MCHHS: Capítulo 70


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

O Último Rei (1)

“…”

Foi totalmente sem esperança. Sungchul olhou ao redor para ver incontáveis ​​corpos de Nahak espalhados pelo chão, mas nenhum deles tinha sangue quente fluindo em suas veias. No entanto, seria um desperdício de tempo e esforço demais para desistir agora.

Sungchul circulou ao redor da área da câmara mortuária procurando até as menores aberturas na construção, mas não pôde encontrar. Forçá-la a abrir com sua força causaria uma explosão que poderia causar o colapso de todo o calabouço.

‘Existe alguma outra maneira…’

Ele sabia de apenas uma pessoa que poderia saber alguma coisa. Mimi Azrael. Ele precisava dela. Sungchul imediatamente agiu. Ele voltou para o caminho de escombros que ele havia criado e procurou a jovem mulher com cinco… não, agora quatro homúnculos. Ele logo encontrou uma pista. Foram os restos carbonizados de um Homúnculo. Havia corpos similarmente carbonizados de um par de Adeptos da Espada ao lado.

“Essa mulher. Eles conseguiram seguir seu rastro.”

Bertelgia disse ao ver os restos mortais. Sungchul observou as pegadas espalhadas no chão. Mimi tinha fugido para o norte e pelo menos dez pessoas seguiam atrás dela. Sungchul seguiu-os rapidamente em direção ao calabouço cheio de luz esmeralda.

Não demorou muito para que ele descobrisse outros dois soldados descansando no chão. Eles faziam parte da Unidade Suicida. Eles nem sequer tinham energia suficiente para falar e simplesmente acenaram para Sungchul quando o viram quando ele passou por eles.

Logo, ele descobriu outro cadáver de Homúnculo. Não podia nem mesmo ser reconhecido quando seu cadáver foi despedaçado e espalhado pelo chão. Sungchul descobriu outro Homúnculo em um estado similar antes de encontrar sua dona.

“Ughhh …”

O que ele descobriu foi uma mulher em um estado tão lamentável que continuar sobrevivendo era uma forma de punição em si. Ambas as mãos foram pregadas na parede com espadas em vez de estacas e sangue escorria de seu corpo que se juntava em uma poça embaixo dela como água de um poço. Três Adeptos da Espada estavam reunidos em volta dela rindo enquanto trocavam histórias.

“…”

Sungchul foi até ela.

“Quem vem lá!”

Os três Adeptos da Espada descobriram sua presença e puxaram suas espadas. A resposta de Sungchul à sua pergunta foi Fal Garaz.

Wham! Blam! Bam!

Ele ignorou os três cadáveres com seus crânios batidos e se aproximou de Mimi.

“Meu Deus… como alguém poderia fazer uma coisa dessas?”

Bertelgia se escondeu atrás das costas de Sungchul como se não pudesse suportar assistir. Sungchul pegou uma poção de cura e a deu para Mimi.

“Uu… Uh…”

Qualquer outra pessoa teria simplesmente aceitado a morte, mas Mimi era resistente.

“M-mais um…!”

Ela mordeu a abertura da garrafa como um bebê faminto em um mamilo e lutou para conseguir até a última gota. Sungchul lhe deu outra poção enquanto perguntava.

“O-obrigado… mas quem é você?”

Sungchul então percebeu.

Os olhos que deveriam estar brilhando entre os cabelos desgrenhados tinham sido esfaqueados e já haviam perdido a luz.

‘A escuridão leva ao medo. Verdadeiramente um método desprezível. Não sei quem fez isso, mas não é a primeira vez.’

Sungchul contemplou isso quando revelou sua identidade.

“Eu sou o Número 34.”

“Ah… é você… eu pensei tanto assim. Espere um momento.”

Ela levantou-se em uma tentativa de falar, mas ela caiu antes que pudesse estender completamente os joelhos. Houve uma lesão atrás do tornozelo, onde uma faca foi usada para arrancar uma parte de sua perna.

“Parece que o seu tendão de aquiles foi removido. Isso não pode ser curado com poções. Você terá que curá-lo pessoalmente por um alto sacerdote.”

“Merda… merda… aqueles desgraçados…”

Mimi desabou no chão enquanto murmurava maldições em voz baixa. Sungchul esperou que ela se acalmasse antes de falar.

“Quem fez isto? Willie Gilford? Ou Mikhael?”

“Não foi nenhum dos dois. Mikhael só sabe dar tapas em mulheres. Foi o mordomo que ele leva junto. Quem saberia que um homem tão quieto conheceria esses métodos de tortura diabólicos?”

Os momentos de pesadelo relampejaram por seus olhos mais uma vez fazendo com que ela estremecesse de medo.

“…Temos que nos apressar. Eles sabem de tudo!”

“Sobre o que?”

“Sobre como encontrar a tumba do rei Nahak. Tudo aconteceu em um piscar de olhos.”

“Para abrir a tumba do Rei Nahak, você precisa do sangue de um Nahak vivo. Eles podem resolver esse problema?”

“Eu lhes dei a localização de um Nahak vivo. Eles provavelmente estão indo nessa direção.”

