A batalha contra os Orc! (1 Parte)

 

Eu estava em pé sob uma colina próxima da cidade Elba.

O sol se esconde entre as nuvens como uma jovem donzela tímida. Ventos gélidos sopravam do leste, agitando minha capa azul vibrante. Mia se ajoelhou na terra fria rezando para algum deus de sua tribo. Sofie segurava seu chapéu vermelho de bruxa temendo que o vento soprasse para longe.

“Porcaria de vento!”resmungou ela.

“Cade a porcaria desses Orc feiosos!” grunhiu vários aventureiros próximos. Seus olhos cintilavam de ganancia, ansiando pela batalha, pela prata que ganhariam.

Em nossa posição havia vinte grupos de aventureiros organizado em uma fileira. Atrás de nos havia arqueiros, conjuradores e sacerdotes, mais atrás a cavalaria da casa nobre StoneBroken e os cavaleiros santos da santa igreja freyr.

Somos a primeira linha defensiva, junto com soldados comuns – muitos fazendeiros, plebeus que mal seguravam suas lanças, tremendo, rezando para os deuses. Não era certo o número dos Orc, mas era certo que seriam muitos. “Quanto mais Orc, mais prata para nós!” dissera Sofie no ardor de sua ganancia. Apesar de quanto mais Orc, pior seria para nós, e para aqueles que não desejavam lutar.

“Dessa vez somos a distração” disse Mia para mim.”Pela formação da batalha, seremos a distração para os Orc, enquanto os cavaleiros vão flanquear por ambos lados da horda Orc.”

Pensei por um momento, eu falei:

“Eles não estão subestimando o inimigo?” perguntei para ela sem esperar por uma resposta, continuei:”Se a Horda inimiga tiver dividido sua força em duas, e nosso comandante desconhecer a informação, sofreremos um ataque surpresa pelo franco esquerdo. Veja aquelas colinas mais altas, não da para ver, perfeito para uma parte da força inimiga se esconder e realizar um ataque surpresa.”

Quanto terminei meu raciocínio percebi que todos me olhavam, espantados. Mia me perguntou como eu sabia, tentei me lembrar de como conseguir aquele conhecimento, mas sempre que eu tentava lembrar, a lembrança fugia como um coelho assustado.

“Você não sabe quem é, mas tem um entendimento instintivo” disse Mia pensativa.” Mas os Orc são estúpidos, todos anos eles atacaram de frente, sem nenhuma estratégia.”

“Nunca subestime o inimigo, só porque mostraram um padrão de ataque, não quer dizer que vão repetir o mesmo padrão de ataque nessa batalha. Mesmo os estúpidos tem um certo nível de inteligência, após vários anos usando o mesmo padrão e perdendo, não acredita que vão mudar sua estratégia?”

Mia ponderava minhas conjecturas, outros grupos de aventureiros também.

“Se o garoto estiver certo” disse uma voz masculina, bem alto, para todos ouvirem.”Quanto estivermos em batalha contra a primeira Horda dos Orc, a segunda irá surgir daquelas colinas altas, pegando todos desprevenidos lançando a formação ao caos. Seremos atacados em duas frentes, e muitos, meus caros perderam suas vidas!”

O dono da voz era um jovem alto, usando um chapéu azul adornado com três penas branca. Vestia uma bela camiseta branca de manga comprida, cheia de adornos; sua cintura era enfeitado por uma cinta exótica adornado com bolsas e adagas de lançar; calças de couro escuro; botas marrom com a ponta triangular; usava vários acessórios chamativos; e por fim uma capa azul e em sua mão segurava um alaúde.

Verifiquei seu status:

Janela de status
Nome: Sam RAÇA: Humano
Classe: Bardo Level: 10
HP: 120 MP: 220
Força: 30 Agilidade: 90
Vitalidade: 50 Inteligência: 110
Sabedoria: 90 Sorte: 60
Resistência: 60 Charme: 45
Habilidades Passivas:
Cântico:

Maestria na adaga:

Passos leves:

Persuasão:

Mente de negociante:

Lv.3

Lv.2

Lv.2

Lv.4

Habilidades Ativas:
Magia Musical:

Arremessos com adagas:

Mestre dos disfarces:

Lv.3

Lv.2

Lv.4

Talento inato
Talento Musical: Lv.3

Sua voz de bardo ecoou pelas colinas, agitando as fileiras.

