Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Presente dos céus!

Ponto de vista Ania

Diante de nós, surgiu vários Orc bem equipados, com escudos e machados. Rugiram, bateram seus machados contra seus escudos. Nos provocava, instigando, a ficar furiosos e a atacar. Meu senhor permaneceu em silêncio, observando com calma, analisando nosso inimigos.

“Eu sou, Raed de Niscur, Chefe dos Grimmur!” rosnou uma voz grave. Entre as fileiras Orc, surgiu um Ogro de pele cinzenta trajado com uma armadura azul-escuro com espigões e garras. Era alto, quase dois metros e meio e cabelos branco chegando até os ombros, trancados com argolas de ouro. Acima de seus olhos vermelhos crescia dois pequenos chifres típico da espécie Ogro.”Quais suas intenções, mago?”

“Minha intenção é a seguinte: dominar” respondeu com uma voz melódica e afável. Quase hipnótica fazendo o chefe dos Grimmur piscar em confusão.”A partir de agora, você e sua Horda seguiram minhas ordens!”

“Não seguimos ordens de um pele-rosa!” Raed cuspiu em desprezo após voltar aos seus sentidos. Tocou o cabo de sua clava presso na cintura pronto para atacar a qualquer momento.”Eu e meus homens vamos lutar e quanto vencermos…” sorriu de forma desagradável revelando fileiras de dentes pontiagudos.”Vamos devorar sua carne e ossos!”

Mestre Sam disse uma vez que assim como temos o 【Sistema de Trabalhos e Promoção】, alguns monstros seguiam um sistema diferente, chamado de 【Banquete de Havkat】, aonde os fortes devoram os fracos, fortalecendo-se ao devorar outros seres vivos. Dessa forma, devorando inúmeros monstros, os monstros podem evoluir mais rapidamente do que um humano no 【Sistema de Trabalhos e Promoção】. Pela aparência de Raed pode se notar que é um Ogro poderoso, até mesmo entre sua própria espécie.

Entre os aventureiros, Mestre Sam conhecia bem monstros e os sistemas de Aayós. Apesar, que ninguém parecia saber sobre os sistemas diferentes. Quanto uma vez perguntei a ele porque ninguém sabia sobre o【Banquete de Havkat】, Mestre Sam simplesmente respondeu: eles esqueceram, sempre esquecem do que tem medo.

Mestre Sam era uma pessoa sábia e misteriosa. É difícil acreditar que ele realmente morreu. Ou talvez ela tenha conseguido fugir? Não acredito que seja possível, muitos Orc estavam o perseguindo seu grupo.

“Humano?” meu senhor contorceu os lábios formando uma sorriso estranho. Essendeu os braços irrompendo uma aura opressora fazendo-o parecer maior do que realmente era. Raed recuou para trás com pavor em seus olhos.”Es, cego Raed? Não consegue contemplar minha verdadeira natureza?”

Não houve resposta. Ele tremia. Todos Orc tremia como se estivessem diante de um poderoso monstro. Chamas rubras surgiram ao redor do meus senhor. Ele fez um gesto para me afastar. Recuei, me mesclando na escuridão da noite entre as árvores.

As chamas rubras, giraram em um vórtice de chamas, tornando-se um furacão rubro. O corpo do meu senhor começou a crescer, ficando cada vez maior, crescendo escamas escarlate. Por um momento fui cegada pelo brilho intenso das chamas. Estreitei meus olhos, e o que estava lá era um poderoso 【Rei Dragão Vermelho】, com enormes asas projetando sombras sobre o forte. Entre seus chifres havia uma magnífica coroa dourada com chamas rubras.

Eu estava confusa. Meu senhor era um poderoso【Rei Dragão Vermelho】, qual o poder diz rivalizar com o poder dos Deuses. Sempre soube que meu senhor era diferente, especial, mas nunca sonharia que ele fosse um Rei Dragão.

Meu senhor abriu sua enorme asas escarlate, puxando todo ar ao redor, soltou um jato de chamas rubras, iluminando os céus, seguido por um rugido de perfurar os tímpanos que fez terra e céus estremecer.

