Intermissão

 

 

Voando pelo vasto céu azul ilimitado. Acima sobre o mar de nuvens brancas. Havia um imenso navio mágico.

Seu formado era parecido com a de um tubarão e seu casco de um metal azul fosco refletindo a própria luz solar.

Usando o conceito dos reatores mágicos dos mechas, foi possível a criação de navios mágicos voadores. Permitindo voar de um território para outro em um curto período de tempo com a incrível velocidade de 340,29 m / s – velocidade do som.

Abrindo novas rotas de comercio entre os países do continente leste.

Originalmente essa tecnologia criada pelo grande mago Lyam Marwe. Foi criado com o objetivo de transportar tropas e recursos rapidamente de um lugar para o outro. Na guerra aonde a logística pode se tornar um fator importante, o navio mágico era uma tecnologia que pode permitir invasões em larga escalar a nível global.

Como se não fosse o suficiente, no projeto original, o navio mágico era equipado com uma tecnologia avançada de canhões que convergiam a energia mágica em um disparo de energia mágica cinética capaz de explodir uma grande área.

Muito do projeto original foi alterado e ocultado devido a assustadora tecnologia bélica, transformando em um navio mágico voador voltado para viagens e transporte de cargas.

Havia várias classes de navios mágicos. Dos menores, chamados de “navios mercantes”, até os maiores chamados de “Leviatã” que por onde passam projetam sombras sobre cidades inteiras.

Nesse momento o navio monstruoso voando pelo céu azul era um navio classe leviatã.

Seu nome era Fada Azul.

Na cabine de comando do navio mágico voador.

Havia uma belíssima mulher sentado na cadeira de comandante da nave.

Seu rosto era divino, chegando ao ponto em que aqueles que a olhavam seriam imediatamente hipnotizados por sua beleza.

Seu cabelo era de um azul profundo, refletindo a luz mágica, criando a ilusão que seus cabelos fossem como as ondas do mar.

Seu corpo esbelto era embelezado por um luxuoso vestido prata bordado com safiras em forma de pingos de chuva. Seus olhos cinzentos, eram como uma tempestade silenciosa, submergindo todos presentes em uma aura natural de poder.

Ao redor de seu corpo era possível ver tênue brilho azulado, ora uma onda furiosa, ora uma lagoa cristalina.

Ela era a segunda maior autoridade de Argus e conhecida pelos reinos vizinhos como Senhora do Ocidente.

Ela era a Duquesa Arian Muggul.

Naquele momento estava em profunda reflexão.

Seu rosto era uma máscara imutável, contudo seus olhos cinzentos eram repletos de choque e incredulidade. Não era a primeira vez que ela recebia um relatório parecido. Pelo contrário, havia recebido inúmeros relatórios como aquele.

No entanto o relatória dessa fez era diferente. Não havia nenhuma maneira de seus mantos azuis, agentes do serviço secreto de Argus, se equivocarem ou serem enganados por algum truque.

―Qual a veracidade desse relatório? ―questionou Arian.

Apesar de controlar seu poder, sua voz fez todos presentes tremerem, como se tivessem sido acertados por tsunami furiosa. Desde que havia recebido a benção do「Chaos Ruler」e evoluído para uma「Divindade Espírito das Águas」, deixava escapar pequenas ondas de poder de sua magia divino espiritual.

(Magusgod: Vou mudar a raça de Arian de Titanite para uma Divindade Espírito das Aguas.)

Próximo a ela havia um manto azul, ajoelhado. Não era possível determinar sua aparência por usar uma máscara branca que cobria todo o rosto.

―Recebemos o relatório diretamente pela Comandante da Divisão de Inteligência da Ordem dos Argonautas através do link mental. Não há duvidas de sua veracidade. Recebemos outros relatórios parecidos de nossos agentes em Cysgod.

Relatou o manto azul, com a voz abafada por causa da máscara.

