A batalha contra os jaguares

Corpos de jaguares sem um resquício de vida estavam pelo chão, muitos sem membros do corpo, suas entranhas espalhadas.

Em meio a isso, um garoto de longos cabelos negros enfrentava um jaguar albino, que aparentava ser totalmente diferente de todas as outras bestas caídas a seu lado.

Os dois já pareciam estar fatigados, o menino com sangue por todo seu corpo. Varias evidencias apontando que provavelmente essa é uma batalha que durou horas.

Depois de se encararem por alguns segundos, o jaguar avança em direção a ele. O menino que já havia esperado por isso, apenas permaneceu parado.

Devo usar esse movimento da ‘Técnica da suavização’.

A besta ignorou totalmente a ação incomum de seu inimigo, e com uma visível liberação de Qi, ela ficou muito mais rápida enquanto abria sua boca.

Quando a distância entre ela e o garoto era apenas alguns centímetros, o jaguar agora acreditava que nesse confronto ele tinha sido vitorioso, e se preparou para morder sua presa depois de soltar um grande urro.

Percebendo que seu ataque não foi concretizado e que o garoto não estava mais em sua visão, a besta sentiu um desespero sem fim.

Ariel, um segundo atrás, com sua arte marcial que ‘melhorava seus movimentos’, dirigiu seu corpo para cima, e depois de girar seu corpo completamente, estava com sua cabeça para baixo e sua mão aberta em direção ao jaguar.

“Agora!”

No mesmo instante, os pés de Ariel começaram a irradiar faíscas e suas mãos ainda abertas, estavam sendo preenchidas com a última quantidade de energia em seu corpo.

Por mais que o jaguar albino conseguiu dobrar levemente sua cabeça em direção ao céu, a única visão que seus olhos captaram foi a da mão de Ariel esmagando sua cabeça com o chão.

Depois do término do confronto final, o corpo de Ariel despencava do ar, seus olhos fechados, seus braços e pernas sem se mexerem.

Eu vou morrer ? Foi seu último pensamento antes de seu corpo se chocar com o solo.

Na montanha perto de Kotai, Kanri estava sentado em posição de cultivo.

Porém ele não estava fortalecendo seu corpo, ele estava direcionando suas energias para uma pedra cinza que flutuava no ar.

O ancião não podia mais subir seu nível de fortalecimento, o que estaria ele fazendo ?

A resposta é que Kanri estava se preparando para um destino que segundo ele, poderia destruir tanto o velho quanto seu discípulo.

A pedra cinza parece ser uma pedra comum, porém é uma joia catalisadora armazenadora, na qual Kanri tem guardado há muitos anos esperando usa-la em uma situação desesperadora como essa.

A função dela é a de armazenar poder gradualmente e depois ser absorvida por um cultivador. As energias de Kanri que estão indo para a joia, são sua energia corporal, elementar e o seu Qi. O dano que essa técnica de transferência de energia pode causar é a diminuição da vida útil de um cultivador, ou até… sua morte.

Como o mestre de Ariel já foi um dia muito mais forte do que agora, existem frações de seu Qi antigo no seu Qi atual, fazendo com que seu Qi seja muito mais forte do que qualquer um pode imaginar. Isso tudo contribui para a potência da energia que vai ser armazenada na joia.

Kanri estava disposto usar essa técnica até que a destruição que ele esperava o encontrasse.

Voltando ao pântano de Cegadum, Ariel acabava de acordar, e rapidamente procurou algum lugar um pouco seguro até curar seus ferimentos.

Ele conseguiu achar algumas ervas para melhorar seu corpo graças a informações em livros que já tinha lido então tudo que precisava era de segurança e tempo. Graças a seu mestre, ele leu varias coisas que continham informações sobre esse lugar, seja bestas e plantas.

“Parece que aqui só existem bestas da segunda camada da terra, ótimo.”

Caminhando por alguns minutos, ele achou uma parte do pântano onde tinham inimigos que não eram uma ameaça com seu poder atual.

