iLivro

Qualquer erro de ortografia ou incoerência, deixe nos comentários. Aproveitem a leitura =)


Desenvolvimento de Armas de Fogo

A maior parte do tempo desde a chegada do Metal Liquido Mágico foi consumido experimentando e provando resultados, por uma criança de cinco anos.

Esse metal é muito especial, já que, se imagina uma armadura e e injeta mana, o metal tomará a forma imaginada, se você fez corretamente.

A vantagem é que é muito fácil de levar em pequenas quantidades, por isso tende a ser uma ferramenta de assassinos. A desvantagem é que uma vez que adota uma forma, nunca mais voltará a sua forma líquida.

Também, se sua imagem não é clara, ao fazer uma espada ela será rachada, ao fazer uma armadura ela será desigual e o tamanho não irá caber.

E sobre tudo, o uso limitado e de difícil obtenção o faz um dispositivo mágico raro, o que o torna caro. Basicamente se tornou um sinônimo com o termo: Comodidade Impopular.
Como resultado de minha investigação, descobri que é um material realmente esplêndido. Primeiro, sua força é equivalente ao poder imbuído nele, ao ponto de que se pode fazer uma pequena parte, fina como papel, mais forte que uma placa de ferro.

Quando molas são feitas, esforços como enrolar uma corda de piano em um batão e endurecê-lo se fazem desnecessários, já que só põe suas mãos no metal liquido mágico, e determina o tamanho e força regulando a quantidade de mana posta nela. Quanto tira a mão, de dentro do metal liquido mágico, você fez uma mola de qualidade extremamente boa.

Se pudesse levar este material à sociedade moderna, não só revolucionaria as ciências dos materiais, o mais provável é que seria uma nova revolução dos mesmos. Com algum tempo, poderia construir-se um simples elevador espacial.

Sem poder conter minha emoção, disse a Elle-sensei, que é uma maga de classe superior, mas…“Realmente…?”

Recebi uma resposta que parecia dizer {Mesmo que você diga, é desinteressante}

Quão impopular é este material…?

***

Quando alcancei os seis, continuaba a rotina de fazer minhas tarefas designadas e ajudar nas aulas da manhã.

Por certo, uma parte dos lucros do GO e outro jogos chegam ao orfanato a cada 3 meses. Ao principio Elle-sensei disse que estes fundo devias ser meus, mas eu estou satisfeito com o metal liquido mágico, e mais ainda, devido as regras do orfanato não posso começar a ganhar dinheiro até os sete. Deixando de lado o GO, eu queria ajudar o orfanato com os fundos, em último caso gratidão por ter cuidado de mim.

Apesar de fazer uma importante contribuição ao orfanato, não havia uma exceção particular nos meus deveres, ainda que se diga, eu obtive um pouco mais de liberdade, ainda que não tenho intenção de faltar o trabalho.

Tão pouco quero ser uma má influência para os outros garotos, nem quero que circulem rumores sobre mim, por isso que sempre faço a mesma quantidade de trabalho. Depois de terminar minhas tarefas da tarde, a produção de armas começa.

Primeiro tentei produzir um revólver completo, mas falhei. O revolver tinha um cilindro que não girava, um barril muito pequeno e a mira estava torta.

As partes da estrutura interna que tenho de imaginar são muito numerosas e antes de poder injetar a mana, a imagem já havia se distorcido, resultando em algo mal feito. Por isso, me rendi de fazê-lo todo de uma vez só e mudei meus planos para fabricá-lo por partes.

Em minha vida antiga, eu era um Otaku Militar e tinha uma fixação especial pelas armas modernas, e como trabalhei em uma metalúrgica antes de reencarnar, de vez em quando sonhava {Poderei fabricar minhas próprias armas?}

Olhando diagramas de revolveres, armas automáticas, rifles de assalto e parecidos, comparando-lhes com as máquinas e tecnologias usadas na metalúrgica, sentia que era possível fazê-las naquela época. Era um dos meus hobbies, sorrindo enquanto bebia sozinho em meu quarto.

Agora que tenho o metal liquido mágico em minhas mãos, fazer armas de mão não é mais um sonho, utilizando o conhecimento e a tecnologia de minha vida antiga.

