MCHHS: Capítulo 119


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

Ruínas (3)

“Eu não vou. Eu não vou. Eu nunca pisarei naquele lugar a menos que enlouqueça.”

Foi uma conclusão óbvia; Clarise inflexivelmente recusou a proposta de Sungchul. Kruut tentou convencê-la em seu lugar.

“Clarise. Essa será a última oportunidade. Eu nunca mais irei à selva novamente, então por favor apenas uma vez. Apenas uma vez, nos acompanhe.”

Clarise teve uma ligeira mudança em seu coração ao pedido de Kruut, mas não foi suficiente para levá-la a bordo.

“Ey, Clarise. É hora de sua próxima música.”

Um colega da banda esperava por Clarice com um olhar impaciente enquanto olhava seu relógio. Clarise caminhou levemente em direção ao salão de banquetes mais uma vez. Logo o som da música pôde ser ouvido e as belas melodias se espalharam pelo rio no céu noturno.

“Ela tem uma bela voz.”

Era raro para Sungchul dar uma palavra de elogio a outras pessoas, mas sua audiência no banquete não parecia concordar com ele. Quando a música estava chegando ao auge, um aristocrata bêbado que estava rindo e falando em voz alta jogou uma taça de vidro no palco.

“Hey! Cale-se!”

Era um homem barrigudo de meia-idade com costeletas penduradas em cada lado do rosto.

“O que há com o seu terrível canto? Livrem-se dela agora mesmo!” Ele apontou os dedos enquanto gritava xingamentos.

Vários aristocratas dessa zona rural remanescentes viram o espetáculo e riram. Clarice e os músicos pararam a música como se estivessem acostumados a esse tipo de situação e esperaram mais instruções do homem. O homem com as costeletas olhou para Clarise com um olhar de desejo e gritou com um sorriso de satisfação no rosto.

“Senhorita Clarise! Por que você não usou as roupas que eu te dei? É uma fantasia especial que eu gastei uma fortuna quando a comprei em LaGrange!”

“Por que… esse desgraçado…”

O rosto de Kruut ficou vermelho de raiva enquanto ele observava.

“Como esse desgraçado poderia fazer tal coisa com a minha neta?”

Kruut avançou.

“Onde você está indo?” Perguntou Sungchul.

Kruut respondeu sem parar.

“Eu não posso ficar de pé e assistir aquele homem que costumava servir como um servo em nossa casa colocar as mãos em minha neta.”

Ele caminhou em direção à entrada do salão de banquetes, mas os homens robustos obstruíram seu caminho. Kruut empurrou-os com força e entrou.

“Saiam! Eu disse saiam! Eu só tenho algo a dizer.”

Ele estava fazendo outra cena na entrada. A música parou e a atenção dos aristocratas se voltou para a entrada. O homem que jogou a taça na direção de Clarise e zombou também estava entre eles. O homem que tinha crescido as costeletas para um comprimento notável reconheceu o rosto de Kruut e soltou uma gargalhada.

“Olhem quem é. Não é o grande explorador, Sr. Kruut Asaam? Ouvi dizer que você foi para a selva mais uma vez, mas por que você já voltou? Seu empreendimento falhou novamente?”

Ele olhou para as pessoas ao seu redor enquanto falava e todos começaram a rir.

“Garehs Ale! Você que veio de gerações de servos da nossa família, certamente agiu grande só porque você ganhou algum dinheiro!”

O sorriso no rosto do Costeletas desapareceu quando ele ouviu a palavra “servo”.

“Esse foi o caso antes, mas isso não é mais o caso. Não esqueça disso. Eu elevei o nome da minha família enquanto você arruinou a sua, e agora estou aproveitando as recompensas das minhas conquistas, enquanto você está enfrentando as consequências das suas ações. Se não fosse pela Maldição da Extinção, eu teria submetido sua família a gerações de servidão pela minha. Que pena.”

Suas palavras eram detestáveis, mas olhando para o passado como estava dito, ele estava absolutamente certo. Infelizmente, a verdade deixou as pessoas loucas.

“Garehs! Seu desgraçado!”

Kruut passou pelos seguranças e saltou em direção a Garehs, mas os seguranças que seguiam atrás conseguiram segurá-lo. Depois de receber uma surra completa, ele foi expulso. Depois que Clarise terminou sua apresentação, ela correu para verificar sua condição.

