MCHHS: Capítulo 106


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

Oferta de Redenção (3)

‘Scritch Scritch’

Independentemente da situação na Frente de Batalha da Tempestade, o lápis de Bertelgia estava ocupado com seu retrato em um papel. Sungchul estava na encosta da montanha com ventos fortes observando a situação se desdobrar abaixo dele.

Martin, condizente com alguém que nasceu e cresceu no campo de batalha, enviou um pequeno número de batedores em direção à fortaleza primeiro para avaliar possíveis perigos à sua frente. A unidade de cinco membros de batedores composta de Anões e Elfos entrou na fortaleza, e dois deles saíram correndo da fortaleza em pânico depois de dez minutos. Eles correram em direção a Martin Breggas com uma mensagem urgente enquanto estavam encharcados de sangue. A mensagem deles não chegou aos ouvidos de Sungchul, mas ele poderia adivinhar o que eles tinham a dizer. Eles o encontraram. Elijah Breggas que havia se tornado um Demônio Supremo.

Enquanto Martin preparava todo o seu exército para a batalha, ele também enviou um sinal para a frota do Império Humano que aguardava no céu. A frota tomou alguma distância da fortaleza. Se as preciosas aeronaves caíssem por acaso através da magia deste Demônio Supremo, as já minúsculas hipóteses de sucesso de Martin, encurraladas, diminuiriam ainda mais. Martin estava planejando usar as forças que tinha em mãos para enfrentar o Demônio Supremo escondido dentro da fortaleza. No entanto, havia algo incomodando-o.

‘Não há como um Alto Demônio estar se movendo sozinho aqui. Os demônios são propensos a formar bandos, e é de conhecimento comum que eles reúnem mais subordinados à medida que se tornam mais poderosos. Se este Demônio estiver no posto de Alto Demônio, ele terá pelo menos mil a dez mil seguidores.’

Enquanto seus pensamentos se arrastavam, sua hesitação cresceu mais. As pessoas ao seu redor o pediram cuidadosamente para chegar a uma decisão. Apesar disso, Martin decidiu inspecionar os arredores mais uma vez com os batedores que tinha com ele. Foi nesse processo que um Cavaleiro de Dragão descobriu Sungchul acidentalmente. Ele foi pego na turbulência fazendo com que ele ficasse para trás do seu grupo, permitindo-lhe avistar Sungchul escondido entre as estranhas formações rochosas.

Sungchul estava do lado de fora, quando percebeu a trajetória de voo dos Cavaleiros de Dragão e nunca imaginou que eles seriam capazes de vê-lo, apenas por ser descoberto por essa convergência de coincidências. Felizmente, não era como se Martin pudesse atacar Sungchul se ele sabia ou não a localização de Sungchul. Para mover sua força principal, a Milícia Civil de Trowyn, em direção à encosta da montanha em que Sungchul estava, eles teriam que atravessar a fortaleza que estava impedindo seu caminho através do vale acidentado, Archon Crack. No entanto, havia um demônio desconhecido se mantendo dentro da fortaleza.

Martin estava agora em uma situação problemática onde ele teria que se livrar do Demônio Supremo antes que ele pudesse ter uma chance de derrubar Sungchul. Poderia ter sido uma tarefa monumentalmente mais fácil se eles estivessem em um campo aberto, mas cuidar de um Demônio Supremo na fortaleza Archon Crack era incrivelmente difícil. Poderia ser a melhor opção para o próprio Martin se candidatar ao cargo, mas Martin não era o tipo de pessoa que enfrentaria esse nível de perigo.

Não era uma opção para utilizar a Frota Aérea do Império Humano. Também era problemático perder soldados das forças do Império Humano, mas era inaceitável para Martin ter o crédito tirado dele. Foi com esse propósito que ele não alertou a frota que descobriu Sungchul.

“É um milagre que o líder das forças enviadas seja um idiota.”

O que estava no comando das forças enviadas não era outro senão Minamoto Daisuke, que era conhecido como um tolo. Ele achava que Dimitri Medioff o deixou encarregado das forças enviadas como reconhecimento das suas habilidades, mas na verdade, ele estava sendo mandado embora como um incômodo. Minamoto estava afiando sua amada arma – Yodo Kamaitachi, que era uma imitação da Katana japonesa no topo do convés enquanto esperava por sua luta com o Inimigo do Mundo.

