Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Brigas e dramas

 

(Magusgod: As primeiras linhas vão ter um conteúdo +18 anos)

 

O corpo esbelto de Desy se contorcia de prazer cada vez que eu apertava vigorosamente suas pequenas colinas. Suas pernas torneadas envolvem minha cintura, enquanto a penetrava intensamente.

Me deixava excitado cada nova expressão de seu rosto calmo, cada vez que mordia os mamilos rosas de seu seios pálidos, cada vez que adentrava dentro dela com força. Seus gemidos baixos eram o combustível para que eu continuasse sem perder o ânimo por horas – e meu novo vigor era desumano.

Todos os dois anos sem fazer nada, sem beijar, sem fazer amor. Estava despejando todos meus desejos reprimidos nela, em seu corpo suave, em seus lábios vermelhos. Eu era o deus do amor montando vigorosamente ela.

Horas mais tarde.

Desy estava aninhada em meus braços, pressionando suas colinas suaves contra meu corpo gelado. A frieza do meu novo corpo não parecia a incomodar, apenas, podia ser visto um sorriso satisfeito em seus lábios vermelhos – descobri que aquele sorriso me agradava.

Já havia passado quase uma semana desde nossa primeira vez e todas noites passamos juntos se conhecendo melhor, fazendo amor, trocando conhecimentos sobre o mundo.

Desy era uma necromancer poderosa para sua idade, aprendeu a se virar desde pequena nas terras melancólicas de Niflheim. Por descuido havia sido enganada em uma pequena cidade próxima de Elegast e vendida como escrava, felizmente, sua aura de necromancer amedrontava todos compradores e a protegia de qualquer tentativa de possuir seu belo corpo – o que devo agradecer por ser o primeiro a desfrutar de seu corpo puro.

Dessa forma acabou parando em Elba com o mercador de escravos Kur. Comparando com outras histórias dos escravos, a dela, pode se chamar de uma história feliz.

Só te pensar na palavra escravidão, fazia meu estômago se revirar. A simples ideia de roubar a liberdade de outra pessoa me enfurecia.

Minha amada Aayós tinha seus defeitos.

……………

Os primeiros raios do sol passavam pela fresta da cortina colorida, aquecendo meu corpo. Desy acordou, semicerrando os olhos com a luz em seu rosto. Eu estava acordado apreciando cada sutil expressão em seu rosto calmo. Ela se levantou, deixando os lençóis grossos cair no chão, revelando seu corpo nu, banhado pelos primeiros raios de sol.

Por um instante havia esquecido de respirar.

“Bom dia mestre” disse ela com seu tom baixo habitual, um pouco mais elevado do que o normal.

Seus olhos lilases são sedutores.

“Bom dia Desy” devolvi o cumprimento.”Já falei para me chamar de Lyam, não somos estranhos, e eu não sou seu senhor ou algo parecido.”

Desy assentiu levemente. Não disse mais nada. Silenciosamente vestiu suas roupas íntimas, seguido por uma bela túnica negra de manga longa; cinto trançado em fios violeta; bota alta de couro escuro; manto azul-escuro bordado com um lobo branco; e um pingente e anéis com diversos efeitos.

O manto azul-escuro bordado com um lobo branco, e um manto exclusivo para os magos e outras classes relacionado a magia da Guilda Ragnarok.

Guerreiros e lutadores usam capa vermelha com o simbolo do lobo branco.

Aqueles que tem a classe tanto guerreiro e mágico usam o manto – ou capa – roxo com o símbolo do lobo branco.

“Mestre……”

Eu desenhei um meio sorriso. Não gostava de ser chamado por mestre. Fazia parecer que erámos estranhos.

“L-Lyam…”voltou a falar, se corrigindo.”Meu MP aumentou em 20% após dormir com você. Por acaso você fez algo?”

Franzia o cenho. Não havia feito nada além de amor com ela.

“Não fiz nada” respondi, enquanto vestia um par de calça de couro escuro.”Esse aumento vem ocorrendo todas noites, desde que começamos a……Dormir juntos?”

Ela assentiu.

“É permanente, ou apenas temporário?” perguntei.

“Permanente” respondeu.

