MCHHS: Capítulo 76


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

O Pedido do Rei (1)

“O que você quer? A única coisa que não posso entregar é a Herança da Alma. Eu prefiro escolher a morte.”

Marakia estava se sentindo sem esperança.

Em uma postura amassada e com voz sem energia, sua aparência revelou o desespero que se instalou em seu coração.

Sungchul olhou para Marakia em tal estado e falou com uma voz calma.

“Eu nunca pedi a Herança da Alma. Eu ficaria feliz em recebê-la se fosse oferecido, mas o que eu quero é um aumento adequado no Poder Mágico e na Intuição. Apenas essas duas coisas.”

“Eu não estou nesse estado porque não posso te dar essas coisas? Você deve saber claramente como é ineficaz e difícil aumentar um status de alguém do seu nível.”

“Não há mesmo a coroa? Algo que daria poder ao empunha-lá?”

Sungchul já suspeitava que Mimi havia inventado a história sobre a coroa do rei Nahak, mas ele perguntou mais uma vez com uma esperança inútil. Expectativas irrealistas sempre foram feitas para serem quebradas. Marakia sacudiu a cabeça.

“Eu lhe disse que não existe tal coisa. Essa é a verdade.”

“Entendo.”

Foi tudo inútil. Ele havia gasto um grande esforço em subjugar Marakia à sua vontade, mas ele não ganhou nada com isso. No entanto, nada poderia ser feito se o outro não estivesse disposto a dar. É fácil matar alguém, mas era impossível roubar seu poder e realizações inerentes.

“Eu não tenho nada para lhe dar, mas se você desejar, eu posso realizar um ritual que pode complementar o seu poder.”

Marakia falou debilmente quando notou a expressão de pedra no rosto de Sungchul. Sungchul virou a cabeça ligeiramente.

“Que tipo de ritual?”

Com isso, Marakia fez uma expressão sinistra enquanto respondia.

“Você já viu isso? O que ocorreu ao Reino Subterrâneo?”

“Você está me pedindo para oferecer um sacrifício?”

Marakia assentiu.

“Eu vejo que há incontáveis ​​Elfos das Cavernas ainda permanecendo no Reino Subterrâneo. Se você oferecer suas vidas a um deus como sacrifício, não seria o suficiente para conseguir o que você deseja?”

“…”

Sungchul sacudiu a cabeça.

“Por quê? Por que recusar isso?”

Marakia não conseguia entender nada. Ele deu a Sungchul a maior oferta que ele poderia oferecer, e Sungchul negou-a sem pensar duas vezes. Sungchul imediatamente deu sua resposta.

“Ao contrário de você, não desejo sacrificar a vida dos outros pelo poder.”

“Eu pensei que você fosse sábio, mas parece que você ainda se apega a um pouco da sua ingenuidade. Por que se preocupar com a vida de uma raça menor que nem mesmo é sua?”

Sungchul não respondeu a essa pergunta. Não, ele não achava que a pergunta precisava de uma resposta. A diferença entre os pensamentos deles sobre esse assunto não pôde ser encerrada. Em vez disso, Bertelgia respondeu durante o silêncio de Sungchul.

“Até mesmo a raça nobre que você era tão orgulhoso não é mais graças a você.”

“O que? Eles não são mais? Como você pode dizer essas bobagens enquanto eu ainda estou de pé?”

“Parece que você ainda não está ciente do que aconteceu com o seu povo.”

Enquanto Bertelgia e Marakia continuavam sua discussão sem sentido, Sungchul deu um passo para trás e começou a contemplar seus próximos passos.

‘É treinar o único método? Se eu usá-lo, eu deveria ser capaz de ganhar pelo menos um pouco… não espere”.

Um pensamento cruzou a mente de Sungchul. Seus olhos se voltaram para Marakia. O rei de penas negras dos Nahaks não conseguiu superar Sungchul, mas ele ainda era uma existência poderosa e temível. Assegurou-se que o poder mágico de Marakia excedia o do rei demônio.

