Surpresas! Espadas e mecha!

 

1 Parte

 

Eu tive um pesadelo.

Não aquele tipo de pesadelo em que você sonha que está nu na escola. Mas o tipo de pesadelo em que você é caçado por um monstro gigante, não aquele tipo de monstro gigante de filmes japoneses, mas sim o tipo de filme de terror que faz você molhar a cama.

Não, eu não molhei a cama.

“Uh….Parece que você deve um pesadelo…” Disse Arian, esfregando seus olhos.

Arian estava enrolada em um lençol branco, os raios do sol passava pela janela, iluminando seu encantador corpo, seu cabelo azul brilhava como água cristalina. Ela se espreguiçou como uma gata manhosa e se alinhou ao meu lado, me abraçando, acariciando meu corpo com suas finas e macias mãos.

“Sim, é eu nunca tenho pesadelos.”Eu respondi, me sentido um pouco melhor com suas caricias. “Tenho um péssimo pressentimento, que não seja um mero pesadelo.”

Ela montou em cima de mim e nós enrolou com o lençol de seda, escondendo nossa nudez. Ela beijou meu pescoço, e foi me beijando até seus lábios se encontrar com os meus, é chupar meus lábios, invadindo minha boca com sua pequena língua, que de bom grado aceitei, emaranhando nossas línguas, a envolvi em um abraço forte, pressionando seu formoso corpo nu contra o meu.

Nossos lábios se separaram, formando um fio de prata, ela ofegava, rosto vermelho e olhos cinzentos que pareciam queimar em desejo.

Ela aproximou seus lábios do meu ouvido, pude sentir o doce aro vindo de seu pescoço, eu estava embriagado em seu aroma, ela falou enquanto movia seus quadris:

” ~ ♫ Um pesadelo ~♫.” Sussurrou ela. “Não é nada mais do que um pesadelo, meu amor.Talvez se sinta melhor se eu lhe dar bons sonhos? ~ ♫”

“Uma oferta sedutora, diabolicamente sedutora……Mas temos um longo dia pela frente…..Muito trabalho…..Preparativos da formatura dos meus alunos…..” Eu respondi, caso eu ceder para ela, passaríamos o dia inteiro na cama.

“Desde de quando se tornou um homem de desculpas?” Perguntou ela, com o rosto levemente irritado.

Me pergunto aonde foi parar a garota que ficava toda tímida com meus avanços?

Não que eu não goste da atitude dela, só que ela está começando a ficar parecida com Llachar, quando começa, não para mais…..A minha sorte é que pelo menos ela não tem toda stamina e resistência de Llachar.

Soltei um longo suspiro e falei:

“Talvez, seja a idade, em breve vou completar 15 e serei considerado um adulto….Tem a formatura dos meus alunos, a nomeação da nova ordem….Amor, pensando bem, vamos tirar esse dia de descanso, quero passar o dia inteiro com você em meus braços!”

Ela sorriu docemente e me beijou, eu a tirei de cima de mim, a jogando na cama, tirando o lenço que nós envolvia, esponto cada parte do seu corpo, seios que cabem na minha mão, cintura fina e suas belas e suaves coxas.

Acaricie seu corpo, beijei seu pescoço e começar um longo dia…….Porém ela de repente parou meus movimentos e se levantou, correndo para o banheiro com as mãos na boca.

De longe eu pude ouvir o som dela vomitando.

Caminhei até o banheiro e lançei um longo olhar para ela, sentada no chão com um balde do lado.

Uma pequena gota de suor cruzou minha testa.

De repente meus lábios se tornaram secos e meu coração apertado.

Não sou tolo o suficiente para não compreender esses sinais, fora que não é a primeira vez que ela vomita, desde que começamos a morar juntos…..É já se passou quase um ano desde a nossa batalha, desde então estamos vivendo juntos e com frequência fazemos amor…..

Eu engoli em seco.

“A-amor, será que você está gravida?” Eu perguntei.

