Loli trap!

 

1 Parte

 

Bum, era o som das minhas asas golpeando o ar. Roar! Era meu rugido, como um trovão. Posso sentir as correntes de ar passando por minhas escamas ouro branco, açoitando o rosto dos meus alunos e arrebatando suas respirações. Minha cauda se move pelo ar como um grande leme corrigindo o curso do voo. Minha visão não era mais como a de um humano, as cores eram diferentes, construções e objetos sem vida tem cores frias, enquanto os seres vivos tem cores quentes. Fluxo de poder mágico eram cores espectrais flutuando como rios pelo céu e outros rios menores – outros tipos de energia – eram de cores exóticas.

Os aromas no ar contavam aquilo que não podia ser visto. Eu posso ouvir o rastejar de insetos e cobras nos bosques do lado de fora das muralhas. Eu me sentia invencível, meu corpo de dragão era invencível, mesmo uma espada de metallium não poderia causar um único risco em minhas escamas ouro branco cintilantes como os raios do sol.

Eu estava em êxtase, o poder tirânico em cada músculo, no bater de cada asa. Poder avassalador contido em meu peito; chamas douradas radiantes como o sol. Não havia palavras em meu vocabulário que possa descrever a sensação de voar livre pelo céu.

“Segurem firme!”Eu adverti eles.

Inclinei meu corpo e girei no ar. A paisagem rodopiou, me divertindo com aquela sensação de poder e liberdade.

“Seu idiota! Quer nos matar?!”Grituou Charlotte.

“Me desculpe garota demônio! Eu me esqueci como são frágeis o corpo humano.”Eu disse a ela.

“Não seja arrogante, seu dragão idiota!”Ela gritou em resposta.

“Demigod dragão celestial, esse e o termo correto, garota demônio!” Eu rugi ofendido por se considerado um mero dragão.

Eu era a união de um dragão e um celestial e um demigod – um semideus. Eu estava no mesmo nível de bestas mágicas tipo calamidade.

O que é um celestial?

Pense neles como anjos, seres de energia divina que podem ser invocados. São extremamente poderosos e arqui-inimigos dos demônios. Eles vivem no plano espiritual e fazem contratos em troca do poder divino do contratante. Foi o que eu aprendi sobre eles.

Eu sou um celestial – metade – e também um dragão além de ser um demigod. O poder que eu recebi não era brincadeira, agora eu posso usar magia dos deuses. Magias poderosas que posso destruir toda Cysgod com apenas um ataque, com um único sopro.

Charlotte gruniu:

“Oh, me perdoe grandioso demigod dragão celeste, ou devo nomear como babaca demigod dragão celeste! Não, não, melhor, cretino, idiota e arrogante demigod dragão celeste!” Disse ela cheio de sarcasmo.

“Vocês formam um belo casal!”Gritou Molly agarrando um dos meus espinhos espectrais como se fosse um bote de salva vidas.

“Molly você é cega?! Aonde que eu e esse idiota formamos um belo casal?”Perguntou ela irritada.

“Molly está certa, formamos um belo casal, amo você garota demônio!”Eu rugi.

“Ah, droga, me chame de Charlotte e não garota demônio, eu te odeio idiota!” Gritou ela em resposta.

“Eu sei, eu também te amo!”

“Você é surdo? Eu disse que te odeio!”

Eu ignorei seus protestos. Continuei voando em direção ao palácio branco e no horizonte fitei a lótus de água flutuando sob o setor comercial. Soube por Teia o que aconteceu após eu ser morto e a transformação pela qual Arian está passando.

Para meus olhos era claro que ela se tornaria uma demigod.

Mas, qual tipo de demigod?

O palácio branco se erguia imponente sob uma colina no coração da cidade. Suas altas torres e arquitetura requintada me fez lembrar de palácios de jogos de rpg. Uma muralha de quarenta metros de altura rodeava o palácio. Os cavaleiros dragão notaram minha chegada e logo soaram o alarme, anunciando um ataque ao palácio. Em perfeita sincronia e rapidez tomaram suas posições, segurando longos arcos vermelhos, disparando contra mim.

