MCHHS: Capítulo 77


Capa MCHHS

Main Character Hides His Strength

Autores: Road Warrior (로드워리어)
Tradutor: Pyown

O Pedido do Rei (2)

Sungchul expôs a sua resposta um pouco mais.

“Especificamente, por seres agora referidos como os Sete Heróis.”

“O que? Meros humanos conseguiram superar a provação de Deus? Inacreditável.”

“Você está livre para acreditar como quiser, mas deixe-me dizer uma coisa. Eu sou mais forte do que todos os Sete Heróis juntos, e você já não olhou dentro de mim? Você deveria estar mais do que ciente do tipo de compromisso que eu fiz para isso.”

“…”

Marakia não admitiu nem negou nada. Em vez disso, ele simplesmente esperou que a raiva sem propósito fervendo dentro dele se dissipasse.

O tempo, como sempre cuidou, acalmando a sua raiva.

Quando as chamas de raiva dentro dele se acalmaram, Marakia falou mais uma vez com uma voz cansada.

“Como você planeja superar a calamidade? Você não será suficiente para pará-la sozinho.”

“Há cinco Calamidades no total. Eu deveria ser capaz de superar três delas sozinho no mínimo.”

Sungchul falou em uma voz calma enquanto descrevia as calamidades que pairavam sobre o mundo atualmente. A primeira chegou do mundo dos demônios. De acordo com as Escrituras da Calamidade, é profetizado que o Rei Demônio liderará um enorme exército de demônios nunca antes visto na história, queimando tudo enquanto eles se dirigem para o sul.

A segunda calamidade virá do passado. O retorno dos Sete Heróis que superaram uma calamidade do passado. A Escritura da Calamidade profetizou que eles retornarão como inimigos dos mortais e espalharão angústia, desconfiança e morte por todo o mundo.

A terceira calamidade virá da suspeita. Os sobreviventes das duas calamidades que varreram o continente e o transformaram em uma terra devastada ficarão cheios de suspeitas uns dos outros e começarão uma guerra que só terminará com a morte de todos.

A quarta calamidade e além não são conhecidas. Alguns falaram do advento dos Deuses Inferiores ou da agitação dos animais como as Calamidades a seguir, mas nada havia sido confirmado ainda. Foi porque tudo depois da terceira calamidade ficou em branco quando ele viu a Escritura da Calamidade por último. A Escritura se atualizaria com novas informações quando uma Calamidade ultrapassasse um certo limite.

“Metade das calamidades por conta própria? Que grande confiança.”

Marakia respondeu friamente. Sungchul continuou a tentar persuadi-lo.

“Não é tão difícil para mim. Enquanto o Rei Demônio for cuidado, o resto das calamidades será resolvido em breve.”

No entanto, as palavras de Sungchul estavam lamentavelmente faltando em tentar transformar a mente de Marakia. Marakia soltou um riso enquanto lançava uma série de perguntas para derrubar o pedido de Sungchul.

“Mas e quanto à Quarta Calamidade? E se a Quinta Calamidade for algo que fundamentalmente não pode ser resolvido pela sua força?”

“…”

Sungchul não respondeu mais. Ele sabia que qualquer coisa que dissesse seria um desespero. Marakia simplesmente sorriu e se levantou do seu lugar.

“Se você não tem mais nada a dizer, vou descansar. Vou transformar os Reinos Humanos em pó depois de me recuperar. Esse insulto para com os Nahak não será colocado para descansar de outra forma.”

Marakia falou em uma voz clara e brilhante enquanto ele vagarosamente entrava no calabouço. Ele provavelmente manteria sua promessa. Ele já havia desistido de sua própria vida e não tinha mais nada a perder.

Os olhos de Sungchul estavam cheios de preocupação.

‘Coisas que não podem ser tratadas com força são tão difíceis.’

Aos seus olhos, havia apenas uma opção. Ele teve que eliminar o Marakia suicida por suas próprias mãos antes do Marakia deixar o calabouço. Foi o pior resultado possível que anulou todo o esforço que ele colocou.

Quando Sungchul contemplou seu breve fracasso, alguém inesperadamente se adiantou.

“Hey, cérebro de passarinho! Eu tenho algo a dizer!”

