MCHHS: Capítulo 45


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

Reunindo Tempestades (1)

Foi dentro de uma escuridão bolorenta. Um jovem de vinte e poucos anos estava vagamente olhando para um cadáver incapacitado com as mãos amarradas ao redor da cadeira. Ele estava olhando para os restos que estavam em um estado onde era mais correto chamá-lo de uma pilha de carne marinada em sangue, em vez de um cadáver humano. O jovem continuou olhando para o cadáver com olhos curiosos antes de agarrar um dos dispositivos de tortura e empurrá-lo profundamente no corpo do cadáver. O morto não se moveu. O jovem olhou para trás e perguntou com uma voz inocente.

“Mãe, por que ele morreu?”

A pergunta do jovem ecoou na escuridão quando duas silhuetas surgiram das sombras. Um homem e uma mulher. Ambos usavam vestes negras com máscaras felinas.

“O coração dessa pessoa contém um pacto.”

A voz da mulher ecoou no escuro.

“Um pacto?”

Quando o jovem perguntou, a mulher aproximou-se do cadáver amarrado à cadeira e puxou o braço protético para o lado esquerdo, depois apontou o dedo para o coração que estava atualmente exposto.

“No momento em que um juramento tomado sob o nome do Deus Mediador é quebrado, sua vida é perdida. Ele deve ter quebrado o juramento no momento em que decidiu revelar o nome que você procurava. Foi por isso que o coração explodiu.”

Ouvindo a explicação da mulher, o jovem parecia desanimado e deixou cair a pequena faca na mão.

“Ah, que azar. Foi meu primeiro interrogatório! Para encontrar um idiota como esse.”

Um homem apareceu atrás dele. Ele era um jovem alto usando o mesmo manto preto e máscara felina que o resto. Deu uma palmada nas costas do jovem desanimado e falou com malícia.

“Você é uma desgraça para a família! Por que tudo o que você faz é assim? Você não pode nem fazer um interrogatório direito. Eu teria feito esse cara dizer o nome do filha da puta que queríamos em um minuto!”

“Irmão, não seja tão severo. Esse é o começo humilde do nosso Pict.”

Névoa negra ardia atrás do adolescente. O nevoeiro transformou-se em uma jovem mulher com um corpo sensual. Cabelo preto e olhos vermelhos. Ela usava um sorriso brincalhão sob a máscara felina.

“Todos me ouçam.”

O homem que apareceu no começo falou com uma voz séria. Ele aceitou o olhar dos quatro diante dele e estendeu o braço esquerdo em um gesto disciplinado. Havia uma tatuagem de relâmpago perfurando um crânio gravada nas costas da mão. Pode parecer normal, ou até brega, mas aqueles que sabiam seu significado nunca o subestimariam. Foi porque a tatuagem representou uma das quatro famílias que controlavam a Guilda dos Assassinos, a Família Almeria. Não era a mais poderosa entre as quatro famílias, mas era conhecida por ser a mais sinistra. Eles sempre se moviam como uma única unidade em missões.

“Desta vez, enfrentamos o Inimigo do Mundo. Ele é um monstro entre monstros cuja força excede a marca de 600. Um erro pode nos custar nossas vidas. Não abaixem sua guarda. Sempre andem com cuidado. Como pai, não quero perder nada da minha família.”

O atual patriarca da família Almeria, D’vici Almeria, terminou seu breve discurso e depois desapareceu com sua esposa na escuridão do outro lado. O filho mais velho e filha, Kaz Almeria e Myra Almeria, seguiram tranquilamente depois dos seus pais.

O único remanescente era o mais novo, Pict Almeria. Seu rosto ainda estava distorcido como se sua raiva do incidente anterior não tivesse sido resolvida. Ele pegou o braço protético que havia sido deixado no chão, abriu a mandíbula do homem morto e tentou empurrar toda a prótese para dentro. O cadáver, amarrado à cadeira, debateu-se descontroladamente.

“Merda…! Tudo por causa desse filha da puta!”

O adolescente deixou a cena, deixando um cadáver mutilado para trás. Um homem procurou o quarto encharcado de sangue depois de uma quantidade considerável de tempo ter passado.