***

Carregava o barril debaixo dos meus braços e o levo ao jardim traseiro do orfanato. Agora mesmo, estou tratando de fazer uma réplica do revólver {S&W M10}.
[NT: S&W significa Smith & Weeson, uma companhia de armas que começou em 1852]

É a pistola de serviço elegida pelo departamento Japonês de Polícia do meu mundo antigo.

Há pensado por que não faço uma pistola de recarga automática (que aproveita o retrocesso de cada tiro para o ciclo da arma), mas fazer um revolver clássico do western? Há razões para isso.

{A recarga automática tem um estrutura complexa que não é adequada para ser a primeira que eu faça}

{Um revólver tem menos partes comparado com um pistola semiautomática}

{O revólver é mais firme, emperrar não é um problema e é fácil de manter, fazendo-o adequado para as forças policiais japonesas, que raramente, se é que alguma vez, têm a possibilidade de usar sua arma, não há com o que se preocupar sobre os emperramentos e fazer a manutenção é simples.(Por isso repito, os fazem adequados para a polícia japonesa que raramente dispara.)}

Baseando-me nestes três pontos, era adequado para o primeiro trabalho.

Primeiro, a pólvora…{Pólvora negra}

Primeiro, explicarei um pouco a história desta. Há várias teorias da onde e quando se inventou a “pólvora negra”, mas a teoria que prevalece é que foi inventada na China entre os séculos VI e IX.

Naqueles dias, os alquimistas buscavam o elixir da juventude eterna, e uma das coisas produzidas no processo, foi a fórmula da pólvora escrita no {Zhengzhou miaodao yaolue}, escrito por cerca do ano 850.

Pela metade do século XIII, seus sucessores desenvolveram armas chamadas {Lanças de fogo}, que consistiam em um curto tupo cheio de pólvora fixado na ponta de uma peça de madeira ou bambu.(Essas armas não disparavam balas, sendo que eram simples lança-chamas ou armas cegadoras).

Essa é a origem das armas de fogo tipo canhão.

Posteriormente, na Europa do século XIV, se fizeram os canhões de {Buraco de Ignição}[NT: Aqui diz “Touch Hole-style”, que se refere aos canhões com uma pequena abertura lateral pela qual se ingressava o pavio ou metal ardente para detonar a pólvora dentro do canhão]

As armas deste tipo era miniaturas dos primitivo canhões usados como artilharia usada para derrubar os mutos dos castelos, que funcionavam colocando um tubo com pólvora e detonando-o desde um buraco feito no tubo, que disparava uma carga, podendo ser de pedra ou metal.

Se chama “Buraco de ignição”, porque um metal ardente é pressionado conta a pólvora através do pequeno buraco.

Não muito depois, por cerca do ano 1400, armas de fogo pessoais, chamadas “Arcabuzes”, com a forma básica de um rifle foram criadas na Europa. Se disparavam com um pavio que prendia a pólvora.“Arcabuz” vem do alemão “Hakenbuchse”, que significa “Tubo com um arpão adicionado”.

O “Arcabuz” foi melhorado adicionando um fusível a uma peça com forma de S e gatilhos, tornando-se o tipo mais velho de pavio, a Serpentina com forma de S.

Um pequeno fusível adicionado à sessão superior da parte com forma de S, na parte posterior do canhão da arma (O canhão está no centro do S), sendo a parte inferior do gatilho, que ao ser pressionado abaixa o fusível, que detona a pólvora. A armadura dos cavaleiros medievais se mostrou inútil perante o aumento do poder, por isso que as táticas e estratégia deveriam mudar.

O amanhecer do século XV, foi quando a era das armas de fogo realmente começou. Os primeiros canhões de barril se fabricavam unindo um circulo de palcas metálicas e pondo fixadores ao seu redor( o mesmo processo por qual se fabricar barris, motivo por qual são chamados canhões de barril), mas no século XV, p processo se converteu em por bronze em um molde e fazer todo o canhão de uma vez.

O bronze é uma liga de cobre e estanho, e comparado com o ferro, tem a vantagem de ter menor ponto de fusão e ser mais suave, fazendo-o mais fácil de fabrica mesmo com menos tecnologia (As desvantagens são as mesmas razões, já que se deforma e corrói facilmente).