Foi Bertelgia.

“Essa criança?”

Sungchul pensou em conter Bertelgia, mas esperanças vagas o impediam de recuar da situação.

“Você não pode me ouvir? Cérebro de passarinho! Eu disse que tenho algo a dizer!”

Bertelgia continuou a gritar e logo Marakia parou os passos e virou ligeiramente a cabeça.

“Livro. Suas palavras são muito rudes. Mesmo que você tenha esse humano protegendo você ao seu lado, talvez seja melhor conhecer seu próprio lugar.”

Antes de suas palavras terminarem, uma flecha mágica acompanhava uma pena negra e assustadora em direção a Bertelgia. Bertelgia congelou nessa mudança imediata das circunstâncias, e só pôde observar quando a flecha mágica voou para ela. Quando a flecha estava prestes a ser cravada em seu corpo, uma mão áspera apareceu para protegê-la.

O braço de aço de Sungchul a protegeu. A Flecha Mágica conseguiu perfurar sua roupa, mas quando se deparou com sua opressiva aura de batalha e sua resistência mágica, ela se dissipou sem deixar vestígios.

“Continue falando.”

Sungchul sussurrou para ela em voz baixa. Bertelgia sacudiu o corpo uma vez em direção a Sungchul e continuou com uma voz clara, sem um traço de medo.

“Você diz que foi insultado como um Nahak?”

“Então?”

Marakia se virou e assentiu com os braços cruzados.

“Como pode alguém que coloca essa importância no orgulho da espécie não cuidar de seus próprios parentes?”

“O que? Meus parentes?”

“Está certo. Você sabe mesmo em que tipo de situação os Nahaks estão agora?”

“O que? Que absurdo você está dizendo agora?”

Quando Marakia soltou uma risada vazia, Bertelgia se soltou do braço protetor de Sungchul e falou com ousadia.

“Então siga-me, orgulhoso rei dos Nahaks!”

Ela se afastou de Sungchul e liderou o caminho pelo calabouço.

‘Essa criança… ela é uma coisa e tanto.’

Sungchul estava olhando para as costas de Bertelgia sob uma nova luz. Ele rapidamente a seguiu e a acompanhou pelo caminho. Marakia não parecia convencido, mas caminhou atrás dela como se as palavras de Bertelgia o incomodassem.

Bertelgia levou Marakia para nada menos que a cidade dos Elfos das Cavernas. Olhando para a cidade suja e úmida, Marakia franziu a testa.

“Verdadeiramente uma morada humilde para uma raça humilde. Vou queimar todos esses insetos antes de me separar do Reino Subterrâneo.”

Ele disse isso antes de soltar um grito agudo de pássaro. O clamor claro e agudo do Nahak ecoou por toda a área, fazendo todos os Elfos das Cavernas tremerem de terror. Alguns dos Elfos das Cavernas começaram a cair de boca, enquanto outros começaram a cagar de onde estavam.

Marakia se divertiu levantando alguns dos Elfos das Cavernas com psicocinese e fazendo-os cair para a morte. Bertelgia não disse nada quando o levou ao destino deles.

Eles estavam diante da granja avícola. A área cheirava a algum fedor desconhecido misturando-se ao cheiro de carne podre, e Marakia inclinou a cabeça em confusão enquanto estava diante daquela enorme tenda.

“Você está dizendo que há algo aqui?”

Algo entrou em sua linha de visão. Foram as penas brancas decorando a tenda. Elas eram menores e muito mais maçantes do que as dele, mas eram semelhantes às penas que ele conhecia muito bem. Marakia estendeu a mão e examinou uma das penas.

‘Essa é… uma pena de Nahak… ?!’

Um sentimento ameaçador cruzou sua mente. De repente, Marakia teve um pensamento terrível, uma premonição inquietante, quando um calafrio percorreu sua espinha quando ele olhou para o interior da tenda. Sons de gritos baixos de pássaros, sons de bicos repetidamente batendo no metal, e sons de plumas de penas podiam ser ouvidos. Marakia entrou na tenda enquanto Sungchul e Bertelgia observavam, e ele finalmente viu com seus próprios olhos.

