Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Labirinto dos iniciantes! (1 Parte)

 

Caminhando pelo beco escuro dos labirintos de ruas da cidade Elba. Capitei cinco intenções hostis. Não conseguia ver suas formas físicas, porém, com meu talento inato Visão Arcana Lv.2, podia ver suas auras mágicas.

Havia cinco deles, no mesmo instante que entrei em sua área de ataque, das sombras dispararam cinco adagas cobertas por um líquido roxo.

Desembainhei Solitária.

Clang! Clang! Clang! Clang! Clang!

O azul cristalino cortou a escuridão. Movimentos rápidos, elegantes e poderosos. Interceptei as cinco adagas em menos de um segundo.

“Tsch…” um deles clicou a língua e desapareceram nas sombras.

Mantive um olhar atento no beco – principalmente nas sombras. Caminhei a frente. Sam, tocou uma canção melódica, sobre dois bravos irmãos guerreiros que resistiram contra todos ataques.

“「 Conto de Magni e Modi 」!” Sam, terminou de cantar aumentando nossa resistência e coragem.”Todos fiquem atentos, sua camuflagem deve ser no minimo Lv.4!”

Seguimos caminhos atravessando as ruas e becos, atentos ao menor ruído. Em uma ruela escondia pelas sombras projetadas por edifícios próximos, fui atacado novamente. Duas adagas cintilantes, surgiram da escuridão, interceptei com Solitária. Meu atacante, era magro, trajava couro e uma capa escura com capuz cobrindo seu rosto. Quando seu ataque foi interceptado, girou sua cintura, desferindo um chute com sua bota de couro.

O ar zuniu atrás de mim, uma adaga voou em direção ao meu atacante, acertando sua cocha. Girei meu corpo, acertando um chute no estômago do assassino, acertando na proteção de couro, lançando-o contra a parede do beco.

“Pegamos um, agora, aonde estão os outros quatro?” perguntei com um sorriso.

“BlackWolf, cuidado!” gritou Sam.

Surgiu um segundo assassino no meu no meu flanco esquerdo, empunhando duas adagas coberta por veneno. Saltei para frente, evitando o ataque, mas fui interceptado por um terceiro, desenhei um arco horizontal, criando três cortes ao mesmo tempo. O primeiro corte o assassino se defendeu com a adaga, o segundo corte pegou raspando na área do estômago, criando um corte raso e o terceiro, foi evitado com uma cambalhota para trás.

“「Impulso Relâmpago」!”

Disparei como um raio, ele saltou para trás, movimento inútil, prossegui sob efeito do Impulso relâmpago, acertando uma estocada no pescoço. Cambaleou dois passos para trás com a mão na garganta, tombou sem vida.

Solitária foi batizada.

Me virei. Atrás de mim, Mia usou「 Aceleração」, acertando uma cotovelada no segundo assassino, acertando seu rosto, cuspiu para fora, três dentes quebrados e sangue, recuou. Mia não permitiu acertando três socos rápidos em seu estômago, caiu para trás, cuspiu uma golfada de sangue, amoleceu, estava morto.

O quarto assassino saltou em minha direção, um ataque suicida devo dizer. Desenhei com Solitária uma bela trilha azul que desbotava no ar, o fio da lâmina encontrou a garganta, cortou sem resistência, a cabeça voou pelo ar.

“Um belo corte, Solitária!” exclamei para a espada.

O ar zuniu, uma flecha muito rápida foi disparada de cima de uma das casas perto do beco. Não havia como desviar. Confiava em minha resistência, porém a flecha estava coberto de veneno.

Tudo aconteceu rápido demais. Mia saltou a minha frente, me envolvendo com abraço protetor. Não houve tempo para gritar “não”, a flecha envenenada desenhou sua trajetória até mim, acertando o ombro de Mia. No mesmo instante sua face se contorceu de dor, seu rosto perdeu toda cor.

Apontei o dedo para o quinto assassino em cima do telhado e gritei:

“「 Relâmpago」!”