‘Se eu usar esse cara, eu posso ser capaz de cuidar de Hesthnius Max, o Rei Demônio, sem ter que passar por todo esse trabalho de aprender magia.’

Sungchul, que deixou Max escapar de suas mãos, pensava em muitas maneiras diferentes para resolver sua situação. Um método era trazer um mago capaz para lidar com o golpe crítico, mas isso não foi possível devido a dois motivos. Em primeiro lugar, não havia um mago que pudesse ajudá-lo. Em segundo, ele não estava confiante em poder escoltar o mago com segurança para o Palácio do Rei Demônio, mesmo se ele conseguisse recrutar alguém.

Existem milhares, dezenas de milhares de demônios no mundo dos demônios. Enquanto os demônios não estivessem completamente mortos, se Sungchul trouxesse um Mago como Altugius Xero, os demônios concentrariam todos os seus ataques em quem quer que Sungchul tivesse trazido. Ataques mentais, emboscadas, alteração sensorial, bombardeio de magia em área de grande escala e ataque em massa com um grande exército. Eles utilizariam toda e qualquer tática e métodos disponíveis sob os céus.

Marakia era diferente. Com o poder de Marakia, ele deve ser capaz de preservar sua vida no mínimo e ser capaz de destruir o corpo astral de Max.

Quando Sungchul chegou a essa conclusão, seu coração ficou leve.

‘Este é o método mais seguro.’

Sungchul imediatamente parou diante de Marakia.

“Vamos barganhar.”

Marakia, que estava discutindo com Bertelgia, fechou o bico e olhou para Sungchul.

“Uma barganha?”

“Venha comigo para o reino dos demônios para matar o rei demônio.”

“O rei demônio? Você está falando sobre Fuhrst, o Comedor de Fogo?”

“Esse demônio foi embora desde eras atrás. Estou falando de Hesthnius Max.”

“Hesthnius Max? Eu nunca ouvi falar desse demônio. Está bem. Esse demônio é forte?”

“Ele é mais fraco que você.”

“Então por que você precisa me levar?”

Sungchul descreveu de forma concisa as circunstâncias entre Max e ele mesmo. Marakia riu alto depois de ouvir a história. Quando a risada finalmente acabou, os olhos violetas de Marakia se iluminaram enquanto ele falava.

“Está bem. Você quer usar minha magia para cuidar daquele demônio vil. O que ganho com isso?”

“Se você cooperar comigo para matar Max, eu lhe concederei sua vida e liberdade.”

“Vida e liberdade, huh?”

Marakia disse em um tom ridículo, e os olhos de Sungchul ficaram um pouco mais frios.

“Ou eu poderia matar você aqui mesmo.”

Era uma voz calma e serena, mas tinha um peso insuportável. Marakia, que estava zombando da oferta, de repente sentiu a ameaça da morte pressioná-lo. O homem chamado Sungchul possuía poder suficiente para matá-lo com facilidade. No entanto, uma pergunta encheu a mente de Marakia.

“Só por que você deseja matar esse rei demônio? É por vingança? Ou talvez você deseje assegurar a paz dentro do reino que você governa?”

Na pergunta de Marakia, Sungchul, sem hesitar, fez uma breve resposta.

“É para acabar com a calamidade.”

A curiosidade encheu os olhos de Marakia.

“Eu nunca soube que aquele que me derrotasse se consideraria o Salvador do Mundo.”

“Sua resposta?”

A voz de Sungchul soou mais uma vez e Marakia assentiu.

“Eu aceito. Eu juro pelo nome ‘Rei dos Nahaks’ que eu vou ajudar você, humano. ”

Marakia puxou uma única pena preta em seu corpo e segurou-a na direção de Sungchul.

“É um símbolo da minha promessa. É um presente real do grande rei dos Nahaks, portanto, receba-a bem.”

“Eu não preciso disso.”

Sungchul levantou Fal Garaz. Quando Marakia viu o martelo mais uma vez, ele foi reafirmado em sua necessidade de cumprir sua promessa.

