MCHHS: Capítulo 123


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

Sajators (3)

Crunch.

O rosto de Sajators foi esmagado na árvore até a metade dela. Sungchul puxou-o para fora da grande árvore. Seu rosto estava arruinado além do ponto de reconhecimento.

“…”

Mas ele ainda estava respirando. Sungchul repetidamente o esmagou contra a superfície do chão como se estivesse martelando uma estaca. Cada um de seus ossos foi quebrado e sua vitalidade foi lentamente sendo drenada. Sajators estava morrendo sem poder dizer nada.

Finalmente, o som de algo estalando podia ser ouvido. Sajators morreu.

Sungchul abaixou Sajators e levantou Fal Garaz. Foi para não deixar seu cadáver permanecer.

Naquela hora, uma estranha luz subiu do corpo de Sajators. Sungchul logo percebeu que era de uma fonte externa e não do Mago.

‘É um contrato de ressurreição da alma.’

Foi o Contrato da Alma que foi frequentemente realizado pelos Cultistas. Ele tinha ouvido falar que os cultistas da Airfruit também possuíam o mesmo. O benefício era que alguém poderia ter várias vidas, mas, tanto quanto Sungchul podia ver, não importava. Ser morto uma vez significa que você era capaz de ser morto duas vezes.

Sungchul esperou a luz cheia de autoridade para terminar sua tarefa. No entanto, as raízes das árvores que envolviam a área circundante estavam se aproximando. Sungchul estava ignorando-as mais cedo, mas o momento não poderia ser pior para elas virem por aqui. No entanto, foi uma dádiva de deus para Sajators.

Sungchul considerou uma possibilidade única.

“É por causa de sua sorte?”

Sajators era um dos sete heróis conhecidos por possuir grandes quantidades de sorte. Em comparação com Sungchul, cuja sorte é fixada em 28, pode até ser várias centenas de vezes maior. A sorte é relativa, portanto, há uma possibilidade maior de vir para aqueles com um status de Sorte mais alto. Embora normalmente não seja um determinante importante na maioria das batalhas, ocasionalmente provoca uma mudança dramática.

Sungchul levantou o martelo e balançou-o na direção da luz que agora cercava sajators. Seu martelo possuía força divina, mas não podia quebrar algo como um Contrato da Alma que continha a autoridade do Deus da Ordem.

No momento em que o ataque de Sungchul foi negado, as raízes das árvores invadiram Sungchul e Sajators. Sungchul pulou no ar para desviar as raízes invasoras e aterrissou em uma árvore antes de bater impiedosamente nas raízes. Ele pulverizou as intermináveis ​​ondas de raízes, mas não foi capaz de superar a própria natureza que persistentemente sobreviveu desde o início dos tempos.

“Ugh…”

Enquanto seu corpo estava sendo entrelaçado, Sajators acordou do estrondo agressivo e fez um leve sorriso em direção a Sungchul. Ele deve ter acreditado que ele poderia escapar agora. E as circunstâncias certamente eram ideais, pois as raízes estavam ficando mais espessas, bloqueando o caminho entre os dois.

Se Sungchul tivesse usado Luz Estelar, teria sido possível incinerar Sajators, mas ele hesitou em lançá-lo quando sua visão foi obstruída. Essa foi toda a consequência da poderosa Sorte de Sajators. A Deusa da Fortuna tinha o hábito de sorrir para o possuidor da Sorte durante os momentos mais terríveis.

Sungchul, que estava a quilômetros de distância da sorte, havia experimentado essa exata situação inúmeras vezes. Quantas vezes alguma situação absurda, inexplicável ou sem sentido, veio prejudicar seus planos que estavam prontos e preparados nos momentos finais? No entanto, ele sabia muito bem como lidar com pessoas com alta Sorte também.

‘Eu não gosto disso, mas vou ter que usá-lo.’

Sungchul soltou um suspiro profundo e tirou algo do seu Armazenamento da Alma. Uma lança curta… não, estava mais perto de uma espada curta. O aspecto mais importante dessa arma não era sua forma, mas o abismo sem fim que envolvia todo o objeto. O sol explodindo caía sobre o mundo inteiro, mas a estranha arma empunhada por Sungchul estava sendo cercada por uma escuridão arrepiante. Bertelgia dentro do bolso dele estremeceu instintivamente.