“Eu sou seu novo Mestre e todos seguiram minhas ordens!” sua voz profunda soou como trovão. O poder na voz do meu senhor, fez Raed e todos Orc se ajoelhar, como se tivessem diante de um Deus, e prostraram-se com um profundo respeito.”Ótimo, agora crianças tragam bebidas para comemorar minha conquista! Mufufuu!”

“Como desejar, Mestre” respondeu Raed respeitosamente. Virou-se para seus homens, gritou, emitindo ordens. Correram para dentro do Forte iniciando os preparativos da comemoração da vitória do meu senhor.

Me aproximei confusa. Lá, diante as portas do Forte, parecia uma imponente estátua de rubi. Contemplei as escamas escarlates, como se fosse fogo solidificado, de seu enorme corpanzil. Meu senhor, virou seu enorme pescoço serpentino, encarando-me como seus enormes olhos reptiliano – azul cristalino – e aproximou seu focinho, farejando-me. Projetou para fora de sua poderosa mandíbula, uma língua bifurcada pegajosa, e me lambeu provando meu sabor.

“Como eu pensava, deliciosa!” sibilou meu senhor com um certo tom humorado.“Não se preocupe minha coelhinha, não vou te devorar. Não dessa forma, mufufu!” gargalhou, depois baixou a voz e falou com seriedade:“Agora vá até onde enterrou o tesouro e o recupere. Essa é sua missão!”

“Sim, senhor!” consegui responder após me recuperar do meu estupor.

Desapareci nas sombras, correndo como um espectro, dentro do forte e seguindo até o local aonde o tesouro foi enterrado. Deixando para trás, Lyam, um dragão vermelho, qual jurei servir eternamente.

**********

Ponto de vista Lyam

 

Era bom estar na forma de um dragão. Não estava em minha forma divina. Com minha Habilidade Ativa【Domínio Racial】, mudei minha estrutura corporal e molecular……Em poucas palavras, mudei de raça. De um【Deus Dragão Celestial Maior】mudei para um【Rei Dragão Vermelho】.

Para que possa entender o motivo de eu ter mudado de raça. Preciso esclarecer algo que aconteceu cinco anos atrás.

Quando eu absorvi todo conhecimento da árvore da sabedoria. Todas profissões foram divididos e fundidos em cinco classes mestres com cinco domínios mestres que são:

  • Classe: 【Supreme God of War】contém todas Habilidades Marciais e técnicas de combate com armas, chamado de 【Domínio Marcial】
  • Classe: 【Supreme Master of Magic】contém todos Sistemas de Magias conhecidos em Aayós, chamado de【Domínio da Magia】
  • Classe: 【Supreme Star Shooter】contém todas habilidades hibridas quais não podem ser classificadas, chamado de: 【Domínio Racial】
  • Classe: 【Supreme Spiritual Master】contém todas técnicas espirituais, chamado de: 【Domínio Espiritual】
  • Classe: 【Universe Builder】contém todas habilidades de forja e reestruturação de armas até a criação de cidades, chamado de: 【Domínio da Criação】

E meio tarde para dizer isso, mas, eu não tenho controle total sobre todas habilidades absorvidas.

Imaginem a maior biblioteca que conhecem em seu mundo, imaginou?

Agora pensem na Árvore da Sabedoria como uma enorme biblioteca com centena de milhares de livros, qual de alguma forma milagrosa eu consegui absorver. Todo conhecimento e Habilidades, estão lá, guardadas em minha mente. Entretanto é muito conhecimento – assim como é impossível para um bibliotecário estar ciente de cada livro de uma biblioteca com milhares de livros. Eu não tenho o controle ou conhecimento total de cada habilidade.

Mas, eu sou um gênio, e para contornar esse problema além de dividir todo conhecimento em cinco classes e cinco domínios. Também criei cinco avatares diferentes graças ao【Domínio Racial】, para usar cada domínio da forma mais eficaz.

Resumindo, além da minha raça original【Deus Dragão Celestial Maior】qual funciona como um bibliotecário que tem acesso superficial em todos domínios. Eu tenho mais cinco avatares diferentes, criadas para ter acesso total de um único domínio.