Ela levantou sua cabeça vagamente, com seus olhos lagrimejantes e com um soluço de choro falou:

“…Ahn….Acho que sim…Ahn…O que devo fazer, Lyam?” Perguntou ela em pânico.

Eu estava em pânico também, tipo, eu ia ser pai….O que eu devo fazer?

Minha mente se tornou turva e um mar de sensações e sentimentos dominaram meu coração. Para mim, ser pai era algo que eu nunca senti na minha vida passada, agora eu seria um, mas, eu não sei o que fazer!

Eu a levantei e abracei forte, enquanto eu repetia sem parar:

“Eu vou ser pai! Eu vou ser pai! Eu vou ser pai!” Meu coração foi preenchido de entusiasmo e ao mesmo tempo preocupação.

“Sim, amor, vamos ter um filho!” Exclamou ela, com os olhos chorosos, me abraçando forte.

Depois de chorar e comemora, nos vestimos e descemos para quebrar o desjejum.

Não permitir que ela tomasse vinho de llus ou qualquer coisa que você prejudicial para o desenvolvimento do bebê em sua barriga.

“Sereia, a partir de hoje ajude a criar uma alimentação balanceada e saudável, para o desenvolvimento saudável do meu filho!”

[Compreendido, criador, e dou meus parabéns para os dois]

Eos se materializou do nada e falou:

[É pensar que vou ter um irmão, pai!]

“Ei, não em chame de pai, é estranho!” Eu gritei para Eos.

Teia apareceu em um clarão luminoso e falou:

[Parabéns mestre, estou contente pelo mestre!]

Em uma chama brilhante, Hipérion apareceu:

[Kakaka, meus pêsames!]

[Não diga besteiras, um filho é algo a ser comemorado!]

[Tem certeza? Que tal temos um? kakaka]

[Nunca teria um filho com uma bola de metal repugnante como você!]

Eos interviu falando:

[De qualquer forma não podemos ter filhos com esses corpos]

Hipérion reclamou:

[Preciso de um corpo que tenha um #@##@ para fazer filhos!]

Eles continuam irritantes.

“Em breve, deve estar pronto aquele “corpo” que eu criei para vocês.” Eu falei.

Llachar e Anna apareceram, seguido por Charlotte e pelos alunos da classe olimpo. Tornando a mesa cheia de pessoas em uma animada conversa. Arian terminou seu desjejum e foi para o palácio real, para seu trabalho como mago da corte.

O que um mago da corte faz?

Para ser sincero, não é muito diferente do que um secretário faz.

Após terminar meu desjejum eu acompanhei Anna e Llachar em sua prática de espadas, nós últimos meses eu venho praticando esgrima com Llachar. Pode haver momentos em que a magia não será útil, fora que as espadas que eu forjo são poderosas. De acordo com análise da minha luta contra Arian e as garotas, se eu tivesse lutado com uma espada, eu teria ganho sem fazer muito esforço.

Se eu fundir minha magia na [Espada de Apollo] meu ataques se tornaram bem mais poderosos!

Por esse motivo e outros que não posso contar, eu decidi praticar esgrima, e desde então eu ganhei a profissão [Espadachim] que por causa da minha habilidade [Etiqueta] é um forte desejo de se tornar forte para proteger meus amores, a profissão mudou para [Cavaleiro] que recentemente, após infundir magia na espada e treinar todos dias contra Llachar, se tornou [Cavaleiro mágico] , uma profissão rara.

Agora vamos ter uma pequena disputa com Llachar.

Eu segurava [Espada de Apollo] com as duas mãos, lendo seus movimentos de perna e de mãos, sem o uso de qualquer habilidade, apenas usando os olhos. Llachar, chutou o chão, cobrando para cima de mim empunhando a espada divina do fogo.

Eu chutei o chão e cobrei para frente, nossas espadas se colidiram.