Não me preocupei em me defender, as flechas atingiram minhas escamas ouro branco e se quebraram como um pau podre. Eles arregalaram seus olhos, então magos vestindo mantos azuis e vermelhos dispararam magias contra mim. Minhas escamas dispersavam o poder mágico, era como se uma única formiga tentasse atacar um humano.

“Instrutor, não esqueça que estamos em seu dorso! Diferente de você, vamos morrer se formos atingidos por todas essas flechas e magias!” Gritou Roc preocupado.

As batida de asas ficaram mais forte, criando ventos de tempestade varrendo a segunda leva de ataque e os empurrando para baixo. Havia uma barreira espiritual poderosa ao redor do palácio.

Estiquei meu pescoço para trás.

“Vou fazer algo muito perigoso! Se preparem e sem molhar as calças!” Eu soltei um rugido alto e disparei como um flecha em direção aos céus, a lua ficava maior e o ar rarefeito. A cidade se tornou um ponto, as nuvens de tempestade sob o setor comercial era menos do que pequena mancha escura. Floresta, colinas e rios eram pequenos, insignificante, e a lua parecia estar a um toque de minhas patas. Girei meu corpo, um giro de trezentos e sessenta graus.

Eu fechei minhas asas e mergulhei como um flecha dourada. A cidade foi ficando cada vez maior e os alunos gritavam de medo. Eu gritaria de medo, mas a muito tempo perdi meu medo irracional de altura.

O palácio rapidamente se tornou visível, apontei minhas poderosas garras para a barreira. Eu estava em queda livre e antes de me chocar com a barreira infundir fogo divino nas garras, colidimos, a barreira ondulou como uma pedra atirada em um lago cristalino seguido pelo som de vidro sendo quebrado.

A barreira se estilhaçou, se desfazendo em inúmeras partículas de luzes espectrais.

A terra tremeu com o impacto do meu pouso, gravei fundo minhas garras no solo e os alunos desceram do meu dorso. Eles cambalearam, vomitaram enquanto outros me xingaram.

“Droga, nunca mais eu vou montar você!”Gritou Charlotte limpando a boca com as costa da mão.

“Eu pensei que ia morrer!”Gritou Ada antes de voltar a vomitar.

“Foi emocionante!”Exclamou Molly entre os vômitos.

Soltei uma longa lufada de ar e fitei os dragões coroados entalhados nas portas monumentais do palácio. Uma verdadeira obra de arte sem a menor falha na estrutura. A porta era quase do meu tamanho, logo imaginei que seria para a rainha passar em sua forma de dragão.

“Abre-te sésamo!”Eu rugi, mas a porta não abriu. “Eu tentei do modo civilizado, agora vou usar o modo bruto!”

Movi minhas garras, cortando as portas monumentais, seguido por um som estridente.

A porta virou um monte de entulho de cristal azul espectral.

“Precisava destruir a porta?!” Guinchou Charlotte.”Alias porque toda a pressa em falar com a rainha?”

“Porque ele deve estar sendo atacada.” Eu disse e fiquei sob as duas patas traseiras.

Concentrei minha mente e usei minha habilidade racial [Metamorfose] , meu corpo exalou fogo divino e gradualmente meu corpo foi diminuindo, ganhando uma forma humanoide. A calçada de pedra sob meus pés começou a se liquefazer e com longos passos elegantes eu caminhei na direção dos alunos da classe olimpo.

“Ah, me sinto deprimido por voltar a forma humanoide!”Disse eu para meus alunos e ele me fitaram de olhos arregalados.

Eu tinha aproximadamente 1,80 de altura, corpo esbelto de músculos definidos. Meus cabelos curtos eram da cor das minhas escamas ouro branco e meus olhos eram como os de repteis – duas fendas douradas como se fosse ouro líquido. A transformação não foi um completo sucesso. Meus braços e pernas eram cobertos por escamas cor ouro branco e no lugar de unhas haviam poderosas garras. Minhas costas se estendiam duas asas de dragão, e na área do meu quadril duas asas brancas como as de um anjo e uma longa cauda se arrastava pelo solo.

“Vou precisar praticar minha habilidade [Metamorfose] !” Soltei um suspiro, seguido por pequenas labaredas douradas.