“Apenas espere, Yodo Kamaitachi. Em breve… você vai se banquetear com o sangue daquele filha da puta, Sungchul! Kekeke…”

Os olhos de Minamoto que estavam queimando com a loucura estavam fixados em uma única cena no passado, cerca de dez anos atrás. Um campo de batalha cheio de corpos. O céu ardia em chamas. Guerreiros moderando a respiração em preparação para a batalha final.

“Eu vou resolver o placar com você pelo que aconteceu em Lagrange…!”

Todo o corpo de Minamoto estava queimando com tanta paixão, mas ele não sabia que Sungchul estava bem debaixo do nariz dele.

Martin soltou um suspiro de alívio somente depois de confirmar que a frota liderada por Minamoto não mostrou nenhum sinal de movimento.

“Parece que Deus ainda não me abandonou. Vendo que foi escolhido um idiota para me acompanhar entre todos os outros almirantes, mas o verdadeiro problema começa daqui.”

Martin olhou para o penhasco que Sungchul estava com seus olhos azul-acinzentados. Sungchul estava plenamente ciente de que ele foi descoberto, mas optou por não se mover do seu lugar. A realidade era que, para atacar Sungchul, Martin teria que enfrentar o Demônio Supremo escondido dentro da fortaleza, Archon Crack.

Minamoto era um Invocado que havia chegado a este mundo em um período de tempo similar, mas a diferença entre seus potenciais era como a diferença entre o céu e a terra. Sungchul chegou até a se deitar numa rocha plana para confortavelmente assistir o espetáculo que se desenrolava desse lado. Martin não podia ver como era a expressão facial de Sungchul, mas ele previu que Sungchul provavelmente estava sorrindo, plenamente ciente do que Martin estava fazendo e quais eram as consequências. Martin se sentiu um merda.

‘Sungchul… aquele desgraçado… !!’

Ele imediatamente enviou outra mensagem para a frota do Império Humano; aconselhando-os a se distanciarem um pouco mais. Foi outro pequeno milagre que Minamoto não tenha detectado nada, apesar do fato de que Sungchul agora se revelou publicamente. Minamoto concordou com o relato de Martin e moveu a frota para um espaço aberto muito distante.

“…”

Sungchul assistiu a cena inteira, entretido.

“Não deveríamos começar a correr de novo? Nós fomos descobertos aqui, certo?”

Bertelgia havia completado outro retrato e apertou-o entre as páginas enquanto ela o apresentava.

“É a 10ª página com essa!”

Sungchul levou o desenho ao retrato original para entregá-lo e espalhou a mensagem detalhada que aparecia diante de seus olhos com o aceno de sua mão antes de falar com calma.

“Martin tem que atravessar aquela fortaleza para me encontrar aqui; ou seja, ele enfrentará sua punição cármica no processo. E…”

Os olhos de Sungchul se voltaram para além das montanhas grandes e pequenas para a nuvem de poeira que permanecia ali. Havia uma figura de uma fortaleza com oito pernas aparecendo entre as nuvens de poeira. Era a Fortaleza Móvel da Ordem dos Cavaleiros de Sangue de Ferro. A Ordem, que se tornou subordinada dos demônios, estava indo nessa direção. Seu objetivo era claro.

“… Parece que há mais de uma retribuição cármica esperando por ele.”

A sorte do Lorde Marquês de ter descoberto Sungchul transformou-se em veneno. Ele estava preso hesitando entre um Demônio Supremo que estava em seu caminho e a Ordem dos Cavaleiros de Sangue de Ferro vindo do lado sem ter tomado uma decisão. Ele queria se retirar, mas depois perderia Sungchul, que ele havia trabalhado tanto para encontrar, mas permanecer significava se comprometer com uma batalha sem sentido contra a Ordem dos Cavaleiros de Sangue de Ferro.

“Deveríamos solicitar ajuda do Almirante Minamoto?”

Um jovem adjunto sem tato falou de repente. O rosto de Martin ficou duro. O desprazer permeava o ar circundante, tornando a atmosfera pesada e sufocante. Martin apontou para aquele adjunto sem tato naquele silêncio pesado.

“Vou te dar um pequeno número de homens. Entre na fortaleza e atraia o Alto Demônio para fora.”

“Senhor…?”