*Clang* *Clang* *Clang* *Clang* *Clang*

Nossas espadas emitiam luzes com cada golpe, e um ruído metálico estridente. Ela move sua espada com maestria, com força, cada golpe de sua espada contém uma força profunda, fazendo meus braços tremerem com cada impacto.

Llachar era uma tempestade violenta, várias silhuetas me atacando simultaneamente, era difícil acompanhar seus movimentos sem o uso de qualquer habilidade. Sua espada se incendiou, se tornando uma espada em chamas, emitindo uma poderosa aura abrasadora, descendo sua espada como um raio de fogo. Cobri a [Espada de Apollo] com um poder mágico profundo, nossas espadas se colidiu, criando um grande estrondo, seguido por uma explosão de vento que fez Anna dar vários passos para trás.

Llachar sorria, então ela mudou seu ponto de equilíbrio e lançou minha espada para o alto, e golpeou meu estômago com o pomo de sua espada.

“..Céus, pensei que iria vomitar todo o desjejum….”Eu reclamei, caído no chão, com as duas mãos no meu estômago.

“Você está indo bem, meses atrás você não aguentava nem um minuto trocando golpes, agora aguenta dois minutos….Um grande avanço!” Disse ela com uma risada.

Anna correu até mim e massageou meu estômago enquanto falava:

“No começo, eu mal conseguia receber um ataque de sua espada e levei anos para poder aguentar dois minutos em uma troca de golpes, comparado comigo seu avanço é rápido.” Disse ela com um rosto envergonhado.

Sua massagem em minha barriga estava ficando estranha.

“Os músculos da sua barriga são incríveis, firmes e duros como rocha!….Nem parece que você treina esgrima apenas alguns meses!” Exclamou ela, movendo sua mão por minha barriga.

“Bem, isso é devido as minhas proteções divinas, me fazendo parecer ter 20 anos enquanto ainda vou completar 15…..” Disse eu, observando seu rosto envergonhado e sentido suas mãos cheias de calos sob minha pele.

Eu acariciei sua cabeça com um *Pat* *Pat* *Pat* carinhoso.

(Nota: “Pat” é um tapinha carinhoso na cabeça)

Anna me olhou com seu par de olhos cor de mel e falou:

“De alguma forma, eu me sinto estranha por te tocar…..Meu coração acelera sempre que você me toca…..”

“Ei, vocês dois, sem flertar!” Gritou Llachar interropendo Anna. “Vamos voltar a praticar!”

Com isso voltamos a nossa prática de espadas.

2 Parte

Passamos a amanhã toda praticando esgrima.

Nesse horário começaria em breve as aulas, mas essa era a última semana e eu os liberei para visitarem suas família, por que depois da formatura vai ser nomeado a nova ordem e ficaremos bem ocupados – eu acho.

Apenas alguns alunos que tem parentes em Cysgod saiu para visitar a família, grande parte ficou na mansão, relaxando e saindo para se divertir na capital.

Bom, vamos dar uma olhada como anda a produção dos mecha.

“Llachar, Anna, vamos até o segundo armazém, tenho que verificar a produção dos mecha, depois disso vamos fazer um passeio pelo setor comercial!” Eu falei, entusiasmado.

As duas assentiram, depois de vestir meu manto do imperador das chamas místicas, e as duas vestirem seus vestidos, fomos de carruagem para perto de um grande armazém, próximo da associação mágica.

Na frente do armazém era protegido por vários cavaleiros dragão e magos da ordem dos magos.

Ao descer da carruagem, imediatamente fizeram um reverência e passamos sem ter que comprovar nossas identidades. Não havia um mago em toda Cysgod que não me conhecia, mesmo os cavaleiros, que as vezes treinavam com Llachar e Anna, a pedido da rainha.

Para treinar meus queridos alunos, para lutar em formação, fizemos muitos treinos em conjunto com os cavaleiros dragão sob a supervisão da minha rainha loli, que treinando os cavaleiros dragão era pior do que eu, ela é um verdadeiro carrasco impiedoso.