‘Poderia ser… talvez…’

Bertelgia não foi a única em choque. Sajators que foi espancado até uma polpa não conseguia respirar com terrível choque. Todo o seu rosto que estava coberto de sangue estava agora contorcido em desespero enquanto ele continuava a murmurar com toda a sua respiração.

“Como… como você pode… segurar isso? Essa arma amaldiçoada…?”

Sungchul lançou a lança curta que mais provavelmente se assemelhava a uma espada curta em direção a Sajators. A arma tingida de verde-escuro voou em direção ao inimigo com vontade própria. Sajators tentou desesperadamente resistir, mas no final, não conseguiu impedir que a arma horrível ficasse presa em seu abdômen.

“Você pode fugir de mim, mas você não pode se esconder.”

Sungchul olhou para Sajators com o olhar mais frio enquanto ele falava até que as raízes se debatendo engoliram Sajators e seus gritos junto com ele. Sajators desapareceu nas profundezas das raízes que se contorciam.

“…”

Um pequeno sino, brilhando com uma luz quase verde escura, apareceu na mão de Sungchul. Quando o sino tocou levemente, soou com um som estranhamente claro. Uma lança curta autopropulsada e o sinistro sino que surgiu depois da lança curta desapareceram; Bertelgia, que estava assistindo a cena toda, agora estava certa.

‘Essa não é uma arma normal. Se o que eu ouvi está correto, então a arma que ele está segurando… é a arma divina Oom Bruuk! Empunhada pela Segunda Calamidade, o Governante dos Mares Profundos, durante a era do meu pai e minha. É a arma da calamidade!’

Bertelgia ainda se lembrava da história arrepiante do Sacerdote do Deus Antigo que vivia eternamente nas profundezas do mar, espreitando dentro do abismo onde nem mesmo um único raio de luz conseguia penetrar.

Dizia-se que o Sacerdote dos mares profundos chegaria à costa montando um palanquim, movendo-se muito lentamente. Mas ninguém visado pelo sacerdote conseguiu escapar dele. Foi porque o homem empunhou a arma maldita da Calamidade composta de uma lança curta e um sino, Oom Bruuk aquele que julga.

“Mas como ele conseguiu essa arma da calamidade…?”

Segundo a lenda, uma arma da calamidade foi oferecida diretamente ao deus que iniciou a calamidade e era parte da própria calamidade. Isso significava que a arma da calamidade também desapareceria quando a calamidade terminasse, e ninguém conseguiria capturá-la. Isso também se aplicava àqueles que acabaram com a calamidade.

“…”

Sungchul subiu em cima das raízes crescidas e olhou inexpressivamente para onde Sajators estaria aproximadamente. Quando o sino tocou, o som do toque do sino foi tão inacreditavelmente claro que poderia ser confundido como vindo diretamente de dentro da cabeça.

Sajators estava perto, mas seria uma tarefa infrutífera tentar encontrá-lo nesta situação atual. No entanto, era verdade que sua vida ainda estava dentro do alcance de Sungchul. Ventre do Riacho. Aqueles com a pequena lança de Calamidade cravada em seus corpos nunca seriam capazes de escapar do som do sino. Independentemente de quanta Sorte possuíam, era impossível escapar das condições estabelecidas pela autoridade de um deus. Sungchul, que sabia melhor do que ninguém, verificou o dano da inundação e depois pensou consigo mesmo.

‘Isso pode ser um benefício inesperado. Pode me poupar o esforço de caçá-los se Sajators conseguir chamar reforços.’

Os números não importavam. Não importava se os outros seis se juntassem a ele. Sungchul deixou o local sem arrependimentos.

“Hey…”

Bertelgia abriu a boca hesitante para falar.

“O que foi?”

Bertelgia tremeu levemente quando Sungchul respondeu.

“Não é nada…”

Não era hora de perguntas. Por alguma razão, Bertelgia pareceu tranquila e soltou um suspiro de alívio.

Sungchul retornou às ruínas. Clarise e Kruut estavam seguros, mas Kruut tinha dificuldades de mobilidade. Todo o seu braço direito ficou severamente danificado pelos movimentos forçados da espada mágica. Felizmente, não parecia completamente inútil quando Sungchul o examinou. Ele faria uma recuperação adequada com descanso e recuperação suficientes, apesar de sua idade avançada.

“E-essa pessoa… o que aconteceu com ele?”