Esse adjunto era filho de uma família respeitável dentro de Trowyn. Sua colocação na posição que estava além de sua idade e habilidade foi tudo por causa de seus pais que apoiaram Martin, mas tais realidades eram apenas sentimentos atualmente.

“Vá e execute imediatamente a ordem. Você também pode escolher morrer aqui pelas minhas mãos.”

Martin estendeu a mão para o cabo de sua lâmina enquanto dava um olhar assassino. O jovem adjunto que acreditava que ele conseguiria sair, pelo menos saiu correndo do quartel em pânico. Uma tática de isca suicida foi formulada sob o olhar de milhares de soldados. O jovem adjunto entrou na fortaleza escura com um pequeno número de homens de aparência pálida. Não demorou muito para que um pedaço de carne irreconhecível fosse cuspido pelo buraco escuro. Os soldados ouviram o som de correntes naquela escuridão e duas luzes afundadas que se projetavam de dentro.

“Esse é o nosso castelo. Aqueles que invadirem nosso castelo não serão perdoados.”

A voz do Alto Demônio ecoou na escuridão. A voz foi claramente transmitida aos ouvidos de Martin também. Ele sentiu arrepios por todo o corpo. Era porque a voz era notavelmente semelhante a uma voz com a qual ele estava muito familiarizado.

“Não pode ser… não pode ser!”

Ele se viu se aproximando da entrada da fortaleza antes que ele percebesse.

“Lorde Marquês! É perigoso entrar sozinho!”

Martin despertou e recuou da entrada quando os ajudantes ao redor dele o detiveram.

“Tudo bem se é uma tocha ou magia. Tragam tudo o que puderem para iluminar a escuridão e sigam-me.”

Martin entrou na fortaleza acompanhado por dezenas de guerreiros e magos. Normalmente, ele nunca faria isso, mas a voz que ouviu era convincente o suficiente para ele entrar na perigosa escuridão.

A respiração áspera do demônio e o som de correntes metálicas se aproximaram. O cavaleiro na vanguarda que segurava uma tocha grande foi subitamente engolido por algo na escuridão e desapareceu.

“Preparem-se para a batalha! Preparem-se para a batalha!”

Os soldados formaram uma formação circular com Martin Breggas no centro, em um esforço para proteger seu senhor do pior cenário possível. Uma figura maciça podia ser vista além das tochas e das luzes mágicas que iluminavam os arredores. O som da saliva sendo engolida podia ser ouvido de vários lugares. Era o Alto Demônio.

Martin segurou a mão no cabo da lâmina e observou a figura escura segurando a respiração. O Demônio finalmente se revelou sob a luz do fogo. Um braço musculoso envolto em luz carmesim e roupas que haviam sido arrancadas surgiram primeiro. Os olhos de Martin estavam presos aos restos das roupas esvoaçantes. No canto das roupas, havia um remendo com a imagem de um crânio alado sobre um fundo preto costurado sobre ele. Martin, que viu isso, sentiu uma sensação continua sem fim.

‘Isso não pode ser. Aquele garoto… morreu. No Reino Demônio.’

Aaron Genghis, o vice-capitão da Unidade Suicida, encarregado de matar Elijah, havia deixado a Frente de Batalha da Tempestade como se estivesse fugindo de alguma coisa, mas era inegável que Elijah havia entrado no Reino Demônio. Aquele lugar não era algo que qualquer um poderia sobreviver.

O Alto Demônio deu um passo mais perto e seu rosto velado sob a escuridão foi revelado. O rosto hediondo com os olhos retirados estava olhando para a direção de Martin sem expressão.

“Outro intruso? Quem ousa invadir meu domínio!”

O Alto Demônio falava com um comportamento calmo e fundamentado, mal adaptando a sua aparência grotesca.

“Lorde Marquês.”

Parlim Dargott abordou cuidadosamente o assunto com Martin. Ele também sentiu isso.

Martin puxou sua espada e falou calmamente para o filho que ele mais amava.

“Você. Vá para fora.”

“Mas…!”

“Vá para fora e prepare-se para os movimentos da Ordem dos Cavaleiros de Sangue de Ferro que estão se aproximando do norte.”

Martin falou de forma decidida. Depois de confirmar que Parlim havia deixado a fortaleza com um pequeno número de homens, ele avançou.