Fizemos muitos jogos de captura a bandeira, eu liderando meus alunos contra a rainha liderando seus cavaleiros dragão.

Fomos massacrados, impiedosamente.

A rainha é assustadora, os cavaleiros dragão não chega a ser um problema, mas ela é um maldito dragão no corpo de uma loli!

Ela realmente é um dragon lord!

Voltando do meio devaneio, entramos dentro do gigantesco armazém.

Magos e seus solis corriam por todos lados, enormes fornos e caldeiras são alimentadas por fogo mágico, derretendo o metal bruto e o misturando com ajuda de alquimistas, ferreiros, formando uma liga de metal extremamente dura, mais do que o próprio mitral. Em uma dos pergaminhos de Aurorus tinha a formula de criação de um metal extremamente resistente, qual eu nomeei de “adamantine” que é essencial na criação dos mecha.

Nas laterais do armazém, havia quinze mechas escuros, com ajuda de guerreiros e magos, estava recebendo a couraça protetora, fazendo os mechas parecerem cavaleiros blindados gigantes.

Várias equipes de encantadores, lançam encantamentos de proteções e reforço sob grande chapas de metais, que em seguida com a ajuda dos solis eram cortadas e moldadas para se encaixar no corpo dos mecha com ajuda de vários artesões.

Todos magos reunidos naquele local são da associação mágica e a ordem dos magos, qual Laffast é o supervisor do projeto, que tem as plantas e esboço dos mecha.

Engelil não pode comparecer por estar ocupada com a academia e a ordem, mas mandou vários magos para ajudar na construção dos mechas, o que está sendo de muita ajuda.

“É incrível, ver todos esses gigantes!” Gritou Anna boquiaberta.

“Por enquanto apenas quem tem poder mágico pode pilotar eles, porém um dia vou criar um que guerreiros possa pilotar também, é você será a primeira piloto!” Eu sorri para ela e continuamos em frente até encontrar Laffast com um grupo de mago, avaliando um mecha separado dos outros quinze.

Esse mecha era diferente, sua cor era um vermelho vibrante adornado por detalhes dourados. Sua cabeça e adornado por vários espigões dourados, formando uma coroa dourada, e na porta da cabine – localizado no peito – o símbolo da coroa do imperador místico coroando um sol cruzado por dois raios.

Em suas costas se estendia duas asas dobráveis translúcidas, feitos de tecido vivo – algo parecido com fibra ótica da minha vida passada – tecido vivo é um ótimo condutor para qualquer tipo de energia. Em cada asa foi desenhado vários circuitos mágicos que permite criar o processo de levitação, fazendo o mecha pairar no ar.

Meu mecha utiliza três reatores, um mágico, um divino e outro espiritual. Podendo armazenar três tipos de energias diferentes, dando maior tempo de uso entre os mechas.

Pelos meus cálculos, cada aluno consegue manter ativado o mecha por uma a duas horas, enquanto o meu consegue ficar até quatro horas ativado. Se não fosse pelos reatores mágicos que captam e armazena poder mágico de fora, seria impossível para alguém manter o mecha ativo por vinte minutos.

No caso dos reatores que funcionam a base da magia divina é espiritual, eu mesmo tenho que fornecer a energia, no caso do reator espiritual também posso fornecer pedras espíritos – o que não é viável.

Laffast notou minha presença e acenou para nós.

Em baixo dos seus olhos havia profundas olheiras roxas.

“Cara, quando foi a última vez que você dormiu?” Perguntei preocupado, ele e o grupo de magos, parecia que cairiam a qualquer momento.

“Ah, Lyam, apenas quatro dias….Nada demais…..Não consegui dormir excitado por poder analisar e criar essa magnífica obra de arte, o esqueleto, tecido vivo, os reatores e todas peças….” Ele continuou com um discurso apaixonado numerando cada parte do mecha e seus componentes e finalizou falando: ” Hipérion-2 está pronto para uso, enquanto os outros mechas estão na fase final!”