Ele testemunhou o estado decaído do povo ‘orgulhoso e nobre’ dos Nahak que agora estava sendo criado como gado pelo que ele considerava uma raça insignificante e escravizada.

Algo segurando-o por dentro havia desmoronado. Um grito horrível cheio de uma mistura de choque e raiva reverberou dentro da tenda por um bom tempo antes que o som de tudo dentro da tenda sendo rasgada em pedaços pudesse ser ouvido. Logo, um Marakia diferente saiu da tenda.

Bertelgia soltou um gemido.

“Os pontos… ficaram mais escuros.”

Foi devido ao choque? As manchas de Marakia ficaram muito mais escuras. Sungchul podia sentir o cheiro da morte do seu corpo.

“Como isso aconteceu?” Perguntou Marakia com uma voz trêmula.

“Sua raça caiu depois de realizar o ritual realizado para você, e aqueles que permaneceram foram capturados pelos Elfos das Cavernas e criados como animais.”

“Animais domesticados… eu não posso acreditar.”

Naquele momento, um jovem Nahak saiu da tenda. Ele era um dos raros Nahaks azuis entre os incontáveis ​​de penas brancas. Marakia acreditava que fosse uma espécie de revelação divina. Ele falou enquanto segurava o jovem Nahak.

“Enquanto eu viver, os Nahak ressuscitarão e recuperarão os céus.”

Marakia criou uma Orbe do Conhecimento. Foi a manifestação física da linguagem e o segredo dos Nahaks. A orbe foi logo absorvida pelo filhote de penas azuis.

O Nahak azul que estava fazendo gritos de um animal não inteligente estremeceu uma vez e então olhou para o seu entorno com um conjunto diferente de olhos. Diferente de antes, como se tivesse recuperado um pouco do seu intelecto, mas quando a galinha recuperou sua inteligência, manchas pretas como as de cogumelos venenosos rapidamente se espalharam pelo corpo.

Sungchul murmurou em voz baixa.

“No momento em que ele foi libertado de ser um animal doméstico e recuperou seu intelecto, a Calamidade da Extinção retornou sem falta.”

O jovem Nahak, cujo corpo inteiro estava coberto de manchas, soltou um grito estridente antes de ficar mole ao alcance do rei. Marakia ficou em silêncio enquanto olhava para o cadáver do jovem Nahak com olhos cheios de descrença.

“Isso é muito cruel. Simplesmente cruel…”

Ele não conseguiu terminar suas palavras. Ele caiu de joelhos com o cadáver do jovem Nahak em seu aperto.

Nesse momento de silêncio, Bertelgia falou em voz baixa.

“Eles só podem preservar sua raça como gado…”

“…”

Sungchul se moveu em direção ao Marakia ajoelhado. Marakia, que sentiu a presença dele erguida. Seus olhos violetas seguraram uma única lágrima.

“Isso é o que é uma calamidade?”

Marakia perguntou.

“Isso também é uma calamidade.”

“Isso?”

“Está certo. Essa é a verdadeira natureza de uma calamidade que existe para esmagar todas as esperanças e deixar para trás apenas uma realidade cruel.”

Sungchul respondeu.

“É por isso que desejo destruir a calamidade.”

Fal Garaz apareceu na mão de Sungchul. Quando ele balançou Fal Garaz, o tecido que cobria a granja explodiu e dezenas de milhares de Nahaks foram revelados. Quando o pano que obstruía a visão desapareceu, os animais jovens e curiosos começaram a fugir da granja e se espalhar por toda parte. Os Nahaks de penas brancas olhavam para Marakia com curiosidade. Esses Nahaks bateram suas asas subdesenvolvidas e se aproximaram dele.

Marakia não rejeitou o toque deles. Em vez disso, ele se levantou de onde estava e estendeu a mão para Sungchul.

“Vou colocar minha fé em você, humano.”

“…”

Sungchul estendeu a mão sem palavras e encontrou a de Marakia. Não havia calor nenhum diferente de um entre dois humanos nesse aperto.

“Qual é o seu nome?”

Marakia finalmente perguntou.

“Sungchul Kim.”

“Sungchul Kim, eh? Que nome estranho. No entanto, não acho que vou conseguir esquecer.”

Marakia olhou para os filhotes de Nahak mais uma vez antes de olhar para Sungchul.