O rosto dela parecia estar cheio de raiva a princípio, mas uma vez que ela viu o rosto bagunçado de Kruut, sua raiva desapareceu apenas para ser substituída por um olhar de preocupação enquanto ela checava sua condição.

“Vovô, você está bem?”

“Uuuh… me desculpe. Clarise.”

Lágrimas escorriam pelo rosto de Kruut, fazendo-o parecer ainda mais patético. Eram lágrimas de raiva, arrependimento e dor extrema.

“Eu… eu arruinei você. Se as coisas fossem como antes, você estaria divulgando seu nome na Academia de Música La Grange. Tudo isso foi feito pela minha ganância…”

“Do que você está falando? Vovô Não… isso realmente me irrita agora que eu ouço. Se não fosse pelo vovô…”

O punho de Clarise tremeu. Foi nesse momento que Sungchul apareceu diante dos dois.

“…”

Clarise olhou para ele.

“Espere você. Você apenas assistiu enquanto o Vovô estava sendo espancado, certo? Como uma pessoa tem tão pouca simpatia…”

‘Boom’

Uma caixa caiu na frente de Clarise marcada com o selo da Coalizão Mercante. Luzes douradas que iluminavam o entorno eram derramadas assim que o selo foi quebrado e a caixa foi aberta. Os olhos de Clarise e Kruut estavam tingidos nesta luz dourada.

“Isso é suficiente?”

Sungchul perguntou em um tom calmo.

Havia quatro pessoas a bordo do barco em direção à selva. Kruut e sua neta ocuparam seu lugar na popa, enquanto olhavam para as duas margens dos rios com olhares apreensivos. O homem robusto chamado Light, com “Estuprador” tatuado na testa, olhava apenas para Clarise, sentado na proa do navio, de costas para a água.

“Huhuhu…”

Sungchul estava na parte mais atrás do barco segurando o leme, observando a cena se desdobrando no convés com apatia.

“Ey”

Sungchul chamou a atenção para Light. A voz de Sungchul não se registrou nos ouvidos de Light.

“Mmm… ele é apenas uma das pessoas da Casa do Imperador?”

Sungchul o escolheu com o conhecimento prévio de que ele era uma maçã podre, mas Sungchul não percebeu como a maçã estava podre. Para piorar a situação, Light levantou-se abruptamente e soprou com força o apito que estava pendurado no pescoço assim que saíram dos limites da cidade.

Vários pequenos barcos escondidos nos juncos diligentemente remaram.

“Há um rumor de que o desgraçado Invocado é rico. Matem todos eles!”

Ele soltou uma risada arrogante enquanto revelava um machado.

“Kuhahaha! Um humano não muda facilmente! Você realmente achou que eu iria consertar o que fiz? Essa mulher é minha, então ninguém a toque!”

Um breve momento se passou e havia cadáveres de bandidos flutuando ao redor do barco. O barco que transportava os bandidos estava ardendo em chamas enquanto afundava gradualmente na água lamacenta. O homem com a tatuagem na testa agora estava ajoelhado na frente de Sungchul.

“Eu finalmente cheguei a descobrir a verdadeira beleza do meu eu interior, e encontrei a força para me levantar com força contra o meu coração perverso. Está correto. Eu renasci conhecendo você e consegui alcançar o verdadeiro significado de virar uma nova folha. Eu imploro, se você puder achar em seu coração misericórdia a uma alma perdida como eu só mais uma vez…”

O estuprador falou humildemente sobre sua reforma para Sungchul, e Sungchul manteve-o vivo por um momento. Ele ainda tinha seus usos.

Os que mais se surpreenderam com essa virada de acontecimentos foram Kruut Asaam e sua neta. Eles não podiam fechar a boca aberta com o poder esmagador que Sungchul tinha exibido. Algo brilhou e passou zunindo, e todos os incontáveis ​​bandidos assassinos foram mortos.

“Vovô… quem é esse homem?”

“Eu… eu não tenho certeza… talvez um m-mago?”

Kruut não tinha como saber que o homem que o contratou era a figura mais famosa do mundo.

O barco de Sungchul finalmente chegou ao final do rio, obstruído pela MãeÁrvore em meio ao caos.

“Toque.”

Sungchul disse secamente ao estuprador que ele havia poupado.

“Hey, eu posso sair?”

Uma voz feminina soou do bolso de Sungchul. Sungchul assentiu, e quando o fez, um pequeno livro flutuou do bolso e se expandiu com um alto som no ar. O livro voador, Bertelgia, apareceu.

Bertelgia agitou-se quando voou em direção a Clarise e orbitou ao redor dela.