“Você conseguiu fazer um impressionante trabalho, e quando aos golem especiais?”

“Estão prontos, venha aqui!” Disse ele.

Nós o seguimos até o outro canto do armazém, encontrado três golem cobertos por um pano. Laffast retirou o pano, revelando um golem de dois metros de altura, vermelho, feito a partir de um metal raro chamado de vermiculus. Esse golem parecia um cavaleiro brindado e em sua placa peitoral existe um espaço circular, cabe perfeitamente um solis.

O segundo golem era dourado, feito a partir de um mineral raro chamado aurerum, trajado com um vestido armadura de elegantes gravuras e atrás de suas costas asas translúcidas, e como o golem anterior, em seu peito há um espaço circular.

O terceiro golem é de um azul fantasmagórico, feito a partir de pedras espíritos. Sua aparência e de um elegante cavaleiro, com belas gravuras e na placa peitoral há também um espaço circular.

Todos tres foram feitos a partir de minerais raros, que eu encontrei dentro do bracelete de armazenamento de Aurorus. Manipular aqueles minerais não era fácil, graças a ajuda de vários magos, alquimistas e encantadores, se tornou possível criar os golem especiais.

Eu poderia ter feito com o martelo divino de Aurorus, mas isso iria tirar toda graça.

“Eos, Teia e Hipérion, se encaixe no espaço circular e use [assimilar]!” Cada um deles se encaixou, iniciando o processo de assimilação, uma habilidade que os permite assimilar qualquer tipo de mineral.

Claro que não disponibilizei essa habilidade para os outros solis, os meus são os únicos com essa função especial, uma de muitas funções perigosas.

Assim que iniciaram o processo de assimilação, os golem reluziram e de distorceram, como se tivessem sendo sucados por um buraco negro.

Em menos de um segundo os três golem foram assimilados.

Todos a minha volta estavam pasmos.

Até Hipérion quebrar o silêncio com um grande arroto.

Eu ignorei as expressões perplexas de todos e o arroto de Hipérion, eu falei:

“Iniciem o modo [Guardião]!”

As luzes de seus núcleos brilharam intensamente e suas figuras se distorceram, derretendo em um líquido disforme que aos poucos foi ganhando a forma dos golem anterior, porém dessa exaravam uma aura opressora e seus olhos sem vida ganharam uma poderosa luz.

Hipérion se ajoelhou, seguido por Teia e Eos, em uníssono eles falaram:

[Mestre, agradecemos esse corpo! Vamos trabalhar duro para ser merecedor dessa recompensa!]

“Sem formalidades, vocês merecem esse pequeno presente, prometo que um dia vou criar um corpo melhor!”

Eles agradeceram, depois Hipérion olhou para o meio das pernas do golem e falou:

[Esse corpo veio com defeito, cade meu #@#@# !]

Eu soltei um longo suspiro e pedi para voltarem a suas formas originais. Agora que eles podem se transformar em golem, pode me proteger quando eu estiver correndo perigo.

Eu expliquei o que tinha acabado de acontecer para Laffast, ele e os outros magos presentes, tinham olhos brilhantes, admirados por minha genialidade.

Apesar que grande parte dos projetos são de Aurorus, mas ele já está morto e confiou seus projetos para mim.

Com isso fomos até o outro lado, aonde a arma dos mecha estava sendo formada.

Parte 3

Em uma grande mesa de metal, estava sendo montado uma grande arma, parecido com um rifle. Seu cano era feito de vários tipo de metal e gravados com vários feitiços e encantamentos. O rifle não precisava de balas, usava um pequeno reator mágico, que permitia dar até vinte disparos de projeteis mágicos, após isso teria que ser trocado ou reabastecido pelo poder mágico do usuario.

Claro que a arma do mecha tem que ser uma arma de fogo!