“Apenas onde é isso exatamente?”

Os olhos de Sungchul se iluminaram. Mimi limpou o sangue da testa com a manga enquanto falava.

“Me leve com você. Eu vou liderar o caminho.”

Sungchul a jogou em suas costas.

“Você pode aguentar?”

“Eu sou forte o suficiente para isso, no mínimo.”

Relutantemente, Mimi deu a Sungchul a informação que ela segurava. A localização dos últimos Nahaks restantes. Os olhos de Sungchul tremeram quando ele ouviu.

“Eles estão na morada dos Elfos das Cavernas?”

Era difícil de engolir, mas mesmo que fosse difícil acreditar, ele não tinha escolha a não ser ouvir Mimi. Sungchul estava diante da pequena abertura na entrada do quarto andar. Parecia que um tufão passou por ela. Havia quantidades assustadoras de cadáveres de Elfos das Cavernas espalhados pelo chão.

Sungchul seguiu um rastro de sangue na direção em que a expedição humana viajou, o que levou a uma enorme caverna além de uma caverna escura. Nesse espaço de escuridão total, onde nem mesmo uma única linha de luz se projetava, havia um número incontável de cabanas feitas de penas, ossos e pele de insetos e répteis. Era a cidade dos Elfos das Cavernas.

“Há uma fazenda de criação para o sudeste.”

Mimi falou quando eles entraram na cidade.

“Uma fazenda de criação?”

Soava chocante.

“Um inimigo!”

Bertelgia gritou. Como esperado, uma massa de guerreiros Elfos das Cavernas estava diante de Sungchul. Sungchul atingiu o chão com a arma demoníaca Cassandra. Seu chiado único ressoou no ar, fazendo com que os Elfos das Cavernas perdessem a vontade de lutar e fugissem. Eles já haviam reconhecido que esse humano não era um adversário no seu nível.

Depois de passar por inúmeras ondas de guerreiros Elfos das Cavernas de forma semelhante, eles correram para a fazenda de criação em questão. Um cheiro de peixe passou pelo nariz deles, e eles podiam ouvir algo semelhante ao grito de um pássaro. Eles se dirigiram para a enorme tenda feita de ossos e penas onde finalmente os viram.

“Buckaw..!”

Os seres que habitavam essas enormes gaiolas de ossos tinham o bico e as asas de um pássaro e o corpo de um humano. Eles eram o Nahak.

No entanto, eles foram trancados em gaiolas, fazendo sons de galinhas.

“Bawk… Bawk…”

Não foi apenas um só. As centenas dentro dessa tenda não eram mais os Nahak das lendas que governavam os céus e a terra, mas bestas domesticadas. Sungchul podia ver cadáveres de Nahaks decapitados pendurados em um canto da tenda designada como matadouro.

Mimi, que estava sendo carregada em suas costas, sentiu um cheiro forte de excrementos de pássaros e disse:

“Depois que o reino Nahak entrou em colapso… os Elfos das Cavernas pegaram as crianças dos Nahaks e os criaram como gado. Aqui, os Nahaks são imediatamente jogados nessas gaiolas no nascimento, tratados como animais por seus ovos e depois mortos quando chegam à maioridade.”

“De certa forma, isso pode ter sido a vingança final.”

Sungchul falou ao recordar incontáveis ​​cadáveres de Elfos das Cavernas que tinham sido enterrados vivos dentro das muralhas que haviam atravessado.

“Onde você encontrou as pistas que levam aqui?”

Sungchul perguntou enquanto olhava ao redor.

“Eu me concentrei nas armas que alguns dos Elfos das Cavernas estavam usando. Elas pareciam ter sido adornadas com penas e bicos.”

“Isso parece ser o caso.”

O Elfo das Cavernas que apareceu antes para avisar Sungchul estava igualmente decorado.

“Mas onde haveria um pássaro em um calabouço tão profundo? Mesmo que os Elfos das Cavernas andassem para fora, eles nunca seriam capazes de pegar qualquer pássaro voador com sua cegueira. Essa linha de questionamento levou à hipótese correta.”

“Impressionante.”

De repente, um pensamento entrou na mente de Sungchul.

“Você já esteve aqui antes, não foi?”

“Sim.”

“Por que você falhou então?”

“Demoramos demais. Bem, antes de aprender essa verdade.”

“Entendo.”

Sungchul pegou um dos Nahak dentro do galinheiro.

“Bawk Bawk!”

Ainda era uma fera jovem, mas não mostrava nenhum sinal de inteligência, similar aos outros Nahak. Bertelgia olhou ao redor da área ao redor do Nahak com curiosidade e falou.

“Hmmm. Isso é o Nahak das lendas? Olhando assim, eles não são diferentes de galinhas em uma granja avícola.”

“Bawk Bawk!”

De repente, o jovem Nahak fez um tumulto e começou a bicar Bertelgia.

“Hey, hey! Dói, seu cérebro de passarinho!”

Sungchul olhou a cena e falou com voz firme.

“Bertelgia. Entre no meu bolso.”

“Por quê?”

“Porque vamos nos mover a toda velocidade.”