“Vamos cuidar disso imediatamente.”

Sungchul deixou o túmulo com alguns movimentos hábeis. Bertelgia agitou as páginas para segui-lo, enquanto Marakia envolvia sua única asa restante em torno de seu corpo e os seguia com seus dois pés.

O Desespero do Abismo, que agora estava sozinho no túmulo, olhou para o grupo partindo e desapareceu na escuridão.

O segundo andar subterrâneo estava cheio de inúmeros Elfos das Cavernas. O propósito deles era um mistério, mas estava claro que eles estavam irritados. Sungchul tirou Cassandra, a arma demoníaca, do seu Armazenamento da Alma. Marakia viu essa cena, deu um passo à frente e soltou um som claro. O chilrear longo e cristalino que soava como o chilrear de um papagaio negro ecoou por todo o calabouço, fazendo com que todos os Elfos das Cavernas residentes dentro respondessem simultaneamente. Foi por puro terror.

“Ki… .Kiiiiiii!”

Os Elfos das Cavernas que simplesmente fugiram do barulho de Cassandra começaram a se dispersar caoticamente ao ouvir o chamado de Marakia. Não foi um medo racional. Era um terror instintivo que residia profundamente em seu sangue. Foi o chamado do aviário de coração frio que era seu mestre e seu predador.

“Que tal?”

Marakia, que estava observando os Elfos das Cavernas se espalharem como ratos em pânico, perguntou com uma voz relativamente alegre.

“Não é ruim.”

Sungchul avançou enquanto guardava Cassandra, que havia sido despedida. O grupo finalmente atravessou os escuros e longos corredores do Reino Subterrâneo e chegou à entrada. Esperaram que o elevador operado por polias chegasse. No entanto, um convidado indesejável esperava por eles. Foi o Desespero do Abismo.

“…”

A estranha coisa permaneceu no centro da passagem como se tivesse algo a dizer para o grupo de Sungchul.

“Por que isso existe dentro do meu reino?”

Marakia falou aborrecido. Sungchul segurou Fal Garaz e caminhou em direção ao Desespero do Abismo.

“Suma daqui, criatura do esquecimento.”

Era um inimigo problemático, mas se estivesse em seu caminho, Sungchul não hesitaria em lutar. No entanto, o Desespero do Abismo começou a passar por Sungchul instável de uma maneira grotesca. Parecia que ia ir embora como antes, mas ficou na frente de outra pessoa. Ficou na frente de Marakia.

“Hey, você não pode fazer algo sobre esse monstro?”

Marakia deu um passo atrás quando perguntou a Sungchul. Quando Sungchul caminhou em direção a ele com Fal Garaz na mão, Marakia viu. Ele viu o bico do Desespero do Abismo escorrendo lentamente.

“N… noa de…”

Foi fala. O Desespero do Abismo estava falando. Marakia e Sungchul imediatamente congelaram com essa situação inesperada. Enquanto todos estavam atordoados, o Desespero do Abismo com uma cabeça de aviário continuou a falar, desta vez mais coerentemente.

“N… não… D… deixe…”

No momento seguinte, Fal Garaz atingiu a cabeça da criatura. Ela voou para longe, desmoronando em uma forma informe antes de recuperar sua aparência original novamente.

“O que é isso?”

Marakia falou com raiva, mas Sungchul não respondeu. Foi também a primeira vez que ele testemunhou essa situação.

‘Um Desespero do Abismo falou. Eu não posso acreditar. Deveria ter tido seu corpo, mente e alma tirados quando se tornou o servo do Deus Antigo. Esse conseguiu manter sua consciência?’

Não era algo que pudesse ser descoberto. Não era algo que deveria ser descoberto. Sungchul pensou nessas palavras em sua mente quando entrou no elevador. Marakia seguiu depois.

“Quanto tempo passou desde que cheguei à superfície?”

Marakia falou em uma voz relativamente alegre, como se ele tivesse esquecido o incidente apenas alguns momentos atrás. O mecanismo do elevador foi ativado e o elevador subiu. Quando eles saíram do buraco, o sol no céu começou a cegá-los. Um grito alto soou no momento em que chegaram à entrada.