Eles continuaram me fitando.

“Qual o problema?” Perguntei irritado.

“Você está nu!”Gritou Charlotte.

“E?” Eu perguntei sem entender.

“E, você vai ver a rainha assim? Vista alguma roupa!” Disse ela evitando olhar diretamente para mim.

Olhei para minha nudez e não senti a menor vergonha – algo que nunca tive a principio. Pensei em vestir algo, mas a ideia de roupas cobrindo meu corpo, me irritou por algum motivo e segui para dentro do palácio.

“Vocês ficam, não sei o que pode acontecer lá dentro!” Eu disse a eles e fitei os solis que flutuava ao meu redor. “Eos. Teia e Hipérion fique com eles, se surgir uma emergência me avise!”

Passei pelos entulhos da porta e adentrei no palácio branco.

2 Parte

Meus passos ecoaram pelo vasto salão do trono. Pelas minhas estimativas o salão era grande o suficiente para comportar um dragão médio- pequeno demais para minha forma verdadeira.

Um tensa neblina branca dificultava a visão e as luzes lançadas pelos lustres no teto, tornava o salão um ambiente sinistro em que você encontra o chefe final do jogo. Era possível ver os deslumbrantes pilares entre a névoa e com passos largos o trono vermelho entrou em meu campo de visão. Aparentemente não havia nada, mas os sutis aromas estavam ali no ar e sabia que eu não estava sozinho. Alterei minha visão para a de um dragão e logo encontrei várias coisas que passaram despercebidos por mim – estátuas de gelo.

Guerreiros vestido metallium e cavaleiros dragão ambos congelados com rostos aterrorizados. Havia centenas das mesmas estátuas adornado o salão do trono e caminhei entre elas, procurando pela rainha loli.

Uma brisa repentina soprou em minha direção e no mesmo instante meu instintos me alertaram, saltei para o lado, mas fui lento demais. Eu fui atingindo por um pontapé em minhas costelas. Antes de soltar um arquejo de dor, visualizei meu oponente. Era uma mulher alta de corpo cheios de curvas e pele branca leitosa, seios grandes adornado por dois picos rosas. Ela estava completamente nua e a cena parecia estar em câmera lenta, analisando cada parte do corpo nu daquela magnifica mulher.

Seus cabelos lisos tinham uma tonalidade branca quase azulada como flocos de neve e seus olhos verdes selvagens eram como os meus – olhos de um dragão. O aroma único vindo de seu corpo, a cor dos olhos e os cabelos brancos como a neve indicava que ela era a rainha Ellena Argus.

Meus olhos se arregalaram diante desse pensamento e cheguei a uma revelação quase divina: a rainha era uma loli trap!

Ou seja ela tinha um corpo maravilhoso de mulher bem desenvolvida, mas por algum motivo ficava na forma de uma loli.

É isso que chamo de loli trap!

Meu corpo foi lançando contra um dos pilares, rachou com o impacto e desmoronou sob meu corpo. Usei o poder tirânico de um demigod que flui em meu corpo e me livrei das toneladas de pedras. Eu quebrei vários ossos e meu braço formava um ângulo estranho. Se fosse o meu eu antes de se tornar um demigod dragão celestial eu teria virado uma poça de sangue com esse pontapé.

Em segundos meu braço quebrado junto com todos meus hematomas desapareceram, se curando, graças minha habilidade racial [regeneração] . Ela surreal ver meu braço quebrado voltar ao normal e todos outros ossos se curarem sozinho.

Ela se agachou e me fitou com seu par selvagens de olhos verdes.

“Quem é você dragão?” Perguntou a rainha me encarando com cautela.

Era não tinha me reconhecido. Não a culpo, não só minha aparência como meu aroma mudaram. Além que eu invadi seu palácio destruindo a monumental porta.

Eu a fitei analisando o fluxo de seu poder e cheguei a conclusão que ela era muito poderosa. Eu também era forte agora e não mais o garotinho de cinco anos atrás. Não respondi e me agachei me preparando para atacar ela. Eu queria testar qual era o limite da minha força em um combate corpo a corpo. Meu sangue se tornou quente, clamando pela batalha e um rugido baixo saiu de minha boca.

