Colinas de Sangue!

 

 

Em pé sob a colina estava Kirk, não escondendo a vontade de matar em seu rosto. Em baixo estava nós, cansados, olhando para ele e os quatro aventureiros, bem equipados. Dois deles era os grandalhões de ontem a noite, equipados com armadura de ferro, e uma espada de duas mão.

Havia um mago entre eles, manto escuro, colar mágico e anéis em seus dedos, segura um cajado, curvado e escuro. O último integrante era um homem de corpo esguio, olhar sórdido, segurava um longo arco composto, sua mão retirava uma flecha da aljava, puxando a corda do arco, deixando a flecha de prontidão.

“Covarde!” rosnou Mia, se agachando pronto para saltar para a luta.

Coloquei minha mão sob seu ombro, dei um passo adiante.

“Deixe eles comigo!” eu disse sem pensar.

“Você está maluco?” Gritou Sofie.”Eles são cinco aventureiros, bem equipados, seus níveis maiores do que o seu! E você, não tem armas e apenas um nível 3!”

Eu ri, a meia-elfa sempre irritada expressando um rosto preocupado era algo novo para mim.

“E verdade que estão bem equipados, mas eles são fracos” respondi.

“Não, se vamos lutar, sangrar ou morrer, será juntos, como uma equipe!” disse Mia para mim. “Não tente bancar o herói, Lyam, vamos tirar esses sorrisos podres dos rostos deles!”

Queria enfrenta-los sozinho, mas Mia não permitiria. Somos uma equipe, ela disse para mim, palavras gentis e calorosas que me encheram com um novo vigor. Cerrei meus punhos, os impregnando com poder mágico.

“~Oh, Mia, esse rosto sombrio não combina com você~” disse Kirk sorrindo. “Sabe, eu não sou pessoa má, apenas quero que esse garotinho maltrapilho se desculpe comigo!”

Se era só me desculpar não haveria problemas.

“Se é isso, não há problemas….Me….”

“~Não, não, palavras não são suficiente”disse ele me interrompendo, seus lábios se curvaram cruelmente.”Se você se ajoelhar, beijar minhas botas, e deixar as garotas, eu aceitarei suas desculpas sinceras.”

Eles e seus companheiros riram desdenhosamente.

Eu me virei, fitando aquelas duas garotas. Se eu fizesse o que Kirk queria, sabia o que aconteceria com elas. Nossos olhos se encontraram; nos olhos de Mia não havia o menor sinal de dúvida, mesmo me conhecendo a poucos dias ela de alguma forma, confiava em mim. Sofie era o mesmo, encontrei uma confiança e preocupação. Sua boca não era honesta, mas seus olhos, contava a verdade que ela escondia em suas palavras afiadas.

Eu as conheci por apenas dois dias, mas, um vínculo invisível de amizade se formou entre nós.

Se eu for sangrar, que seja para as proteger.

Eu sorri para elas, um sorriso largo de alguém que jamais as trairia.

“Kirk!” eu rosnei para ele. “Eu vou tirar esse sorriso nojento de seu rosto! Arrancar dente por dente e fazer você implorar por piedade!”

Não sei de ontem veio aquelas palavras cruéis. Talvez algo das profundezas do meu inconsciente, aonde minhas lembranças estavam protegidas. Não sabia ao certo, mas, não me importava mais com meu passado.

Eu tinha algo para proteger.

Eu me agachei, chutei o chão ativando「Aceleração」, preparando para socar a cara dele, e retirar o sorriso podre de seu rosto.

“Tch…Morra, lixo!” gritou Kirk erguendo seu escudo, desenhou um arco com sua espada para me receber.

Mudei minha posição de combate, meu punho se transformou em uma palma, concentrando poder mágico.

“Não receba seu golpe de frente, e perigoso!” gritou o mago, agitando seu cajado e murmurando um feitiço. “Que a magia em minhas veias se materialize em um muro de terra!「Muro de terra」!

O chão tremeu, uma parede surgiu, antes que eu pudesse acertar Kirk.

“「Palma Esmagadora de Pedras」!”

O muro de terra explodiu, pedra se estilhaçou, lançando pedregulhos para todo lado. Surgi da poeira, avançando sem parar, do outro lado o rosto de Kirk preenchido com descrença.

