Olá, trago mais um capítulo de Mundo Divino para vocês (Final do mini-arco ‘Viajando para Nefa’). Estou com uma nova Novel em mente, mas ainda não sei se vou publicar ou não. Bem, aproveitem a leitura. Foi um capítulo curto e não tenho previsão para o lançamento do próximo.

Caso tenha algum erro, dúvida ou sugestão, deixe nos comentários! Aproveitem a Leitura =)

@Edit: 26 abril

Olá seres, isso é uma correção de um mystake enorme. Eu não expliquei como Ange ganhou o atributo de terra e quem percebeu isso foi um leitor. Eu jurava que tinha escrito esta parte, mas, aparentemente, só pensei ter escrito. Bom, aí está a correção (toda a parte em vermelho).




› Viajando para Nefa (Parte 2) ‹

Após ter chegado ao acampamento, e contar o que tinha acontecido para Mayu e Shiro, amarrei os ladrões em uma árvore e retirei seus pertences.

— Tenham uma boa noite – disse em tom de sarcasmo.

Os ladrões não falaram nada, apenas ficaram ali com sentados com a cara emburrada.

Dei uma rápida analisada nos pertences e vi um item, aparentemente, valioso; uma capa marrom com diversas runas escritas.

— VS, o que é este livro?

— É um livro de contrato iniciante, senhor.

— Contrato? Contrato com o que?

— Contrato com o espirito da terra.

— Eu posso utiliza-lo?

— Sim.

— Como?

— Aplique uma pequena quantidade de magia no livro, caso o espirito, residente no livro, goste do seu poder ele ira firmar um contrato com o senhor.

Coloquei uma pequena quantidade de magia sobre o livro, e escutei uma nova voz.

— Quem es tu, que desejas firmar um contrato comigo?

— Eu sou Ângelo Von Breno, o décimo filho da família Von Breno.

— Tu pareces ser uma pessoa digna de meu poder, chame pelo meu nome e firmaremos um contrato.

— E qual o seu nome?

— Você saberá…

A voz do espirito foi se esvaindo, me deixando confuso.

—VS o que devo fazer agora?

—Analise o livro novamente e veja se tem algum encanto.

Quando abri o livro, que antes que não entendia nada, lá estava um encanto de contratação. Sem delongas, comecei a recita-lo.

— Ò espirito da terra, aquele que cuida de nossas florestas e protege nossos animais, Eu, Ângelo Von Breno, desejo formar um contrato contigo. Se me aceitas como seu mestre, diga sim ao contrato, ‘Bremen’!

Uma luz dourada me envolveu e a voz de Bremen pode ser escutada novamente.

— Você acaba de formar um contrato comigo, no momento sou um espirito iniciante, mas enquanto você estiver evoluindo, eu irei subir junto podendo me transformar em um Espirito Avançado.

— Bem vindo a minha jornada Bremen, sejamos amigos – falei amigavelmente.

Eu pude escutar uma leve risada, e sua voz se esvaeceu novamente.

Voltei para o acampamento, todos já estavam comendo… menos eu.

— Obrigado por esperar…

— Ah, Ange, venha comer e pare de vitimismo.

Sentei-me perto da fogueira e peguei uma porção do ensopado de coelho. Olhei para Mary, ela estava comendo como um lobo que não come há semanas.

— Mary-chan, coma devagar, você pode acabar se engasgando.

— S-sim!

Shiro estava sendo gentil com Mary, talvez por ela for mais nova e se parecer com sua falecida irmã.

— Okay! Devemos ir nos deitarmos, partiremos ao amanhecer.

Todos se levantaram e foram para seus aposentos. Mas tínhamos um pequeno problema… Mary.

— Hm… Mary.

— S-sim!?

— Fique calma – disse sorrindo – Você se importaria de dormir na barraca com Shiro?

— N-não!

— Então está decidido! Você e Shiro dormem na barraca, que o senhor nos deu, e Mayu e eu dormiremos em outro lugar.

Olhei para Mayu e ela não parecia estar muito feliz com minha decisão. Eu tinha acabado de tirar ela do conforto da barraca…

Andei em sua direção, aproximei minha boca à sua orelha e dei um leve sopro. Seu corpo se arrepiou e seu rosto corou.

— Mayu-sama, você está bem? Você está um pouco vermelha.

— E-eu estou bem Shiro.

— Bom, boa noite Ange-sama e Mayu-sama.

Mary, que estava ao lado de Shiro, fez uma pequena reverencia. Talvez fosse seu jeito de dar boa noite.

— Boa noite Mary – disse afagando seu cabelo.

Eles foram para a barraca e se deitaram. Olhei para Mayu e vi que seu rosto ainda estava corado.

— Ma-chan, tudo bem com você? Eu pensei que não se incomodaria de dormirmos juntos…

— Não é isso Ange…

— Então o que é?

— Nada! Deixando isso de lado, onde vamos dormir?

— Podemos dormir na carruagem ou eu posso fazer uma cabana de terra com magia elementar.

— A carruagem é um pouco apertada, então prefiro dormir em uma cabana… Espera! Desde quando você sabe usar magia elementar?! Você não é um espadachim?!

— Ah, sobre isso… Apenas digamos que aconteceu algumas coisas e eu acabei virando um espadachim mágico.