Bertelgia não disse mais nada e enfiou-se no bolso. Sungchul respirou fundo e impulsionou-se para a frente com a força divina em seu corpo. Os Elfos das Cavernas não conseguiam enxergá-lo, mas sabiam que aquele contra quem não se atreviam a lutar havia cruzado o domínio deles.

Sungchul, que havia retornado ao calabouço pela abertura, parou seus passos e reavaliou suas direções.

“Desculpe.”

Mimi, que estava em suas costas, abriu a boca para falar.

“O que foi?”

Sungchul não se incomodou em olhar antes de responder

“Você. Você é muito forte. Eu posso sentir isso. Mesmo que eu não possa ver.”

Sungchul pôde sentir um suspiro saindo das suas costas.

“Se for conversa fiada, vou ter que recusar.”

“O Nahak que você pegou agora. Qual é a cor da sua pena?

Ela perguntou em um tom diferente.

“Branco.”

“Ah, entendo.”

“Por que você pergunta?”

“Eu estava de repente curiosa. Da última vez, pegamos alguns azuis e alguns brancos.”

“…”

Sungchul não sentiu necessidade de responder. Mimi já tinha outra pergunta.

“Posso pedir um favor?”

“Esse é o último. Não temos tempo para conversa fiada.”

“Você viu meus homúnculos? Não os mortos, mas aqueles que ainda estão vivos.”

“Eu só vi três cadáveres mortos.”

“Entendo. Isso significa que ainda existe um vivo. Não, são dois?”

Mimi de repente soltou o pescoço de Sungchul.

Thud.

Seu corpo caiu ao lado de seus pés.

“O que você está fazendo?” Perguntou Sungchul enquanto ele olhava para a forma caída dela.

Sungchul olhou para a forma caída e perguntou.

“Eu permanecerei aqui. Não quero encontrar as pessoas que fizeram isso comigo.”

“Eles não estão no meu nível.”

“Mesmo se você disser isso, o medo que foi esculpido em meu corpo é difícil de apagar.”

A cega e aleijada Mimi olhou ao redor enquanto ela gritava com uma voz lamentável.

“Ujicha! Ujicha! Onde está você! Ujicha!”

“…”

Sungchul a deixou para trás e foi em direção a tumba dos Nahak. Ao seguir o caminho que ele criou, uma câmara funerária quadrada se revelou. No entanto, havia alguns convidados indesejados na frente da câmara. Eles eram os soldados do Reino Antigo. Mikhael Gilford e o homem chamado Odrias estavam no centro deles.

“Agora, espalhem o sangue dessa galinha no altar.”

Havia um bebê aviário esvoaçando nas mãos sangrentas de Odrias. Também era branco como o que Sungchul trouxe.

Odrias cortou a garganta sem hesitação.

“Bawk BAWK-!!”

Sangue carmesim derramava do aviário. Odrias segurou o cadáver sangrento do aviário em cima do altar. O espaço côncavo no topo ficou cheio de sangue.

‘Eu estava um passo tarde demais?’

Sungchul observou a situação de uma curta distância. Um padrão geométrico formou na superfície da câmara funerária de obsidiana. Era uma formação mágica… não, algo semelhante a uma.

‘É uma formação mágica que eu não conheço. É alguma técnica mágica dos Nahaks?’

A superfície começou a tremer. Algo estava prestes a acontecer. Foi a câmara funerária. A câmara funerária quadrada enegrecida dividiu-se perfeitamente ao meio e revelou o que havia dentro. Mikhael apertou os dois punhos enquanto olhava para o túmulo negro com um rosto cheio de orgulho.

“Finalmente. Eu consegui! Eu finalmente consegui!”

Ele se aproximou de Odrias enquanto ainda segurava o cadáver do aviário e gritou com sua voz cheia de felicidade.

“Velho Odrias! Nós conseguimos! Nós realmente conseguimos!”

“Não é bem assim. Ainda não é hora de baixar sua guarda. Eu não disse antes? Você só pode festejar se fizer tudo certo até o fim.”

“Sim. Você disse isso.”

Mikhael riu sem jeito antes de retornar à sua expressão tensa. O estrondo finalmente parou. A câmara funerária foi aberta. Todos prenderam a respiração enquanto se aproximavam da câmara recém-aberta. Sungchul se aproximou silenciosamente deles.

Havia dois sarcófagos dentro do túmulo.

“Dois sarcófagos? Existem dois reis aviários?

Mikhael coçou a cabeça enquanto falava. Foi inesperado, mas ele continuou otimista.

“É melhor com dois sarcófagos. Mais para nós tomarmos.”

Quando suas palavras saíram de sua boca, os dois sarcófagos se abriram. Os espadachins do Reino Antigo prenderam a respiração enquanto observavam os sarcófagos abertos. A suspeita aumentou nos corações de todos os presentes. Os cadáveres dentro dos dois sarcófagos usavam roupas extravagantes com equipamentos adornados com pedras preciosas, indicando sua herança de prestígio, mas todos podiam ver um único erro crítico. Os que estavam dentro dos sarcófagos não eram aviários. Eles não tinham bicos ou asas. Eles eram os Elfos das Cavernas.

Comentários