MCHHS: Capítulo 118


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

Ruínas (2)

“Você faz assim.”

Sungchul entregou o recém-feito Pato Dourado aos Lizardmens e seus olhos começaram a brilhar intensamente.

“Incrível. Essa coisa é chamada de Alquimia dos Humanos.”

O elogio foi dirigido a Sungchul, mas Bertelgia começou a vibrar em seu bolso de alegria. Sungchul conseguiu obter informações sobre a floresta em troca de criar o Pato Dourado. O Lizardman chamando a si mesmo como Rolling Stone falou.

“Aquele velho não saberia disso em seus sonhos mais loucos, mas os caminhos dentro da selva mudam com frequência. De acordo com os caprichos do espírito que reside dentro da selva. Nós chamamos de Mãe-Árvore. Se você procura encontrar o seu caminho na selva, seria melhor se primeiro aprendesse a ganhar seu favor.”

Sungchul lançou outra questão.

“A cidade perdida que Kruut Asaam estava procurando… Essa cidade realmente existe?”

Ele fez a pergunta à queima-roupa, e os Lizardmens começaram a olhar em direção um ao outro enquanto eram seletivos nas palavras que escolhiam dizer.

“Eu não posso responder a essa pergunta, amigo humano. Como todas as coisas que vivem na selva devem procurar comida por conta própria, você deve procurar o que quiser na selva.”

O Rolling Stone educadamente explicou sua hesitação. Sungchul não ficou muito desapontado. As informações importantes eram os fatos de que os caminhos dentro da selva mudavam periodicamente e que a mudança era dirigida pelos caprichos de um espírito chamado Mãe-Árvore. Ele já havia aprendido muito com essas duas coisas.

Sungchul começou os preparativos para outra viagem depois que eles se separaram. Ele obteve várias coisas, como água fresca, comida seca, incenso repelente de insetos e uma rede para cobrir seu corpo. Eles eram os pequenos pedaços de sabedoria que ele ganhou de seu tempo na selva.

Uma voz familiar ecoou por trás enquanto ele pendurava sua mochila completamente carregada por cima do ombro para voltar ao seu barco.

“Hey, Sr. Invocado.”

Foi Kruut Asaam. Ele estava parecendo horrível, fazendo uma cara como um cão ensopado na chuva.

“Eu não preciso de nenhum investimento meu retornado. A decisão de confiar em você foi minha.”

“O-obrigado, mas eu tenho um pedido.”

“Fale.”

Quando Sungchul concordou, o velho inclinou a cabeça e implorou com lágrimas nos olhos.

“Mais uma vez… você pode investir em mim mais uma vez? As coisas desmoronaram porque contratei as pessoas erradas, mas se você investir um pouco mais, eu posso conseguir o melhor…”

“Meu negócio com você chegou ao fim.”

Sungchul interrompeu-o friamente e começou a caminhar em direção às docas. Ele podia ouvir passos seguindo atrás dele.

“Por favor, eu imploro. Só mais uma vez. Me dê só mais uma chance.”

Kruut resistentemente segurou Sungchul. Assim que Sungchul embarcou no barco, Kruut embarcou em seu próprio barco gasto para seguir atrás.

‘Ele está se tornando um incômodo.’

Sungchul tinha a intenção de simplesmente esmagar o barco, mas decidiu manter os distúrbios dentro da cidade no mínimo. Não havia nada a ganhar atraindo mais atenção.

A companhia indesejada continuou antes que a voz de uma jovem pudesse ser ouvida de um lado.

“Velho! Apenas o que você está fazendo?”

Uma mulher de avental espreitava a cabeça de um prédio flutuando na água. Foi a padeira de ontem.

‘Era Clarice?’

Ela havia deixado uma impressão profunda nele com sua força que combinava com um homem forte, não com alguém de sua baixa estatura. Ela agilmente jogou seu corpo para o barco do velho. Um forte estrondo foi feito quando o barco balançou pesadamente.

“Onde você está indo agora? Eu ouvi que você falhou dessa vez também !!?”

O velho não podia dizer nada para suas palavras, em vez disso, ele simplesmente abaixou a cabeça de vergonha. Bertelgia deu uma risadinha como se estivesse se divertindo com isso.