Eu retesei todos músculo da minha perna em forma de pata de dragão e chutei o piso, rachando sob a força usada no impulso. A rainha fez o mesmo movimento, fechando sua mão em um punho envolvido por um névoa branca. Fechei minha mão em um punho e o envolvi com fogo divino.

*BAMMMMM!!!!*

Nossos punhos se colidiram e o poderoso impacto criou uma onda de choque afastando a neblina ao redor e destruindo várias estátuas de gelo. Ela desferiu outro soco com sua mão esquerda, eu a interceptei com meu punho esquerdo. Ela girou seu quadril, desferindo um poderoso chute em minha perna esquerda, a dor me deixou tonto por alguns segundo. Ela deslisou através da minha guarda, pulou em minhas costas. Ela envolveu seu braço em meu pescoço, me sufocando e envolveu suas duas pernas em meu quadril.

A posição era estranha, eu podia sentir claramente suas coxas e sua parte intima em minhas costas. Seu corpo era frio como um pedaço de gelo, mas sua parte inferior era quente como uma montanha de fogo.

“Vou perguntar mais uma vez! Quem é você dragão?”Ela rugiu enquanto forçava o aperto. Tentei me livrar dela com minhas asas, mas foi em vão. Disparei contra um pilar próximo e me joguei de costas, senti o choque do impacto e seus seios pressionando minha asa. O aperto afrouxou eu peguei seu braço e joguei com toda minha força contra o piso branco, se rachando e ela soltou um uivo de dor. Eu montei em cima de seu corpo nu e apontei minhas garras para seu pescoço.

“Eu ganhei essa luta!” Disse eu orgulhoso para ela.

Seu rosto desenhou um sorriso frio e suas suaves mãos deslisou por meu quadril e continuou até meu peito. Sua mão parou em minhas garras e fez uma rosto sexual, me puxando para mais perto de seu corpo.

Eu me distrai e levei uma ajoelhada no meio das pernas, a dor causada me deixou atordoado, com um movimento ágil ela me jogou contra o piso e pressionou seu joelho contra meu estômago, meu rosto se distorcia em dor.

Minha morte foi indolor quando comparado a ser acertado no meio das pernas.

Seu braço direito se tornou um braço de dragão,coberto por escamas brancas azuladas, envolto por um tensa névoa branca gélida.

“Não, eu ganhei essa luta!”Um sorriso zombeteiro se formou em seu rosto. “Vou perguntar uma última vez, quem é você dragão?”

Após a dor passar eu soltei um longo suspiro doloroso e respondi:

“Sou eu, Lyam!”

“Você mente, Lyam não é um dragão!” Guinchou ela.

“Vamos dizer que aconteceram vários eventos e eu acabei me tornando esse cara bonitão que você está em cima!” Desenhei meu melhor sorriso enviando várias piscadelas sedutoras.

“Isso…É….” Ela hesitou em falar.

“Sim, foi dessa forma que eu conquistei seu coração cinco anos atrás!” Pisquei mais uma vez e agora beicinho.

Ela tirou seu joelho do meu estômago e montou em cima de mim. Sua bunda pressionando meu quadril e o fogo entre suas pernas aquecendo, desperdando a segunda cabeça do dragão.

“Você não conquistou meu coração piralho, apenas me fez chorar de rir!” Disse ela me fitando nos olhos e perguntou: “Porque me atacou?”

“Eu queria testar o nível atual da minha força, o que achou?”Perguntei a ela.

Ellena bufou e falou:

“Péssimo, sua guarda era cheio de aberturas e não havia uma estratégia. Você apenas confiou em sua força bruta e esqueceu todo resto. Só não o matei porque eu não sabia seu objetivo e você não me atacava com a intenção de matar!” Seu julgamento foi impiedoso.

Apesar de todo meu poder, meu combate corpo a corpo e péssimo. Mas tenho certeza absoluta que eu ganharia se eu tivesse usado a magia dos deuses.

“Não da para ser bom em tudo!” Eu resmunguei.

Ela se levantou para minha infelicidade e me estendeu a mão, me puxando para cima. Minhas asas brancas da cinturaram cobriram minha parte inferior, escondendo o dragão despertado.

