Kuork

Apenas Tradutores Errantes

iLivro

Enfrentando o rei demônio! (1 Parte)

1 Parte

 

O céu era negro, uma tempestade se formava sob nossas cabeças. Tempestade criada por minha amada Arian. Trovões poderosos rasgavam o céu, atingindo o rei demônio. Apesar de todo poder dos trovões a criatura mal recebia dano devido a sua pele estranha.

Voava próximo ao rei demônio lançando vários jatos de fogo dourado. Diferente dos trovões meu fogo provocava mais dano na criatura ancestral e igualmente a irritava. Suas garras cortavam o espaço e a terra, deixando para trás grande ravinas.

As terras próximas da capital estavam sofrendo uma drástica mudança.

“Ataques desse nível não vai funcionar, precisamos de ataques que cobre uma grande área!” Eu disse para Arian montada em meu dorso.

“Então devemos usar nossas magias supremas?” Pergunto ela.

“Não, e muito perigoso!”

Quando nos tornamos um demigod recebemos uma magia suprema. Essas magias são de um poder destrutivo sem precedentes, podendo apagar uma cidade do mapa em questão de segundos!

Magias supremas podem ser comparadas a magia meteoro que usei apenas uma vez, destruindo completamente o espaço dimensional.

A memória da destruição causada pela magia meteoro era fresco em minha mente. Não arriscaria destruir tudo ao meu redor para derrotar o rei demônio.

O rei demônio voltou atacar com suas garras poderosas, inclinei meu corpo para direita, evitando o ataque, com três batidas de asas disparei como uma flecha dourada, voando por seu enorme braço, causando um enorme rasgo em sua pele. A rainha atacou seu flanco esquerdo, gravando sua bocarra no ombro do rei demônio, deixando para trás um ferimento sangrento.

Seu sangue era escuro como petróleo, caindo sob a terra destruída, corroendo a terra como se fosse ácido.

“Seus ataques o enfraquece, continue o atacando!” Rugiu a poderosa rainha, avançando, todo seu corpo exalou uma densa névoa branca.”[Ventos glaciais]! ”

Com três bater poderosos de sua asa, a temperatura caiu abaixo do zero, congelando uma vasta área de terra, tornando o mundo branco. O rei demônio não foi congelado, mas, seus movimentos se tornaram lentos.

Disparei para o alto, aproveitando a imobilidade dele, a terra branca se tornou pequena, nivelei o voo acima das nuvens tempestade, inclinando para baixo iniciando queda livre. Minha velocidade logo quebrou a barreira do som. Ao passar pelas nuvens tempestade, Arian nos envolveu com a energia dos trovões, formando uma armadura trovão de fulgor dourado.

Atingimos o meio do peito dele, o impacto arrasou tudo próximo criando um grande vortice de energia, criando uma cratera profunda.

O rei demônio tinha um grande buraco em seu peito e todo seu corpo sofreu graves danos.

“Conseguimos?” Perguntou Arian.

“Não, eu posso sentir sua energia vita, olhe, ele está se regenerando!” Eu disse a ela me preparando para o próximo ataque.

O rei demônio começou a se regenerar, todas suas feridas foram desparecendo. Sua regeneração era mais rápida do que a minha, para o derrotar precisaríamos destruir todo seu corpo.

“πλοκάμια του σκότους(Tentáculos das treves)! ” A terra tremeu violentamente e da terra surgiu inúmeros tentáculos escuros, atacando como chicotes impiedosos.

Evitei grande parte dos tentáculos escuros, outra parte acertou minhas escamas a quebrando, e cortando minha carne. A dor era estonteante, uma energia estranha se infiltrava em minha ferida, usei a magia dos deuses que circula em meu corpo para eliminar aquela energia estranha.

Tentei escapar dos tentáculos pelo céu, voando cada vez mais alto, nivelei o voo com uma boa distâncias dos tentáculos.

“Temos que ajuda a rainha!” Ela gritou.

A rainha estava em uma situação difícil. Tentáculos a atacava de todos lados, enquanto lançava jatos de gelo, congelando vários tentáculos escuros próximos. Luto ferozmente, rugindo, usando garras e dentes com sincronia perfeita. Disparei em sua direção soltando grandes jatos incandescentes de fogo divino.

“[Tempestade da Lótus]! ” Gritou Arian mm meu dorso materializando incontáveis pétalas de lótus – lâminas de água – criando um furação de pétalas cortantes, destruindo todos tentáculos escuros próximos.

“Um cara durão e irritante!” Disse a rainha em um grunhido.

“Alguma ideia?” Perguntei esperançoso.

“Tenho muitas, mas todas elas causam destruição da metade do reino!”

Discutimos estratégias, continuamos atacando sem parar, na boba esperança que de alguma forma conseguiríamos o derrotar e salvar o dia.

“Η σάπιου άνεμος να σας ευλογεί με το θάνατο(Que os vento pútrido os abençoe com a morte)! ” Suas asas se expandiram projetando sombras sobre todo vale, com um bater de asas um vento escuro, pútrido, soprou em nossa direção, como uma escuridão opressora que apodrecia tudo que tocava.

