Esse é o começo de mais um arco, espero que gostem.

 

 

 

 Alice

 

Em uma casa simples, deitada em uma cama de palha, encontrava-se uma garota de cabelos violeta.

Ela levemente abre os seus olhos quando raios de sol passam pelas aberturas da janela e alcançam seu rosto.

A garota espreguiça seu corpo jovem e sonolentamente anda ate o balde d’água no canto do quarto para lavar seu rosto.

Ela esfrega seus olhos cinzentos para se livrar do sono que ainda a de deixar seu corpo.

Ainda sonolenta, a garota anda em direção à sala para tomar um pequeno café da manha.

Ela pega o pão preto que sua tia deixou preparado antes de sair para trabalhar e o mastiga forçosamente.

Voltando ao seu quarto ela se prepara para sair para mais um dia de trabalho.

Vestindo sua única peça de roupa, uma camiseta simples laranja, uma saia e meia-calça pretas.

Pegando uma pequena adaga, que foi a herança que recebeu de seu pai, e a colocando em sua cintura ela sai de sua casa.

Ela anda em direção a guilda dos aventureiros, um prédio de três andares de madeira e pedra esculpida.

Entrando na guilda, o primeiro andar tinham mesas e cadeiras onde as pessoas poderiam se reunir e conversar com seus grupos.

Assim como a recepção e coleta de missões de nível inferior a médio.

O segundo andar seria o local da coleta de missões de nível avançado. E o terceiro era o escritório do guild-master desta cidade.

Se dirigindo para a balconista, ela a recebe com um sorriso e a saúda.

  • Bom dia Alice, parabéns pela sua maioridade – fala a recepcionista.

  • Sim! Agora eu posso finalmente começar a caça por monstros, nem que sejam simples lebres vermelhas! – diz a garota animadamente.

Por motivos de segurança, a guilda de aventureiros impede a caça a monstros para os menores de idade para reduzir o numero de vitimas.

Por isso Alice vem apenas realizando as missões de coleta, onde não lhe dava uma renda muito boa.

Mas agora que ela completou seus quinze anos, ela finalmente será autorizada a caça.

  • Então, agora que eu já sou maior, eu gostaria de saber onde posso encontrar um mestre ladino – Alice pergunta entusiasmada.

Mestres! Mestres são pessoas contratadas pela guilda para ensinar os novos aspirantes de aventureiros para terem uma base segura feita para os plebeus, como a maioria dos nobres são magos.

Para uma pessoa ser contratado como mestre, ele deve ser um especialista em alguma técnica. Como por exemplo: espadas, adagas, escudos, coleta de informações entre outros.

Mas popularmente eles são chamados de mestres guerreiros, ladinos, espiões e por diante.

A também os mestres que não são filiais da guilda, mas a maioria das pessoas procuram os afiliados pela certeza de que são mestres de qualidade.

  • Hum, aqui na cidade realmente não a nenhum do tipo ladino, mas se você for a capital tenho certeza que encontrara algum! – afirma a recepcionista.

Assim que a recepcionista fala sobre a capital, os olhos da garota se iluminam.

  • Sim! Eu sempre venho juntando dinheiro pelas missões de coleta, então acho que sobrara para ir a capital e contratar um mestre – murmura Alice fazendo suas contas enquanto transbordava uma aura brilhante.

A recepcionista que não perdeu seu devaneio fala a Alice – se você quiser, posso te colocar em uma missão de escolta, assim poderá ganhar uma renda extra – sugere a recepcionista.

  • Obrigada, eu vou aceitar! – exclama Alice.

  • Então esteja no portão oeste amanha as seis da manha, aqui esta a prova que você aceitou a missão – fala entregando uma pequena placa de madeira.

 

 

(PV Alice) (PV= ponto de vista)

 

 

Haaaaaaaaaaaaaa!

Estou tão feliz, eu finalmente irei a capital real!

Já não aguento mais essa cidade que a maioria das refeições é à base de peixe!

Peixe frito, peixe cosido, peixe em conserva, peixe isso, peixe aquilo. Chega!

Não é só porque vivemos na encosta do mar que temos de comer apenas peixe!

Essa cidade ainda é um ponto de comercio entre os reinos Pendragon e Orion, deveria de ter algo a mais pra comer do que peixe!

Mais isso tudo acabara amanha!

Eu já escutei muitas conversas dos aventureiros veteranos que viajaram para a capital dizendo que as especiarias de lá são divinas!

Eu quero experimentar todas!

E quando eu me tornar uma aventureira sênior, voltarei e recompensarei tudo que minha tia fez por mim, me cuidando mesmo que já fosse difícil o bastante cuidar apenas dela mesma.

Assim que eu tiver muito dinheiro, eu vou comprar uma casa adequada para ela poder viver uma vida melhor, e também lhe darei um estoque de comida que não seja peixe e pão preto!

Sim!

As pessoas precisam muito de uma ladina para diversas coisas, então não será difícil achar um grupo quando eu estiver lá.