Foi nesse momento que Clarice de repente se voltou para olhar na direção de Sungchul. Ela educadamente cumprimentou-o uma vez que seus olhos se encontraram.

“Lamento profundamente que meu avô tenha lhe causado um inconveniente. Eu ficaria grata se você pudesse perdoá-lo generosamente.”

Ela parecia ser mal-educada, mas na verdade era uma mulher com muita graça. Suas palavras também pareciam bastante rudes, mas ela ainda estava cuidando de Kruut.

Sungchul sem palavras retomou o remo partindo de onde ele estava. O velho que havia sido abraçado pela mulher não o seguiu mais.

Sungchul, que agora entrou na selva mais uma vez, seguindo o caminho que o velho tomou: o canal que continuava rio acima até a terra. A esse respeito, Sungchul sentiu que a experiência de Kruut não era tão falha quanto o rio era o único caminho fixo dentro da selva cujos caminhos mudavam constantemente.

Sungchul logo chegou ao ponto bloqueado por árvores em que o grupo exploratório teve que voltar atrás. A geografia mudou muito ligeiramente. As raízes das árvores que haviam obstruído o rio estavam levemente torcidas.

‘É assim que eles chamam Mãe-Árvore?’

Sungchul checou com o olho da verdade qualquer elemento oculto para ver se havia ignorado alguma coisa. Nenhuma energia mágica ou feitiços especiais foram detectados, nem a presença de espíritos próximos.

Era uma árvore que viveu por um tempo próximo a uma eternidade; um tempo que não poderia ser estimado. Seres e objetos que vivem por muito tempo ganham um poder sobre si mesmos de uma maneira que é difícil para os humanos perceberem.

Sungchul sentou-se na frente do seu barco e observou a grande árvore com persistência. Depois do tempo que levaria para beber, uma xícara de chá, ele foi capaz de chegar a uma conclusão.

‘Está se movendo. É quase imperceptível, mas os locais dessas árvores estão mudando.’

O muro de árvores que obstruía o rio era, na verdade, as raízes dessa grande árvore. Uma parte dessa árvore que era tão grande a ponto de dificultar a discernir qual parte ela havia se emaranhado como vinhas para formar essa parede de árvores. O caule que havia bloqueado o rio estava sugando a água do rio.

Duas opções vieram à mente. Uma era esperar e outra era romper as raízes dessa árvore maciça. Sungchul não gostou particularmente de nenhuma das duas opções. A primeira exigia muito tempo, e a última poderia causar conflitos desnecessários com os Lizardmens.

“Existe alguma maneira de encurtar o tempo?”

Nenhuma ideia particular me veio à mente. Ele pensou em submergir, mas rapidamente desistiu da ideia. Mesmo se ele saltasse para esse rio amarelo quase coberto de lama, ele não seria capaz de ver uma polegada à frente dele. No entanto, ele sentiu que estaria preso no labirinto da selva em constante mudança se ele viajasse por terra.

Quanto mais tempo passava em contemplação, Sungchul podia ouvir uma bela melodia à distância. Ele escondeu sua presença e se dirigiu para o som.

Cinco lizardmens vagavam pela selva. A bela melodia vinha da flauta de madeira do Lizardman na liderança. As mesmas raízes das árvores que pararam o caminho de Sungchul agora estavam diante deles, mas as raízes reagiram de maneira completamente diferente de quando Sungchul ficou na frente dele. As raízes de árvores pareciam abrir um caminho para eles, como se as raízes fossem sencientes.

Os Lizardmens vagarosamente percorreram o caminho entre as raízes e as raízes se estenderam mais uma vez para bloquear o caminho assim que desapareceram de vista. Era uma visão difícil de acreditar, mesmo quando ele via com seus próprios olhos.

“Parece que está respondendo à música?”

“Concordo.”

Parecia que a Mãe-Árvore decidiu abrir o seu caminho com base na música. No entanto, como ele seria capaz de obter um método para tocar música em seu estado atual?

“…”

Sungchul não conseguia desenhar e também não sabia cantar. Ele não podia tocar nenhum instrumento, e o único instrumento que ele tinha manipulado durante a sua vida foi o gravador que ele foi ensinado a dar play durante a aula de música em seus anos de escola primária.

“Bertelgia” chamou Sungchul.