“Eu me chamo, Sam, como podem ver, sou um bardo!” disse Sam ao fazer uma mensura forma para nós.”Devo te agradecer em nome de todos aventureiros presente, jovem BlackWolf.”

“BlackWolf?” perguntei curioso.

“Sim, e o que todos os chamam, após descobrirem sua façanha em derrotar cinco lobos negros” esclareceu ele.

Ignorei aquele nome dado a mim, olhei em volta, preocupado com o medo nos olhos de todos.

“Um jovem nobre da casa StoneBroken está no comando” disse o bardo.”Bem versado em mulheres, mas totalmente ignorante sobre batalhas. Seu pai lorde Max StoneBroken, acredita que vai ser uma boa experiência para seu filho. Mas não será uma boa experiência para nós.”

“Tenho um péssimo pressentimento” eu disse a todos.

O clima ficou tenso entre as fileiras. De repente cavaleiros acompanhando um homem de armadura prateada, capa esvoaçante veio em nossa direção. Parou seu belo corcel de guerra diante de nos.

“É você quem está falando absurdos, desmoralizando a moral de minhas tropas?” perguntou o homem num tom esnobe.

“Não falei nenhum absurdo, apenas a verdade!” eu protestei e perguntei:”Quem é você?”

Seu rosto se contorceu, furioso, como se eu tivesse acabado de o ofender. Aventureiros e soldados suprimiram risos – não muito bem, pude ouvir risos baixos.

“Aventureiro ignorante, eu sou Willian, filho do Lorde Max StoneBroken!” ele rugiu.

“Ah, então você é o responsável por essa estratégia fracasada?” eu perguntei.

“Como ousa dizer que minha estratégia e fracasada!” voltou ele a rugir e apontou um dedo para mim.”O que sabe um aventureiro ignorante sobre estratégia?!”

Sua atitude estava começando a me irritar. Não me importava quem ele era, não iria ficar quieto.

“Sei o suficiente para ver através de sua estratégia!” Falei sobre o que ele planejava fazer, e o resultado de seu plano se eu estivesse certo.”Iremos sofrer graves perdas se eu estiver certo, não me importo quem seja você. Não irei me calar enquanto minhas palavras podem salvar vidas de um plano em que você subestimou o inimigo.”

“…São só Orc estúpidos!” ele gritou enraivecido.”Cavaleiros, matem esse pirralho!”

Seus cavaleiros avançaram a frente, apontando sua lanças de ferro. Gritos em protesto irromperam atrás de mim. Mia e alguns aventureiros ficaram ao meu lado, mas, eu dei um passo a frente, desembainhando a espada bastarda de prata.

Três flash azul prata cortaram o ar, três lanças foram partidas e os cavaleiros surpresos pelo ataque rápido.

Voltei a embainhar a espada bastarda.

“Soldados! Matem-no, agora!” Nenhum soldado saiu de sua posição.”Eu mandei o matarem! Ousam ir contra a casa StoneBroken!”

Os soldados hesitaram, mas por fim marcharam em minha direção, olhares complicado, deixando claro que eram contra cumprir tal ordem irracional.

“Parem aonde estão!” gritou uma voz feminina, alta e poderosa.

A dona da voz era Louise, escudo santo, guardiã da santa igreja de Freyr.

Minha deusa, era resplandecente como o sol. Cabelos brancos ao vento, segurando uma lança dourada, enquanto na outra segurava um grande escudo circular de ouro adornado por diversas joias e runas mágicas.

Não houve quem não a obedeceu.

“O que pretendia fazer?” questionou ela.

“Não é algo do seu interesse, senhorita Louise!” respondeu ele.

“Quantos os fortes usam seu poder contra os fracos, e do meu interesse. Você mandou batedores para verificar as colinas altas?”

“Não houve necessidade de mandar batedores para verificar os arredores, são só Orc estúpidos!” respondeu num tom irritado.

Louise fez uma cara em desaprovação.

“Como um comandante entra em uma batalha sem verificar seus arredores?” Louise o questionou, arqueando uma delicada sobrancelha.”Seu coração frívolo e a incompetência, demonstram que não é apto a ser comandante dessas forças!”

Louise retirou um colar branco com um anel esculpido com um símbolo sagrado.

Ela levantou bem alto e falou em uma voz imponente:

“Com o poder investido a mim pelo Sumo sacerdote da santa igreja de Freyr, eu o dispenso de suas responsabilidades como comandante. Eu assumirei o papel de comandante das forças de proteção de Elba!”