Meu ombro liberou uma luz roxa seguindo para a ponta do dedo, liberando um raio elétrico em direção do quinto assassino. Era um ataque sem chances de escapar. Como esperado o raio atingiu o quinto assassino, liberando luzes roxas, quando as luzes cessaram, o assassino caiu, seu corpo era um torrão fumegante.

“Mia!” gritei, lágrimas desceram por meu rosto. Retirei a flecha de seu ombro, usei Magia Feérica Lv.4 Cura das Fadas, curando em poucos minutos o ferimento.

Mas, seu rosto continuou pálido.

“Porque não está funcionado!” eu gritei, lágrimas caíam, molhando o rosto pálido de Mia.

“Não seja um garoto chorão” disse Mia com um sorriso fraco, limpando uma lágrima de meu rosto.”Estou feliz por ter conseguido o proteger.”

Eu mordi os lábios inferiores a ponto de sangrarem.

“Porque?” perguntei.

“….Eu não sei……” respondeu ela com a voz cada vez mais fraca.”….Quanto o vi em perigo….Meu corpo se moveu sozinho…”

Lágrimas rolavam por minha face sem parar, borrando minha visão.

“….Sabe Lyam……Estou feliz por ter o conhecido……Esses curtos dias foram os melhores da minha vida…….Cuide de Sofie…….Não se culpe……Lyam….Fiquei feliz quanto me chamou de seu sol……Acho que eu estou……” sua voz foi se tornando cada vez mais fraca, seus olhos se fecharam gradualmente, sua mão em meu rosto caiu no chão.

Usei Magia Feérica de cura sem parar, mas não havia efeito. Para tratar venenos e maldições era necessário magia de desintoxicação, magia que nem eu, Sofie ou Álfar sabia.

Sofei deixou cair seu cajado, seus olhos se tornaram mortiços, enquanto gritava pela perda de Mia.

Sam se aproximou do corpo de Mia, pegou a flecha no chão e a cheirou.

“Veneno da donzela sonolenta” disse ele, depois colocou a mão sob o coração dela e o ouvido sob o nariz.”Como eu imaginei, ela está dormindo, vocês dois se acalmem!”

Sofie começou a chorar mais alto, eu também, não conseguia conter as lágrimas de alivio depois de ouvir que estava apenas dormindo.

“Para usarem veneno da donzela sonolenta o principal objetivo era te capturar e não matar” disse Sam, enquanto caminhou até o primeiro assassino e único sobrevivente. Revistou os bolsos, encontrando pequenos frascos de venenos e antídotos. Seu olhar analítico viu um por um e pegou um pequeno frasco de cor azulada.” Esse é o antídotos para o veneno da donzela sonolenta!”

Sam abriu a boca de Mia e derramou todo antídotos, aos poucos sua cor retornou e gradualmente seus olhos se abriram.

“…E-eu não morri?” perguntou ela confusa.

“Mia….Nunca mais faça isso!” eu gritei abraçando-a.”Eu não sabia o que fazer, quanto pensei que estava morta!”

Mia me abraçou, sorrindo.

“…Sua vira-lata!” gritou Sofie aos brandos.”Quer me matar do coração, sua cadela estúpida!”

Ela abraçou Mia. Nos três continuamos abraçados, chorando e depois de vários minutos, após me acalmar, meu sorriso morreu e caminhei em direção do assassino sobrevivente.

“Quem mandou vocês?” perguntei friamente.

O assassino não respondeu.

Sam se aproximou, verificou as roupas e os braços, encontrando uma tatuagem de duas adagas cruzadas.

Ele fez um rosto sombrio e falou:

“Eles são da guilda de assassinos, Adagas-cruzadas, uma notória guilda de assassinos” disse Sam, retirando adagas, frascos de venenos e uma pequena bolsa com cinco moedas de ouro.”Apenas gente rica tem dinheiro suficiente para os contratar, quem for que desejava sua cabeça, pagou um bom preço.”

Cocei o queixo pensativo, pensei nos possíveis contratantes e nomes não faltaram. Não fiz nada além de arrumar inimigos desde que cheguei na cidade.

“Pode ser a casa nobre StoneBroken?” enfim, perguntei.