Mas o século XVI, o aço se tornou disponível, e com o barris damascenos, feitos esquentando e forjando lingotes de aço com diferente de conteúdo de carbono (aplicando tensão ao metal golpeando-o), logo envolvendo em torno à um bastão central, e logo esquentando-o e fundindo-o novamente, distribuindo igualmente.(Através de mesclar e forjar diferentes tipos de aço, juntos, desenvolve um padrão damasceno, ou em outras palavras um padrão único parecido à madeira e granito. Acidentalmente, as espadas japonesas também são um tipo de padrão damasceno).

Porém, tem um debilidade. Já que o barril do canhão está feito enrolando lingotes como em um laço, comparado aos barris fundidos, sua força é fraca e depois da produção de pólvora sem fumaça, sua produção caiu. Isto é devido a que não era capaz de suportar a pressão e o barril tendia a se romper.

Depois disso, em 1856, o inglês Henry Bessemer fez uma invenção rupturista, o “convertedor”, e grande quantidades de aço moído estavam disponíveis. O chamado processo Bessemer é um método de fazer aço batendo ar contra ferro-gusa fundido (ferro produzido ao fundir o minera de ferro em um alto forno, o qual é altamente impuro). causando uma reação por oxidação, que remove as impurezas.(Se removem por combustão).
Depois disso várias ligas podem ser feitas.

As matérias primas paras as armas de mão, aço cromado de molibdênio.(Liga feita ao adicionar um pouco de cromo e molibdênio ao ferro. Tem uma alta dureza e uma alta resistência ao calor. É usado também em quadros de bicicleta e máquinas aéreas.)

Também Aço inoxidável.(Aço que contém menos de 10,5% de cromo no ferro. Sendo muito trabalhável e resistente, se chama inoxidável por causa de sua alta resistência à corrosão.)

 A produção de aços pode ser ajustada pela força, resistência à corrosão e durabilidade foi agora possível.

Se trata de produzir armas modernas… armas de mão, não planejo usar pólvora negra, mas sim algo maís poderoso como pólvora sem fumaça. Depois de tudo, a resistência do aço comum não é o suficiente. As armas do século XXI estão quase todas elas feitas de aço cromado de molibdênio ou aço inoxidável, por isso tenho que criar um “convertedor”.

Para dizer de forma simples, não importa o quanto eu lembre da minha vida passada, é quase impossível para mim fazer tudo nesse nível agora mesmo. Esforço, tempo, fundos, talento… se desenvolvo esses, não há limites.

Mais ainda, mesmo se for capaz de produzir as matérias primas, ainda requereria o equipamento e tecnologia necessárias para fazer as partes. Tendo preparado blocos do tamanho e forma necessária para o que quero fazer, requereria uma furadeira de bancada. Isso é realmente irrazoável, ainda que também existe o método de fazer as partes uma a uma como um ferreiro, mas…
Obviamente, alguém que trabalhava em uma metalúrgica como eu, não tem essas habilidades, apesar de que o metal liquido mágico solucionou tudo isso.

Terá a forma baseando-se na imagem mental ao injetar mana. Terá força proporcional à mana injetada. Penso que será capaz de suportar a temperatura e a pressão do gás, quando disparar o projétil. Não há melhor material neste mundo para fazer armas de mão.

Arrependo-me por ter fugido em minha vida anterior, decidi que neste mundo onde reencarnei nunca fugirei, e ajudarei a qualquer que esteja com problemas. Não tenho talento como mago, por isso, mesmo deixando de lado o ajudar as pessoas, não tenho o poder de proteger as pessoas importantes para mim.

Mas como resultado de minha busca de poder, conheci a existência do metal liquido mágico, que me levou a pensar “Posso fazer armas com isto?”
Apesar de que desde meu ponto de vista, meus objetivos são nobres, enfrentando ao fato de que “farei armas de fogo”, me sinto enjoado. O sonho de fazer armas só ocorreu na minha vida passada, o que me emociona um pouco.