Eu também preciso comprar uma armadura de couro simples pelo menos, eu tenho acumulado o dinheiro das coletas, e eu acho que ainda cabe no orçamento para ter uma estadia barata na capital.

Agora, irei avisar minha tia e preparar as coisas para a viagem!

 

 

 

Depois de falar com minha tia, comprar uma pequena proteção de couro para meu peito, apesar de ser um pouco apertada, eu vou ate a montanha próxima fazer uma missão de coleta apenas para passar o tempo.

Finalmente a noite cai, assim eu volto para a guilda, e depois de receber a compensação volto para casa, tenho uma pequeno jantar de PEIXE e vou dormir.

Na manha seguinte sou acordada pela minha tia, que me presenteia com uma bolsa cheia de comida para a viagem.

Depois de nos abraçarmos e terminarmos nossas despedidas eu saio pela porta em direção ao portão oeste.

  • você definitivamente tem de voltar algum dia para uma visita! – grita minha tia acenando com a mão na frente da porta.

  • Sim! E quando eu voltar com certeza trarei muitos presentes – aceno de volta imaginando a cara dela quando eu lhe comprar uma casa nova, fufufu, esses doces sonhos vão finalmente começar a se realizar com minha ida a capital.

Chegando ao portão, vou em direção a uma caravana para relatar minha presença nessa escolta.

  • Com licença, venho reportar minha participação na escolta de sua caravana – falo educadamente para o homem de barba cinza com robe prateado de aparência cara.

  • Hum, com você são dez hum – murmura o homem – Obrigado pela sua participação, assim que chegarmos à capital lhe entregarei o certificado do termino da missão – fala o homem barbudo polidamente.

Enquanto esperava pelo resto dos aventureiros, pude perceber que havia muitas pessoas de aparência forte com armaduras de couro completa com pedaços de placas de ferro, alguns mesmo ate tinham coletes de malha por baixo!

Depois de algum tempo, todos chegam no portão oeste, aproximadamente vinte pessoas.

Não é gente de mais!?

As estradas principais normalmente não devem de ter monstros nem mesmo ladrões, por causa das constantes patrulhas.

Será que ela é alguém muito importante? Ou sua carga que deve ser mantida com o maximo de segurança?

Bem que seja, eu não fiquei parada mesmo nesses últimos anos, eu treinei constantemente toda dia com minha adaga, a noite para melhorar minha visão, e estudei os documentos que meu pai deixou para traz sobre como destravar corretamente baús, cofres e armadilhas.

Meu corpo também é muito ágil apesar dos meus peitos serem um pouco grandes.

Acho que foi aos treze aos que minha mão já não conseguia pegá-los inteiro?

Ok! Vamos deixar esses pensamentos de lado e focar na aventura que esta preste a começar!

O barbudo cinzento já anunciou a começo da viagem, então vamos marchar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tedioooooooooooooooo!!!!

Nunca pensei que eu iria ansiar por alguns ladrões aparecerem.

Tudo que fazemos e caminha ao lado da caravana enquanto mantemos nossos olhos atentos nas redondezas.

Nem mesmo uma lebre chifruda ou uma lebre vermelha que são os monstros mais comuns de se encontrar aqui em Pendragon.

Estou realmente entediada, já faz dois dias que estamos caminhando!

Por favor, eu quero chegar logo na capital real!

  • Atenção, se continuarmos como estamos, chegaremos a capital ao anoitecer! – estimula um aventureiro que parece ter bastante experiência, acho que ela já fez essa rota muitas vezes para saber a hora que iremos chegar.

Mas. Isso!

Apenas mais um pouco!

Apesar de estar já um pouco cansada dessa caminhada acelerada que estamos tendo, ainda posso me manter graças ao meu treinamento.

Capital, espere por mim, estou quase ai!

 

 

 

 

  • Hooo, eu posso ver o castelo! – acabo vazando minha voz ao ver o castelo se formando no horizonte.

  • Haha, vejo que é sua primeira vez na capital. Mas você não vil nada, espere ate poder ver mais de perto – fala o homem experiente para mim.

  • Sim, os portões da muralha também sempre me fazem dar um suspiro de admiração toda vez que o vejo – entra na conversa uma mulher vertida com um conjunto completo de armadura de couro de um lobo branco leve e uma rapier em sua cintura.

Hum, eles parecem legais.

O cara de antes, Carl, tem ate uma aparência boa, cabelos castanhos claros, olhos azuis, tem um corpo musculoso, um sorriso no rosto e é bom de papo.

Em conjunto com sua aradura de couro reforçado azul, e sua espada de duas mãos em suas costas, ele parece um tipo de herói dos contos. Só faltava a armadura de melhor material, daí sim.

Mas ele é velho de mais para o meu gosto.

A mulher da rapier também, seu nome é Misali, longos cabelos negros em um rabo de cavalo, olhos castanhos escuros, e um belo corpo, apesar de seus peitos serem menores que os meus fufufu.