“Hiiiii…Monstro!!”gritou Kirk, brandindo sua espada em minha direção.”「Golpe espada」!”

A lâmina da espada foi coberto por uma leve luz azul. Desceu em um arco, encontrando meu ombro, meu ombro estremeceu, queimava, mas a espada apenas conseguiu fazer um corte raso.

“Impossível!”gritou atônito um de seus companheiros. “「Golpe espada」Lv.3, fez apenas um corte raso!”

“Ele é um humano?”

“Não, impossível, ele deve estar protegido por alguma proteção mágica!”

“Vamos, acabar com esse garotinho, antes que ele mate o filho do chefe!” disse o arqueiro, disparando uma flecha contra mim.

A flecha sibilou no ar.

Agarrei o braço de Kirk, puxando para o lado, usando-o como um escudo de carne. A flecha acerto seu peito, ele uivou de dor, mas não morreu a armadura de couro que trajava o protegeu.

“Para onde está olhando?” Gritou Mia, em cima do arqueiro formando garras com sua mão, visando o pescoço do inimigo. Ele saltou para trás, evitando o golpe. Mia girou seu corpo, dobrou uma das pernas e saltou com o joelho impregnado com poder mágico. “「Quebra ossos」!”

O joelho dela encontrou o queixo desprotegido do arqueiro, acertando com forte impacto, seguido pelo som de osso quebrando. A força do impacto foi tão poderoso que o lançou seis metros no ar.

Seu corpo caiu sobre rochas, convulsionou, logo estava morto.

Dois grandalhões cobraram urrando, enraivecidos pela morte de seu companheiro. O mago me encarava, tentando descobrir como me matar sem ferir kIrk. Virei Kirk em minha direção, encarei seus olhos podres.

“Se você me matar, meu pai vai te caçar e o torturar, arrancando sua pele e quebrando osso por osso até você desejar morrer, mais vai ser curado e se torturado novamente!” ameaçou ela com um sorriso podre em seu rosto.

“Não vou te matar!”eu disse sorrindo.

kIrk sorriu.

“Você e inteligente, gosto disso, que tal trabalhar para mim?” perguntou ele.

“Não vou te matar” voltei a dizer e completei: “Não, até eu fazer você implorar por perdão!”

Uma frieza surgiu em meu coração. Palavras cruéis surgia em minha mente. Por dentro eu estremeci, temendo saber quem eu era. Medo de descobrir que possa ser alguém como Kirk, uma pessoa má.

Acertei um soco em seu rosto, quebrando seus dentes, com outro soco sua cara se tornou inchada, sua boca ensanguentada, ele desmaiou.

Olhei para o mago, um novo sorriso surgiu em meu rosto. Não um alegre, maravilhado pelas coisas novas desse mundo. Em meus lábios havia um sorriso, cheio de crueldade e selvageria.

O mago se encolheu em seu manto, engolindo em seco.

“Que a magia em minhas veias se materialize em uma lança de terra e perfure meu inimigo!「Lança de terra」!

Uma lança de terra se materializou, com um gesto do mago, disparou em minha direção.

“「Muro de terra」!”

Recriei a Magia Vermelha Lv.2「Muro de terra」, interceptando seu ataque.

“Impossível! Você é um conjurador?” perguntou ele.

“Não importa, morra!「Espiral de flechas mágicas pesada」!”

Lancei cinco poderosas flechas mágicas em espiral em direção do mago assustado. Ele conjurou um muro de terra, mas, foi inútil, o ataque passou pelo muro de terra como se fosse nada, acertando o mago impotente.

“「Barreira Mágica」!”

Uma membrana translúcida azulada o envolveu, as flechas explodiram em sua barreira, lançando vários metros para trás. Ele sobreviveu ao ataque, em troca mal conseguia se levantar, seus braços projetavam ângulos estranhos.

Tirei o cajado de sua mão.

“Por favor….Não….Não quero morrer….”disse ele, tossindo sangue.

Ergui alto o cajado.

“Não, misericórdia…” Gritou ele.

Eu hesitei, não era um deus, ou juiz para tirar sua vida.

Mas, lembrei dos risos desdenhosos e os sorrisos podres, lascivos em direção de Mia e Sofie. Raiva surgiu do meu âmago, segurei firme o cajado em minhas mãos. Só havia uma coisa a ser feita.