“…”

Sungchul olhou fixamente para o cadáver desfigurado.

‘Christian.’

Seu rosto não pôde ser reconhecido devido aos métodos grotescos usados ​​na interrogação, mas a prótese crava em sua mandíbula revelou sua identidade.

“Ew… O que… eu não posso olhar para isso…”

Bertelgia cavou mais fundo no bolso do peito. Sungchul olhou ao seu redor. Eles não deixaram para trás uma única pista além das terríveis ferramentas de tortura e sangue. Isso não foi feito por qualquer um, Sungchul sentiu isso em suas entranhas.

Mas por que?

Ele caiu em profunda contemplação brevemente ao lado do corpo de Christian. No final, ele descobriu algo brilhante ao lado dos dispositivos de tortura encharcados de sangue. Uma moeda de ouro que reflete uma luz dourada. A moeda não marcada.

‘Eles usaram isso para rastreá-lo…?’

Ele não estava plenamente consciente das incursões do mundo dos mercadores, mas ouviu histórias. Houve um rumor que ele achou difícil acreditar que um comerciante experiente pudesse usar uma única moeda para descobrir tudo o que havia experimentado. Ele havia escovado com uma risada antes, mas essa era a única pista que ele tinha neste momento.

“Isso é um ato de alguém que está me visando?”

Não havia outra maneira de interpretar isso. Era difícil imaginar que alguém despejasse tantos recursos para perseguir um único Caçador de Escravos sem valor. Sungchul também ainda estava na posição superior. Seus inimigos desconhecidos não devem ter conseguido descobrir nada sobre ele.

Esse foi o poder do Pacto.

Sungchul tirou a prótese da boca de Christian, prendeu-a ao membro que faltava e depois olhou para a figura dele por um tempo. Ele não tinha sido um mau amigo. Havia histórias que Sungchul queria ouvir dele. Como ele se tornou um Caçador de Escravos. Como ele passou sua vida escolar. Nunca houve tempo para perguntar a ele sobre sua vida, e agora Sungchul nunca saberia.

Buzz! Buzz!

Moscas começaram a se juntar ao cheiro de carne podre. Sungchul derramou óleo sobre o cadáver e acendeu-o. Virando as costas para o fogo crepitante, Sungchul se misturou nas luzes estonteantes da Rua dos Escravos novamente. Ele podia ouvir um grito de pânico com relação a um incêndio.

“…”

Sua boca estava firmemente fechada, mas seus olhos irradiavam um olhar furioso que era afiado o suficiente para cortar a luz da lua durante a noite.

Quando Sungchul retornou à Casa das Recordações, ele pôde ver Sarasa em pé na entrada. No entanto, sua expressão facial parecia diferente de alguma forma. A habitual expressão arrogante que ela tinha em seu rosto enquanto ela criticava toda e qualquer questão estava longe de ser vista. Em vez disso, ela parecia mais uma criança problemática que foi pega mexendo com problemas. A razão foi logo revelada a ele.

“Kyuuiiing…”

Era porque ele podia ouvir um grito familiar por trás das costas de Sarasa.

“Ah… acabou gritando.”

Sarasa evitou o olhar de Sungchul e entregou-lhe o Esquilo do Céu. Quando seu aperto frio liberou o Esquilo do Céu, ele se soltou e pulou no ombro de Sungchul.

“Kyu Kyu!”

O Esquilo do Céu gostava do toque das pessoas, mas não parecia gostar das mãos frias de Sarasa. Ela olhou para ele com uma expressão amarga e falou duramente.

“Nosso dormitório proíbe animais de estimação e pecuário.”

“… É só por um tempo.”

Sungchul falou simplesmente antes de passar por ela e se dirigir ao seu quarto. Sarasa olhou para as costas e seguiu-o de perto, com pequenos passos curtos.

“Eu disse que é proibido. Eu sou a dona do dormitório.”

“Eu não posso evitar como o dono do esquilo morreu. Eu só preciso de um único dia.”

Sarasa sempre foi muito vigorosa, mas ouvindo que o dono havia morrido, ela recuou um pouco.

“I-isso é certo?”