“Kyaaa!”

Foi o grito de Marakia. Ele caiu de joelhos enquanto gritava em agonia até ficar rouco como o berro de uma vaca.

Sungchul imediatamente parou a roldana e inspecionou o estado de Marakia.

“O que há de errado?”

Ele ficou coberto de manchas. Pontos negros floresceram em todo o corpo de Marakia como uma flor da morte, enquanto Sungchul observava.

‘Essa não.. essa não é a Maldição da Extinção?’

A cena que ele nunca desejou ver novamente reapareceu diante dele em um piscar de olhos.

“Kyaaaaaak !!”

Marakia continuou a gritar e se debater em agonia. A descarga apodrecida derramou-se como uma fonte do toco da sua asa cortada, e um fedor repugnante começou a se espalhar.

Sungchul imediatamente baixou o elevador. Quando chegaram ao Reino Subterrâneo, a condição de Marakia estabilizou-se. As manchas que se espalhavam em seu corpo recuaram e a descarga da sua ferida não fluía mais. No entanto, Marakia não falou enquanto permanecia curvado com os braços e a asa enrolados em volta de si, como se a lembrança da dor ainda o assombrasse.

Sungchul falou com ele depois de um tempo considerável ter passado.

“Você estava aflito com a Maldição da Extinção?”

Ele concordou com a pergunta de Sungchul enquanto seu corpo tremia levemente.

“Está certo. A maldição lançada por deus afligiu meu povo sem qualquer aviso. Foi a razão pela qual os Nahaks que uma vez percorreram os céus foram forçados a entrar no chão como minhocas.”

“Você deve ser mais jovem do que aparenta?”

Bertelgia fez uma pergunta para Marakia com uma voz suave. Marakia não negou isso.

“Um ano. Eu fui amaldiçoado por uma questão de um único ano. Meus irmãos mais velhos estavam bem, mas meus irmãos mais novos e eu corríamos o risco de morrer. No entanto, meu pai o rei queria entregar a coroa a mim, que tinha as penas negras. É por isso que o ritual foi realizado e continuei a viver, mas…”

Preocupação profunda encheu os olhos violetas de Marakia.

“Por que a maldição ainda permanece?”

“… Porque deus é cruel.”

Sungchul respondeu. Marakia bufou achando graça, mas o fato de seu corpo ter sido amaldiçoado permaneceu.

“Parece que estou fadado a morrer de qualquer maneira.

As manchas que cobriam seu corpo haviam desaparecido, mas não desapareceram. Marakia riu tristemente enquanto olhava para o céu.

“Dezenas de milhares de anos se passaram, mas meu destino permanece inalterado.”

Logo, a raiva assustadora começou a queimar em seus olhos.

“Como é assim que as coisas são, não seria ruim sair com um estrondo e apenas fazer o que eu quiser até que eu morra.”

“…”

“Queimar os humanos e destruir seus reinos. Quem sabe? Talvez, depois que eu terminar, eles lembrem de mim… e lembrem dos Nahaks?”

Se Sungchul não estivesse ao lado dele, Marakia poderia ter feito exatamente o que ele havia dito. Mas Sungchul estava, de fato, ali.

“Eu não vou deixar você fazer isso.”

Ele olhou para Marakia e falou claramente. Marakia riu alto.

“Eu devo morrer de qualquer maneira. O que importa para mim se eu morrer de uma forma ou de outra?

“Eu vou parar a calamidade. Me ajude. Se for assim, também libertará você da maldição em seu corpo.”

“Isso não faz sentido. Os mortais não podem vencer a provação de Deus. Além disso, as calamidades não devem ser superadas. É para serem suportadas como as estações que passam.”

“Há aqueles que conseguiram superá-las.”

“O que?”

Marakia não parecia convencido. Sungchul estava pensando no riso de Bertelgia enquanto respondia.

“Eles são os humanos que você menosprezou.”

Comentários