A dança sangrenta (2 Parte)

 

Ponto de vista Arian

 

1 Parte

 

Através da janela da carruagem contemplei os corpos e sua espada ensopada de sangue. Seu perfeito rosto banhado pela luz pálida da lua era uma visão e tirar o fôlego. Mas em seus olhos azuis celeste vi o medo surgir – algo novo para mim. Vivemos inúmeras aventuras perigosas, muitas quais nossas vidas estavam em risco. Mas eu nunca vi o menor sinal de medo em seus olhos.

Em um olhar discreto para mim, compreendi o motivo de seu medo: eu ou melhor nós. Ele temia que não conseguiria me proteger, proteger o nosso filho.

Após descobrir que eu estava gravida, Lyam vem sendo super protetor, desde as coisas mais triviais até as mais importantes. Francamente, ele esta sendo chato demais e meu temperamento não era dos melhores ultimamente.

Eu estou contente por todo seu carinho e atenção focado em mim. Mas seu modo super protetor está me irritando. Ninguém merece alguém no seu pé sempre que tem uma oportunidade falando para comer isso é aquilo, Arian a umidade do ar pode fazer mal para o desenvolvimento do bebê, ou, Arian você está proibida de beber vinho de llus a partir de hoje.

Se há uma coisa que eu odeie, é alguém querer dizer o que devo fazer ou deixar de fazer. Eu entendo que Lyam está preocupado comigo, mas não posso evitar que o meu temperamento exploda as vezes.

Interrompendo meu devaneio, das sombras do edifício surgiu quadro silhuetas.

O que parecia ser o líder caminhou a frente.

Ele trajava um conjunto completo de armadura de prata escurecido e a placa peitoral adornada com o simbolo de um corvo de diamante. No braço esquerdo carrega um escudo pipa e no braço direito uma espada bastarda de prata escurecido – o pomo tem a forma da cabeça de um corvo.

Seu elmo projetava um longo bico como a de um pássaro. Sua capa escura ondula com o vento, exalando uma poderosa aura de guerreiro experiente.

Corvos, pensei comigo mesma. Eu odiava corvos, desde que Lyam foi quase morto por um golem parecido com um corvo. Meu coração se tornou pesado, sufocado, tive um péssimo pressentimento. Em minha mente a imagem do golem corvo quase matando Lyam há quase cinco anos atrás ainda era vivida.

Eu não podia ficar parada, não quando ele corria perigo.

Abri a porta da carruagem e caminhei silenciosamente até Lyam e Teia na forma de guardião – uma fada saída dos contos de fadas. Sempre me surpreendia com a capacidade dele criar coisas tão belas. Vestimentas, acessórios, artefatos mágicos, armas e golem tão belos que não perdem para a beleza de qualquer escultura criada no reino.

Um verdadeiro artista, um homem perfeito qual simples palavras não podem descrever. É como se eu tivesse sonhado com o homem mais belo do mundo e os deuses tenha pegado esse sonho e criado Lyam.

Se há um defeito nele e o fato de ser mulherengo.

Caminhei com elegância e passos largos logo chegando ao lado deles, Lyam me lançou um olhar irritado e ao mesmo tempo doloroso o que me fez me sentir culpada por um momento – isso até meu temperamento falar mais alto e eu lançar um olhar furioso para meu amor.

“Não me trate como uma donzela indefesa!” Eu rugi para ele, antes que pudesse reclamar. “Não importa o que diga, eu lutarei junto contigo, meu amor!”

Lyam mordeu firme seus lábios e falou:

“Arian, você irá retornar para a carruagem!” Disse ele em um tom autoritário. Tom qual eu nunca o vi usar comigo ou qualquer outra pessoa.

“Eu fico, eu luto e não há uma única palavra sua que me fará retornar para aquela carruagem e assistir você sangrar. Se não notou, o simbolo do corvo significa que são da companhia dos corvos da tempestade!”

Seus lábios tremeram e seu olhar era de dor. Ele estava pronto para se sacrificar por mim, pelo filho em meu ventre. Mas para mim o mundo não teria a mesmas cores sem ele ao meu lado.

Lyam parecia obstinado em me fazer retornar para carruagem, mas logo compreendeu que eu não iria me retirar do seu lado. Ele pode me odiar por colocar o bebê em meu ventre em perigo.

Mas eu vou lutar ao seu lado!

“Você disse “corvos da tempestade” ?” Perguntou Lyam para mim, ainda que fosse mais uma pergunta que ele se forçou a fazer.