Sungchul assentiu. Ele deixou Sarasa para trás e se dirigiu para seu próprio quarto mais uma vez. O interior bagunçado, como quando chegou, cumprimentou-o. Ele colocou o Esquilo do Céu em cima da cama antes de se sentar para organizar seus pensamentos.

‘Se é um Assassino que está me mirando, eu não tenho muito tempo.’

Poderia ter sido uma coincidência, mas essa pessoa havia chegado pelo menos a Cidade Dourada. A existência da moeda de ouro no local o incomodava mais.

Sungchul visitou a loja de ferramentas em frente à escola antes de voltar para o dormitório. O dono da loja parecia morar longe da loja. Não havia sinal de vida dentro e nenhum sinal de entrada forçada. Também era bastante tarde, então ninguém estava por perto para pedir qualquer explicação. Para conhecer a história completa, ele teria que esperar até o sol nascer.

‘Com Christian morto, realmente não há onde eu possa obter informações de forma confiável.’

Por outro lado, Sarasa já estava esperando por ele na frente da porta por um tempo agora. Ela parecia ter algo em mente.

Ele se levantou da cama e abriu a porta.

“O que foi?”

Sungchul perguntou sem inflexão em sua voz. Sarasa evitou seu olhar e hesitou, mas então sua expressão mudou e ela olhou diretamente em seus olhos.

“Sobre esse incidente antes, não tenho nenhuma má vontade em relação a isso. Acho que foi imaturo da minha parte atacar.”

“Não é algo para se desculpar.”

Sunghul fechou a porta. Ou pelo menos ele tentou antes que a mão pálida de Sarasa se obrigasse a passar.

“E-espere!”

Ele abriu a porta novamente.

“…”

O olhar gelado de Sungchul pousou no rosto de Sarasa.

“Você não tem que me olhar assim. Eu só queria dizer… você está aqui há algum tempo, então, como estudantes compartilhando o dormitório, nós deveríamos estar conversando de vez em quando. Em todo o caso!”

Seus olhos pareciam passar por Sungchul e pelo Esquilo do Céu enrolado em sua cama. Por algum motivo, parecia que ela gostava disso. Sungchul notou o olhar e recordou uma imagem do passado há muito enterrada.

“Aquela criança também gostava particularmente de animais.”

O devaneio esquecido foi interrompido pela voz de Sarasa.

“De qualquer forma, você. Parece que você estava perseguindo as missões dentro da Casa das Recordações. Você está convidado a me perguntar qualquer coisa que você não saiba. Parece que eu cometi um erro hoje, então vou ser especialmente legal.”

“O que você pode me ensinar?”

“Uma estratégia contra o demônio da porta imóvel.”

Sarasa parecia bastante confiante. No entanto, a reação de Sungchul era fria.

“Você está falando sobre o demônio com o jogo da memória? Eu já o venci.”

“Oh sim? Que tal a missão do Soldado Caveira do Poço do Submundo?

“Fiz esse também.”

“Oh sim..?!”

Ela listou várias outras missões, mas os resultados foram os mesmos.

“Como isso pode ser… você está mentindo, certo?”

Ela olhou incrédula para Sungchul. Sungchul, que viu sua hesitação, formulou uma pergunta.

“Você sabe sobre a loja de ferramentas mágica fora do campus?”

“Ah, Carbúnculo? Sim. Claro que eu sei.”

“Sobre o proprietário também?”

Sarasa abriu bem os olhos e assentiu.

“Você está falando daquele homem gorducho com uma voz estrondosa, certo? Sim, eu conheço ele. Eu o conheço desde que eu era estudante de graduação.”

Uma luz estranha passou pelos olhos de Sungchul. Ele continuou a lhe fazer mais perguntas.

“Você sabe onde ele mora?”

“Eu sei, mas por que você está perguntando?”

“Eu tenho alguns itens para entregar para ele. Seria bom se você pudesse me dizer a localização dele, se você souber.”

Enquanto ele dizia isso, Sungchul soltou um assobio para chamar o Esquilo do Céu.

“Kyu Kyu!”

Os olhos de Sarasa se fixaram no Esquilo do Céu. Tremeu como se temesse o interesse de Sarasa, mas devido ao aperto de Sungchul, acabou no aperto de Sarasa.