Nessa vida, só li livros de desenhos técnicos e desmontagens enquanto bebia sake em casa depois do trabalho, e me sentia enciumado dos videos daqueles que faziam modelos de armas a partir de lixo para internet. Permaneceu com um sonho pelas leis, fundos e o tempo.
[NT: Nessa parte ele se refere a vida passada dele]

Mas neste mundo não há coisas como “lei de controle de espadas e armas de fogo”, e o melhor material em que poderia pensar está na minha frente.

Entretanto, há um monte de dificuldades que tenho de passar, mas mais que preocupar-me pelos problemas, a alegria de ser capaz de iniciar é de longe o melhor. Com um sorriso, que não consigo tirar, ponho minhas mãos no metal liquido mágico e começo.

“Então, começarei de imediato a fazer armas…… Me pergunto se deveria fazer o cilindro primeiro como uma prova”

Fecho meus olhos, espero um tempo, e imagino o cilindro dentro da minha cabeça…

***

Depois de iniciar a fabricação do revolver “S&W M10”, há passado meio ano (6 meses).

Na manhã ajudo a Elle-sensei com as aulas e tomo a iniciativa de terminar minhas tarefas antes da tarde. Me movo ao jardim traseiro do s orfanato enquanto carrego o barril, cujo conteúdo diminui bastante.

Dia a dia, fabrico as parte pouco a pouco, mas trabalhar na ranhura do barril tem tido seus problemas.

A ranhura é uma canaleta feita no interior do canhão do barril. É necessário para dar a rotação da bala, estabilizar o vôo e aumentar a pontaria. Há dois métodos representantes de fazer as ranhuras.

“O método do botão”, que consiste em escavar as ranhuras utilizando uma ferramenta similar a um martelo chamado Broca.

“O método do martelo Gelado”, que consiste em cobrir um palito com a forma da ranhura e ir introduzindo-o no barril aplicando pressão com base em uma martelada. Essas são as duas formas de fazê-lo.
Uso o último, o método do martelo gelado, já que é útil para a produção massiva de armas pequenas, com as ferramentas que o fabricante esteja usando.

Fazer o palito do núcleo que apliquei as ranhuras é um trabalho árduo, mas uma vez terminado com metal liquido mágico sou capaz capaz de estriar barris de canhão em grandes quantidades.

Ainda que o método do martelo gelado foi problemático no começo, tive mais problemas desenvolvendo o palito de núcleo do que esperava, já que fiz um grande número de versões e estive escolhendo o mais adequado por cerca de dois meses.

Mas graças a minha compreensão de ranhuras dos barris, finalmente o fiz. Depois de embeber minhas mãos no metal liquido mágico e imaginar a forma, para injetar mana o suficiente para fazer ranhuras de alta qualidade no barril depois estabilizá-lo, fui capaz de alcançá-lo.

Apesar de todos os problemas… imaginei que seria simples fazer a estrutura do revolver ao de uma arma automática (*risos*), mas depois me dei conta dos problemas de ajustes depois de testes e erros, me irritei com o cilindro que deixava de rodar em uma posição fixa, mas ao menos fui capaz de reproduzir a estrutura.

E então fiz o primeiro protótipo!

Um sólido e negro revolver “S&W M10”

Também fiz o ponto de mira e a mira traseira [NT: Massa de mira e alça de mira]. O cabo não está feito de madeira, e sim feito de metal entalhado com padrão anti-deslizante. O guarda mato, o bastão ejetor e o escudo de recuo estão feitos apropriadamente.
Mais ainda, ainda que não são necessárias, também fiz ranhuras no cilindro para que que seja atraente.
[NT: essas ranhuras no cilindro são aqueles espaçamento das balas no cilindro da arma, vou colocar uma imagem no final do capítulo]

O metal parece realmente pesado, mas graças a propriedade do metal liquido mágico “Ter força em proporção à mana injetada”, é quase tão leve quanto uma revolver de brinquedo.

Quando tentei disparar ar, o ‘clic’ no cão e a sensação de rotação do cilindro foram grandiosas. Hoje finalmente estou fazendo testes de disparo, mas o problema é o projétil [ou bala].