Clarise falou trêmula enquanto segurava o machado com força.

“Ele fugiu com ferimentos críticos.”

“Ele não está morto?”

Sungchul não afirmou nem negou sua pergunta. Clarise olhou para ele para fazer outra pergunta, mas desistiu no final. Ela não tinha visto Fal Garaz com seus próprios olhos, mas ela havia percebido que Sungchul era o homem problemático dos rumores. Não só era um indivíduo tão poderoso e raro, mas o livro que voava ao seu lado servia como a prova final de que ela precisava. No entanto, os dois inflexivelmente ignoraram esse fato. Todo o dano havia sido feito, e eles não queriam irritar mais penas.

‘Garota esperta.’

Sungchul decidiu compensar os dois. Ele fez um gesto com a mão na direção dos dois para levá-los às ruínas. Elas haviam sido completamente destruídas por Sajators, mas ainda restavam alguns restos das ruínas pitorescas.

A boca de Kruut caiu quando ele viu a maravilha que ele estava perseguindo a vida inteira.

“Eu tinha razão! Clarise! Todos me chamavam de louco e apontavam os dedos para mim, mas no final, eu estava certo! Havia um reino de humanos na selva!”

Ele esqueceu a dor em seu braço enquanto pulava de alegria, ele estava tão feliz que não se importava com quem o guiou, mesmo que essa pessoa fosse o Inimigo do Mundo. Mas quando ele se excedeu, ele caiu para trás enquanto segurava seu braço.

“Ugh!”

Lágrimas escorriam pelos olhos dele. Eram lágrimas cheias de uma mistura complicada de emoções, mas ele ainda estava alegre. Ele conseguiu cumprir o objetivo de sua vida.

Sungchul havia encontrado algumas dessas pessoas, mas ele havia visto muitas outras que haviam falhado. E mesmo que cada pessoa tivesse suas próprias circunstâncias, Sungchul preferiu testemunhar as alegrias das pessoas que encontraram sucesso do que a resignação e o desespero daqueles que se afundavam no fracasso.

Quando algum tempo se passou e a comemoração do velho acabou, Sungchul falou com Kruut e sua neta.

“Por favor, retornem antes de mim.”

“O que? Por nós mesmos?”

Clarise perguntou surpresa. Kruut não falou muito, mas seus olhos revelaram um sentimento similar.

“Eu ainda tenho negócios para cuidar aqui. Peço desculpas, mas vocês dois terão que voltar.”

“Como devemos voltar?”

“É uma tarefa difícil encontrar algo na selva, mas sair não é uma tarefa difícil por si só.”

“Mas, saindo por nós mesmos…”

Vendo a hesitação de Clarise, Sungchul ofereceu uma Bomba Alquímica (Escura) e vários outros itens alquímicos do seu Armazenamento da Alma. Eles eram vários itens que poderiam ser usados ​​em todas as situações, desde o combate até a recuperação.

“Isso ajudará. Use-os em caso de emergências. Se vocês insistirem em esperar à beira do rio, não vou impedi-los. Eu não recomendaria isso.”

Sungchul ainda estava esperando por Sajators. A partir do momento em que ele foi esfaqueado por Oom Bruuk, Sajators estava destinado a aparecer diante de Sungchul devido ao som do sino. Se não, o som do sino tocando do abismo acabaria por destruir sua mente e os membros do Deus Antigo o arrastarão para o próprio abismo. Mas não havia garantia de que Sajators viria sozinhos. Ele poderia vir sozinho, mas, até onde Sungchul poderia adivinhar, Sajators era mais propenso a trazer reforços.

Tudo estava como Sungchul queria. Sungchul queria cuidar dos Sete Heróis o mais rápido possível, mesmo que isso significasse que as roupas que ele tanto gostava se transformassem em farrapos. Kruut e outros eram obstáculos a esse respeito, pois não era uma questão de quando, mas se Sajators aparecesse, uma batalha inevitável aconteceria. Kruut e sua neta só seriam apanhados na luta e acabariam mortos, ou, na pior das hipóteses, seriam usados ​​como comida pelos inimigos de Sungchul. Foi intenção de Sungchul evitar um sacrifício desnecessário.

“Contanto que vocês sigam o rio, os Lizardmans não irão emboscar vocês.”