“Eu vou deixá-lo para você desde que eu tenho algo para entregar a ele.”

“Ah ok.”

Ela juntou as mãos para segurar o Esquilo do Céu. Gritou, mas quando Sungchul lhe deu um amendoim, se acalmou. Sungchul entregou-lhe uma pequena bolsa de papel com amendoim e disse

“O caminho mais rápido para chegar perto de um animal é através da barriga.”

“Entendi!”

Ela entregou as informações sobre o dono da loja de ferramentas mágicas sem resistência.

Sungchul se dirigiu para a escuridão em direção à casa do dono da loja. O interior da casa era escuro como breu. Ele escondeu sua presença enquanto seu Olho da Verdade examinava os arredores em busca de perigos potenciais enquanto entrava na casa.

“…”

Não foi tarde demais. O alcance do assassino não se estendeu até aqui ainda. O dono simplesmente caiu no sono.

Sungchul sacudiu o homem acordado. O dono da loja, que esteve resmungando enquanto dormia, esfregou os olhos e encontrou o convidado indesejado.

“O-o que foi, senhor?”

Sungchul empurrou a moeda de ouro para o dono da loja assustado.

“Você se lembra disso?”

O dono finalmente percebeu a identidade do convidado indesejado; foi o homem que foi a fonte do seu recente lucro. Vários pensamentos rastejaram em torno de sua cabeça, mas ele não podia imaginar algo tão chocante quanto o que foi revelado pelo cliente.

“Eu sou Sungchul, o ‘Destruidor’. As pessoas pareciam ter me chamado de Inimigo do Mundo.”

Ele retirou Fal Garaz, a arma lendária que foi concedida aos anões por seu deus, como se para provar sua identidade. Uma vez que o dono da loja viu a arma cercada por luz brilhante, ele ficou impressionado com o choque quando sua respiração ficou presa na garganta.

“Kuh… uh… uh…”

Sungchul olhou para ele e falou com uma voz suave, mas forte.

“Pegue seus pertences e saia da Cidade Dourada. Vá para a província do Império Humano e busque uma Audiência Imperial com o Imperador.”

“Uh… Uhh…”

Sungchul tirou uma espada feita de marfim do seu Armazenamento da Alma e entregou-a ao dono da loja que ainda estava tendo dificuldade em formar uma única sentença.

“Mostre isso à Corte Imperial e o Imperador concederá a você uma audiência. No entanto, nunca esqueça que, se você revelar essa verdade a qualquer outra pessoa…”

Sungchul alcançou o dono da loja em direção ao armário de exposição. A decoração feita de cobre amassaram em suas mãos e partes dela espremeram entre seus dedos como manteiga.

“Hiii !!!”

“Se você pensa erroneamente que pode se esconder de mim, seja bem-vindo a tentar. Você é bem-vindo para apostar sua vida nessa aposta.”

Sungchul colocou a maldita moeda de ouro na frente do homem e se virou.

“Vá imediatamente.”

“Sim, senhor!”

O homem saiu de sua cama e vestiu algumas roupas com pressa para começar a arrumar as malas. Logo, uma carruagem rapidamente enfrentou o ar frio da noite enquanto se dirigia para um local distante.

“…”

Sungchul observou a carroça puxada por cavalos desaparecer antes de se virar.

“Muito inesperado de você?”

Bertelgia falou do bolso dele.

“O que?”

Quando Sungchul perguntou, Bertelgia saltou do bolso e pousou em seu ombro como o Esquilo do Céu tinha.

“Eu pensei que você mataria o homem. É de você que estamos falando.”

“Eu não mato arbitrariamente homens inocentes.”

“Isso é o que eu não esperava. Eu pensei que você fosse alguém implacável. Como os Sete Heróis.”

“… eu sou diferente deles.”

Sungchul falou como se estivesse fazendo uma promessa para si mesmo, depois olhou para o céu. A luz já começou a surgir do horizonte oriental.

‘Eu ganhei um pouco de tempo, mas ainda não resta muito. É hora de mudar meus planos e me apressar em obter o Segredo da Cosmomancia, depois deixar este lugar.”

Seu olhar pousou na estrutura abobadada que ficava no alto da cordilheira.

Comentários