“Estamos mortos!” Disse a rainha.

“Não, não estamos mortos!” Eu rugi em resposta.

Afundei minhas garras no solo devastado, minhas asas secundarias, as de anjo, reluziram uma luz espectral. A luz me envolveu como um manto protetor e naquele momento uma auréola de luz espiritual formando uma coroa surgiu sob minha cabeça.

“Fiquem perto de mim!” Disse lhes com um rugido, minha asa de anjos as envolveu e o vento da morte nos atingiu.

O cheiro pútrido era nauseante e o mundo se tornou breu. Eu era uma pequena luz espectral no mar de escuridão. A escuridão lutava contra a luz espectral que envolvia meu corpo, enquanto eu me esforçava para manter a luz espectral. Cansaço mental ameaçou me dominar, mas sabia que seu eu vacilar, seria o fim de todos nos.

“Καταραμένος να είναι σε αυτή τη γη, τίποτα δεν μεγάλωσε εδώ, ούτε απλά και καλή τόλμησε να προχωρήσει, οι énanti, μάγους και όλα τα αποβράσματα της γης θα κάνει αυτή η πατρίδα τους(Amaldiçoado seja essa terra, nada aqui crescera mais, nem os justos e bons ousaram pisar, os vis, os bruxos e toda escória do mundo irá fazer dessa terra seu lar).”

Sua voz era grave e profunda vindo da escuridão assustadora.

“Αν στροφή πριν το θανάσιμο σκοτάδι, ένα μικρό φως σύντομα θα αποτύχει και το φως του καταβροχθιστεί από τις σκοτεινές δυνάμεις(Se dobre perante a escuridão mortal, sua pequena luz em breve irá falhar e sua luz devorada pelas forças das trevas!) !” A sua voz ecoou na escuridão a tornando assustadora.

Dois par de olhos sangue se tornou visível, me fitando, testando minha força. Antes de me matar a criatura queria me dobrar, me ver se ajoelhar e pedi por misericórdia.

Sua maldade era sem tamanho, pude sentir isso em seus olhos e na voz irracional.

Não compreendia o que ele estava falando, porém não podia ficar sem dizer nada.

“Minha luz e meu guia nas sombras da morte, seu mal e pequeno e insignificante!” Eu rugi para ele e continuei:“As trevas covarde, se esconde diante meu esplendor dourado e a não há escuridão que possa devorar a minha luz!”

Com cada palavra minha luz se tornava mais forte e densa, minha asa de anjo se tornou maior e a auréola se expandiu.

Não tinha cantado uma magia, minhas palavras foram do fundo do meu coração. O que aconteceu foi uma habilidade racial chamada [Canto espiritual] palavras ou um canto aumentaria meu poder espiritual de acordo com minha fé ou força de vontade. Havia esquecido dessa habilidade pois eu tinha considerado inútil, mas contra magias das trevas era bastante eficaz, assim como a magia divina.

Eu era uma dragão e celestial, tinha as forças e fraqueza de ambos…

“Eu sou Apollo! Sou a luz que devora a escuridão! Roaaaaarrrrr!!!!!” Eu rugi para ele e o senti recuar no mar de escuridão. Minha luz espectral se tornou um vórtice e explodiu, um clarão reluzente espantando todas trevas.

Ao dispersar a escuridão, ruína se revelou diante meus olhos. As belas colinas verdejantes se tornaram pó negro e toda vida morreu. Se eu não tivesse impedido a escuridão com minha luz, Cysgod teria sucumbido.

2 Parte

 

Ponto de vista Anna

 

Os céus se tornaram negros pelos enxames de demônios. Gritos de terror retumbavam por toda capital. Ele eram como um predador feroz devorando tudo que fosse vivo, destruindo tudo que tocava.

Eu cruzava os céus da capital brandindo minha lança, derrubando incontáveis demônios. Meu poder divino era como veneno para eles, os queimando com se fosse fogo. Minhas asas era como um conjunto de espadas afiadas, a brandindo com maestria, cortando, dilacerando demônios.

Abaixo dos meus pés magos atiravam sem parar usando fuzis mágicos criados por aquele que amo, Lyam. Os projeteis vermelhos iluminavam o céu da capital como se fosse estrelas cadentes caídas que desejavam retornar ao céu. Outros disparavam seus canhões mágicos, um raio de energia poderoso que desintegrava centenas de demônios em um instante.

A performace dos gigantes de ferro era de tirar o fôlego. Charlotte os comandava com perfeita sincronia, abatendo centenas de demônios agourentos. Eles investia contra nós como ondas sem fim, mas nosso poder conseguia afastar a onda apenas para receber outra.

Pareciam não ter fim, seus bandos continuavam sobrevoar o céu como uma nuvem de gafanhotos.

Com as batidas rítmicas das asas, disparei em direção a nuvem demoníaca que ameaçava atacar moradores que fugiam para o palácio real.

Ativei minha habilidade racial velocidade celestial, me tornando uma flecha de fulgor branco com a lança apontada para eles.