“Hii-ii!”

Clarise quase pulou de barco naquele momento, mas Kruut a segurou.

“Olá moça bonita. Você com certeza sabe cantar bem. Não que você possa cantar tão bem quanto eu.”

“O-o livro está falando…!”

O som de uma flauta pode ser ouvido vindo da frente neste momento. O flautista, Light, tocava uma flauta que parecia um gravador com mãos trêmulas fazendo sons de ‘pii’. Mas sua baixa habilidade musical deve ter sido insuficiente para impressionar a Mãe-Árvore. Ela parecia tremer ligeiramente, mas logo ficou rígida e ainda parecia uma parede sólida.

“…”

A sombra de Sungchul pairou sobre o rosto do estuprador.

“Ah… eu derramei meu coração reformado… mas não parece estar indo bem. Vou tentar novamente com meu coração reformado…”

O homem tocou sua flauta mais uma vez, mas os resultados foram os mesmos. Sungchul puxou a corda que ele frequentemente usava do seu Armazenamento da Alma e enrolou-a no pescoço de Light. Seu apito ficou no caminho.

Sungchul arrancou o apito em volta do pescoço e enrolou a corda no pescoço mais uma vez.

“U… uwaaaaah !!!”

O grito de Light ecoou pela folhagem coberta de vegetação. Seu grito de dor deve ter impressionado a Mãe-Árvore mais do que sua flauta, porque um maior número de raízes estava se movimentando.

Sungchul se aproximou de Kruut e Clarise, deixando o cadáver pendurado com a língua estendida no fundo.

“Agora é sua vez.”

“…”

Clarise engoliu em seco e ficou na proa do barco. Seu coração batia intensamente, mas depois de respirar fundo duas vezes, como de costume, ela recuperou a compostura. Sua experiência de estar no palco centenas de vezes a ajudou a se acalmar por hábito. Talvez não houvesse audiência, iluminação ou o acompanhamento de uma banda, mas ela abriu os lábios em direção à miríade de raízes que estavam em seu caminho e começou a cantar.

“… Encontrando coragem para seguir em frente diante de uma beleza incomparável. A luz dos dois sóis escurece, mas clareia mais uma vez.”

O primeiro verso murmurante e baixo da canção terminou e cada verso subsequente tornou-se mais forte e mais melódico enquanto eles agitavam o ar. As árvores indiferentes lentamente começaram a tremer, e Sungchul testemunhou a cena mágica das raízes das árvores que começaram a se separar como água diante da pedra, graças à única fonte de música bonita na grande selva, que estava envolta em um véu de silêncio e quietude.

‘Como esperado.’

O caminho se abriu. O caminho original do rio que havia sido escondido pelas raízes das árvores infinitamente em expansão se desdobrou diante de Sungchul. Sungchul confirmou o cenário em torno dele pelo mapa feito de pele de goblin. Rocha na forma de uma lâmina afiada, macacos brancos sentados em uma árvore grande, e a fonte termal jorrando água cor de laranja. Apesar de procurar todo esse tempo, os marcos que nunca antes se revelaram agora estavam sendo revelados tão naturalmente em rápida sucessão.

“É isso. É isso!”

O mais animado foi Kruut.

“Deve ter sido a oitava expedição. Um dos mercenários tocou flauta para passar seu tempo na proa. Parece que o caminho se abriu então por causa dele.”

A parede de árvores que bloqueava o caminho já desapareceu. Sungchul notou algo quando a música de Clarise chegou ao fim. Havia uma torre afiada atirando para fora do inferno enorme de verde brilhando à distância.

‘É isso?’

Kruut falou naquele momento enquanto olhava ao redor com preocupação.

“Se formos um pouco mais longe, vamos ouvir um som estranho.”

“Um som estranho?”

“É um som mecânico estranho que eu nunca ouvi antes. Os mercenários ouviram esse som e fugiram enquanto gritavam sobre algum monstro que saía da vida após a morte ou talvez um grande demônio escondido.”

Sungchul logo ouviu o som também. Houve um som irregular de impacto ecoando além das videiras e arbustos. Assemelhava-se ao som metálico de metal, mas também se assemelhava ao som de um pesado morteiro sendo atirado repetidamente. O estranho som não identificável ficou mais próximo e mais agressivo à medida que avançavam.

Clarise arregaçou as mangas e ficou na frente de Kruut protetoramente. A mão dela segurava o machado deixado pelo estuprador. O cabo do machado tinha as palavras “Aniversário do Dia da Libertação da Prisão. Com um coração fresco!” Gravado nele.