Vesti camiseta de manga longa de seda suave bem resistente; Desy me ajudou a vestir uma cota de malha de cristal azul feito a partir dos materiais de um Tirano Golem de Gelo; Placa de armadura completa e ombreiras, manoplas e botas feita do mesmo material. Graças aos bons materiais usados durante a criação por Tio, se tornaram itens nível Lendário.

As peças da armadura feita a partir de cristal de um Tirano Golem de Gelo era muito pesado e exalava uma aura extremamente fria. Para mim era como usar uma armadura leve e a aura fria não tem efeito sob mim graças ao talento inato Autoridade sob o Gelo, que da imunidade ao elemento gelo.

Por último uma capa roxa bordado com um lobo coroado – símbolo que apenas o Mestre da Guilda pode usar.

“Interessante” eu disse, enquanto a envolvi em um abraço apertado.”Vamos fazer um pequeno teste hoje a noite!”

Ela arqueou suas elegante sobrancelhas, perguntou:

“Está tudo bem, você não voltar a dormir com elas?”

Lambi meus lábios secos. No mesmo dia que eu havia dormido com Desy fui quase morto por Mia e Sofie. Não houve conversa, expulso do meu próprio quarto. Desde então passos a noite no quarto da Desy.

“Por hora e melhor deixar elas se acalmarem” eu disse.

“Dormi comigo todos dias não vai acalmaras” ela respondeu.”Você já tentou procurá-las, discutir sobre seus desejos?”

“Sim”respondi em um suspiro.”Sofie disse que eu era um pervertido e tentou me cortar em dois novamente……Bem, Mia, não falou nada.”

Não falamos mais sobre o assunto.

Saímos do quarto, no corredor dei de cara com Sofie e Mia.

Sofie semicerrou seus olhos, pronta para voar sob meu pescoço. Ela avançou apontando o cajado em minha direção, mas foi impedida por Mia, colocando uma mão sob seu ombro.

“Mia temos que punir esse canalha!” guinchou ela.

“Sofie ele fez sua própria escolha” disse ela sem me olhar.”Não somos nada dele, para ficar o importunando.”

Aquelas palavras foram pior do que ser atingindo por uma espada no coração. De repente minha consciência voltou a funcionar, fazendo me sentir o pior cara do universo.

“Hump! Agradeça a Mia, Mestre da Guilda pervertido!”guinchou ela ao passar por mim.

Mia passou por mim, evitando meus olhos, claramente me evitando. Meu coração se tornou pesado. Não podia deixar as coisas da maneira que estavam.

Segurei o braço dela.

“Mia, precisamos conversar” eu disse numa voz firme.”Sofie, Desy vão em frente.”

Desy desceu em direção ao primeiro andar. Sofie fez várias caretas e me xingar até descer de formar relutante.

“Sobre a Guilda?” ela perguntou.

“Sobre nós, sobre nosso relacionamento” respondi ainda segurando sua mão.”Precisamos deixar claro as coisas entre nós!”

Ela tremeu.

“Então não há o que conversa, Mestre da Guilda” respondeu friamente.”Porque não existe nada entre nós!”

Senti um gosto amargo na boca. Não sabia ao certo o que falar. Eu estava errado em ter dormido com Desy, ter sucumbido aos meus desejos. Mas, mesmo assim eu não estava arrependido.

Eu estava doente e precisava de cura. Desy foi a cura.

“M-Mia, realmente não existe nada entre nós?” perguntei com dor.

Ela assentiu com a cabeça.

Mordi meus lábios, e forcei essa pergunta:

“Você me odeia?”

Mia tentou se livrar da minha mão. Vendo que era inútil parou de tentar escapar.

Após longos segundos ela se virou. Nossos olhos se encontrou, não havia raiva em seus olhos, havia outro sentimento – qual eu não sabia identificar.

“Pensei que você fosse diferente” sua voz era dura, havia dor em seus olhos.”Mas homens são homens, não importa a idade, você desejava meu corpo. Percebeu que eu não seria fácil e procurou por uma garota que não oferecesse resistência!”

“Não desejava só seu corpo, você é minha benfeitora, gosto da sua companhia!” protestei.