“Não!” eu respondi com uma voz fria, afiada como a lâmina de uma espada. “Você não faria o mesmo por mim.”

Dito isso, o cajado desceu, cortando o ar, esmagando seu crânio.

Eu tinha o matado, fiz minha justiça, fui juiz e carrasco.

“Urgg….” ouvi o grito de Mia, vários corte e machucados adornavam seu corpo. Os dois grandalhões avançavam impiedosamente com suas grandes espadas de duas mão.

Álfar, chamei mentalmente. Distraía um dos grandalhões.

Sim, meu mestre, respondeu ele.

Ele guinchou alto no céu, no mesmo instante, uma flecha de luz branca disparou em direção de um dos grandalhões. A flecha de luz branca o acertou, amassando armadura de ferro, lançando-o para longe.

Ele cuspiu sangue, levantou-se, apoiando em sua espada. Eu avancei usando「Aceleração」, ao mesmo tempo recriei com meu talento inato super gênio a Magia Vermelha Lv.3 「Lança de terra」,automaticamente minha habilidade ativa Magia Vermelha Lv1 se tornou Lv3.

Era assustador a taxa de crescimento das minhas habilidade.

Mirei na brecha em sua armadura de ferro. O grandalhão notou a lança da terra em um sua direção, preparou sua espada, bloqueando a lança de terra com a lâmina da espada de duas mão.

“「Lança de terra」!”

Disparei outra lança de terra, ele bloqueou. Eu disparei mais outra, e outra até usar quase todo meu MP. O grandalhão ofegava, sangrava pelos ferimentos causados pelas lanças que não conseguiu se proteger.

Ele era um cara durão.

“「Aceleração」!「Palma Esmagadora de Pedras」!”

Avancei como o vento, antes que ele pudesse brandir sua espada de duas mãos. Minha palma havia acertado seu peitoral, no mesmo instante seus ossos e órgão foram pulverizados.

Ele cuspiu um bocado de sangue, tombou gloriosamente no chão, morto.

Me virei em direção ao som da batalha, Mia estava toda ensanguentada, Sofie estava pálida lançando Magia Vermelha sem parar contra o grandalhão. Tentei mover minha pernas, mas cai sem força, tentei me erguer, músculos da minha perna protestaram, cai novamente.

Não tinha forças para ficar de pé. Usei os braços, me arrastando, deixando um rastro de sangue. Elas foram as primeiras pessoas que eu conheci nesse mundo. Me deu roupas, alimento, um lugar para dormir e me mostraram esse mundo maravilhoso.

Eu tenho que as proteger, surgiu essa vontade sincera vinda do meu coração.

Álfar desceu dos céus pousando sob mim, lançando sua aura feérica, revitalizando meu vigor e poder mágico, cicatrizando feridas em segundos o que levaria vários minutos da Magia Santa Lv.1「Cura」.

Me levantei, forte como um deus novamente, mas meu MP não tinha sido totalmente recuperado.

Me use mestre, disse Álfar enrolando sua cauda em meu braço. Minha habilidade inata「Alterar forma」permiti me transformar em uma arma, com meu MP atual vou conseguir manter a forma por apenas cinco minutos.

“Um segundo será o suficiente!”

Álfar assentiu, seu corpo reluziu brancura e a forma de um pequeno dragão se alterou para uma espada curta, seu cabo era branco, o pomo tinha formado da cabeça de Álfar, a lâmina era como prata liquida contendo doze runas Arcanas.

Meu poder mágico restante fluiu para a espada Arcana, explodindo em uma aura azulada, todas doze runas reluzia.

Chutei o chão, disparei como um relâmpago, em um instante estava diante do grandalhão. Seus olhos se arregalaram, me olhava como se fosse sua morte. Ele estava certo. Desenhei um arco horizontal com a espada. A lâmina brilhante passou por sua armadura de ferro como se fosse uma folha, rasgando sua cota de malha, carne e osso, o dividindo no meio, sua parte superior caiu para trás e a menor continuou em pé, espirrando sangue.

Sofie cobriu sua pequena boca com suas mãos, quase vomitando.

Álfar retornou sua forma original.

