permite o utilizador a saltar no próprio ar.

Depois de usar o Jumppo inúmeras vezes, antes de atingir o pico das árvores, Klaus finalmente parou em pleno ar como se estivesse flutuando. A realidade é que ele estava saltando no ar tão rápido que parecia estar simplesmente parado.

O estrondo dos destroços da montanha se chocando contra o solo e derrubando árvores chamou a atenção de inúmeras bestas mágicas que estavam nas redondezas.

Como uma pluma, Klaus posou suavemente no chão.

Ele estendeu os dois braços como se estivesse pronto para abraçar alguém e lançou as duas katanas para lados opostos.

Duas bestas mágicas surgiram do nada dentre as árvores, cada uma de um lado em pleno ar dando um bote contra Klaus.

No segundo seguinte, uma das katanas atravessou o coração de uma das bestas e a outra atravessou a cabeça da outra besta as matando instantaneamente.

Depois de atravessarem as bestas, as katanas entraram dentro de duas fendas abertas, cada uma diante dela. As fendas se fecharam logo em seguida, e no segundo seguinte outras duas fendas foram abertas diante das duas mãos de Klaus.

Não se passou nem 5 segundos depois dele pousar no chão e duas bestas mágicas surgiram prontas para ataca-lo, serem mortas a mais de 10 metros de distância de Klaus, as duas katanas com as lâminas tingidas de vermelho já estavam novamente em suas mãos.

– Droga. Isso é completamente inútil se eu não posso distinguir o nível de cultivo das bestas sem ser um cultivador. Eu devia ter pensado nisto antes. Aparentemente, até mesmo gênios comete erros as vezes.

Ele olhou paras as duas bestas mágicas.

Eram dois lobos com mais de 2 metros. O pelo era azul-esverdeado. Em suas cabeças havia um chifre bege, parecido como os chifres dos unicórnios das lendas.

Com as lembranças do outro Klaus, ele sabia que as bestas mágicas possuíam núcleos mágicos que valiam uma boa quantidade de dinheiro.

– Não faz diferença, eu ainda preciso do dinheiro.

(…)

[Capítulo pequeno, mas prometo que o próximo será maior. A partir de agora, vou tentar por sempre o nome do próximo capítulo. Postarei o próximo no sábado, depois só terça, depois quinta e assim por diante. Talvez, somente um grande talvez eu poste algum capítulo nos domingos. O nome do próximo é: Capítulo 5: A Batalha do Lago.]

 

Comentarios em CC: Capítulo 4

Categorias