Vivam irromperam em todas fileiras, aplaudindo Louise.

“Você pagará caro por essa afronta!”rugiu ele para Louise.”A casa StoneBroken não permitirá tal afronta a minha honra!”

“Que honra? Não vejo um homem honrado, nem justo, mais sim um tirano que tentou silenciar um jovem que tentou salvar essas forças de um massacre. Willian sua tolice e digna de pena, mas saiba que por me ameaçar, você não estará só me fazendo sua inimiga, mas toda igreja santa de Freyr!”

Ele cerrou seus dentes, esporeou seu corcel disparando em direção a cidade.

“Qual é o seu nome, jovem?” perguntou Louise.

“Lyam…” consegui responder.

“Tem minha gratidão, jovem Lyam!” disse ela friamente.

“Não precisa me agradecer, apenas fiz o que era certo.”

“Todos sabem o que é o certo a fazer, mas poucos tem a coragem necessária para fazer o certo. Seu coração e corajoso e gentil, virtudes raras hoje em dia.”

Eu sorri encabulado.

Louise materializou um anel branco, entalhado com símbolos sagrados.

“Tome este anel para ti” ela me entregou o anel impregnado de energia santa.”Se um dia precisar de ajuda, vá até a igreja santa Freyr e mostre esse anel e terá ajuda e um abrigo seguro.”

Louise esporeou seu corcel branco retornado para as linha de trás, assumindo o comando.

“Louise e poderosa e tem a igreja santa de Freyr como apoio” disse o bardo.”Mas você é apenas um aventureiro, sem um poder te apoiando, hoje BlackWolf você fez a casa nobre StoneBroken sua inimiga.”

“Em troca evitei nossas possíveis mortes” falei entre ombros, e com um sorriso travesso falei:”É ganhei o favor de minha deusa.”

“Um pequeno bastardo, sortudo!” exclamou o bardo de bom humor.

“A sorte dele e maior do que a lua!” resmungou Sofie.

“Te fato, um sortudo, mas apenas sorte não salvará nossos pescoços quando a casa nobre StoneBroken decidir nos caçar!” disse Mia.

As fileiras gritaram vivas e bateram palmas. Encabulado, não soube o que falar, ao notar grupos de aventureiros se reunindo a minha volta, gratos. Estava a menos de três dias naquele mundo, nenhum deles foi tranquilo. Eu tinha um talento natural em atrair problemas.

“Coisas interessantes acontecem a sua volta, BlackWolf, eu desejo fazer parte de sua equipe, posso?” Perguntou o bardo de bom humor.

Olhei para Mia, aguardando sua resposta.

“Não vejo porque recusar. Ter um bardo em nossa equipe será um benefício para todos. As canções de um bardo pode elevar nossa moral e pode diminuir a moral do inimigo, são o melhor suporte que aventureiros vão desejar!”

Te fato seria melhor para nossa equipe ter mais membros. Não sabemos os perigos futuros que enfrentaremos. Ter alguém especializado em magias de suporte pode salvar nossas vidas em momentos que nosso poder de fogo não ser suficiente.

“Seja bem vindo aos GrayWolves, Sam!” eu falei.

Membros dos GrayWolves: 4


As fileiras foram reposicionadas de uma forma que se houvesse um ataque vindo das colinas altas, não seríamos pegos de surpresa. Sofie conjurou duas Magias Santas Lv.3「Grande Proteção Santa」e「Bênção das Valquírias 」, eu recrie as duas Magias Santas Lv.3, subindo minha Magia Santa Lv.2 para Lv.3.

Meu talento inato Super Gênio atingiu Lv2!

Grande proteção santa aumenta em 30% resistência contra ataques mágicos e físicos. Benção das valquirias aumenta em 20% a velocidade e evasão. Como eu lancei as mesmas Magias Santas「Grande Proteção Santa」e「Bênção das Valquírias 」, duplicando os efeitos.

Sam, tocou seu alaúde, cantando três canções;「Canção dos Guerreiros」;「 Conto de Magni e Modi 」;「Conto de um feiticeiro 」.todas canções eram inspiradoras. Aumentando força, resistência e coragem, e aumentando a regeneração da magia.

Ficamos fortes como deuses.

“Com isso não temos muito o que temer!” eu falei entusiasmado.

“Quero lembrar que o efeito da música dura 20 minutos” advertiu Sam.

No horizonte surgiu os primeiros Orc.