“Um belo golpe!”disse Mia com um sorriso fraco, quase caindo no chão. Eu a carreguei até um lugar longe da carnificina. Sentamos no chão, com as costa na pedra, recuperando nossas energias.

“Temo que se não fosse por você, teríamos um destino horrível, obrigado Lyam!” Mia me agradeceu, sorrindo, seu peitoral de couro estava todo destruído, assim como grande parte de seu equipamento.

“Não me agradeça” eu disse.”Se eu não tivesse comprado briga com ele, nada disso teria acontecido!”

Mia riu.

“Era só uma questão de tempo, para isso acontecer”disse ela contraindo suas orelhas de lobo.”Ele vem me incomodando a muito tempo. Todas vezes me controlei para não socar a cara feia dele, sinceramente, eu fiquei feliz quanto você me protegeu, colocando ele para correr com o rabo entre as pernas.”

Ela sorriu encantadoramente, eu me encabulei olhando para baixo.

“Então Lyam, obrigado!” disse ela sorrindo, dando um leve soco em meu ombro.

“Hump! dessa vez eu vou te agradecer, garoto!” disse Sofie, as maçãs de seu rosto eram puro vermelho.

“Seja mais sincera sua bruxa nanica!”disse Mia, rindo.

“Cala a boca, vira-lata!”

Meus pensamentos caíram sob Kirk desmaiado. Só de pensar no que ele queria fazer com elas, inflamou mais uma vez meu ódio. Me levantei de súbito, caminhei até Kirk.

Mia me seguiu junto com Sofie.

Encontramos Kirk ainda desmaiado, seu rosto estava inchado cheio de hematomas roxos e seus dentes quebrados.

“O que vamos fazer com ele?” perguntou Sofie.

Eu não respondi, o curei com Magia Santa Lv.1, por causa do meu alto level em Magia santa a cura foi mais eficaz, em poucos minutos seu rosto retornou ao normal.

Mia me olhou com cautela.

Kirki despertou assustado.

“Mia e Sofie vão recolher nossos espólios de guerra, eu vou ter uma conversa particular com ele.”

Mia me encarou. Após vários minutos desistiu e arrastou Sofie para longe, e iniciaram seu saque retirando armaduras e moedas que os companheiros de Kirk carregavam.

“Por favor, não me mate….Eu te pago…Olha aqui….Tem dez moedas de ouro Aayonianos!”

Kirk retirou de seu saco mágico uma pequena sacola contendo dez moedas de ouro. Eu as aceitei, e falei:

“Não é o suficiente, quero sua armadura.” eu disse friamente.

Ele me entregou sua armadura de couro negro.

“Não é o suficiente.”

Ele retirou tudo de valor, até ficar sem nada.

“É tudo que eu tenho!” gritou ele.

“Não, não e tudo” eu disse friamente. “Esqueceu de oferecer sua vida!”

Peguei a espada dele, desenhei um arco cortando sua perna direita.

“Ahhhh!”ele uivou de dor.

“Implore!”eu gritei, acertando o pomo da espada em seu rosto, quebrando o resto de seus dentes.

“Misericórdia” gritou ele se contorcendo no chão. Eu o chutei suas costelas, as quebrando. “Eu não fiz nada de errado! Não temos inimizade um com o outro, por que está sendo tão cruel?”

Desenhei outro arco com a espada, cortando seus braços,

“Eu disse para nunca mais as importunar!” falei com uma voz profunda e grave. “Mas, você não me ouviu e esse e o preço por seu crime! Se quiser culpar alguém, culpe a sim mesmo por ser tolo!”

“Piedade, por favor, piedade!” gritou ele como uma criança.

“Não!” eu respondi. “Se quiser piedade peça aos deuses, aos santos, aos homens de bem, mas não a mim, eu não serei piedoso, não com aqueles que tentarem as machucar!”

Desenhei um arco final, o fio de minha espada encontrou sua garganta, a cabeça de Kirk rolou pelo chão.

Eu tinha sido piedoso.

Retornei para elas com a espada encharcada de sangue. Prometi a mim mesmo que não teria piedade com aqueles que tentasse as prejudicar.

A única piedade que eu ofereceria aos meus inimigos seria o aço frio de minha espada.

Retornamos para cidade Elba, bem equipados e cheios de ouro.

Comentários