Arian ficou em silêncio suprimindo as fortes emoções que surgiam em seu coração.

Havia vários sentimentos dentro de seu coração.

Ansiava por seu retorno e ao mesmo tempo o temia.

Talvez não houvesse outra pessoa no mundo que o entendesse tão bem como Arian.

Por o conhecer tão bem sabia e o que significava seu retorno: os dias de paz haviam acabado e tudo pelo qual ela lutou, a paz e ordem de Argus, seria destruído por seu amado.

Arian se sentia como estivesse criando um castelo de areia e uma criança impertinente -Lyam -, estava planejando chutá-lo.

O manto azul continuou o relatório.

―….Vossa Excelência. De acordo com nosso agentes. Haverá um duelo daqui um mêssobre o Mar de Éxallos entre a Vossa Majestade e Lyam Marwe pelo controle de Argus. Em caso da vitória dele….

―….Ele será o primeiro rei de Argus ―completou Arian franzindo a testa. ―Se ele for coroado rei, tudo o que eu fiz terá sido em vão e Argus sera jogado em um mar de conflitos. Ele sabe bem as consequência de seu ato….No que ele está pensando?!

Um sorriso involuntário surgiu em seus lábios.

Faz quanto tempo que ela não sentia aquela tempestade de emoções?

Ela queria chorar. Chorar tanto que o mundo seria inundado por um dilúvio de suas lágrimas.

Ela queria gritar. Gritar tão alto que a terra iria tremer e as montanhas desmoronar.

Ela queria dar voz para esses sentimentos reprimidos por tantos anos. Mas ela não o faria. Não diante de seus subordinados. Ela irá fazer isso quanto estiver diante seu amado e naquele momento vai despejar todos seus sentimentos.

Quanto isso acontecer os mares irão se agitar e os céus serão rasgado por seus raios

O belo rosto sem expressões sorriu mais uma vez.

Um sorriso brilhante cheio de alegria que afasta a escuridão.

Vendo aquele sorriso, todos presentes perderam o fôlego.

Todos eles trabalhavam vários anos com ela, mas, era a primeira vez que a viram sorrir verdadeiramente.

É esse sorriso a tornava ainda mais bela, mesmo que fosse impossível, chegando ao nível que suas almas estavam sendo roubados por aquele sorriso deslumbrante.

Aquele sorriso combinava bem com a descrição “Sorriso de uma Deusa”.

―Alterar curso! ―gritou Arian. ―Destino: Argus, Mar de Éxallos! Temos que chegar em até dois dias!

A resposta veio com um grito animado:

―Sim!!!!

O navio mágica classe leviatã Fada Azul alterou sua trajetória se dirigindo para Argus, voando na incrível velocidade do som.

Em breve os dois amantes que estavam separados por anos se reencontrariam.

 

 

******

 

 

Nas áreas mais remotas do continente leste acontecia uma batalha de proporções tirânicas.

Sobre uma cadeia de montanhas, havia três grupos de anjos voando em círculos. Cada grupo formava um círculo próprio, criando uma formação de círculos dentro de círculos entoando cânticos sagrados.

Abaixo desse grupo de anjos ocorria uma batalha intensa.

Enfrentando um gigante de pedra do tamanho de uma montanha. Era uma mulher vestindo um requintado vestido armadura verde. Na região de suas costas havia doze asas verdes cobertos por um fulgor dourado e atrás de sua cabeça uma auréola semilunar que parecia ser feito a partir de esmeraldas.

Seu rosto era cheio de uma vivacidade contagiante emoldurado por seus cabelos brancos dourados, amarrados em um rabo de cavalo.

Seus grandes olhos cor de mel continham o poder de mil tempestades.

Seu nome era Lady Anna, uma Imperatriz Serafim um dos seres mais poderosos do continente leste.

Anna voava em ziguezague vitando os socos explosivos do gigante de pedra. Balançando sua lança e estocando em direção ao gigante de pedra.