Eram altos, fortes, sua cor de pele variava do verde ao um cinza repugnante. Trajavam armaduras de peles, outros armaduras escuras, segurando escudos redondos de madeira e lanças de ferro.

Bum! Bum! Bum! Bum! Bum!

O som de tambores retubavam pelas colinas.

A horda avança pelas colinas em nossa direção. Atrás deles, estava alguns Orc mais altos de um tom de pele escuro, trajados com armaduras pesadas, montados em lobos negros.

Seus rostos eram pintados com uma tinta branca formando uma caveira em seus rostos.

“Orc de Guerra, os deuses não está ao nosso favor!” Exclamou Sofie.

“Eles são fortes?” perguntei.

“Sim, são dez vezes mais forte do que um Orc comum. Não o encare sozinho, para derrotar um desses Orc e necessário 2 equipes de aventureiro com seis membros cada!”

Minha deusa apareceu cavalgando em frente de todos.

“Cavaleiros! Soldados! Aventureiros! Homens de bem! Ouçam os tambores, nosso inimigo chegaram! Levantem seus escudos e preparem suas espadas! Hoje vamos regar as colinas com o sangue de nossos inimigos! Que o glorioso deus Freyr nos abençoem!”

Louise retirou um berrante ornamentado de joias de seu cinto e o soprou.

Uuuuuuuuuuuuuooooooooooooooooooooo!

A terra pareceu tremer e o som dos tambores de guerra do inimigo não se pode mais ouvir. Meu corpo foi preenchido de energia revigorante, coragem e força. Todos berraram, não eramos humanos, mas sim heróis dos contos antigos.

“Conjuradores, arqueiros, ataquem ao meu comando!” Gritou um dos cavaleiros com elmo que cobria seus olhos e projetava duas presas de javali.

Arqueiros apontaram seus arcos para a Horda, conjuradores apontaram seus cajados, varinhas e bolas de cristais.

“Preparar!!!!” gritou o cavaleiro.

A horda avançava, fazendo a terra tremer.

Retirei minha espada bastarda da bainha, apontei para os inmigos. Conjuradores mais experiente cantaram seus feitiços, deixando prontos para os lançar ao comando do cavaleiro.

Segui o exemplo, conjurei uma, duas, três, oito, dez, quarenta flechas mágicas. Conjuradores e guerreiros ficaram surpresos pela quantidade de flechas mágicas. Mas não foi só isso, conjurei mais vinte lanças da terra, naquele instante magos desmaiaram não acreditando em seus olhos.

Meu level atual era seis e o total do meu MP era 890, minha inteligência e sabedoria são bem altos, aumentando o dano causado pela magia e reduzindo o custo de poder mágico para conjuração. Minha habilidade passiva 「Maestria Arcana」alcançou Lv2 diminuindo em 40% o custo necessário para uma conjuração, aumentando a taxa de recuperação MP em 20% e aumentando dano do ataque mágico em 10% !

Em poucas palavras eu posso lançar mais magia do que um conjurador normal. Minha recuperação de MP era assustador também e o dano causado por minha magia não era para se levar de ânimo leve.

“Preparar!” voltou a gritar o cavaleiro.

A horda tinha entrado em nossa área de ataque.

“Fogo!!!!!!!”

Disparei primeiro minhas quarenta flechas mágicas, cortando o ar, atingindo os primeiros Orc, explodindo suas cabeças e criando buracos enormes em suas armaduras.

Quarenta flechas mágicas e quarenta mortes.

Atirei as lanças de terra, zuniram no ar, perfurando vários Orc de uma vez. Vinte lanças de terra e 32 mortes.

Eu subi 3 níveis e minha Maestria Arcana estava a ponto de romper para o Lv.3!

“Não pode ser…..” gritou um dos aventureiros próximo.

“Tanto poder mágico, ele é humano?”

“Pelo javali dourado de Freyr, esse BlacWolf é insano!”

“Pessoal, parem de olhar e ataquem!” gritou o cavaleiro.

Arqueiros puxaram a corda de seus arcos, disparando uma saraivada de flechas. Magos iniciaram o bombardeio mágico com Magia Vermelha Lv3:「Bola de Fogo」;「Bola de ácido」;「Bala de pedra」;「Flechas mágicas múltiplas」;「Estaca de gelo」;「Relâmpago」;「Flechas de água」,「Esfera de raio」.