“Gosta?” perguntou numa voz ainda mais dura.”Tem certeza Lyam? O que você entende por gostar? Não está confundido com atração?”

Confrontado com aquelas palavras fui atordoado.

“E-eu amo você e Sofie, não apenas por me sentir atraido, amo vocês do jeito que são!” eu gritei.

Seus ombros tremeram. Seus lábios se contorceram em dor. Uma lágrima desceu por seu rosto.

Vi um novo sentimento em seus olhos: decepção.

Tapppppp!!!!!

Ela moveu sua mão, acertando um tapa em meu rosto. Tudo parecia em câmera lenta, principalmente o tapa em meu rosto, deixando as marca de sua mão. Meu rosto ardia, meu coração, havia sido esfaqueado por inúmeras adagas.

“Ama do jeito que somos?” disse entredentes.”Lyam, o que você sabe sobre nós? Algumas vez se interessou em nos conhecer? Em conhecer nosso passado? Alguma vez se quer se preocupou com essas questões?”

Larguei sua mão, atordoado por cada palavra. Estremeci ao perceber que não sabia nada sobre elas, nunca havia perguntado sobre suas histórias, nem tentado saber.

“Isso não é amor, Lyam” disse ela com olhos cheio de lágrimas.”Você se sente grato a nós, e tentava nos recompensa de sua forma distorcida. Não desejo esse sentimento forçado, de a Desy ou a outra garota, mas não a mim! Não a Sofie! Por favor nãos nos machuque mais do que já fez!”

Ela seguiu em frente, descendo as escadas.

Essendi a mão, desejava falar mil palavras, mas nenhuma saiu da minha boca. Meus sentimentos eram superficiais, e eu estava as machucando.

Odiava as ver com dor, odiava qualquer coisa que as machucasse – eu me odiava.

…………………

O mundo e um lugar complicado. Nem tudo era branco e preto. Cada ação tem sua reação. Eu conheci três mundos diferentes e morri duas vezes, e mesmo assim, minha imaturidade persiste.

Eu era um cego para os fatos mais simples da vida.

Estava sentado, observando os vários papéis sob a escrivaninha. Sua maior parte era sobre contabilidade, descrevendo despesas com comida e a compra de novos equipamentos para os novatos. Havia outros papéis, pedidos de missões dada as nós pela associação dos aventureiros a pedido de nobres e outras figuras importantes de Elba.

Em meio aos papéis encontrei uma carta selada com o símbolo da santa igreja Freyr.

Franzi o cenho tentando adivinhar o que se tratava. Logo Louise veio a mente, recuperei um pouco do meu humor. Quebrei o selo, li o conteúdo da carta. Letra elegante, e era perceptível o esforço usado para escrever a carta.

O fim está próximo. Assuma a responsabilidade. Sumo-sacerdote Elliot deseja o conhecer. Venha para sede da santa igreja de Freyr.
Assinado. Louise, escudo santo, guardiã da santa igreja Freyr

O conteúdo era um enigma escrito por minha deusa. Porém meu humor estava bem melhor graças a sua carta.

“Está na hora de dar o troco nela” desenhei um sorriso malicioso.”Ela vai pagar caro por me enganar. Vou ter meu beijo nem que eu tenha que colocar abaixo santa igreja Freyr!”

Descobri que eu era uma pessoa vingativa.

Toc! Toc! Toc!

Alguém bateu na porta.

“Quem é?” perguntei.

“Sou eu, Sofie” disse ela docemente.

Senti um arrepio nas costas. Sofie me tratava com um tom ofensivo, essa voz doce só significava uma coisa: minha morte.

“Mestre Lyam não está!” gritei, imitando uma voz feminina.

Sofie não falou nada.

Baaammm!!!

Houve um estrondo seguido por uma explosão, a porta voou, passando cinco centímetros a minha esquerda.

“Tsch! Eu tentei ser educada, mas você não me deixou escolha!” Sofie resmungou.

“Por acaso você é alguma gângster?” gritei ao ver a magnífica porta de carvalho entalhado com belas figuras de mulheres de várias raças.”Eu paguei a Tio 300 moedas de ouro por essa obra de arte!”