Cada estocada da lança perfurava o ar e com uma força impossível para seres humanos alcançar, criava um canhão de pressão de ar explodindo com ferocidade partes do imenso gigante de pedra.

BOOOOOOM! BOOOOOOM! BOOOOOOM! BOOOOOOM! BOOOOOOM!

O gigante de pedra era um monstro classificado como uma calamidade. Monstros dessa classe não eram fáceis de derrotar. Mesmo para Anna que se tornou uma poderosa entidade angelical.

Dezessete anos atrás quando Lyam desapareceu. Anna ficou em um estado desolado, até descobrir que estava esperando um filho da pessoa que mais amava no mundo. Depois do nascimento de seu filho, Ílios, ela o treinou e com o tempo criou seu próprio Clã StormWings, transformando humanos em anjos através de seu poder.

O principal objetivo de seu clã era caçar monstros. Não queria quem ninguém sofresse o que ela sofreu ao ter a aldeia que morava destruída e as pessoas queridas mortas por monstros.

Por esse motivo caçava poderosos monstros numa tentativa de deixar o mundo um pouco mais seguro.

―Agora! ―gritou ela ao fazer o gigante de pedra cair de joelhos. ―Ativar formação! Arte dos Cânticos Divinos「Julgamento Celestial」!

Todos anjos pararam em seu lugar, com as mãos juntas como estivessem rezando. Um por um liberou um fulgor branco que fluiu para o anjo do lado e assim por diante, ligando todos anjos dentro do círculo.

A canção se tornou mais alta e entrou em ressonâncias com a energia divina.

Em seguida toda energia divina convergiu para um único ponto, disparando um imponente pilar de luz que cegou o mundo.

O pilar de luz atingiu o gigante de pedra perfurando sem resistência seu peito destruindo seu núcleo. O pilar de luz continuou por dez segundos devastando tudo ao redor do gigante de pedra.

Crack! Crack! Crack! Crack! Crack! Crack!

Quando o pilar de luz cessou, várias rachaduras surgiu no corpo do gigante de pedra e desmoronou em uma pilha de pedras.

―Parabéns mamãe! ―louvou Ílios surgindo ao lado de Anna. ―Nesse ritmo iremos limpar esse ninho de monstros em poucos dias!

Ílios tinha uma estatura mediana e um rosto de feições finas e delicadas. Seu cabelo eram como os de sua mães: brancos dourados. Seus olhos eram azuis cristalino, como na maioria do caso de seus meio-irmãos, uma prova irrevogável de que tinham o mesmo pai.

Ele vestia uma túnica branca com bordados simples, nada extravagante. De suas costas havia três pares de asas douradas e atrás de sua cabeça uma radiante auréola.

―Tudo graças ao trabalho de equipe dos membros de nosso clã! ―respondeu energeticamente. ―Sem apoio deles não seria possível limpar esse local tão rapidamente!

Um grupo de anjos desceu até a pilha de pedras que uma vez foi um poderoso gigante de pedra e começaram a recolher os materiais preciosos.

Anna conversou animadamente com os demais membros do clã StormWings até receber uma mensagem mental de sua amiga Charlotte.

Naquele momento lágrimas desceram por seu rosto.

―Lady Anna, o que aconteceu?

Vários anjos perguntaram ao mesmo tempo. Seus rostos eram preenchidos com preocupação.

―Mamãe! ―gritou ílios assustado pelas lágrimas de sua mãe.

Ao terminar de ouvir a mensagem Anna limpou as lágrias e sorriu para todos mostrando que estava bem.

―Ílios se prepare, vamos retornar imediatamente para Argus! Os membros restante do Stormwings retornaram para nossa base nas montanhas!

Sem nenhuma explicação pegou a mão de ílios e disparou voando em alta velocidade em direção de Argus.

Em breve aconteceria um grande encontro e uma batalha de proporções épicas no Mar de Éxallos.

O mundo estremecia de antecipação.

Comentários