Explosões sacudiram as planícies, massacrando incontáveis Orc de uma vez. Eu recriei facilmente as novas magias com meu talento inato Super Gênio Lv.2 , por usar tantas magias de uma vez, minha Magia Vermelha Lv.3 subiu para Lv.4 , tornando meus ataques mágicos mais poderosos e possibilitando aprender magias de nível 4!

“Cara, esse garoto é um demônio bastardo!” gritou alguém indignado.

“A mãe desse bastardo só pode ser a maldita Gullveig!”

(Magusgod: Para curiosidade Gullveig era uma deusa nórdica é uma bruxa Vanir, que era muito gananciosa e amava o ouro)

“Sério, alguém, por favor, alguém, me diga se ele realmente é humanos?”voltou a perguntar um aventureiro.

Parei de lançar feitiços quanto meu MP baixo para 20% deixando o trabalho para os magos restantes. O bombardeio continuou com o suporte de sacerdotes e bardos como Sam, cantando músicas para recuperar MP e aumentar o dano causado pela magia.

No fim do bombardeio mágico, 740 Orc forma derrotados, destes 740 eu derrotei 320 Orc. Eu subi para o nível 12!

Os corpos despedaçados dos Orc forravam as colinas como um tapete mórbido. Vento soprando do leste trazia consigo o cheiro nauseante dos cadáveres.

As fileiras se reposicionaram novamente e a cavalaria atacou os Orc restante – que não eram poucos, deve haver mais de mil.

“Avante! Por Freyr!”Brandaram os cavaleiros sob a liderança de Louise, cavalgando para a linha de frente.

Os Orc levantaram suas longas lanças anti-cavalaria. Louise fez uma varredura com sua lança quebrando as lança Orc como pau podre. Era minha deusa da beleza, agora era também minha deusa da guerra. Cabelos esvoaçantes, cada expressão divina feita ao perfurar um Orc, por onde atacava deixava uma trilha de corpo.

“Pare de sonhar acordado!” gritou Mia com o rosto aparentemente irritado.”Eles estão vindo!”

Retornei para realidade. Eles avançavam, correndo como touros enlouquecidos. Preparei minha espada, guerreiros levantavam seus escudos, outros seguravam poderosas espadas de duas mãos.

“Vamos fazer picados de Orc! Ahhhhh!” gritou um guerreiro, avançando, brandindo sua espada.

“Venham, para o papai, minhas moedas de prata!”gritou outro guerreiro.

Mia e eu nos entreolhamos e assentimos um para o outro, avançamos.

“Pelo javali dourado de Freyr! Esse garoto não era um conjurador?”

“Pessoal, o pequeno demônio está na área, derrotem o máximo possível de Orc, antes que ele derrote todos!” advertiu outro guerreiro.

O que aconteceu para estarem me descriminando dessa maneira?

Não paguei atenção, avancei usando「Aceleração」,correndo na velocidade de um cavalo de guerra. Mia me acompanha em alta velocidade, ela sorria mostrando suas presas caninas. Nos deparamos com os primeiros Orc, brandi minha espada bastarda com as duas mão. Orc levantou seu escudo de madeira, fio da lâmina encontrou o escudo da lâmina, o partindo, cortando seu antebraço musculoso. A criatura berrou de dor e brandiu seu machado, mas devido a diferença de nossas forças, era como ver uma lesma rastejando, desenhei um arco, fio da lâmina encontro o pescoço do Orc, o decapitando.

Mia era uma loba feroz, com suas novas soqueiras de pratas o dano causado por seus socos era insano. Com apenas um soco certeiro na cara de um Orc a cabeça explodiu!

Não só isso, seus ataques estavam rápidos e precisos. Em um soco eu podia ver três de uma vez, ou seja ela estava desferindo três socos por segundo!

Observei outras batalhas, procurando habilidades e artes marciais que eu pudesse recriar aumentando meu poder de fogo.

“「Multiplos Cortes」!” o espadachim usou uma habilidade de perícia de esgrima Lv3, criando três cortes em um único ataque

“「Corte perfeito」!” o espadachim desembainhou sua espada em uma velocidade rápida, desenhando um flash prateado cortando o Orc no meio.

“「Impulso relâmpago」!” as bota do cavaleiro mágico foi coberto por um relâmpago, chutando o chão, avançou como um raio, cortando tudo pela frente.

“「Golpe esmagador」!” o espadachim de corpo robusto ergue sua espada de duas mãos no alto, ao colidir com o chão todos Orc em um raio de três metros foram esmagados por uma força invisível.