“Não adianta esconder ele, eu já vi e senti enquanto estava montada em cima de você. Sou diferente daquele bando de garotas bobinhas!”Disse ela com um sorriso zombeteiro.

Eu ignorei o que ela disse e perguntei:

“Essa é sua verdadeira forma?”

Ela passou por mim, ficando de costas, mostrando sua bunda definida, quase quebrando meu auto controle. Eu estava me controlando ao máximo para não pular em cima dela.

“Minha forma verdadeira e de um dragão do gelo! Agora que é também um dragão deve saber que nossa forma humanoide e irrelevante. Nossa habilidade racial [Metamorfose] nos permiti assumir aparência de qualquer idade, criança, adolescente, adulto ou velho. Apesar que não podemos mudar a cor de nossos cabelos e olhos, sempre acabam da cor de nossas escamas.” Ela me explicou indiferente.

Ela caminhou até o trono e se sentou, cruzando as pernas e me fitando com olhos divertidos.

Caminhei até ficar diante dela e perguntei:

“Porque assumia a forma de uma garotinha?”

“Porque e mais conviniente, os inimigos baixam a guarda! Quem atacaria sem hesitar uma bela garotinha?” Perguntou ela quase soltando um riso diverito. “Então o que você é piralho? Sinto o aroma de um dragão, mas isso não é tudo, não é?”

Eu assenti e narrei todos acontecimentos, a emboscada, a luta, minha morte e renascimento, também sobre Arian que está passando por uma transformação.

“Hum…Um demigod…..Faz quase trezentos anos desde a última vez que eu vi um demigod.”Disse ela pensativa.

“Você já encontrou um demigod?” Perguntei perplexo.

“Sim, são seres extremamente poderosos, alguns reinos os cultuam como deuses. Mas nunca vi um que seja parte dragão e parte celeste. A maioria dos demigod são besta mágicas que concluiram o rank-up de evolução.” Disse ela se ajeitando no trono vermelho.

“Qual é a hierarquia de evolução de um dragão?” Perguntei curioso.

“Qualquer ser vivo que tive sangue de dragão pode subir na hierarquia. Eu por exemplo, era humana com sangue de dragão. Eu era mais forte, mais rápida e meu poder mágico superior a qualquer mago. Enfrentei vários humanos, demônios, bestas mágicas, até me tornar um dragonewt, vários anos depois me tornei um dragão verdadeiro e depois disso um dragon lord após derrotar um dragão ancião. Na hierarquia depois de dragon lord: rei dragão e por fim imperador dragão.”

Ela fez uma pausa e continuou:

“Não e claro os requisitos para se tornar um demigod ou a hierarquia que segue depois. Apenas sei que é possível ascender a um deus completo!”

Eu observei o salão em ruínas e perguntei:

“O que houve aqui?”

“Nada demais, só o que eu esperava que aconteceria. Nada passa despercebido para um dragão e cheiro de traidores e bem único! Kukukuku!” Ela gargalhou e explicou: “O comandante-cavaleiro Bajamen Lihar e dois Paladinos foram comprados pelo Duque Barion, seu avô Raux Muggul lutou ao meu lado e os derrotamos, congelei todos traidores e assassinos….Nada demais.” Disse ela entediada.

“Como está meu avô?”Perguntei preocupado.

“Está bem, descansando em um dos quartos do palácio.”

Suspirei aliviado e perguntei:

“Qual é o próximo passo?”

Ela olhou fixamente para mim e desenhou um sorriso travesso.

“É hora de varrer o lixo das ruas! Meu adorável pirralho vou deixar a tarefa de limpeza em suas mãos!” Ela se levantou, materializou uma túnica branca bordado em fios de ouro e sua coroa. Se vestiu diante de mim e depois de pronta, bateu palmas e ao mesmo instante surgiu várias figuras de mantos azuis de máscaras brancas. Das portas laterais surgiram cavaleiros dragões e nobres. “Agora que temos as testemunhas, chame seus alunos, está na hora de nomear suar ordem!”

Eu assenti satisfeito.

Logo nasceria uma nova ordem!

Comentários