iLivro

A caminho da capital!

1 Parte

Hoje vamos viajar para a capital real.

Perto do portão principal está estacionado quase cinquenta homens á cavalo trajando uma armadura azulada e capas brancas, com espadas e escudos. Esses são os cavaleiros de Toh-ku que irão garantir nossa segurança durante toda viagem.

Eu queria cavalgar sentindo o vento no rosto, mas vamos viajar de carruagem o que vai estragar a emoção da viagem.

Estamos parado esperando por meu pai e Arian.

Enquanto isso conversei com um dos cavaleiros chamado Paul.

Um cara robusto que parecia ter entre 30 a 40 anos de idade de boa aparência e personalidade simples.

Perguntei para ele como ele adquiri o trabalho cavaleiro e ele respondeu:

“Jovem mestre, para se tornar cavaleiro é necessário realizar três condições. Primeira condição é ter o trabalho espadachim, segunda condição ter habilidade etiqueta e terceiro e o mais importante senso de justiça ou uma forte determinação de querer proteger algo.”

Então alguns trabalhos requer condições, assim como senhora das águas? Mas o que realmente faz essas profissões?

Com a explicação de Paul algumas dúvidas foram surgindo.

Então perguntei qual era a diferença de um espadachim e um cavaleiro, ele respondeu:

“Há muita diferença, sua força, defesa, vitalidade e destreza aumentam e as habilidade e artes marciais que você pode aprender se tornam mais vastas do que a de um simples espadachim!! ” Ele disse em tom animado e depois riu acrescentando: “É como um homem lagarto se tornando um dragão! ”

……Entendo……Mas espera ai ele disse “Homem lagarto” se tornando um “Dragão”?

Com essa dúvida gritante eu perguntei e ele explicou:

“Diferente de nós humanos, monstros, demônios e algumas raças de demi-humanos não possuem o sistema de trabalhos, mas em compensação ele tem um sistema de rank-up de evolução, bênção dada pelos outros deuses.”

“Como funciona esse rank-up? ” Estava curioso sobre esse rank-up, parece bem interessante, e meio injusto para os humanos mas eu não sou a melhor pessoa para reclamar sobre o que é justo ou não.

“O rank-up funciona como nosso sistema de trabalhos, realizando as condições certas o monstro pode evoluir se tornando bem mais poderoso! A rainha desse reino e um bom exemplo do rank-up, histórias contam que a rainha era uma humana poderosa que possuía sangue de dragão em suas veias e depois de derrotar e tomar o sangue de um dragão ancião vermelho se tornou uma Dragon Lordl!

……Quando eu mais eu escuto sobre a rainha mais com medo eu fico, mas um dragão não deve ser grande coisa!

“É forte um dragão ancião vermelho? ”

“Se e forte um dragão ancião vermelho? ” Paul soltou um riso e explicou: ” Um simples dragão vermelho jovem já e uma calamidade que mal poderíamos ousar enfrentar! Não existe monstro mais poderoso do que dragões, até mesmo os lorde demônios tem cuidados extremo ao lidar com os dragões! ”

Então dragões são poderosos em qualquer mundo, então isso faz da rainha algo mais poderoso do que um dragão ancião? ”

A rainha é um verdadeiro monstro!!!!

Minha conversa com Paul foi muito produtiva assim adquiri grande conhecimentos sobre monstros, demônios e algumas raças de demi-humanos. Principalmente sobre os elfos, mas infelizmente não existem elfos no reino.

Não muito tempo depois Drilfin e Arian apareceu.

Drilfin vestia um robe vermelho e ombreira, manoplas e botas de ouro branco em forma de leão. Como posso dizer sua aparência era bem chamativa, mas logo reconheci que aquilo era as vestes do fundador do clã Marwe, armadura de batalha mágico.

……Pelo jeito Drilfin quer estar bem vestido para agradar a rainha.

Deixando de lado ele…….Vamos falar das roupas de Arian!!!

Minha pequena fada está vestindo um robe azul vibrante com botões e bordados com fios de prata mágico. Seus belos cabelos azuis amarrados em forma de coque e usando um linda tiara de ouro gravados com esmeraldas dando a ela um charme de princesa dos contos de fada.

Quando ela apareceu eu quase vomito arco-iris e todos cavaleiros ficaram vermelhos.

………Essa garota e bela demais!!

Já que falei dos dois deixa falar sobre minhas vestes.

Estou usando robe negro feito a fios de ouro branco, como drilfin uso a armadura de batalha mágico……Na verdade é apenas uma cópia feita para mim. Mas é bem útil e estranhamente não pesa quase nada. Pelo que Drilfin explicou a armadura e feita com ouro branco mágico e pedras de fogo, o resultado foi uma obra de arte.