“Eu deixo meu povo para você.”

Sungchul assentiu.

Marakia fechou os olhos. Sua única asa restante cobria sua parte superior do corpo, e logo ele começou a brilhar em uma luz brilhante. Ele estava queimando o último pedaço de energia vital que permaneceu nele para transformar o vasto poder contido em seu corpo em um único objeto. Marakia, que estava coberto de luz ofuscante, desapareceu e tudo o que restou em seu lugar foi um grande ovo e uma mármore do tamanho de um punho emitindo energia negra e branca.

“…”

Sungchul levantou primeiro o ovo grande. Era um ovo negro. Quando ele segurou, um leve sorriso se formou em seus lábios.

[Ovo de Marakia]

“Eu ouvi uma lenda que alguns Nahaks podem retornar à forma de um ovo na hora da sua morte… como uma fênix.”

Bertelgia falou ao lado dele. Sungchul colocou cuidadosamente o ovo dentro do seu Armazenamento da Alma e levantou a orbe que estava ao lado dele.

[Herança da alma]

Foi um objeto que realizou a vontade de Marakia. Sungchul mostrou seus respeitos em relação a Marakia abaixando a cabeça e segurando a mão que mantinha a Herança da Alma mais firme. Quando o fez, o mármore se espatifou e o poder dentro dela foi absorvido em Sungchul. Mensagens inundaram sua visão sob uma luz brilhante.

[Sua Força é maior que a herança; portanto a sua força não aumentou.] 
[Sua Destreza é maior do que a herança, portanto a sua Destreza não aumentou.] 
[Sua Vitalidade é maior do que a herança; portanto, a sua vitalidade não aumentou.] 

Depois que todas as mensagens que ele esperava haviam passado, as palavras que Sungchul estava esperando apareceram.

[Você herdará o Poder Mágico dentro da herança.] 
[Você herdará a Intuição dentro da herança.] 

Quando a cerimônia de herança foi concluída, Sungchul abriu sua janela de status. Era uma janela de status que excluía status de bônus provenientes de fontes externas; uma tela de status mostrando apenas seus status básicos.


[Status]

Força 999+ Destreza 853 
Vitalidade 801 Poder Mágico 323 
Intuição 334 Resistência Mágica 621 
Decisão 502 Carisma 18 
Sorte 18


O Poder Mágico e a Intuição agora excediam 300. Ele havia quebrado o que era comumente chamado de limiar de Sobre-Humanos em um único golpe. Imediatamente, uma longa lista de coisas que de repente se tornaram possíveis veio à mente, mas Sungchul tinha algo que tinha que fazer primeiro.

“Cuidem desses Nahaks. Se eu não puder ouvir o grito dos Nahaks quando eu voltar para cá, será o dia em que toda a sua raça irá se encontrar em extinção.”

Sungchul fez seu ultimato na frente dos anciões Elfos das Cavernas. Os Elfos das Cavernas já tinham experimentado sua força divina e estavam simplesmente curvando suas cabeças em concordância. Sungchul visitou a fazenda mais uma vez antes de deixar o Reino Subterrâneo. Em frente à granja, ficavam os restos mortais de Marakia, depois de sua morte. Um convidado indesejado esperou por ele lá.

Foi o Desespero do Abismo, mas suas ações eram estranhas. A criatura úmida estava em pé diante dos restos de Marakia e simplesmente olhou para eles. Sungchul observou por um tempo e não viu mudança. A criatura simplesmente olhou para o chão onde Marakia havia desaparecido como uma estátua. Sungchul e Bertelgia deixaram a cena.

“O que foi isso?”

Quando chegaram ao elevador em direção à superfície, Bertelgia fez a pergunta óbvia em suas mentes.

Os ventos salgados da superfície estavam soprando com força. Cabelo e roupas tremulavam loucamente, e Bertelgia soltou um grito curto antes de esconder o corpo atrás de Sungchul.

Um raio de luz atravessou a escuridão e caiu nos olhos de Sungchul.

“Bem.”

Sungchul moveu o cabelo caído e falou em voz calma.

“Pode ser alguém como eu.”

Ele podia ouvir os gritos familiares de demônios a distância.

Comentários