”[Lança do vento celestial]! ” Eu gritei e toda minha lança foi engolfado por ventos divinos ferozes. Segui adiante como uma tempestade imparável, aniquilando quase todos em ataque. Nivelei o voo acima das nuvens demoníacas e usei a técnica racial rajada de luz, queimando outros vários demônios.

Tinha limpado grande parte do setor sul.

Estava pronta para partir para outra área, quando senti dois poderes colossais sob mim. Era como se tivessem jogados duas montanhas sob mim e tive tempo de usar teletransporte fugindo para próximo do palácio real.

Soldados e cavaleiros ajudavam na evacuação dos moradores para dentro do palácio real. Todos pararam seus movimentos quando contemplando os enorme dragão cair sob o setor sul, esmagando todas construções e as construções ao redor sucumbiram a onda de choque provocado pelo impacto da queda.

“O-o que demônios é isso?” Perguntou um dos soldados, sua testa encharcada de suor.

“Ei, não é aquele jovem nobre o……Lyam, que foi nomeado Duque Nótos?” Perguntou um dos cavaleiros confuso.

Meus olhos se estreitaram e logo reconheci aquele que amo, porém a auréola corando sua cabeça nunca tinha visto antes. Suas asas secundarias se tornaram maiores e o fulgor espiritual que exalava fazia meu corpo tremer todo, como se fosse um deus, e eu fosse obrigada o reverenciar.

“Sim, realmente e ele, mais sua forma mudou um pouco.” Confirmou outro cavaleiro, contemplando a magnifico forma verdadeira daquele que amo.

Cinco anos se passaram e eu tinha mudado de várias formas, física e mentalmente. A garotinha que sonhava em ser uma heroína deixou de existir para uma garota que quer ser amada e ser útil ao seu amado.

Passei cinco anos tentando demonstrar minha força e ter sua atenção e só nesses ultimos três dias consegui seu amor e agora eu era completamente escrava e dependente dele. Não havia palavras para definir o que eu sentia. Esse sentimento ficou intenso e mais complexo ao me tornar um anjo, era como se ele se tornasse o centro do mundo e todo resto não importasse.

Como o mundo não pode sobreviver sem o sol, eu não poderia sobreviver sem o amor dele.

Eu me tornei uma escrava do amor.

Uma segunda figura caiu sob Lyam, o rei demônio caiu sob ele, seu corpo estava marcado por garras que sangravam sem parar. Seus ferimentos se regeneravam, mais era lento, quase não se curando. Lyam se debateu, virou seu pescoço serpentino, gravando seus dentes adagas no pescoço do rei demônio que guinchou de dor.

Dos céus surgiu a poderosa rainha em sua forma de dragão de gelo, se atracando nas costas do rei demônio, o mordendo e arranhando com suas garras. Arian surgiu elegante com uma lança trovão arco iris, suas asas arco iris era um espetáculo, deslumbrando, fascinando a todos.

Pétalas dançavam ao seu redor como um turbilhão violento e com gesto de sua mão atacou o rei demônio. Um belo furacão de pétalas ironicamente mortais. A batalha que se seguiu, destruiu metade da capital real.

Uma batalha titânica entre deuses.

A rainha, Lyam e Arian estavam em um nível em que eu não podia alcançar no momento. Queria o ajudar, mas seria apenas um peso e distração. Meu poder não era o suficiente para entrar naquela batalha entre deuses.

Impotência, um amargo sentimento que dominou meu coração, deixando um sabor amargo em minha boca.

“Pensei que tinha me tornado forte, e te fato sou forte, mas não o suficiente. Preciso evoluir, subir as escadarias rumo a divindade e me tornar uma companheira digna daquele que eu amo!” Disse para mim e meus olhos enevoados pela vontade de chorar.

Apesar de saber que não seria útil no fim não pude ficar parada. Me movi lentamente em direção a batalha colossal, mas uma voz me parou.

“Não vá!” Disse a voz familiar vinda abaixo dos meus pé. Olhei em direção ao chão e encontrei Llachar sentada no chão bebendo poções de recuperação se recuperando do tom pálido que sua pele tinha pelo enorme esforço. Pousei no chão e me sentei ao seu lado. Gentilmente ela passou a mão em minha cabeça e falou:“Sei que está sentido Anna, sei como e duro o sentimento que aflige seu coração. Mas se for até lá estará distraindo Lyam e os demais, então não vá e ajude aonde sua força e necessária.”

Aninhei minha cabeça em seu ombro. Sua armadura vermelha era quente como ferro em brasa, mas não me importei e continuei aninhada em seus braços. Chorando por minha fraqueza e prometendo a mim mesmo se tornar mais forte. Então Lyam contará comigo, e não ficarei de lado assistindo.

Sua mão carinho afagou meus cabelos e falou em tom animado:

“Vamos anjo chorão, temos novos convidados a entreter!”

Nos levantamos e ela colocou seu elmo em forma de raposa e corremos para o setor comercial enfrentando um novo enxame de demônios.

Comentarios em HDUM: Capítulo 43

Categorias