Lilia vai ficar no lugar de Drilfin e administrar a cidade. Foi difícil se despedir dela, ela quase não nos deixou sair.

E assim terminamos os preparativos e saímos da cidadela Toh-ku.

2 Parte

Nossa jornada levara quatorze dias de cavalo até a capital real Cysgod.

Estamos seguindo a estrada real construída pela rainha que leva direto para a capital real e outras grandes cidades.

Graças a estrada a viagem será mais rápida e segura, já que essa rota evitar lugares com muita concentração de bestas mágicas.

Drilfin informou somente Argus adotou o uso de estradas para facilitar as viagens entre as cidades. Alguns nobres protestaram que isso facilitaria uma invasão e não estavam dispostos a aceitar o projeto da rainha.

Então vocês me pergunta como isso terminou?

Simples, a democracia funcionou……Ou quase isso….A história termina com a cabeça de três nobres sendo decepados na frente dos outros que acabaram por aceitar a proposta alegremente sem oposição.

Drilfin contou a história como se fosse um tipo de piada, mas não era, parece que a rainha tinha o costume de decapitar aqueles que a desagradam.

Nesse mundo a vida das pessoas não vale muita coisa, mas devo admitir que foi engraçado o modo que ele contou a história.

Dentro da carruagem e confortável podendo comportar até seis pessoas adultas. Durante a viagem passei grande parte conversando com Drilfin sobre a capital real, associação mágica, liga dos aventureiros que é igual a novelas e jogos. Há também academia mágica real aonde qualquer pessoa com aptidão mágica podem estudar magia, praticar combate mágico, desenvolver armas mágicas entre outras coisas. Muitos que se formam na academia acabam servindo a rainha e os mais talentos servem na guarda real.

Drilfin informou que a rainha projetou a academia e todo sistema de ensino para melhor aproveitar e desenvolver seus alunos. É não é necessário pagar nenhuma mensalidade, apenas uma pequena taxa de cinco moedas de bronze o que não é muito.

Aceita tanto nobres quando plebeus.

Claro que os nobres protestaram sobre plebeus poderem participar e isso e aquilo, mas no fim cabeças rolaram e a academia real mágica foi um sucesso.

Eu simplesmente admiro esses tolos nobres que ainda tem a coragem de questionar a rainha.

E reverencio o modo simples da rainha convencer as pessoas.

Por tudo que escutei a rainha me parece uma pessoa que realmente se importa com o reino e trouxe todos esse benefícios para todos cidadãos do reino e não somente para os nobres, o que achei louvável.

Tendo falado tudo isso não houve nada mais significativo o resto da viagem foi tranquilo. Arian não falou muito durante a viagem apenas observou a paisagem com olhos cheio de fascínio.

A viagem seguiu tranquilamente…….até eu sentir várias pessoas escondidas na floresta, um total de quarenta pessoas a espreita.

“Pai, eu senti a presença de quarenta pessoas a frente escondidos na floresta, provavelmente é uma emboscada.”

Drilfin franziu a testa expressando um rosto que perguntava:  “Como você descobriu? ” E mandou vinte cavaleiros a frente para lidar com os bandidos. Antes de partirem Drilfin lançou camadas de proteções sobre a carruagem e os cavaleiros.

O resultado foi um massacre unilateral, vinte cavaleiros foi mais do que o suficiente para lidar com quarenta bandidos mal equipados.

Não houve piedade, apenas um abate.

Quando nossa carruagem passou pelos corpos senti uma ânsia de vomito mas eu segurei a vontade de vomitar e guardei bem a imagens dos corpos ensanguentados.

Pois um dia teria que fazer o mesmo, um dia teria que matar.

Essas são as regras desse mundo.

3 Parte

Passamos pelas planícies howling.

Chegaremos em breve a nossa primeira parada a cidade de Ddrisfa que fica próxima a floresta dos sonhos aonde se encontrar várias bestas mágicas de alto nível.

Por esse motivo muitos mercenários e aventureiros vem para Ddrisfa para caçar na floresta para adquirir seus núcleos mágicos, que valem muito dinheiro.

Esqueci de falar que bestas mágicas possuem núcleos mágicos que são bem úteis na fabricação de poções e armas mágicas.

Claro que não é tão fácil quando parece, e bem comum pessoas morrerem durante as caçadas.

Quando menos eu percebi sol estava quase se pondo, deixando o céu laranja avermelhado.

Chegamos a cidade de Ddrisfa.