Há espadas gigantes sendo feitas, espadas curtas e até adagas!

“Graças ao reator mágico que você desenvolveu é possível a criação desse lança-feitiço, nunca teria pensando em criar uma arma desse tipo, você é um gênio assustador!” Disse Laffast com admiração.

“O que é um lança-feitiço?” Perguntou Anna, confunsa.

“Essa arma, pode disparar projeteis mágicos, é como um arco, porém bem mais avançado e potente!” Eu expliquei e falei sobre outros detalhes da arma, como os feitiços de refrigeração para que a arma e o reator mágico não explodisse e outros termos que fez Anna e Llachar voltarem tontas para a carruagem.

Eu fiquei conversei um pouco mais com Laffast antes de partir.

Ele se sentou em uma cadeira e perguntou:

“Você já pensou sobre a proposta do diretor geral da associação mágica?” perguntou ele.

O diretor geral da associação mágica quer que eu forneça o método de criação dos solis, em troca vou receber 30% de cada venda o que me tornaria um nobre extremamente rico.

Uma oferta atraente, que vou analisar e caso eu aceite, vou ter que viajar para o reino mágico de mageia, para formalizar um contrato com a matriz da associação mágica.

Não estou muito interessado no dinheiro, porém vai ser útil criar uma conexão e bom relacionamento com o diretor da matriz principal, qual tem uma grande influência nesse mundo.

Esqueci de dizer, a associação mágica é uma organização mágica que tem várias filiais nos reinos desse mundo. A associação mágica e responsável pela distribuição da licença mágica, além de que em certos reinos treina novos magos e desenvolve criação de itens mágicos.

A associação mágica em Argus é uma filial que existe outras em vários reinos amigáveis, assim como a liga dos aventureiros que tem filiais em vários reinos.

Tirando o império da luz e o império demoníaco, que tem suas próprias organizações mágicas.

Argus tem sua própria organização mágica, a ordem dos magos liderados por minha bela Engelil. Porém a rainha não vê problema em uma segunda organização mágica dentro de Argus, ao contrário, e benéfico para o desenvolvimento mágico do reino.

“Ainda estou analisando a proposta, eu me pergunto, qual será as consequência que os solis vão ter nesse mundo.” Eu disse pensativo.

“Eu, não posso imaginar o grande impacto que esse artefato mágico terá sob todos reinos…..Com certeza será positivo de certa forma, mas há também aqueles que vão querer usar os solis para coisas ruins.”Diss ele em um lamento.

“Sobre isso, é impossível usar os solis para atos ruins, a matriz de cada solis que eu criei, tem uma série de protocolos que impedem o seu mal uso, em caso de um mago tentar forçar um solis a fazer algo que contradiz a matriz de segurança, o solis irá quebrar o vínculo mental com o mago.”

“Bem pensando, mas não é possível quebrar esse protocolo de segurança e recriar a tecnologia com uma matriz de segurança diferente?” Perguntou ele.

“É possível, se for alguém como eu, mas não acredito que exista outros monstros como eu vagando por ai!” Eu soltei uma risada alegre.

“Hum…Mas esse mundo e grande demais….Nunca se sabe, mas os solis é apenas o começo….Quando ficarem sabendo sobre seus gigantes de metal, vai ser um verdadeiro alvoroço!”

“Verdade, porém vou limitar a fabricação apenas para Argus e no futuro se eu for vender essa tecnologia, venderei para associação mágica!” Eu dei um tapinha no ombro de Laffast e sai em direção da saida do armazém.

“Ah, quase esqueci, aqui está o seu anel especial, com seu gigante de metal dentro! É tenha cuidado, pode haver espiões e assassinos enviados por outros reinos de olho em você!”Gritou ele, me avisando.

Eu pequei o anel especial, que contém meu mecha e voltei para carruagem.

Passei o resto da tarde com Llachar e Anna passeando pela capital.

Comentários