“Quem é você?”

Sua voz era fraca e trêmula, diferente do normal.

“Eu?”

O Alto Demônio inclinou a cabeça para onde o som se originou. A corrente de metal envolveu seu ombro e a cintura tremeu quando ele se moveu. Martin podia ver o que parecia ser o cabelo de uma mulher além das correntes de metal. Era uma mulher loira familiar. O rosto da mulher corada na fazenda que baixou a cabeça para ele quando ele inspecionou as fazendas de repente passou pelos olhos.

“Você está se referindo a mim?”

O Demônio falou novamente. Martin assentiu. A boca do Demônio se abriu lentamente e ele falou as palavras que ele esperava que ainda não pudesse aceitar.

“Eu sou Elijah Breggas, e esta é a minha irmã mais amada e confiável, Sophia Breggas.”

O Demônio virou as costas, e os membros e a cabeça de Sophia tremiam como uma boneca enquanto ela estava em suas costas.

Os olhos de Martin se arregalaram.

“K-kuh.”

Logo, seus braços e pernas tremeram e um som estranho explodiu.

“Clank.”

A lâmina em sua mão caiu no chão. Seu corpo desmoronou e teve que ser apoiado por seus subordinados.

“Quem é você? Eu definitivamente vi você antes. Eu certamente ouvi sua voz antes. Eu não posso te ver agora porque não tenho olhos.”

Elijah estendeu a mão e coçou a cabeça. Quando as unhas de Demônio coçaram a cabeça que estava coberta de pelos carmesim, flocos de pele pareciam sal grosso com um fedor forte.

“Kkkkuuu…”

Martin descobriu que não podia mais falar. A realidade mais dura que a morte roubou sua fala. Seu coração ficou tenso e sua mente desfocada. Ele sentiu que ele morreria se ele olhasse para essa criatura até um segundo mais. Sua mão gesticulou para que ele fosse arrastado para longe deste lugar, e seus soldados o apoiaram ao deixar a fortaleza.

“Quem é você? Por que você está saindo sem uma resposta?”

O Alto Demônio seguiu em perseguição. Os soldados resistiram, mas foram esmagados sob as unhas dos pés do Alto Demônio e transformados em carne. Foi somente com grande sacrifício que Martin conseguiu sair da fortaleza com vida.

“Kkku… kkuuuuu…!”

Martin, que agora se dirigia para seu quartel, pegando emprestado os ombros de seus homens, já havia morrido de uma certa forma.

“…”

Sungchul observava essa cena se desdobrar com um olhar indiferente.

Três dias se passaram.

“Tada! Como é? A nova técnica da senhorita Bertelgia?”

Bertelgia, que havia sido forçada a se alistar em trabalho de parto por muitas horas, tinha inventado uma nova técnica para provar que era uma criança esperta. O novo método não era desenhar o rosto, olhos, nariz e boca usando a mão dela como uma humana, mas para tomar sua forma em consideração e desenhar o retrato em seu todo de cima para baixo e da esquerda para a direita. Ela não percebeu, mas seus movimentos eram semelhantes aos de uma impressora.

“Com isso, é a vigésima sexta página.”

Sungchul virou o novo retrato em cima do original e continuou a observar abaixo. Nuvens de guerra sinistras atraíam a Fortaleza Móvel da Ordem dos Cavaleiros de Sangue de Ferro, que ficava de pé atrás da base de Martin, onde ele se enfiou depois de receber o trauma. Ambos os lados estavam esperando ansiosamente e estavam prestes a se comprometer com a batalha em breve. Sungchul olhou para Bertelgia e perguntou.

“Quanto tempo você acha que vai precisar?”

“Com a nova técnica de expressão de Bertelgia, talvez 2 horas?”

“Pode ser ok para ir devagar.”

Sungchul mastigou tamareiras secas e observou a cena abaixo de seus pés se desdobrar. Os Cavaleiros de Sangue de Ferro, que tinham a marca dos Demônios na testa, formavam uma formação sob a Fortaleza Móvel enquanto gritavam de raiva.

“Morte ao traidor, Martin Breggas!”

“Nós vamos pagar você deve!”

“Hey, Breggas! Nós vamos fazer você se arrepender de nos subestimar!”

A tentativa de Martin pela redenção estava dando errado da pior maneira imaginável.

Comentários