A cidade tem o formado circular com muralhas de pedras de cinquenta metros de altura, em algumas partes é possível ver marcas de garras na pedra dura. Alguns metros ao lado está a floresta dos sonhos, um mar de árvores gigantes que fica no sopé de uma montanha.

As portas pareciam ser de algum tipo de ferro reforçado, provavelmente mágico. Ao lado da entrada vários soldados é uma fila de pessoas carregando enormes sacolas, algumas muito bem armadas.

Levaria um tempo para entrar na cidade.

“Apesar da aparência intimidadora dessa cidade, parece ser bem movimentada.” Comentei ao olhar para longa fila na frente da entrada.

“Essa é a passagem mais segura para Cysgod, existem outras rotas, mas cheias de bestas mágicas, bárbaros como os que enfrentamos durante a viagem.” Respondeu Drilfin e acrescentou: “Mercadores, aventureiros, mercenários, ladrões e todos aqueles que buscam fortuna vem para Ddrisfa a cidade dos sonhos.”

Apesar da explicação dele não consigo enxergar essa cidade rústica como a “cidade dos sonhos”, o mesmo vale para a floresta sinistra ao lado.

Vai entender o senso de nomeação desse mundo.

Depois de uma longa espera conseguimos entrar na cidade após um leve interrogatório e o pagamento de duas moedas de bronze o que não é muita coisa.

O dinheiro nesse mundo são moedas de argus que são bronze, prata, ouro e uma moeda preta feito de um minério bem raro nesse mundo chamado de moeda Du.

Uma moeda preta de Du equivale a cem moedas de ouro, uma de ouro equivale a cem de prata

e assim por diante. Um sistema monetário bem simples é fácil para os habitantes entender, aposto que foi a rainha que adotou esse sistema.

Passando pelos enormes portões de ferro entramos em uma grande praça cheia de barracas com mercadorias; armas, poções, comidas, mercenários oferecendo serviços de proteção e aventureiros procurando outros aventureiros a fim de formar um grande grupo para caçar na floresta.

É a primeira vez que vejo um lugar tão movimentado e barulhento.

Me senti no meio de um show com tantas pessoas na cidade.

Além da praça havia vários edifícios de dois andares que lembram muito as casas europeias medievais.

“Esses edifícios tem uma estrutura bem interessante! ” Comentei bem baixinho.

Arian parece ter ouvido e falou com um rosto empolgado:

“É sim!! Essa foi a primeira cidade a adotar essa arquitetura excêntrica.”

Olhando bem para esses edifícios, a muralha, até mesmo o estilo da praça, não só lembra, como é bem parecido com a arquitetura medieval européia!

………Será que era uma pessoa como eu?

“Arian, quem fundou a cidade? Que tipo de pessoa ele era? ”

“Se me lembro bem a cidade foi fundada pelo clã gyferbyn, agora qual pessoa planejou a cidade já não sei.”

Arian parecia não saber muito sobre a cidade.

“Eu tenho alguns negócios com o líder do clã gyferbyn, quando eu falar com ele vou fazer algumas perguntas sobre o criador da cidade.” Disse Drilfin com um sorriso triunfante.

“Obrigado pai! ” Agradeci.

Andar de carruagem pelas ruas movimentadas mostrou ser uma péssima ideia, levamos algumas horas até chegar á uma pousada de luxo que Drilfin conhecia.

Deixamos a carruagem e entramos na pousada.

A pousada tinha cinco andares, na entrada uma bela mulher aparentemente com vinte anos estava atrás do balcão junto com outros funcionários atendendo outros clientes.

Na recepção a funcionária nos olhou de cima para baixo e deixou um sorriso escapar. Pela forma que estamos vestindo ela deve ter percebido que somos nobres.

Não que seja difícil de perceber com essas roupas chamativas.

De modo educado Drilfin falou:

“Por favor queremos três quartos para três dias, com os melhores serviço, de preferência quartos próximos.”

“Nossos melhores quartos, oferecem acesso a sala de banhos real, restaurante de primeira com as melhores especiarias de toda Argus, os quartos são todos de luxo. A suite real custa três moedas de prata por dia, no total nove moedas de prata por dia.” Explicou todas comodidades e o custo pelo serviço de primeiro.

Nove moedas de pratas já é uma fortuna para uma família comum.

Se formos ficar três dias irá custar vinte e sete moedas de prata!!! O que seria o suficiente para alimentar uma família de cinco pessoas por vários meses!!

Bom isso é só para terem uma ideia de quando dinheiro está sendo usado para ficar apenas três dias.

Drilfin pagou nossa hospedagem e pedimos para ter primeiro uma refeição.