Covarde Bertelgia refugiou-se como sempre dentro do bolso de Sungchul, mas quando se aproximaram e o som ficou mais claro, ela cutucou furtivamente o bolso.

“Hm? Esse som. Parece familiar e nostálgico?”

Sungchul não demonstrou expressão em seu rosto enquanto continuava a avançar. Seu grupo logo se deparou com a identidade do som.

‘Crunch’

Uma enorme árvore caiu e uma lâmina de serra girando pôde ser vista além dela. Seu dono era um golem feito de pedra e ferro. Tinha cerca de cinco metros de altura e seus dois olhos vermelhos incrustados de pedras brilhavama enquanto seu torso coberto de musgo, feito de granito branco, estava terrivelmente manchado com ferrugem sanguinolenta que vazava do ferro enferrujado.

“Hm? Esse é um golem de combate padrão. Papai o fez!”

Bertelgia voou do bolso e voou para o golem.

“Hey! S-sou eu. Eu! Você não me reconhece?”

Uma lâmina de serra girando moveu-se para ela no momento seguinte.

“Hey…?!”

Mas no último segundo, houve um som refrescante de impacto antes de algo escuro se envolver em torno da lâmina de serra giratória. Foi a Arma Demoníaca Cassandra.

“Venha cá, Bertelgia.”

Quando ela recuou rapidamente em direção à direção de Sungchul, Cassandra foi puxada com força.

“Guuwaaaa…”

Quando o golem inclinou a cabeça, seu corpo volumoso parecia estar sendo erguido no ar antes de ser jogado no rio. Era uma força monstruosa que era difícil de acreditar mesmo depois de testemunhar.

“…”

Sungchul esperou que as bolhas subindo para as águas barrentas se acalmassem antes de remar o barco mais uma vez. Kruut e Clarise só olhavam para o rosto de Sungchul com expressões atordoadas em seus rostos.

Kruut conseguiu reunir alguma coragem depois de um tempo para abordar o assunto.

“Q-quem é você?”

Sungchul não respondeu. Ele silenciosamente continuou a remar o barco.

Eventualmente, um som sinistro poderia ser ouvido à distância da selva. Mais golems Sungchul falou brevemente com Kruut e Clarise.

“Por favor esperem um pouco. Não deve demorar muito.”

Sungchul disse assim e saltou para a fonte do som, limpando os arbustos em seu caminho enquanto ele ia. Ele notou a marca dos lizardmenss colocadas aqui e ali, mas não deu importância. Não demorou muito para Sungchul descobrir outro golem.

Suas sobrancelhas tremeram quando ele viu o golem. Tinha uma lâmina de serra giratória presa a um de seus braços, semelhante ao golem anterior, mas o problema era o que estava preso ao outro braço. Havia uma pedra preciosa azul semelhante à de Sungchul cravada no outro braço que emitia uma luz brilhante e clara, e havia incontáveis ​​pequenos animais mortos em torno de seus pés. Eles eram Carbuncles.

“Meu deus… Como você pôde?”

Bertelgia estava horrorizada.

“…”

Sungchul imediatamente retirou Fal Garaz e virou-se para o golem, e o golem de combate atingido por esse único golpe se desfez onde estava.

“Espere! Eu preciso dar uma olhada no golem.”

Bertelgia voou para fora do bolso e se dirigiu para os restos do golem quebrado. Ela se dirigiu para o núcleo brilhante do golem além dos fragmentos de granito. Depois que o tempo para beber uma xícara de chá passou, ela falou com uma voz cheia de segurança.

“Ele foi modificado recentemente!”

“…”

“Alguém havia acordado esses golems recentemente e ordenou que cometessem esses atos horríveis.”

“Há pessoas que são capazes de fazer uma coisa dessas?”

Sungchul fez a pergunta óbvia.

“Só papai poderia… mas isso é impossível!”

“Poderia ser alguém que viveu nessa época? Talvez os sete heróis?”

Sungchul perguntou novamente, enquanto olhava atentamente ao redor.

“Eu não tenho tanta certeza sobre isso. Papai os conhecia e fez algumas aventuras com eles, mas… não, ele poderia ter dito a eles o suficiente para modificar os golems. Não é particularmente difícil.”

“Então há apenas uma resposta.”

Os olhos de Sungchul se iluminaram ferozmente.

‘Sajators.’

Comentários