Era uma voz mais suave cheia de carinho que era muito diferente do habitual. Bertelgia sabia das circunstâncias em que Sungchul usou tal voz para chamá-la muito bem.

“Uh… hm? O que foi…?”

Ela respondeu de maneira inocente como se não tivesse notado nada.

“Cante uma canção.”

“N-não!”

“Vou até bater palmas. Depressa agora.”

Sungchul insistiu com ela fazendo um gesto de palmas.

“De jeito nenhum! Eu não posso cantar!”

Mas a resistência de Bertelgia foi muito mais forte do que o esperado.

“…”

Não poderia ser ajudado.

Sungchul limpou a garganta e começou a cantar com uma voz poderosa em direção às raízes das árvores bloqueando seu caminho.

“No topo do campo verde rolante…. a casa pitoresca…”

Os resultados foram lamentáveis. As raízes das árvores pareciam se apertar muito mais forte, como se enfurecidas antes que Sungchul pudesse terminar um único verso.

“…”

Sungchul virou o barco sem se arrepender.

Era bastante fácil contratar um cantor ou um artista, mas era praticamente impossível encontrar um artista disposto a entrar na selva. Qualquer um que vivesse em Panchuria sabia muito bem como a floresta era perigosa. Um músico de idade bastante avançada estalou a língua enquanto falava.

“Será que milhões de moedas de ouro valeriam a pena arriscar minha vida? Se você realmente precisa de um músico, aprenda música sozinho.”

Sungchul passou o dia inteiro de pé sem resultados. Tentou mudar seus métodos à medida que avançava e ofereceu uma grande quantia em dinheiro para atrair as pessoas, mas todos os contratos quebraram quando ele propôs a parte sobre entrar na floresta. Os poucos músicos que pareciam interessados ​​precisavam de um grupo exploratório que tivesse pelo menos um tamanho que Kruut tivesse montado.

Sungchul tinha começado a contemplar o pensamento tolo de tentar sua mão em aprender um instrumento ele mesmo enquanto se dirigia para a Casa do Imperador. A familiar cena caótica do bar local o cumprimentou.

Sungchul sentou-se onde os olhos dos espectadores não conseguiram alcançá-lo e começou a engolir suas bebidas na tentativa de acalmar sua alma cansada. Uma vez que seu cansaço diminuiu até certo ponto, ele começou a perguntar sobre um músico disposto a entrar na selva com ele novamente. A razão pela qual ele escolheu o bar local é que ele pensou que um músico poderia ser encontrado até mesmo entre as multidões de lixo humano que vêm todos os dias para ficarem bêbados.

Sungchul empurrou uma quantia na direção de um funcionário antes de pedir a ele que procurasse um músico ou alguém que soubesse como lidar com um instrumento entre esses bêbados.

O funcionário, encorajado pelo súbito influxo de uma quantia substancial de dinheiro, movimentou-se diligentemente como um cão de pastoreio. Sungchul então alugou um quarto de hóspede no terceiro andar e esperou pelos candidatos em potencial. Eventualmente, três bêbados foram colocados diante dele no quarto. Eles eram todos pessoas iguais que pareciam surrados cheirando a álcool.

“Por favor, toquem para mim um de cada vez.”

A audição começou e as expectativas eram baixas. No entanto, nem uma única pessoa conseguiu superar esse baixo obstáculo. Muitos que apareceram nem sequer fizeram o que deveriam.

“A imitação também é viável? Estou confiante de que posso imitar um Lizardman! Shk! Sheee! Um Especial de Larva de Farinha aqui! Muita pimenta em cima!”

“Sumam.”

Vários outros leigos continuaram a vir. Finalmente, um homem com a palavra “estuprador” tatuado em cima da cabeça que conhecia um pouco de flauta estava um pouco disposto a entrar na selva, mas Sungchul não o aprovou. Sua performance foi medíocre e, mais do que tudo, Sungchul não gostou do seu passado.

Uma vez que Sungchul começou a hesitar, o estuprador caiu de joelhos e falou com uma voz cheia de seriedade. “Estou vivendo todos os dias em arrependimento pelo que fiz. Prometo não causar dano a nenhum outro morador, então considere isso um ato de reformar um homem e me dê essa oportunidade.”

“…”

Sungchul disse-lhe para esperar por uma decisão por enquanto e pediu o próximo candidato. O próximo candidato era um rosto familiar com o qual ele estava totalmente familiarizado.