“A casa StoneBroken tem seus próprios assassinos, e devo acrescentar que são os melhores de Elba” disse enquanto retirava o equipamento do assassino, o deixando apenas com as roupas de baixo. Sam guardou tudo em seu saco mágico.”O conheço apenas dois dias, e sei só de olhar, que você e do tipo que cria inimigos por apenas respirar. Alguma ideia?”

Falei sobre os eventos dias atrás quando fomos emboscados por Kirk e eu o eliminei.

“Não há dúvidas, só pode ser o comerciante de escravos Kur o contratante. Ele deve ter investigado o sumiço de seu filho e chegado até vocês. Amanhã quanto pegar o dinheiro do leilão, melhor desaparecemos da cidade. Kur tem várias conexões com o submundo de Elba, para ele ter sua cabeça seria apenas uma questão de tempo.”

Eu balancei a cabeça e falei:

“Não vamos fugir” eu decretei.”Vamos até onde Kur está e o matar, mais dolorosamente, impiedosamente possível. Ele vai pagar caro por ferir Mia!”

“É loucura!” Sam protestou.”A casa do comerciante Kur e protegida por guerreiros de alto nível, sem dizer que ele mesmo é um grande guerreiro Lycan nível 26!”

Parei por um segundo. Eu era nível 21, mas eu derrotei um Rei Orc Berserker nível 39. Não haveria problemas em derrotar um guerreiro nível 26, porém o resto do grupo tinha baixos níveis. Dessa vez eu tivesse sorte por ser veneno que coloca o alvo para dormir. Da próxima vez posso não ter tanta sorte, se ela uma delas morrer por minha causa eu jamais me perdoaria.

Preciso as tornar mais forte.

Olhei para o céu, o sol ainda brilhava intensamente.

“Vamos atacar ao anoitecer” eu disse.”Mas, antes vamos treinar, vocês precisam se tornar mais fortes.”

“Temos menos de cinco horas até o anoitecer, é impossível se tornar mais forte em tão pouco tempo” disse Sam.

“É possível, sim” eu disse, retirando o livro Arcano da bolsa mágica.”Esse livro arcano contém uma magia capaz de invocar uma barreira temporal, pelo que eu entendi, 24 horas dentro da barreira, equivale a 1 horas fora da barreira. Então cinco horas se transformaram em cinco dias de treino.”

Ninguém falou nada.

“Enfim, como uma equipe, será decidido pela líder.”

Mia contorceu seu lábio, enquanto me encarava. Não sei exatamente o que ela viu, mas foi o suficiente para a fazer tremer. Suspirou e após poucos minutos, falou:

“Creio que Lyam e capaz de nos tornar mais fortes, apesar de eu desconhecer os meios que serão usados. Vamos fazer como ele sugeriu.”

Todos assentiram.

“O que vamos fazer com ele?” perguntou Sam, apontando para o assassino sobrevivente.

“Eu cuido dele!” eu respondi, caminhando em direção do assassino.”Vou testar meu novo talento inato adquirido!”

Retirei a luva da mão direita e coloquei sobre a cabeça do assassino. Ele se remexeu, mas estava a beira da morte, não havia muito o que ele podia fazer. Me concentrei no novo talento inato Drenar Alma, que permite drenar a alma de um oponente, convertendo sua alma e energia em pontos de HP ou MP. De acordo com a descrição da habilidade, dependendo do nível e poder do oponente – monstro ou humano – vai conceder uma certa quantidade de pontos.

O corpo do assassino ficou rígido, de repente pude sentir a energia do seu corpo fluindo em direção da minha mão. Aumentando meu MP permanente em cinco pontos.

Seu corpo se tornou pálido, amoleceu, estava no reino nos mortos.

Drenar Alma e bastante útil para aumentar mais rapidamente o MP, porém os pontos ganho eram poucos. O assassino era nível 10, o que concedeu apenas 5 pontos de MP. Se eu quisesse aumentar meu MP em 100 pontos seria necessário drenar 20 almas entre o nível 5 e 10, porém sair por ai matando seres humanos apenas para aumentar meu MP não me agradava. Felizmente posso drenar as alma dos monstros, já que são mais fortes e devem conceder mais pontos do que uma alma humana.