Minha avatar atual, Rei Dragão Vermelho, tem acesso total ao 【Domínio da Magia】permitindo usar todos Sistemas de Magias conhecidos em Aayós. Em contra partida, nessa forma, todas outras habilidades de outros Domínios desaparecem e meu poder é reduzido para o de um Rei Dragão Vermelho.

O que nos faz retornar para situação atual.

Sabia que os Orc jamais abaixariam a cabeça para um humano, independente de seu poder. Claro, poderia voltar a minha forma divina e resolver o problema, mas isso custaria muito poder mágico. Então, a melhor forma de resolver a situação, além de esmagar a cabeça de todos, era me transformar em um Rei Dragão Vermelho – qual entre todas raças tem a melhor afinidade com a magia e também a mais temida entre humanos e monstros.

Eu gosto dessa forma. O poder mágico fluindo em meus músculos, todo conhecimento sobre a magia, dão uma sensação de onipotência. Como se eu pudesse fazer qualquer coisa e com um único pensamento eu pudesse destruir os pequenos Orc correndo de um lado para o outro trazendo barris de hidromel.

Para os Orc eu estava imóvel como uma montanha imponente, mas por dentro eu estava eufórico, e estava usando toda minha concentração para controlar aquela euforia tempestuosa. Por que se eu cedesse aos meus instintos, me tornaria um dragão em todos sentidos e deixaria um rastro de cidades queimadas e corpos carbonizados por onde eu voasse.

Raed, retornou com uma bela mulher humana de longos cabelos loiros e feições delicadas e seios grandes. Apesar de estar suja, não parecia uma camponesa e nem que tivesse sido tocada pelos Orc. Atrás dele, seus homem traziam barris de hidromel, enfileirando a minha frente.

“Nós a capturamos hoje, perto de nossas fronteira ao sul” explicou ele e a empurrou em minha direção. Ela tremia. Estava apavorada, porém, ao mesmo tempo irradiava um ar de dignidade e nobreza que não pode ser encontrado em qualquer humano.”E meu humilde presente ao Mestre” falou e acrescentou rapidamente:“Não a tocamos.”

“Venha até mim, mulher” falei num tom profundo.

Com as pernas trêmulas caminhou até a mim. Seus olhos eram de um verde pálido, marejados, como se fosse cair em lágrimas a qualquer momento. Não sabia seu nome, mas já estava encantado por sua grande força de vontade. Por que todo Dragão tem a Habilidade Racial【Aura Aterrorizante】que tem o efeito de causar estado negativo pavor e paralisia no alvo. Eu havia diminuindo o efeito da【Aura Aterrorizante】, mas para ela conseguir andar sem desmaiar ou se molhar todas, era um ato digno de meu louvor.

Ela parou a cinco passos de mim. Farejei o ar ao seu redor, apesar do cheiro de alguém que não toma banho a dias, havia um odor único e cativante. Havia algo especial nela, em seu sangue, mas não sabia bem o que era.

“Levem os barril de volta para o salão principal” ordenei. Materializei vários pedaço de carne de dragão negro armazenado em meu espaço dimensional. Raed e todos Orc presente começaram a salivar.“Leve parte da carne para o salão e a prepare para ser assada. Retornem ao salão e me aguardem. Logo estarei lá.”

“Como desejar, Mestre!” Raed agradeceu e retornou com seus homens para dentro do Forte.

“Respire fundo” disse a mulher. Peguei-a, e com minhas poderosas asas, golpeei o ar, fazendo um breve voo até o rio e mergulhei em suas águas geladas espirrando água para todos lados. Meu corpanzil nadava habilmente pelas águas profundas de Skjed. Lá em baixo havia todo um mundo diferente, com algas e todos tipos de peixes estranhos. Fiquei pouco tempo submerso. Retornei para superfície, coloquei a mulher na margem. Ela estava ofegante e tremia por causa do banho gelado. Soprei levemente em sua direção, um ar quente e agradável, secando seu corpo molhado.

(Magusgod: Nos capítulos anteriores o nome do rio aparece como Skajed, mas o correto é Skjed, quanto eu tiver tempo vou concertar esse erro.)

O banho gelado limpou toda sujeira, revelando sua beleza estonteante. Rosto oval emoldurado por cabelos loiros como ouro polido. Sobrancelhas finas e arqueadas e grandes olhos verdes pálidos. O nariz era pequeno e a boca ampla e generosa e as maçãs do rosto rosada. Era alta e com todas curvas tendendo para o esbelto.