Sofie semicerrou seus olhos âmbar.

“Hump! Não me importo, não gostava dessa porta indecente!”disse ela balançando o cajado.”Agora levante seu traseiro e sente-se no sofá, temos que conversar.”

Suspirei dando um último olhar aquela obra de arte criado por Tio.

Me sentei ao lado dela. Não tinha coragem para a olhar em seus olhos. Cada palavra da Mia ainda queimava em meu coração.

“Me desculpe” eu disse com um meio sorriso.”Não imaginava que eu estava as machucando, mesmo, dizendo que amava vocês duas, no fim nunca me preocupei em saber quem vocês eram, ou suas histórias.”

Sofie soltou um longo suspiro, retirou seu chapéu pontudo de bruxa. Passou a mão em seus cabelo rosa, na tentativa de os arrumar – devo dizer que não funcionou.

Ela se levantou ficando diante de mim. Suas duas mãos seguraram meu rosto. Me encarando seriamente.

“Lyam, estamos a pouco tempo juntos, mas foi tempo o suficiente para descobrir que você realmente se preocupa conosco, que deseja nos proteger e nos amar de sua maneira.”

Ela respirou fundo e disse de uma vez:

“Deixa eu ser sincera com você Lyam, olhando em seus olhos, vou confessar meu sinceros sentimentos. Eu te odeio.”

Meu coração acabou de receber o golpe de misericórdia. Pela primeira vez em toda minha vida nos três mundo. Eu me sentia péssimo.

Sua palavra machucava mais do que a lâmina de ferro de uma espada.

“Você é muito bonito, charmoso, atrai mulheres como se fosse a coisa mais simples do mundo. Às vezes arrogante, outras vezes humilde demais. Além de tudo isso é um mulherengo nato.”

Meus lábios tremeram.

“Lyam eu realmente te odeio”

Senti meus olhos a ponto de lagrimejar, abaixei meu rosto, tentando esconder minha expressão patética.

Sofie ergueu meu rosto, me fitando com olhos chorosos.

“Eu te odeio, odeio, odeio, odeio…….” suspirou, ficou em silêncio, e voltou a falar:“Agora o que vou dizer vai parecer uma contradição com minhas palavras anteriores, mas, Lyam eu amo você……Me importo com você, apesar de ser um maldito mulherengo, que mereça ter as bolas esmagadas pelo meu cajado. Não posso deixar te sentir isso por você.”

Pisquei surpreso. Apertei os olhos, tentando evitar lágrimas.

“É uma alívio certo? Saber que eu não te odeio.”

Eu assenti segurando as lágrimas.

“Lyam essa e a prova de que você realmente gosta de mim. Se seus sentimentos fossem superficiais, não fossem verdadeiros, minhas palavras nunca o afetariam de tal maneira!”

Puxei Sofie para meus braços, abracei-a com força, pressionando seu pequeno corpo contra minha armadura gélida.

“Certo, acalme-se, ou você vai me quebrar em duas com sua maldita força monstruosa!” guinchou ela, afrouxei o abraço. Sofie se ajeitou em meus braços e sentou-se em meu colo.”Mia, sente o mesmo por você, é impossível ela te odiar, e o contrário. Ela te ama tanto que prefere afastar você de si mesma.”

Pisquei confuso novamente.

“Então….Porque ela disse tudo aquilo? Porque ela quer me afastar dela? E-eu não entendo…”

“Eu e Mia temos um passado complicado, fiz coisa qual não me orgulho para sobreviver. Já Mia……Não teve escolha……Não vou contar o que ela passou, Lyam, não tenho esse direito, isso é algo que ela deve te contar pessoalmente. Mas saiba, que seu passado é duro, nada gentil, Mia viu o pior do mundo e tanto sua mente como seu coração foram marcados pela maldade do mundo. Ela acredita que isso manchara sua alma pura, vai saber de onde ela tirou essa ideia maluca, já que sua alma e de um pervertido depravado, mas ela acredita que vai te contaminar com sua sujeira….”

Abracei ela mais forte. Fúria começou a surgir em meu coração. Quando eu imaginei o quando elas sofreram, as coisas difíceis que passaram, meu coração se tornou pesado.