Sem dizer mais nada seguimos para fora da cidade.


Passamos pela ponte levadiça em direção as colinas verdejantes. Sinais da batalhava estavam por todo lado, assim como a carcaça dos Orc abatidos.

Seguimos mais a frente, se afastando o máximo possível da estrada e de Elba.

“Por aqui nenhum viajante ou aventureiro deve nos perturbar” disse Mia, olhando para as colinas ao redor, procurando por sinais da passagem outras pessoas. Não havia nada além de arbustos e pequenos animais.

Retirei da bolsa mágica os três livros que comprei mais cedo. Primeiro o livro de períciais marciais. Folhei as poucas páginas em um minuto e já sabia usar a técnica Punhos trovão, minhas Artes Marciais subiu para Lv.6. O mesmo aconteceu com o livro Arcano barreira temporal, aumentando Magia Arcana para o Lv.5.

Apenas por folhear o livro de arquitetura, me tornei um especialista em arquiteturas da era passada, aumentando meu conhecimento de arquitetura para o Lv.3.

Talento inato Super Gênio além de recriar uma técnica, permite aprender apenas por olhar o livro. De alguma forma sabia que era um talento inato muito raro, talvez incomum.

“Primeiro vou criar um labirinto, depois lançarei uma barreira temporal.”

Tirei da bolsa mágica a gema retira do Rei Orc Berserker, gema mágica nível raro. Para a construção de um labirinto era necessário um núcleo – nesse caso seria a gema mágica do Rei Orc Berserker.

Deixei meu poder mágico fluir para a gema mágica. Mentalmente, estrutura, mapa, tipo de labirinto, armadilhas, monstros, quantidade de monstros e o chefe de labirinto era criado.

Após terminar o planejamento mental, atirei a gema mágica, caindo na terra e afundando nela, como se fosse um líquido. Em menos de um minuto a terra tremeu, uma estrutura a princípio transparente foi ganhando forma e textura até se tornar uma estrutura circular de pedra com uma enorme entrada.

Cai de joelhos trêmulo, havia gastado quase todo meu MP.

“Ah….Eu consegui…” disse lhes ao me sentar no chão.

Um incone transparente apareceu diante de mim. Pedindo para nomear o labirinto, pensei por alguns segundos, nomeei o labirinto: Labirinto dos iniciante.

Descobri que não era bom em nomear coisas.

“Vou meditar, verifiquem seus equipamentos, nossos suprimentos, quanto eu terminar de recuperar meu MP vou erguer uma barreira temporal.”

Entrei no estado de meditação, aumentando a taxa de recuperação do MP. Mia, Sofie e Sam, verificaram nossos suprimentos e seus equipamentos.

Sam dedilhava uma corda quase invisível do alaúde dado pelo ferreiro misterioso Tio. Cada nota era hipnotizante, aumentando o alcance e a duração de suas canções.

Mia retirava suas soqueiras de prata, substituindo por uma manopla de aço negro em forma de garra, adornado por várias runas, aumentando velocidade e força dos punhos dela.

Sofie recebeu um cajado em forma de uma serpente mordendo uma grande gema mágica vermelha. O cajado cortava a necessidade de cantar, além de aumentar o dano causado por magias atributo fogo.

Não sei sobre outras equipes de aventureiros. Porém acredito fielmente que somos uma das mais forte equipes classificados rank C de Elba.

Após uma hora havia recuperado completamente meu MP.

Me levantei, fiz gestos arcanos com a mão direita e falei:

“「Barreira temporal」!”

Minha mão direita disparou um raio de energia transparente para o céu. No mesmo instante o ar torceu, ondulou, e uma cúpula transparente se ergueu sobre o labirinto dos iniciantes.

A barreira temporal consumiu metade do meu MP.

Temos quatro horas restante até o anoitecer. Dentro da barreira irá passar quatro dias.