Parece que eles fazem parte de um grupo. E durante o tempo ate chegar a capital eu fiquei conversando com os dois, apesar de eu mais ficar ouvindo suas historias de caça, o que me deixou com inveja.

 

 

 

 

 

Já esta escurecendo, a tão aguardada hora da minha chegada à capital chegou.

Eu posso ver o colossal castelo (exagero) de grandes pedaços de blocos de pedra polida através das muralhas no alto da colina.

A capital foi construída em um enorme morro, com o seu castelo no topo, e uma estrada que desse em linha reta nas quatro direções a baixo, deixando-o bem visível. Mesmo que tenha a muralha externa e interna.

Chegando mais perto da muralha externa, eu posso ver gravuras no portão de metal negro contando histórias do antigo herói, que foi o fundador desse reino, o herói Arthur Pendragon.

Assim posso entender o motivo que Misali suspirava toda vez que o via.

A caravana para na enorme fila de carruagens e outras caravanas para passar pela inspeção e finalmente entrar na cidade.

Depois de um tempo considerável, nossa vez finalmente chega!

O barbudo apresenta seus documentos e entrega uma carta aos guardas.

Após lerem, eles enrijecem seus corpos e deixam a caravana passar sem precisar passar pela inspeção.

Então no final o conteúdo transportado que é importante!

Bem, depois de apresentar nossas IDs aos guardas, nos passamos sem sermos inspecionados também. Sim!

Finalmente, a capital!

Eu passo pelos portões me segurando para não gritar de emoção.

Carl e Misali que me vem começam a rir de mim, mas eu não me importo, ate porque, eu estou finalmente na capital! Nada estragara esse momento!

 

 

 

Depois de receber placa de receber a prova da conclusão da missão, eu vou em direção a guilda para receber o pagamento.

Passo pela grande rua leste cheia de vida e aromas das barracas que fazem meu estomago roncar e entro em um dos prédios da guilda dessa cidade.

Um prédio de dois andares, que é basicamente a mesma coisa da minha cidade, apenas não tem o andar do guild-master, que deve ficar no prédio principal da guilda dessa cidade.

Depois de receber meu pagamento, que foi uma boa quantia de duas moedas de prata!

Agora com isso eu tenho minhas cinquenta moedas de prata para o Mestre, duas moedas de prata para minha estadia, que deve durar uns vinte dias em alguma pousada mediana, e agora tenho mais duas moedas de prata para os bens comuns.

Isso deve dar em um total, com três refeições ao dia, de treze dias sem me preocupar com comida. Claro, só durara esse tanto porque não irei comer coisas de um cobre, poderei finalmente saborear comidas de cinco cobres todo dia!

Se eu comece comidas de um cobre, iria dar um total de dois meses de alimento garantido, mas não quero mais comida podre!

E também, conforme irei fazendo missões, eu poderei começar a ganhar mais dinheiro e aumentar minha qualidade de vida!

Fufufufufu, vejo em um futuro não tão distante um eu com armadura leve de qualidade enfrentando os monstros e saboreando deliciosas refeições.

Talvez líder de uma guilda? (sentido de grupo de aventureiros, e não a guilda em si)

Deixando meus delírios sobre o futuro de lado, eu ando na rua movimentada, iluminada por cristais em pequenos pilares, transformando os arredores em uma linda cena, onda a pessoas andando a todas as direções, barracas vendendo seus produtos, aventureiros de todos os tipos.

Depois de apreciar a imagem dessa linda cidade, eu alegremente vou a uma barraca que produz o melhor cheiro e peso um prato.

  • Tio, eu quero um desses, por favor – falo apontando para a tigela com massa em caldo com tiras de carne.

  • É pra já jovem, são dez moedas de cobre – fala o tio da barraca.

. . . 10!

Isso não estava nos meus planos, mas acho que faz sentido, apesar de não ter muita, ainda a fatias de carne. Carne é cara, acho que não posso fazer nada, irei comer hoje aqui e depois achar uma barraca do meu agrado com um preço mais barato.

Depois de esperar por cerca de dez minutos, o meu tão esperado jantar esta pronto.

Fufufufuf, mau posso esperar para saborear essa essa essa . . . essa comida.

Quando estava preste a colocar a colher na boca.

BOOOOOOOOOOOOOOOOOM!!!!!

Uma enorme explosão acontece fazendo o chão inteiro tremer.

Eu olho na direção de onde a explosão veio e vejo que dentro das muralhas internas, onde os de sangue real residem, luz azul ilumina o céu.

Eu não sei o que aconteceu se foi um ataque terrorista, um demônio, uma revolta, ou seja, la o que for.

Eu apenas sei que.

 

 

 

 

 

 

A MINHA COMIDA CAIO NO CHÃO!!!!

NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOOOOO!!!!!

O tio da barraca me olha e diz.

  • Sem reembolso.

.

.

.

.

.

.

.

Filho da puta.

Comentários