“「Giro Espada」!” o espadachim, girou, cortando todos Orc que o rodeava.

Eu fui cercado por seis Orc, mentalmente recriei todas habilidades. Aumentando mais uma vez meu talento inato Super Gênio para o Lv.3! Minha visão Arcana subiu de Lv.1 para Lv.2, minha visão se tornou mais aguçado e meu raciocínio mais rápido.

Talento inato:
Super Gênio Lv.3
Experiência: (0/100)
Para seus olhos e mente de um super gênio não há nada que você não possa fazer, nenhuma língua que não possa falar ou escrever. Quando visto uma habilidade ou talento pode o recriar adquirindo a habilidade desejada, não precisando de treinamento, estudos ou cântico para conjurações.
No Lv.3 você pode recriar qualquer habilidade ou talento inato até Lv.6 de alguém no máximo quarenta níveis acima de você. Agora você vai estar ciente de tudo no raio de sua visão, ganhando uma compreensão intuitiva.

Meu talento inato se tornou muito forte. De uma forma intuitiva eu estava ciente de todos em meu campo de visão, havia um ponto cego, mas comparando com antes, era como a diferença entre o céu e a terra.

Maestria na espada mágica atingiu o Lv.2, depois de algumas batalhas Lv.3, aumentando o dano mágico e físico da espada em 60% , a velocidade com o manejo da espada mágica aumento em 30%, ou seja em um segundo eu posso brandir a espada três vezes, criando três cortes em um único segundo! Além disso o dreno de energia aumento em 10%, aumentando a taxa de dreno de energia do inimigo por ataque.

Habilidades passivas, força tirânica, regeneração, perícia em armadura leve atingiram Lv.2.

Todo Orc que entrava em minha linha de visão, morria. Flechas mágicas, técnicas de espada, artes marciais. Eu me tornei um furação de morte.

“Alguém pare o BlackWolf!”

“Não, minha prata, aquele pequeno bastardo!” gritou o guerreiro, chorando, me vendo derrotando inúmeros Orc.

“Sério, alguém, por favor,deuses, humanos, demônios, me respondam ele realmente é um humano?!!!” perguntou um aventureiro.

Sons de espada colidindo com escudos retubavam por toda colina. A terra tremia com o galope dos cavalos perseguindo a força restante dos Orc.

O vento soprava e o sol estava se pondo tingindo o céu de um laranja quase avermelhado. Eu estava sentando em uma pilha de cadáveres de Orc, minhas mãos trêmulas seguravam a espada bastarda fincada no último Orc que eu derrotei. Meu rosto e roupas estavam banhados de sangue.

Acima de mim corvos famintos rodopiavam, impulsionados por um frenesi causado pelo cheiro do sangue fresco.

Eu havia derrotada 399 Orc, subindo para o nível 15.

Soldados e aventureiros gritavam vivas, descansando, curando suas feridas. Sofie e o Bardo Sam, ajudava a curar os cortes dos guerreiros machucados.

Meu olhar permaneceu imóvel sob as colinas altas. Venham, eu pensei, clamando por uma nova batalha.

Os corvos fugiram assustados, a terra tremeu, os deuses ouviram meu pedido.

Das colinas altas surgiu uma segunda Horda. Me levantei, retirei a espada bastarda do corpo do último Orc que eu derrotei. Álfar tratou todas feridas, revigorando minhas forças.

Eu estava pronto para uma nova batalha, com passos largos e firmes, caminhei em direção a segunda Horda.

Eu sorria.

Janela de status
Nome: Lyam Marwe Raça: Humano
Classe: Lorde Arcano Nível: 15
HP: 2.300 MP: 1.790
Força: 1.200 Agilidade: 800
Vitalidade: 990 Inteligência: 889
Sabedoria: 820 Sorte: 99
Resistência:  900  Charme:  72
Habilidades Ativas
Invocar Familiar Arcano:

Magia Arcana:

Magia Santa:

Magia Vermelha:

Artes Marciais:

Lv.1

Lv.1

Lv.3

Lv.4

Lv.3

Habilidades Passiva
Maestria Arcana:

Maestria Espada Mágica:

Maestria Lança Mágica:

Força Tirânica:

Regeneração:

Perícia em Armadura leve:

Meditação:

Lv.2

Lv.3

Lv.1

Lv.2

Lv.2

Lv.2

Lv.3

Talento Inato
Super Gênio:

Visão Arcana:

Lv.3

Lv.2

Comentários