“Equipe, devemos lembrar que o objetivo desse treinamento e nos fortalecer!” disse Mia em um tom de voz sério.”Na primeira incursão do labirinto, Sofie será a única a enfrentar os monstros, o restante irá dar suporte e assistência em caso de necessidade!”

Assentimos.

“Uma vez dentro, vamos seguir com cautela para evitar cair em armadilhas e o principal de tudo, sem entrar em pânico! Agora vamos desafiar nosso primeiro labirinto, como equipe GrayWolves!”

“Sim!” todos gritaram animadamente.

Seguimos até a entrada do labirinto dos iniciantes. Descendo pela escadaria que leva para o subterrâneo meu talento inato Mestre do labirinto se ativou, aparecendo um mapa translúcido e opções de alterar a estrutura, criar novo andar, acrescentar armadilhas e monstros, cada opção com seu custo de MP.

Um detalhe interessante do talento inato Mestre do labirinto, era que eu não posso sofrer dano dentro do meu território – o labirinto – e outro detalhe que quase me fez pular de alegria, era que 3% da experiência adquirida dentro do labirinto, vai ser mandando para mim. Ou seja, vou adquirir experiência mesmo não fazendo nada. Quanto mais pessoas desafiarem o labirinto, mais experiência eu vou adquirir, subindo de nível mais facilmente.

Eu fiquei pensando como era possível ganhar experiência derrotando monstros.

De acordo com meu conhecimento instintivo do talento inato Super Gênio Lv.3, a alma dos seres vivos desse mundo se fortalece com experiências desafiantes e novos conhecimentos, ou ao derrotar um monstro – qualquer ser vivo – parte da energia do monstro irá se converter em experiência. Fortalecendo a alma daquele que o derrotou.

Aayós parece funcionar sob algum sistema, ou lei, que permite todos seres vivos evoluir com o método de subir de level.

Tudo isso me levou a seguinte pergunta: se há uma lei, ou sistema, quem o criou?

Para isso não houve nenhuma resposta.

Janelade status
Nome:Lyam MarweRaça:Humano
Classe:Lorde Arcano, Criado de LabirintosNível:21
HP:3.200MP:3.650
Força:2.500Agilidade:1.500
Vitalidade:2.000Inteligência:2.300
Sabedoria:2.620Sorte:150
Resistência: 2.100 Charme: 120
Habilidades Ativas
Invocar Familiar Arcano:

Magia Arcana:

Magia Feérica:

Magia Fusão:

Magia Santa:

Magia Vermelha:

Artes Marciais:

Criação de Labirinto:

Lv.2

Lv.5

Lv.4

Lv.1

Lv.3

Lv.4

Lv.6

Lv.1

Habilidades Passiva
Maestria Arcana:

Maestria Espada Mágica:

Maestria Lança Mágica:

Força Tirânica:

Alta Regeneração:

Alta resistência a ataques elementais:

Alta resistência a ataques Físicos e mentais:

Perícia em Armadura leve:

Perícia em Machados:

Meditação:

Conhecimento de Arquitetura:

Conhecimento de Geografia:

Conhecimento de Labirintos:

Conhecimento de Monstros:

Lv.3

Lv.3

Lv.1

Lv.2

Lv.2

Lv.2

Lv.2

Lv.2

Lv.6

Lv.3

Lv.3

Lv.2

Lv.1

Lv.5

Talento Inato
Super Gênio:

Visão Arcana:

Berserker:

Drenar Alma

Mestre do Labirinto

Lv.3

Lv.2

Lv.4

 

 

  ******

Ponto de vista Sofie

Adentramos o labirinto.

Diante de mim havia um largo corredor escuro. Criei uma orbe de luz, Magia Vermelha Lv.1, iluminando o vasto corredor de paredes de rocha polida. Era simples, reto, bem geométrico.

Mas, eu estava com medo.

Meus dedos seguravam com tal força o cajado, que temia o quebrar.

Atrás de mim estava a vira-lata, o bardo e Lyam – sorrindo discretamente. Não gostava daquele sorriso. Algo nele me dize que não seria um simples labirinto.