Kruut se mexeu com a tala segurando seu braço e abriu a boca para sussurrar para Clarise.

“Aquele homem… ele é provavelmente aquele homem.”

Os olhos de Clarise se arregalaram. Ela finalmente internalizou que uma existência perigosa que os Lizardmans não podiam comparar estava ao lado dela. Ambos curvaram a cabeça e mostraram seu respeito antes de pular em seu barco.

“Hey, espere um minuto!”

Bertelgia os impediu, deixando Kruut e sua neta absolutamente chocados. Havia uma grande estátua ocupando o espaço atrás de Bertelgia. Foi um golem. Um de seus braços havia sido arrancado e a pedra e o metal em torno do núcleo haviam sido destruídos pelas mãos de Sungchul, mas ainda restavam muitas funções que Bertelgia conseguiu modificá-lo.

“Esse cara vai te proteger, mana cantora.”

O golem fez um som estranho como se respondesse às palavras dela antes que seus olhos se iluminassem. Clarise fez um sorriso estranho antes de dar um aceno relutante.

“O-ok…”

Kruut e sua neta entraram no barco e voltaram para Panchuria. O golem andou no chão do leito do rio e seguiu atrás deles.

“Você finalmente conseguiu ganhar o seu sustento depois de tanto tempo.”

Sungchul fez um elogio raro a Bertelgia. Incomodava-o que os enviasse tão de repente, mas Bertelgia agiu com razão.

“Eu te disse que não custa nada!”

Sungchul examinou a área ao redor das ruínas. Não havia vestígios de Multilançamento que ele havia procurado por tanto tempo. Ele olhou para os golems destruídos e os cadáveres de Carbuncles que estavam ao redor deles.

Havia um único Carbuncle com pelo branco e uma pedra preciosa azul mortos entre os demais. Era o cadáver do Rei Carbuncle indicado dentro das ruínas. A chave para resolver o segredo do multilançamento havia desaparecido. Mesmo se ele tivesse uma Pedra da Alma vazia na mão, não teria sentido sem a Técnica do Espírito para extrair a alma. O Carbuncle deve ter morrido há algum tempo, já que já havia começado a apodrecer. Havia uma massa de moscas voando sobre ele.

“Aquele desgraçado. Ele fez isso para não desistir do segredo do Multilançamento! Ele é realmente um homem ruim. Eu não acho que houve uma pessoa tão ruim no passado, tanto quanto me lembre…”

“…”

A experiência de ter algo que ele trabalhou tão duro para transformar em pó não foi algo que ele experimentou pela primeira vez. Sungchul encontrou consolo pelo fato de ter conseguido encontrar Sajators e feri-lo seriamente antes de tirar os olhos dos cadáveres de Carbuncles.

O som de um golem podia ser ouvido de não tão longe. Era o pequeno golem que limpava os arredores das ruínas que ele havia visto há não muito tempo.

“Pobrezinho. Há muito para limpar…”

Bertelgia estalou a língua com pena enquanto falava. Havia lixo por toda parte. Mesmo os destroços das ruínas caídas levariam várias centenas de anos para serem limpos.

O pequeno golem estava indo diretamente para eles. Ele tinha algo a dizer? Enquanto o olhavam, o golem olhava os cadáveres dos Carbuncles.

Sungchul observou silenciosamente as ações do golem.

“Ele está percebendo-os como lixo?”

De repente, algo incrível ocorreu. O pequeno golem cavou o chão e cuidadosamente colocou os Carbuncles mortos com suas duas mãos e começou a fazer sepulturas para eles. Não falava, mas as ações do golem claramente falavam de cuidado e formalidade que podiam ser observados em humanos.

“Huh? Aquele golem.”

Bertelgia disse quando de repente voou em direção a ele. Ela usou o canto do livro para apontar um compartimento escondido por pedras localizado em algum lugar nas costas do golem.

“Olhe aqui.”

“Tem alguma coisa aí?”

Sungchul soltou um suspiro e olhou para onde ela estava apontando. A curiosidade surgiu em seus olhos. A razão era que, incrustada na localização escondida nas costas do golem, havia uma joia da alma que emitia uma luz leitosa como as que Sajators carregava.

‘Isso poderia ser…?’

Foi nesse momento que a trilha de migalhas que levava ao multilançamento, que se acreditava estar perdida, foi encontrada novamente em um local desprevenido.

Comentários