“Sim, a companhia dos corvos da tempestade são um notório grupo de mercenários especializados no combate contra magos, infiltração, espionagem e assassinatos. Quem os contratou com certeza pagou uma fortuna para o eliminar e tenho minhas suspeitas de quem seja o contratante!”

Ao lado do líder – acredito eu – surgiu mais dois guerreiros completamente trajado em prata escurecido, carregando espadas e escudo e um terceiro – um guerreiro troncudo com mais de dois metros, segurando um enorme martelo de guerra. Os três guerreiros tem o simbolo do corvo feito de ouro.

Lyam lançou um olhar sob os guerreiros e falou em um sussurro:

“Aquele com o elmo em forma de corvo tem a profissão de caçador de magos, o grandalhão tem quase a mesma força física de Llachar é os outros dois estão no nível dos cavaleiros dragão da rainha. Todos tem habilidades especificas para lidar com magos, verdadeiros caçadores de magos!” Lyam apertava o cabo de sua bela espada.

Um caçador de magos, meu coração tremeu com essa palavra. A profissão de caçador de magos era tão raro quando alguém que tem a profissão de herói. Não era claro os requisitos para tal maligna profissão, apenas se era conhecido um requisito: um forte ódio por magos.

“Oh, então esse é o famoso Lyam Marwe do clã de magos do fogo. O jovem prodígio hábil na magia e na criação de artefatos mágicos. A adorável dama presumo ser a senhorita Arian Muggul, rei sábio e senhora dos mantos azuis. O braço direito do monstro que se senta no trono a mais de quatrocentos anos……Ah, como é lastimável ter que tirar a vida de uma bela dama!” Disse o líder, de forma melodramática.

Lyam franziu sua testa ao ouvir o título “senhora dos mantos azuis” e me fitou com aquele par de olhos azul celeste, me perguntando se eu havia escondido algo. Eu ignorei seu olhar inquisidor e ergui minha mão e materializei uma alabarda azul cristalino enfeitado por elegantes ilustrações de minha batalha contra ele há vários meses atrás. As ilustrações pareciam ganhar vida sob a luz pálida da lua. Meu presente dado por Lyam para me proteger quando a magia não for útil. Ele nomeou a alabarda de [Ein Brwydr] feito de água cristalizada magicamente e outros catalisadores mágicos quais foram criado com alquimia – dŵr grisial assim foi batizado o cristal água especial.

Girei com a maestria e apontei para o caçador de magos e falei:

“Não posso deixar um mero caçador de magos insultar minha rainha, muito menos ameaçar aquele que amo de morte. Não serei piedosa com vós, não após apontar suas espadas para meu amado.” Eu falei com voz de aço claramente pronta para os atacar.

Em resposta Lyam desenhou um sorriso radiante e materializou em sua mão esquerda tirânica espada de duas mãos com mais de dois metros de largura e detalhes tão graciosos que faz a espada de duas mãos parecer uma obra de arte.

“Espada de Apollo…” Sussurrei comigo ao ver o simbolo do sol cruzado por dois raios.

Lyam segura a tirânica espada classe divina como se fosse uma pena e alterou sua posição de combate, para uma que empunhava as espada curta e a de duas mãos em harmonia parecendo completamente natural.

Nunca vou entender de onde vem tamanha força física – apesar de eu suspeitar que seja as proteções divinas que torna seu corpo forte e resistente, assim como o contrato dos amantes que fortaleceu meu corpo. Algo estranho que eu percebi e a rainha Ellena também foi meu crescimento estagnado. Desde que eu completei 19 meu corpo passou por uma mudança, unhas, cabelos pararam de crescer e se eu os cortava voltavam imediatamente ao tamanho original o mesmo vale para quando uma vez eu cortei minha mão com uma adaga e assisti o corte de minha mão se fechar, cicatrizar e sumir como se eu nunca tivesse me cortado.

Aparência de Llachar nunca mudou desde que a conhecemos, desde aquele dia que ela fez um contrato dos amantes com Lyam e curiosamente ela me disse uma vez que todos seus cortes e lesões ganhadas durante sua vida de aventureira desapareceram.

“Eu me tornei tão bela após aquele evento que todas vezes que eu me olho no espelho eu duvido de meus próprios olhos, minha pele se tornou como seda suave e cada fibra de meu corpo exala uma poderosa força!” Disse Llachar uma vez para mim.

De alguma forma Lyam mudou toda nós e até mesmo Charlotte – uma mulher demônio irritante.

Analisando todos esse fatos a rainha chegou a conclusão nós não eramos mais completamente humanas e Lyam era algo mais, mais do que ele aparentava ser. Não dei importância na época para ele ser humano ou não, mas ultimamente ando preocupada em saber como isso influenciar no crescimento do nosso filho.