Em seus pés descalço havia bolhas terríveis e por todo seus braços e pernas havia cortes e hematomas tendendo do roxo para o azul.

“【Cura Maior】!” com um gesto, conjurei Magia Sagrada de alto nível para tratar suas feridas. Seu corpo irradiou brancura, curando todos feridas em sua pele cor bronze. Materializei aos seus pés um vestido de seda cor azul royal de manga longa e um manto aveludado de pele de lobo negro.”Retire esses trapos imundos.”

“Aqui?” sua voz estava amarga e tensa.

“Sim, criança” respondi sem tirar os olhos dela.“Prometo que não vou te olhar se trocando.”

Ela colocou a mão na alça do vestido e começou a retirar, deixando seu ombro desnudo. Quanto ia retirar a outra alça do vestido percebeu que eu ainda estava a olhando e mais dois Orc nas muralha do Forte.

“Você prometeu que não ia olhar” acusou ela.

“Não estou olhando” menti segurando uma risada.”Não percebeu? Sou um dragão vesgo!”

Seus olhos verdes pálidos me encararam com raiva. Sabia que eu estava a fazendo de boba, mas não podia fazer nada. Por mais que mantinha um rosto inexpressivo, ela estava com vergonha do público que a observava. Soltei uma pequena labareda pela narina e estendi uma das asas, bloqueando a visão dos Orc que espiava na plataforma do Forte. Com as mãos trêmula retirou a outra alça, deixando cair o trapo que vestia cair, revelando grande seios altos e firmes. Vestiu-se rapidamente, colocando o vestido de seda cor azul royal de manga longa e o manto aveludado de pele de lobo negro por cima. Arrumou seus cabelos cor de ouro, deixando-os cair como uma cascata de ouro até seu quadril.

Era a mulher mais bela que eu já tinha visto, beleza que batia de frente com a da minha querida Arian.

“Qual seu nome criança?” perguntei.

“Mili….”

“Sem mentiras” falei, interrompendo-a.“Somente a verdade.”

“Princesa Susana, filha do Rei Rhuan III Sidon Pendragon” falou com olhos marejados.

Suspeitava que fosse uma nobre por sua aura diferente. E para minha surpresa não era uma nobre qualquer. Era uma princesa, filha do Rei de Midgard. Bom é apenas um título vazio. Midgard estava dividida em vários reinos menores e o sul sobre constante ataque dos bárbaros vindo do mar. Pelo fato de estar aqui, implica que o sul finalmente caiu.

Era apenas um título vazio, mas, não mudava seu valor. Susana era uma princesa, provavelmente a última sobrevivente da linhagem real Pendragon que remete aos primeiros reis de Midgard.

(Magusgod: Sim ela tem o sobrenome Pendragon, mas não quer dizer que ela seja de uma família descendente do deus rei Freyr Pendragon. Mas para frente na história, ficará claro se ela é ou não é uma descendente.)

“Que inesperado, uma princesa!” exclamei abanando a cauda animadamente, derrubando algumas árvores no processo.

“Um título vazio” falou com amargura.”O sul caiu. Meu pai e irmãos queimam junto com a capital real e os bárbaros devastam todo sul. Sou princesa do nada, e agora uma escrava” havia dor em sua voz. Completou num tom sombrio:“Sua escrava.”

Em algum canto do meu coração inexistente senti vergonha por estar feliz por ter a encontrado. Não durou muito tempo. Minha mente estava distante trabalhando em vários planos. Muitos nobres sobrevivente, autoproclamados reis, e gananciosos ávido por poder se matariam pela princesa Susana. Por que, ter Susana, era o mesmo que ter o trono de Midgard.

Para mim não haveria melhor cenário aonde todos brigam e se matam pelo trono vazio de Midgard. Por que enquanto todos se matam, eu estaria recuperando meus poderes e enriquecendo ao mesmo tempo.

Susana era um presente dos céus.

Um brilho assustador surgiu em meus olhos.

Comentarios em HDUM arco 3: Capítulo 6

Categorias