— Ange.

— Oi.

— Você é muito roubado…

Eu não pretendia contar para ela sobre o [Herança de Poder]. Pelo o que eu li, quando se mata uma pessoa que detém um ‘Modo’, você tem a opção de roubar o modo dessa pessoa, então é melhor eu ficar quieto sobre isso.

— Ange, sem querer ser irritante, mas tem como fazer logo à cabana?

— Ah, claro!

Direcionei minhas mãos em um terreno plano e comecei a recitar o encanto.

— Ó espíritos da terra, concedam-me seu poder e ajudem-me neste feito. [Estrutura Básica]!

Uma pequena estrutura se levantou da terra, eu nunca tinha usado essa magia, então não sabia ao certo o que iria acontecer.

Entramos dentro da cabana, ela tinha uma cama de casal, com a base feita de pedra e o que era pra ser o colchão feito de terra fofa. Cobrimos a terra com o cobertor e nos deitamos.

— Vamos dormir! – disse sorrindo para Mayu.

— Vamos…

Ela não parecia tão feliz, por ter de dormir comigo. Deitamos-nos e fomos dormir ou pelo menos ela foi dormir. Fiquei acordado, olhando para o teto e pensando em minha irmã.

— ‘O quê será que ela esta fazendo agora?’ – pensei.

Olhei para o lado e vi o rosto de Mayu, ela estava me encarando, quando percebeu que eu tinha visto, ela se virou para o outro lado.

Aproximei meu corpo ao dela, a encoxando. Dei leves beijos em seu pescoço, pude escutar seus gemidos baixinhos.

— Ange, você quer fazer ‘aquilo’ comigo?

— Sim, eu quero.

— Você me ama?

— Não posso dizer ao certo se te amo, mas toda vez que olho para você, meu coração se aperta e sinto uma vontade imensa de te beijar.

Após minhas palavras, ela não disse mais nada, apenas virou para mim e começou a me beijar.

Meus lábios se encostaram ao dela, nossas línguas se entrelaçaram, minha mão estava em sua cintura, enquanto meu joelho encostava-se a sua parte intima. Tirei o vestido dela, mostrando seus seios pequenos e delicados. Comecei a beijar seu corpo, chupei seu mamilo enquanto tirava sua calcinha.

Ela virou sua cabeça para o lado, envergonhada.

— Sabia que você fica muito fofa assim? – disse provocando.

— Seu idiota! Apenas cale a boca e me beija!

Tirei minha roupa, e coloquei meu pênis em sua vagina. (NT: me sinto estranho escrevendo isso, sei lá, parece que tô escrevendo um artigo sobre anatomia)

— Se doer você me fala, ta bom?

— Tá.

Quando a penetrei, sangue começou a escorrer de sua vagina. Ela deu pequenos gritos.

— Quer que eu tire?

— Não, eu aguento.

Meti suavemente, para que não a machuca-se. Depois que ela se acostumou com a dor, meti até o fundo. Sua cara de êxtase só me dava mais tesão.

— Ange… Você poderia… me beijar?

— Claro.

Beijei ela enquanto penetrava e fizemos amor durante toda a noite.


PoV Shiro

Quando acordei, levantei-me e fui buscar água no lago. Aproveitei para pegar alguns peixes.

Ao voltar para o acampamento avistei (a novinha no grau) Mary, que estava acendendo a fogueira e colocando água para ferver.

— Bom dia Mary-chan!

— Ah, bom dia Shiro-nii!

— Eu trouxe alguns peixes para comermos.

Coloquei os peixes em um graveto, e os botei para assar na fogueira.

Depois de um tempo, Ange e Mayu saíram de uma cabana e se juntaram a nós.

— Bom dia Shiro, Mary.

— Bom dia Ange-sama, Mayu-sama.

— Bom dia Shiro. Bom dia pra você também Mary.

— Vocês dormiram bem?

— Sim, a Mary apenas chorou algumas vezes, mas logo parou.

— Desculpe-me por isso Shiro-nii – disse Mary se curvando para mim.

— Tudo bem Mary-chan.

Comemos e partimos para Nefa. Pagamos mais 300 irídios para o senhor por causa de Mary.

Status Shiro

Nome: Shiro Isana

Idade: 12 anos

Posição Social: Plebeu

Título: Aquele que atrai a morte

Profissão: Aventureiro

Nível: 1

Classe: ‹Arqueiro›

Rank: F

Vida: 90/90 — Wir: 50/50

Força: 13 — Inteligência: 17

Defesa: 15 — Vitalidade: 15

Destreza: 25 — Sabedoria: 13

Agilidade: 30

Atributo Mágico: [Vento]

Modo: Besta dos ventos

Habilidades:

Maestria em Arco lvl.2 — Maestria em Adaga lvl.2

Magias:

Manto de vento lvl.1

Equipamento:

Arma › Adaga de Prata (✧✧) — Arco Curto (✧) – Dmg: 40

Armadura › Conjunto Oriental (✧✧) – Def:15

Acessórios ›


Notas Finais:

Espero que tenham gostado do capitulo.

›Escrito por: KooZ

›Revisado por: Não Revisado

›Formatado por: KooZ

Anterior› ‹Capítulos› ‹Próximo›

Comentários