“Ei, garoto, qual é o tamanho do labirinto? Que tipo de monstros? Não há nenhuma surpresa desagradável, certo?”

Tentei perguntar o mais naturalmente possível, mas era obvio o tênue nervosismo em minha voz. Ele perceberia, e como eu temia, ele sorriu, nenhuma palavra saiu de sua boca.

Era minha primeira vez em um labirinto. Estava apavorada, não em si por causa do labirinto, mas porque da a sensação de que estamos no subterrâneo – elfos odeiam subterrâneos. Mesmo eu sendo uma meia-elfa, não era uma exceção.

Uma vez um aventureiro humano me perguntou, porque elfos não gostarem de um anão. Na época eu não sabia o que responder, nunca havia conhecido um anão. Meses depois eu conheci um anão; era baixote, corpo robusto, longa barba e um comportamento digno de um Orc. Esvazia um barril de cerveja grande o suficiente para embebedar quatro homens adultos.

Descobrirá no mesmo instante o porque de elfos não gostarem de anões.

Descobri que anões também não gostavam de elfos, ficou claro assim que ele começou a implicar comigo – uma história para outro dia.

Caminhava com passos cautelosos, atento ao maldito piso de rocha, procurando por possíveis armadilhas. No fim do corredor, havia dois caminhos, um para direita e outro para esquerda.

Na parede do corredor da direita, notei um entalhe, ilustração de uma pequena elfa…Chapéu pontudo e cajados na mão…Correndo de um lobo negro, estava escrito e sublinhado:por aqui você morre bruxa.

Olhei para trás, um olhar interrogativo para ele, mas nada respondeu, apenas um maldito sorriso sútil.

Olhei a parede do caminho esquerdo. Havia uma ilustração parecida, porém sem lobo negro, só coisas felizes e agradáveis….E nós dois deitados em uma cama. Estava escrito e sublinhado:por aqui você vive, vive muito bem.

Meu rosto estava avermelhado pela cena sem vergonha.

“Deixa eu ver isso” disse a vira-lata, verificando a parede do corredor esquerdo.

Por mágica a ilustração mudou, uma ilustração com a vira-lata apareceu, a mesma cena, mesmo caminho, terminando com ela e Lyam na cama. Seu rosto foi levemente tingindo de vermelho.

“Agora tente ver as duas de uma só vez” sugeriu Lyam, sorrindo.

Eu e a vira-lata ficamos diante a parede, a imagem se alterou. No fim eramos nós três na cama. Mia ficou irritada e acertou um cascudo na cabeça dele, gritando algo como “Isso é uma exploração séria, sem mais brincadeiras!”, fala típica da vira-lata.

“Vamos ver o que aparece!” disse o bardo com sua voz de veludo irritante.

A cena mudou, um caminho alegre e feliz, foi substituído pelas mortes mais cruéis que eu prefiro nem descrever.

“BlackWolve, sua criatividade para torturar seus inimigos e vasta como os mares do sul!” disse o bardo com uma voz alegre.

Lyam limitou-se a sorrir.

“Acredito que Lyam deve ter colocado uma armadilha no caminho da esquerda. Vamos pela direita!” decretou a vira-lata.

“Acredito que o garotinho colocou armadilha em ambos caminhos” eu disse.

Seguimos pelo caminho da direita. Eu seguia na frente, já que a primeira incursão era para me fortalecer. O corredor era idêntico ao anterior, apesar de alguma passagens haver entalhes sugestivos, alguns de certa forma indecentes.

Desde quando aquele garoto era um pervertido?

Nos conhecemos apenas quatros dias. Por suas ações, era óbvio seu senso de justiça, e a gentileza com mulheres. Não havia demonstrado um lado lascivo. Os entalhes em algumas paredes iria fazer uma p**a se envergonhar e corar como uma donzela virgem.

Pensando bem, ele mudou um pouco desde a batalha com os Orc. Suas palavras, olhares, brincadeiras, e o que ele fez comigo hoje de manhã era algo que não teria feito a três dias atrás.

Era como uma criança amadurecendo aos poucos.