Sobre os cavaleiros, ele se hospedaram em uma outra pousada, mas na verdade estão bebendo nas tavernas e aposto com mulheres ao lado.

……Muito invejável!

Pedi para ele deixar eu acompanhar os cavaleiros mas meu pedido foi negado.

Arian por algum motivo pareceu bem irritada com meu pedido e acabei recebendo um beliscão no braço.

Arian irritada é bem fofa.

A área do restaurante era no primeiro andar próximo a recepção.

Um ambiente cheio de charme com uma estrutura requintada, com fontes, mosaicos coloridos no lugar das janelas e lustres feitos de pedras preciosas e belos cristais.

Se não estivesse vendo essa pousada jamais acreditaria que existiria algo tão luxuoso dentro dessa cidade intimidadora.

Nossa refeição foi bem cheia com direito até caranguejo mágicos!!! Nunca tinha comido caranguejo na minha vida passada, que era luxo para mim.

Chorei ao comer o caranguejo, simplesmente delicioso, delicioso a ponto de chorar.

Comemos outros tipos de carnes de bestas mágicas igualmente deliciosos, com direito ao melhor vinho do restaurante.

Drilfin parecia está se divertindo com nossas reações e falou para aproveitamos e pedimos o quiser.

Peguei gosto pelo vinho doce, acabei abusando um pouco….Mas não importa o quando eu bebi eu não fiquei bêbado.

Pensei que o vinho era fraco mas, Drilfin e Arian estavam com os rostos vermelhos.

Após nosso luxuoso banquete fomos para o banho real.

Quando eu entrei na sala de banho real me convenci quem criou essa cidade era uma pessoa como eu.

A sala de banho real era muito parecido com as salas de banho romanos. Esculturas de besta mágicas soltavam água quente mantendo a água da piscina em uma temperatura agradável, teve ser alguma formação mágica ou artefato que aquece a água.

Magia não serve apenas para destruir.

Um bom exemplo e a magia de limpeza que Arian apreendeu que limpa nossos corpos de qualquer sujeira.

Deixando esse assunto de lado devo dizer que foi o melhor banho que tive em todos esses anos nesse mundo.

Voltamos para os nossos quartos com expressões aliviadas.

Meu quarto era exageradamente luxuoso e a cama caberia facilmente quatros pessoas adultas.
Nem preciso falar que a cama era super confortável, que fiquei rolando de um lado para o outro como uma criança.

Apesar de todo dia agitado me sentei na posição de meditação para práticar………

……….Mas depois de poucos minutos houve uma leve batida na porta.

Levantei imediatamente da cama e abri a porta.

Era Arian com o rosto levemente vermelho é um pouco ofegante.

Ela entrou em meu quarto e assim que fechei ela começou a tirar sua roupa de dormir, revelando um lindo corpo esbelto e seus seios proporcionais.

Sua visão sem roupas foi bem estimulante.

Se ela não estivesse aparentemente bêbada eu atacaria como um lobo faminto.

“Arian acho melhor você vestir suas roupas….Melhor fazermos isso quando você estiver sóbria.”
Arian me abraçou e sussurrou em meu ouvido:

“……~~Estou sóbria……~Não me diga que não sente vontade de me possuir? ” Ela disse com bela voz erótica que testou todo meu controle sobre mim mesmo.

“A-Arian……Não quero que nossa primeira vez seja assim, isso seria como se eu estivesse abusando de você.” Falei com um tom sério.

Ela ficou em silêncio por alguns minutos e se afastou, ela olhou bem para mim com um rosto mau humarado.

Mas sua expressão mudou ao olhar para o meio das minhas pernas e com sua mão pegou firme em um lugar delicado.

“Humn ~~~ Seu corpo é mais sincero do que sua palavras~~! ”

Ela me beijou e usou sua mão para estimular ainda mais um certo lugar.

Tentei meu maximo manter o controle mas……

Não deu para segurar mais!!!

Eu a beijei também e acaricie sua bunda suave, depois seus seios e os apalpei suavemente e depois com força.

Ela ficou soltando gemidos baixos, bonitinhos.

A joguei na cama e tirei minha roupa.

Fiquei sobre por cima dela encarando aquele belo rosto ofegante.

Voltei a beijar ela, fazendo ela perder completamente o controle.

“~~….ahnahnahn…Por favor me torne sua, Lyam!~~”

Com essas palavras parei de brincar e nós tornamos um.

Ela me abraçou com força.

Passamos grande parte da noite fazendo amor até ficamos exaustos.

Naquela noite fizemos uma bagunça.

> Titulo adquirido: guerreiro do amor.

Era para ser uma piada?

Comentarios em HDUM: Capítulo 5

Categorias