“Sr. Invocado!”

Foi Kruut Asaam. Ele deve ter vendido a roupa que usava quando liderou a equipe exploratória enquanto se ajoelhava diante de Sungchul em seus velhos trapos tentando beijar sua mão.

Sungchul empurrou-o para o lado e chamou os funcionários que esperavam do lado de fora.

“Aqui.”

Ele estava prestes a mandá-lo embora imediatamente quando Kruut, que foi pego, correu rapidamente para a porta e trancou-a.

“Você está fazendo isso difícil.”

Sungchul permitiu que sua raiva vazasse pela primeira vez. Kruut podia sentir um terror que fez seu corpo congelar, mas ele cerrou os dentes e mal conseguiu falar seu discurso preparado.

“Ouvi dizer que você estava procurando um músico.”

Ele conseguiu soar digno novamente.

“Você está me dizendo que você sabe como lidar com um instrumento?”

Kruut assentiu com a cabeça na pergunta de Sungchul.

“Continue.”

“I-isso é…”

O velho hesitou e Sungchul soltou um pequeno suspiro.

“Estou te avisando. Não é uma boa ideia aparecer na minha frente novamente.”

Sungchul falou sinceramente. Ele tentou evitar ferir espectadores inocentes, mas não desejava deixar que alguém que o estivesse incomodando vivesse repetidamente.

“Clarice! Minha neta pode cantar muito bem.

“Então traga-a aqui.”

“Isso é um pouco mais complicado. Como eu disse antes, nosso relacionamento não é tão bom.”

“…”

“Mas eu sei onde ela está! Eu suspeito que ela deveria estar cantando para si mesma no momento. Vamos juntos. Se eu estiver errado, você pode me derrubar ou me moer. Eu vou aceitar meu destino.”

Sungchul sentiu-se cansado. Ele se levantou do assento e abriu a porta antes de olhar pelo corredor da pousada. Havia vários leigos que não eram em grande parte diferentes daquele estuprador que emitia o cheiro de álcool. Sungchul, que encontrou os olhos com um deles, falou friamente para Kruut.

“Vá na frente.”

O lugar para o qual Kruut o levou não estava na água, era uma grande residência na praia. Havia rosas de várias cores florescendo esplendidamente ao longo da cerca, enquanto belas músicas e um murmúrio de vozes podiam ser ouvidas. Ele podia ver homens e mulheres vestindo roupas espalhafatosas sentados ao redor de várias mesas cheias de banquete delicioso enquanto ele se aproximava. Houve um banquete sendo realizado no interior.

Sungchul podia sentir arrepios percorrendo seu corpo. Socializar e banquetes eram duas das poucas coisas que ele mais odiava. Uma das coisas mais difíceis que ele teve que fazer durante o tempo que ele se dedicou ao Império Humano foi assistir a essas reuniões sociais cansativas. Não importava quão bom fosse o banquete ou a beleza das mulheres reunidas, ele sentia uma repulsa doentia toda vez que via o sorriso falso e o olhar indigno das elites dominantes que fingiam ser importantes. Aquele era um banquete no interior da zona rural que se empalidecia em comparação com os banquetes do Império no coração do continente, mas ainda assim era inevitável que Sungchul sentisse uma sensação natural de aversão.

Enquanto ele segurava sua náusea e continuava em direção à entrada, os empregados corpulentos notaram o grupo de Sungchul e bloquearam seu caminho.

“Pessoas com aparência suspeita e aqueles sem convites não podem entrar.”

Pessoas com aparência suspeita era outra palavra para pessoas que pareciam pobres. Sungchul ficou bastante feliz com essa mudança de eventos.

Enquanto eles vagavam pela entrada, Kruut apontou um dedo para o banquete.

“Lá está minha neta!”

Sungchul olhou para onde seu dedo apontava. Clarice estava pisando no palco em meio à indiferença da multidão. A única pessoa que demonstrava interesse era uma criança travessa que estava ao lado jogando migalhas para ela.

Clarice resistiu à indiferença e começou a cantar junto com a performance da banda.

“Wow!” Disse Bertelgia quando ela soltou uma exclamação baixa, enquanto os olhos de Sungchul brilhavam enquanto ele observava com interesse.

Comentários