Diferente da vira-lata. Não acredito totalmente nesse papo “Ah, eu não me lembro quem sou!”, vejo em seus olhos que não está mentindo, porém, mesmo assim ele esconde algo.

Quando encaro aqueles par de olhos azuis, me sinto arrepiada. Há algo dentro dele, enterrado sob sua falta de memória, que me faz tremer, como se eu estivesse diante de um ser que meus olhos não pudessem compreender.

O garoto esconde algo de nós, algo que ele mesmo teme – era obvio por seus pesadelos a noite. A vira-lata o acalma, enterrando a cabeça do garoto em seus seios flácidos. Por algum motivo – me pergunto qual? – ela me fez prometer não contar á ele sobre seus pesadelos.

Ela mudou muito desde que o conheceu naquela clareira. Será que a vira-lata está realmente apaixonado pelo garoto?

Eu odeio admitir, mas eu gosto dele, não no sentido romântico, mas como um companheiro de equipe.

Porém e claro que aquele garoto é algum nobre ou príncipe importante de algum reino. Outro ponto curioso e que sua aparente falta de memória não é natural, foi causada por alguém, um conjurador muito poderoso.

A questão é: o que vai acontecer quando ele recuperar suas memórias?

Prefiro não pensar na questão. Mas se a vira-lata realmente estiver apaixonada pelo garoto, quando ele recuperar suas memórias pode acabar ferindo o coração dela. Por mais que brigamos frequentemente, a vira-lata e minha melhor amiga e não desejo ver seu coração machucado.

Por outro lado será divertido ver como a vira-lata irá lidar com esses sentimentos em seu coração. Ela pode ser uma lutadora forte e durona, tomando decisões firmes. Mas é péssima nos assuntos que envolve romance.

Lancei um olhar discreto para os dois.

O garoto puxava a cauda da vira-lata, que tinha o rosto avermelhado.

“Esses dois….” suspirei.


Não houve armadilhas no corredor que terminava em uma sala espaçosa com três Orc de pele vermelha, trajados com peles e segurando porretes de pedras. Não era um Orc normal, era uma sub-espécie.

Os três Orc vermelhos estavam longes um do outro, não possibilitando derrubar todos de um vez.

Apontei meu cajado da serpente do fogo – arma presenteada por Tio – conjurei Magia vermelha Lv.2「 flechas de Fogo」, disparando várias flechas de fogo.

As flechas de fogo seguiram a trajetória, explodindo no corpo do Orc vermelho. Diferente do que eu esperava, não foi perfurado, apenas empurrado para trás. Durante a batalha contra os Orc nas colinas de Elba, minhas「Flechas de Fogo」, era forte o suficiente para derrotar um Orc nível 5.

“Esse é um Orc variante, sua resistência a magia e superior aos da colina” esclareceu Lyam.”Para o derrotar vai precisar se esforçar um pouco mais, minha lua.”

“Não me chame de sua lua!” eu gritei.

Grrrrrrrrr!!!

Os três Orc sub-espécie rugiram ao mesmo tempo, correndo em nossa direção. Conjurei mais três vezes「Flechas de Fogo」, abatendo o primeiro Orc sub-especie. Os outros dois brandiram seus porretes de pedra, eu conjurei Magia Vermelha Lv.3「Barreira Mágica」, me protegendo do ataque.

“Vira-lata, minha barreira não vai aguentar muito tempo!” eu grite, me esforçando para manter a barreira mágica.

“「Aceleração」!”

A vira-lata disparou em direção aos dois Orc sub-especie, os acertando com dois punhos da manopla escura, lançando-os contra as paredes da sala. Se levantaram, correram novamente em nossa direção.

“「Bola de Fogo」!”

Uma grande bola de fogo incandescente voou em direção aos dois Orc. Como esperado, a bola de fogo atingiu seu objetivo, explodindo sob os dois Orc. Uivos de dor preencheram a sala, assim que as chamas cessaram, tombaram sem vida, preenchendo o salão com o cheiro de carne queimada.

No mesmo instante os três corpos se transformaram em partículas de luz azul deixando para trás 3 moedas de prata e um pedaços de pele de Orc sub-especie.