Meu coração estava sendo esmagado por aquele sentimento pesado.

“Me fale Sofie, quem são, me diga, que são as pessoas que as machucaram?” eu disse com um rosnado.”Me fale quem são, eu vou arrancar suas peles e os atirar em água fervente, os curando para que não morram, e depois arrancar membro por membro!”

Meu corpo tremia.

“L-Lyam…Se acalme…Você está me machucando!” gritou ela.

No mesmo instante minha fúria anemizou, soltei ela dos meus braços.

“Céus pensei que você ia me esmagar!”

“Me desculpe” respondi secamente, tentando controlar minha fúria.

“Não se preocupe é passado, e provavelmente estão mortos.”

Balancei a cabeça, a encarei com meus olhos azul celeste cheios de fúria.

“Não importa se estiverem mortos, iria até o próprio inferno e os torturaria até chorarem lágrimas de sangue.”

Sofie sorriu docemente.

“Oh, que garoto vingativo!” resmungou ela.”Mas, eu não odeio isso.”

Fiquei em silêncio, meditando, controlando minha fúria interior. Prometi a mim mesmo que jamais deixaria elas sofrerem novamente. Eu posso sofrer, sangrar, mas elas não, vou ser seus escudos de carne, vou dar a paz e felicidade que foram roubadas no passado.

“O que está planejando garoto?” Sofie perguntou cautelosa.

“Em destruir o mundo” respondi numa voz séria.”Não perdoo quem as machuca, se o mundo foi o culpado, o mundo pagará por te machucar.”

Sofie gargalhou.

“Não acha muito exagero, querer destruir o mundo por causa de duas mulheres?” perguntou ela com certo humor.”Aliás como pode destruir aquilo que ama? Não é Aayós sua paixão secreta?”

Eu sorri.

“Me perdoe, usei as palavras erradas” respondi com um sorriso.”Não é Aayós que iria destruir, apenas as baratas que povoam a superfície.”

Sofie mudou sua expressão suave para uma séria.

“Espero que esteja brincando, não desejo ser a razão para morte de outras pessoas. Nem todos são ruins. Bondade e maldade existe em todos lugares. Até dentro de você.”

Respirei fundo.

“Você está certa, mas uma centena de milhares deve ser o suficiente para pagar esse pecado!”

“Lyam……Sem massacres!” guinchou ela.

“Duas ou três cidades?” negociei.

“Não, sem massacres!” decretou ela.

“Não prometo nada, posso por acidente acabar destruindo uma cidade ou outra” disse com um belo sorriso diabólico.

Sofie revirou os olhos.

“Pare de ser tão dramático!”

Soltei um longo suspiro. Sofie foi sincera comigo, e eu precisava fazer o mesmo.

“Sofie, tem algo que eu preciso dizer a vocês duas….”

Deixei a frase no ar. Hesitando.

“…Eu estava escondendo algo de vocês duas.”

“O que você escondeu de nos?” perguntou cautelosa.

“Vou falar quando eu estiver diante da Mia também, é uma longa história…”

Sofie assentiu. Saímos do meu escritório.

…………

Pessoas são complicadas por natureza. Mulheres são complicadas. Mesmo com a sabedoria de três mundos diferentes, eu não as entendo. Havia milhares de maneiras mais fáceis de lidar com a situação, mas, ela escolheu o método mais difícil e dramático possível.

Já estava cansado daquela novela de drama.

Sofie guiou-me pelos corredores da mansão. Paramos diante da porta do meu quarto – qual eu havia sido expulso. Ela tentou abrir a porta, mas, estava trancada. Preparou seu cajado, pronto para quebrar a segunda porta do dia.

“Sem destruir a porta! Existe um método mais simples” eu disse, enquanto a impedia de destruir a porta. Impregnei a maçaneta da porta com magia, girei, houve um estalo, a porta estava destrancada.

“Tsch…Método sem graça!” resmungou ela.

Entramos no quarto.

Meus olhos não podiam acreditar no que estava vendo.

Mia estava em cima da cama, se contorcendo, cheirando um par de calça. Eu tinha 99% de certeza de que eram minhas. Sua cauda prata balançava animadamente, enquanto suas orelhas de lobo se movia de um lado para o outro.