Neste mundo, não há pólvora negra, não há pólvora sem fumaça. Se não me engano, a forma de fazer pólvora sem fumaça é… misturar nitroglicerina e envolvê-la em algodão, certo? Ug, o obstáculo é muito alto…

Mesmo se pudesse fazer pólvora sem fumaça, por ela nas balas e que se detone quando se golpeia a bala, não é tão simples.

Especialmente, já que a velocidade de combustão requerida para pistolas e rifles são diferentes.
No caso das pistolas, requerem “Um propulsor que termine de queimar antes de que a bala deixe o barril”, já que o barril é curto. Devido a isso, os propulsores moderno vêm em grânulos pequenos.

Se um tronco de madeira e uma massa equivalente de palitos de madeira foram prendidos simultaneamente, qual queimaria mais rápido?

A resposta é óbvia, seriam os palitos, já que têm uma maior área de superfície, e como a pólvora, os grânulos queimam mais rapidamente, ainda que não é algo que simplesmente explode.

Enquanto penso em como resolver os problemas um por um, mas todos eles se resolveram com um golpe de mana.

Os magos podem converter mana diretamente para fogo, água, vento, eletricidade, terra e coisas assim.

A água e a terra poder ser criadas do nada. Mesmo o fogo e o relâmpago não podem vir da energia armazenada no corpo do mago. Parecia ser uma violação da lei de “conservação de massa”, mas mesmo se não entendo o processo, matéria e energia claramente aparecem (posso dizer que a energia sai do nada, mas não sei se estou certo). Mas sem se importar com a “especialização do sistema” que um mago tem, a imaginação é um fator importante na criação de matéria ou energia.
No caso de ser capaz de alcançá-lo, mesmo fracamente, os quatro elemento da magia “fogo”,“água”,“ar”“terra”, e tendo conhecimentos práticos da pólvora, creio que posso produzir pólvora sem fumaça usando mana.

Com esse pensamento, repetidamente tento por testes e erros usar a técnica de controle de mana que aprendi.

Tenho as bases do controle e o seguinte é controlar a velocidade de combustão com o poder da imaginação.

Na primeira tentativa, em vez de ser tão grandes que não cabem no cartucho, faço umas que são muito pequenas e caem.

Agora mesmo, depois de anotar os pequenos ajustes, trabalho nas balas ignorando a pólvora, até poder completá-las sem problemas.

Reviso minhas anotações sobres os ajustes e ponho só minha mão direita no metal liquido mágico.

Partes que compõe o cartucho: O tamanho é.38Special(9×29.5mmR)

Começo a concentrar mana em minha mão e a libero enquanto imagino a detonação, combustão, explosão e mais uma vez, solidifico. Um delicado controle de mana é necessário, mas já tenho prática nisso e quando terminei a solidificação, deixei sair uma respiração que sem saber, tinha prendido-a.
Além disso, o cubro com o núcleo de uma bala. E quanto às propriedades metálicas, imagino chumbo cobrindo com uma fina camada.

Ponho o detonante na parte final com um pouco de manda para induzir uma pequena explosão, para finalmente cobri-lo todo e terminar a bala.

Tiro minha mão do metal liquido mágico e um cartucho das memórias de minha vida passada está criado na palma da minha mão, sem mostrar diferença de um verdadeiro.

“O problemas é se a bala sairá corretamente ou não”

Ponho a bala no revolver de uma vez e fecho o cilindro sem nenhuma dúvida. Pego um tijolo e o ponho sobre uma caixa de madeira que encontrei nas redondezas. Um alvo adequado.

Me distancio à uns nove metros e com minha mão direita seguro, o revolver, com toda minha força, fazendo uma pose de atirador enquanto reforço o equilíbrio com minha mão esquerda, sendo esta a postura básica de pistolas.

Minha mente tem 30 [anos], meu corpo tem 6. Preparando-me para o recuo, reforço todo meu corpo. O cão se levanta enquanto eu prendo a respiração, enquanto toco o gatilho com meu indicador. Lentamente, pressiono o gatilho.

KAAABOOOOM!!!!

“Guaa!?”

Não foi o barulho de uma bala sendo disparada.

Foi o som de uma explosão ao falar a arma!