Será que o bebê irá se desenvolver rapidamente como Lyam?

Não havia um modo de saber.
2 Parte

O caçador de magos não se moveu ou fez qualquer movimento. Pude sentir seus olhos negros sob cada reação e movimento, nos analisando como se analisa uma besta mágica que será caçada.

Eu precisava ganhar tempo para criar uma estrategia.

“Pelos equipamentos e a facilidade que se infiltraram na capital real e essa emboscada oportuna. Posso deduzir que o contratante foi o Duque Barion, o único nobre em Argus que teria dinheiro suficiente para contratar sua companhia.”

“Oh….Agora tudo faz sentido, a insistência dele em usar sua carruagem e a lentidão do veiculo foi para comprar tempo para os preparativos…..Mas o que ele ganharia com a nossa morte?” Lyam me perguntou com uma cara perplexa como se a questão fosse um grande enigma.

As vezes me pergunto se ele realmente não compreendeu ou simplesmente se faz de bobo.

“A resposta é simples: somos uma ameaça para ele!” Eu respondi e expliquei: “Nós estamos ao lado da rainha Ellena e não há um único nobre de Argus que não saiba. Agora pense meu amor, eu odeio a rainha e quero a tirar do trono. Passo a vida toda reunindo fundos e aliados para a destruir. Mas de repente surge um jovem mago ao lado da rainha, ganhando influência e construindo poderosos artefatos mágico e está nas graças da rainha, essa pessoa não seria uma ameaça para mim?”

“Resumindo, eu sou um obstáculo perigoso para seus planos?” Ele me perguntou e eu acenei com a cabeça.

O caçador de magos não disse nada, porém seus olhos brilharam em emoção com cada palavra. Sinal sútil que não deixou de passar despercebido por mim e logo concluir que minha especulação estava correta.

“É como os rumores dizem sobre a senhora dos mantos azuis, uma mulher bastante perspicaz, porém não faz a menor diferença! Corvos dourados assumir posição de Ataque!”

Ao seu grito todos os guerreiros assumiram posição de ataque, movimentando-se a procura de uma abertura para nos atacar.

Lyam fixou seu olhar em mim.

“Vou te proteger, eu vou lidar com o caçador de mago e o grandalhão, enquanto você e Teia enfrentam os dois a esquerda, tenha cuidado meu amor!” Ao dizer aquelas palavras afetuosas chutou o chão da rua de pedra a quebrando, partindo para cima do caçador de magos. Desferiu um golpe rápido com sua espada curta, interceptada pelo escudo pipa e em um giro rápido chutou o escudo e desceu a espada de Apollo sob o elmo de bico de pássaro.

O caçador de magos usou alguma técnica estranha e o golpe de espada desviou dele como se fosse direcionado por alguma força invisível. Lyam perdeu o equilíbrio, recebendo um contra ataque do escudo pipa que felizmente desviou, saltando para trás.

“Eu seria cortado ao meio se não usasse minha habilidade [reversão] qual posso desviar qualquer golpe contra mim.” Gargalhou o caçador de magos com uma voz orgulhosa.

Lyam investiu contra ele novamente, assim que seu golpe estava quase o acertando, foi desviado pela habilidade [reversão] , porém ele não desistiu. Girou seu corpo desferindo outro golpe rápido de espada. O caçador de magos não desviou do golpe, se protegendo com seu escudo pipa. Lyam chutou o escudo o empurrando para trás e moveu sua grande espada descendo como um raio dourado da morte.

O golpe foi desviado por uma força invisível.

A batalha continuou e de forma hábil, Lyam evitou todos golpes e contra atacou com uma torrente de golpes da espada curta e golpes pesados espada Apollo. Observei cada movimento do caçador de magos e encontrei uma abertura em sua habilidade [Reversão] .

“Cinco segundos!” Eu gritei para Lyam. “É o intervalo de tempo que ele tem que aguardar após ativação da habilidade [Reversão] !”

“Tch….Foi visto tão fácilmente!” Ele resmungou e gritou: “O que estão esperando acabe com ela! Agora!”

Os dois guerreiros investiram conta mim e Teia eu os interceptei com minha alabarda [Ein Brwydr], movimentos fluídos e graciosos como a água. Eles rolaram pelo chão evitando meu golpe que cortou o chão de pedra. Teia surgiu no franco deles, disparando rajadas de luz com seu florete. Golpes bloqueados pelos escudos dos guerreiros.

Nossa dura batalha se iniciou.

Comentários