Depois de encostar seu corpo em uma árvore e manifestar seu Qi para afastar monstros fracos, ele começou a lembrar dos eventos que aconteceram nos últimos dias e principalmente nessas últimas horas.

Passou um mês desde que entrou nesse lugar, e por incrível que pareça, Ariel alcançou o quarto nível da terra, mas sentia que a dificuldade para a quinta camada seria incrivelmente maior.

Nos primeiros dias, ele encontrou bestas do segundo ou terceiro nível da terra, demorou um tempo até se adaptar com seus novos inimigos. Mas quando esse tempo passou, nenhum monstro da terceira camada era páreo para ele, e até conseguia matar grupos deles sozinho.

Nesses últimos instantes, sua vida ficou em perigo constante.

Ao eliminar mais de 10 jaguares do terceiro posto, Ariel estava contente com o resultado, porém outros inimigos começaram a aparecer, primeiro foram 3 jaguares da  quarta camada, e apenas eles já colocavam certo risco a vida de Ariel.

Foi sua primeira vez contra oponentes relativamente mais fortes.

Conforme o tempo passava, o garoto ficava impressionado em como as bestas usavam Qi e outras energias enquanto atacavam. Lutando e gastando energia com sua magia ‘Passos da tormenta’ e sua arte marcial ‘Punhos do Imperador’, Ariel conseguiu derrotar os 3 jaguares.

Quando suspirava de alívio, outra besta entrou em sua vista, era um lindo, admirável jaguar albino, qual não emanava força igual à quarta camada da terra.

Vendo isso, Ariel mal conseguia piscar, era um jaguar da quinta camada !

Talvez ele conseguisse fugir se usasse ‘Passos da tormenta’, mas por algum motivo o sangue de Ariel ferveu ao perceber a situação em que estava, e assim ele decidiu ficar e lutar com o jaguar.

Depois de horas lutando incansavelmente, ele conseguiu derrota-lo usando sua última gota de energia. Foi nesse momento que Ariel entendeu a importância dos 10 dias em que passou fortalecendo seu Qi, esse pequeno período de tempo mostrou sua importância nessa luta.

Graças a isso, Ariel atingiu a força de 6 Kaizens.

Terminando de recordar essas coisas, ele começou a espalhar a solução de ervas no seu corpo, tentando atingir todos os seus machucados, dos mais críticos até os menores.

Ele ficaria alguns dias assim até conseguir se recuperar, enquanto isso ele apenas cultivaria e não entraria em combate.

Ao ficar algum tempo sem cultivar continuamente, Ariel sentiu uma leve diferença na sua absorção de energia, o levando a pensar: Seria possível a experiência de lutar com bestas e até uma bem mais forte que ele e as derrotar, interferir positivamente no cultivo ?

Isso ele não sabia responder, mas entendeu a importância do tempo que vai passar nesse lugar. Tanto em seu fortalecimento e também no amadurecimento de sua mentalidade.

Dez dias passaram-se e o garoto conseguiu se recuperar facilmente, agora ele estava pronto para avançar mais adentro do pântano.

Ariel entendia que a aparição de uma besta de quinto posto nessa área era anormal, um lugar apenas com segundos, terceiros e no máximo quarto níveis de monstros, por que um jaguar da quinta camada daria suas caras por aqui ?

“Talvez ele tenha fugido de seu lugar original ? Por quê ?”

Ele levou suas mãos à cabeça por alguns segundos e de repente.

“Merda ! Isso é obvio, por que nunca pensei nisso ? Provavelmente algo mais forte que ele apareceu em seu habitat, ele poderia estar apenas fugindo… Se eu quiser ir mais para frente vou ter que ser muito cauteloso e estar de prontidão para usar minha magia para fugir.”

Com certeza essa deve ser uma besta bem acima do quinto nível da terra… Ahn ? Que Qi é esse que estou sentindo ?

Virando sua cabeça na direção do Qi, Ariel abriu seus olhos em espanto.

 

 

 

Nota: Se tiverem erros me digam, até o próximo capítulo !

Comentários