[NT: um ponto importante é que aqui diz “It was a kaboommisfire”, sendo em inglês ‘kaboom’ um termo informal para uma falha catastrófica de uma arma]

O revolver foi sobrado a partir de dentro. Graças ao reforço corporal, as palmas das minhas mão e meu dedo indicador estavam seguros.

“Dói tanto que quero vomitar~”
Qu-Que foi esse barulho!? Hiii!?”

Elle-sensei escutou o barulho da explosão e correu em confusão ao jardim traseiro. Vendo minhas feridas, deixou sair um pequeno grito, com a cara pálida como se tivesse perdido todo o rastro de sangue.

Rapidamente corre até mim parecer estar a ponto de chorar, e revisa minhas feridas, assegurando-se de que não estou ferido além de minha mão direita, e ao notar que não há feridas mortas, sua cara recuperou a cor. Deteve as crianças que cercavam ao ter escutado o barulho, em uma voz forte.

“Ninguém venha! Os mais velhos levem as crianças pequenas para dentro!”

Com essa ordem, as crianças voltaram ao orfanato…

“Lute-kun! Que raio fizeste para acabar assim!?”

Enquanto se mantém me dando bronca, ela cobre minhas mãos encolhendo-as.

“Luz que arde em minhas mãos, Cura!”

“…… Oohh”

Como se esperava de uma mago rank B. Uma quente luz emerge de suas mão e une meus dedos, quase separados, como um imã, recuperando sem sequer deixar cicatrizes.

“Muito obrigado, sensei”

Não me agradeça! Que fizestes para terminar com tal ferida!”

Bom, pus um pouco de poder a mais neste dispositivo mágico no desenvolvimento”

Explicar toda a pistola desde o principio será muito demorado, assim que toma tempo fazê-lo entendível. Encurtando a explicação, faço uma história acreditável e Elle-sensei olha o metal liquido magico dentro do barril.

“… Não entendo o que está fabricando, mas desde que fez muito barulho e fez todos se preocuparem, venha ao meu escritório para uma bronca”

“Irei, irei! Irei, assim que por favou não arranque minha orelha!”

el

Elle-sensei me leva pela orelha, justo como faria uma mãe da era Showa, e me leva para dentro do orfanato.

Na oficina, me sento em posição seiza, e inicia um longo, longo sermão. Por suposto, fico sem jantar e depois de muitas perguntas, me proíbe de fazer experimentos por 30 dias devido ao caos provocado e tenho que fazer trabalhos de castigo.
[NT: Pra quem não lembra, posição “seiza” é ajoelhada]

***

30 dias depois do acidente, terminou a proibição de experimentos! Enquanto fazia os trabalhos de castigo, enumerava os pontos a melhorar da última vez.

o revolver falhou, mas as ranhuras estava claramente gravadas no núcleo da bala que acertou o chão, o que porva que a bala viajou apropriadamente pelo barril. O problemas foi provavelmente devido à que havia muita magia e poder na imagem do substituto da pólvora, tornando a explosão muito poderosa.
Durante a era da pólvora negra, a cápsula só necessitava estar recheado até a metade com pólvora, sendo chamado “espaço de ar” o espaço restante.

Quando a pólvora tipica estala, este espaço serve para dever a bala do repentino incremento de pressão e regular sua velocidade. De acordo com os especialistas, a cápsula esta originalmente pensada para “ser recheado com a quantidade precisa da classe correta de pólvora”.
E desde meu juízo amador, o que acontece se não considero o espaço de ar ou escolho o tipo e quantidade justa de pólvora enquanto recarrego a bala?

O pior dos casos: Uma falha catastrófica da arma.

Tenho polido minha capacidade de imaginar pólvora, depois de poder construir um revolver em menos de meio ano, e devido a isso a força da imagem e o poder injetado foi muito.

Enquanto faço um novo revolver, devo regular a quantidade de poder mágico e a força de minha imagem e também determinar a quantidade de pólvora à por.

Desde agora o tempo de tentativa e erro, e tomar notar começa.


Notas finais:

Traduzido e formatado por: KooZ

Revisado por: Pode ser você xD

Sem Título-1

S&W M10 – Parte destacada de vermelho é a ranhura do cilindro.

Comentarios em Gun-Ota: Volume 1 Capítulo 7

Categorias