“O-que aconteceu?” perguntei pasma.

“Todo monstro derrotado nesse labirinto vai deixar cair dinheiro e itens” Lyam disse com um largo sorriso.”Vamos nos tornar mais fortes e ao mesmo tempo ganhar dinheiro e itens que não podem ser encontrados em nenhum lugar!”

Em toda minha vida nunca tinha ouvido algo semelhante. Era esse o poder de sua nova classe Criador de Labirintos?

O bardo caminhou até as moedas de prata, verificando-as e depois se dirigiu aos pedaços de pele de Orc sub-especie, verificando a textura e qualidade.

“As moedas são de prata pura e as pele são reais….Mesmo nos grandes labirinto, quando você derrota os monstros o corpo permanece e não deixa cair um item….Esse poder quebrar as regras do mundo!”

A vira-lata recolheu os fundos, guardando-os.

“Quem se importa, como, ou o porque de seus poderes fazerem milagres!” disse a vira-lata.”A única coisa importante e que vamos faturar e ficar mais fortes ao mesmo tempo!”

Suas orelhas e cauda balançavam animadamente.

“A quantidade de item que vai cair, vai depender do nível da sorte daquele que derrotar o monstro. Na equipe, Sofie tem a menor sorte de todos, mesmo assim conseguiu três moedas de prata e alguns pedaços de pele, se alguém com mais sorte derrotar um monstro a recompensa irá ser maior” disse Lyam agitando os ânimos.

Na sala havia três portas fechadas, uma delas nos vai levar a frente. Eu tenho uma leve impressão que Lyam, construiu o labirinto da forma que mais lhe proporcionasse diversão.

A vira-lata, analisava as três portas, procurando por algo que indicasse a porta correta. O bardo verificava cada canto da parede, batendo sua adaga, procurando por passagens secretas.

Não acredito que Lyam seria tão engenhoso aponto de colocar uma porta secreta na sala.

Um som surdo ecoou pela sala.

“Há algo nessa parede!” disse o bardo animadamente.

Ele começou a tatear a parede, um espaço sob sua mão afundou, houve outro barulho surdo, a porta tremeluziu e desapareceu diante dele. Na parede havia uma pequena cavidade com um pequeno baú dentro.

Ele moveu sua mão de imediato, mas parou ao ver um olhar animado de Lyam. Dedilhou seu alaúde, tocando uma canção estranha e finalizou:

“「Desarmar Armadilha」!”

A cavidade brilhou, um estalo, se houvesse uma armadilha ali – eu tinha certeza que havia – foi desarmado. Ele abriu o pequeno baú revelando dois frascos e vinte moedas de prata.

O bardo ergueu o frasco preenchido com um líquido azul, analisando, e falou:

“Uma poção de recuperação de MP…Nível comum….Recupera 50 pontos de MP…Deve valer de 1 a 3 moedas de ouro……Já a poção de recuperação de HP nível comum, deve valer até 5 moedas de ouro!”

A vira-lata estava mais animada depois de ouvir a avaliação do bardo. Eu odeio admitir, mas até eu estou animada. Primeiramente, sem muito esforço ganhamos 23 moedas de prata, se vendermos as 2 poções vamos ter mais 8 moedas de ouro! Não sei quando deve valer as peles de Orc sub-espécie, mas tenho certeza que não será um valor inferior a 10 moedas de prata.

“Agora qual porta escolher, uma delas deve haver um monstro, a outra uma parede ou armadilha, e apenas uma é a que leva a frente” disse o bardo para a vira-lata, enquanto tocou「Desarmar Armadilha 」, eliminando a porta da esquerda da opção de escolha, deixando a porta do meio e da direita.

“Direita” decretou a vira-lata, abrindo a porta.

A porta da direita revelou um largo corredor, a vira-lata limpou o suor frio de sua testa. Lyam parecia desapontado por não cairmos em suas armadilhas.

A exploração do labirinto dos iniciante continua – não continuaria se dependesse de mim, odeio lugares fechados.

Comentarios em HDUM arco 2: Capítulo 10

Categorias