Sua mão estava……

“Essa é a verdadeira face da vira-lata” resmungou ela.”Desde que você não dorme mais com nos, ela anda nesse estado.”

“Mia…” chamei hesitante em atrapalhar seu momento.

Mia parou seus movimentos, virando gradualmente sua cabeça em direção da porta. Seus olhos vermelhos, por tanto chorar, se arregalou ao me ver.

“Desculpe vira-lata, por atrapalhar seu plano de o afastar de você” disse Sofie nada convincente.

Eu me aproximei sentado na cama.

“Mia, eu não sei e nem posso imaginar as coisas terríveis por qual passou. Não me importo se sua alma seja suja ou pura, eu amo você, e nada mais importa. Desejo estar ao seu lado, te amar a cada momento!”

“Impossível” disse ela com voz trêmula.”Se soubesse tudo pelo que eu passei, pelo que fiz, sentiria nojo de mim, e não estaria dizendo essas belas palavras. Meu corpo e sujo Lyam, e eu não vou o contaminar……”

Eu abracei Mia, interrompendo suas palavras.

“Por favor não fale de si mesma dessa forma!” eu gritei.”Mia, cada palavra que você diz de si mesma, me magoa, rasga meu coração em dois. Vou te odiar se continuar se denegrindo dessa maneira! Eu já disse não me importo, vou continuar te amando da mesma forma, então, por favor se permita ser feliz!”

Seu corpo tremia. Hesitando, me abraçou com força, enquanto chorava sob minha armadura gélida, congelando suas lágrimas.

“M-me perdoe……Me perdoe Lyam….”disse ela com a voz chorosa, soluçando como se tivesse voltado a ser uma criança. Pedindo desculpas sem parar. Afaguei sua cabeça até se acalmar.

“Está tudo bem, Mia”eu disse numa voz suave.”Vou estar ao seu lado, sempre te protegendo contra a maldade do mundo. Prometo nunca deixar nada de mal voltar acontecer com você e Sofie, porque você são mulheres especiais em minha vida. Amo vocês duas!”

Sofie se aproximou, me abraçando, e falou:

“Também, te amo garoto!”

“E-eu também, Lyam, te amo muito!”

Ficamos abraçados por vários minutos. Sentia que Mia havia superado um pouco do seu trauma. Sofie havia se tornado mais sincera em relação a mim. Após tantos altos e baixos no mesmo dia, meu coração se tornou suave, por poder estar junto delas.

Eu não havia percebido, mas havia sentido saudades delas.

Minutos mais tarde.

Nos deitamos na cama. Comecei a revelar meu segredo, falar sob minhas memórias recuperadas e tudo sobre o mundo anterior. Sofie e Mia foram surpreendida, ouvindo minha história fantástica.

“…Você era um semideus dragão celestial mulherengo……Isso explica o status anormal para um nível 1, quando o encontramos…….Você deseja retornar para seu mundo?” perguntou Sofie.

“Não desejo deixar Aayós, mas, e meu dever como homem, retornar para elas. Não seria certo as abandonar. Por esse motivo vou deixar Elba em breve, explorar ruínas e labirintos a busca de um poder que permita viajar entre mundos e dimensões. Vocês vem comigo, certo?”

Mia e Sofie se entreolharam. Eu fiquei ansioso pela resposta.

“Estaremos com você, em qualquer lugar, mundo ou dimensão” responderão as duas em uníssono.

Sorri satisfeito.

Sofie colocou algumas condições, como não incluir mais nenhuma garota em meu harém. Falei sobre Louise e Desy, com muito esforço e alguns ferimentos leves, consegui o consentimento delas para incluir as duas.

Falei sobre a carta da santa igreja de Freyr e discutimos um dia para viajamos só nos três até Elegast. Chamei Sam, que estava explorando o labirinto e o deixei como Mestre da Guilda temporário.

Com tudo pronto, deixamos Elba, Desy nos seguiu.

Me corrigindo, nos quatro viajamos para Elegast.

Comentarios em HDUM arco2: Capítulo 19

Categorias