O Garoto Sem Rumo

O sol desaparecia da visão de quem estava na floresta do desespero, significando o prelúdio da caçada, quem lá estava presente, podia presenciar alcateias e alcateias de lobos por toda a mata. O número desses animais era ridiculamente excessivo, suficiente para este lugar ganhar o nome floresta do desespero.

Próximo do fim desse lugar uma figura humana podia ser vista. E quem estivesse perto poderia com toda certeza, dizer que tal emanava uma aura com uma imensa vontade de sobreviver. Logo atrás uma alcateia de lobos com sede de sangue avançava com apenas um anseio, o de alcançar sua presa a qualquer custo.

“Ah! Que droga, eles não param de aumentar.” Murmurou a figura num tom de desespero.

Um pouco mais a frente era possível visualizar o fim do solo e outra parte da floresta abaixo com árvores com copas maiores. Sem pensar duas vezes essa pessoa se jogou com o pensamento de que as árvores poderiam amortecer a queda. “Bash! ” Poucos segundos depois um estrondo era ouvido.

“Ha! Ha! Ha! Depois de tanto esforço pra sair daquele lugar vou morrer aqui? Seria engraçado se não fosse trágico.” Após a fala, sua consciência lentamente se esvaiu.

Essa pessoa era Ariel, um garoto de 10 anos que tinha acabado de fugir do seu “cativeiro”. Desde os seus 6 anos de idade, ele foi tirado de seu pai e sua mãe após os ver sendo brutalmente mortos em sua frente. Ele não tem muita memoria de quando e como isso aconteceu, depois de ser pego pelos assassinos de seus pais, ele foi levado para um cativeiro junto com outra grande quantidade de crianças aparentemente com idade próxima a dele.

Depois disso ele foi forçado a se tornar a um assassino e não ter vida própria. Sendo tratado como se fosse um objeto por anos, apenas para saciar a sede de dinheiro e poder de outras pessoas.

Por isso ele não podia aceitar sua morte desse jeito depois de ter matado inúmeras pessoas ordinárias, além dos guardas que teve que matar para conseguir se livrar daquele lugar.

Abrindo os olhos Ariel quase que imediatamente sentiu um sentimento familiar, sim um sentimento que lembrava os tempos que passou com seu pai e mãe antes de os perder, o que lhe causou nostalgia foi a estrutura do lugar em que ele acordou. Parecido com a casa de seus pais, que eram camponeses, essa casa era simplória e aconchegante, o que causava um sentimento de segurança.

“Aaai!, Que dor desgraçada, o que está acontecendo? Eu lembro de ter morrido, E por que estou todo enfaixado? ” Olhando para seu corpo e tentando entender o que tinha acontecido, Ariel se sentia muito confuso. Depois de levantar da cama em que estava, tentou achar uma saída desse lugar, depois de abrir a primeira porta que estava em sua visão, ele viu na varanda da casa um homem que aparentava 60 anos de idade, estatura média e barba cumprida, que transparecia uma sensação de sabedoria, mistério, e… Força.

Percebendo a inquietude e descrença na cara do jovem, o homem se adiantou e disse: “Há! Ah! Ah! Percebo que estás sem uma mínima noção do que aconteceu meu jovem, puxe uma cadeira e sente perto deste velho que irei esclarecer todas suas pendentes dúvidas, e se possível eu também gostaria de receber alguma reposta do jovenzinho.” Vendo que não existia outro caminho, Ariel pegou uma cadeira e se sentou sentindo a dor pulsando em quase todo seu corpo.

“Er… Ahn … O que eu estou fazendo aqui? Como eu sobrevivi? Quem é você? E onde é esse lugar? ” Os olhos de Ariel transbordavam dúvida enquanto ele perguntava ao ancião.

“Calma, calma, vamos por partes, primeiramente você sobreviveu pois eu te salvei, você estava se recuperando de seus ferimentos dormindo por mais de 3 dias, sinta um pouco de gratidão menino.” A pouca insegurança que Ariel sentia desapareceu ao ouvir as palavras num tom de voz serene que saía da boca do ancião.

“Huh? Mas como isso é possível? Claramente era para eu ter morrido, como o senhor me salvou? ”

“He! He! Já percebi que você gosta realmente de fazer perguntas, sim era para o jovenzinho ter morrido, mas no momento em que você se jogou lá de cima, eu estava presente naquela floresta atrás de ervas, e assim que te vi me apressei para tentar salva-lo, e justamente com o uso das ervas salvei sua vida.” Ariel ficou espantado na história que acabava de ouvir, afinal para ele, alguém sem contato com o mundo por anos poderia sequer imaginar que ervas teriam tal poder de cura?

Esperando um tempo até ele terminar de falar Ariel se apressou e perguntou: “Quem é o senhor então, e que lugar é esse? ” O ancião que já esperava a pergunta, levantou-se de sua cadeira e colocando as mãos no ombro do jovem disse: “Eu sou apenas um velho ordinário, mas pode me chamar de Ancião Kanri, ou Kanri, ou do jeito que o jovenzinho quiser, e essa casa está situada em uma montanha alguns km daquela floresta.”

Vendo que Ariel ainda tinha alguma perguntas o ancião, o velho se adiantou e falou: “Por enquanto existem outras coisas para você se preocupar, como seu corpo. Se apresse em melhorar sua condição e depois podemos ter outra conversa agradável, Ha! Ah!, por último, gostaria no momento descobrir ao menos o seu nome, se importa? ”

Pensando melhor, Ariel não tinha motivos para não responder a esse velho de roupas simples e modo gentil de falar, afinal ele tinha salvado sua vida. Assim ele respondeu: “Meu nome é Ariel tenho 10 anos e agradeço por ter salvado minha vida! ”

Um pouco surpreendido pela educação da criança a sua frente, Kanri soltou um pequeno sorriso e assentiu. E assim Ariel deixou a varanda e entrou para dentro da casa com o intuito de descansar seu corpo e se livrar da dor que o estava atingindo desde que levantou de sua cama.

“Velho ordinário é? ” Ele não podia deixar de desconfiar disso, mas o que mais estava em sua mente nesse momento era o sentimento de liberdade, afinal apesar de todo sofrimento que sofreu ele finalmente estava livre! Livre da rotina desgastante que vivenciou por anos. E com o tempo a noite chegou e Ariel caiu no sono com a mente cheia de pensamentos.

Na manhã seguinte, acordando pelo barulho que vinha da cozinha, Ariel percebeu que a dor ainda o incomodava, mas estava menor. Ao levantar da cama ele se dirigiu a cozinha, e viu Kanri sentado em uma cadeira esmagando ervas e ervas junto com um líquido que ele desconhecia. Sem hesitar ele perguntou ao ancião: “O que o senhor Kanri está fazendo? ”

“Isso é uma bebida para fazer com que você melhore meu jovem, essas ervas tem a capacidade de aumentar a regeneração do seu corpo, assim a recuperação leva menos tempo.” Apesar de Ariel estar atônito pelo que acabou de ouvir, ele nem imaginava que essas ervas eram comuns por toda essa região, porém apenas quem tinha conhecimento de suas propriedades sabiam como a utilizar.

“Ande logo e beba isto.” Apesar do jovem estar acostumado a sentir dores frequentemente devido a sua rotina de batalhas no cativeiro, ninguém gosta de ficar nessa situação. Assim sem hesitar, ele rapidamente tomou o líquido de ervas que estava na concha preparada pelo ancião. O líquido amargo e não muito diluído era engolido por Ariel, mas ele não mudou sua expressão nem um pouco.

“Bom acho que não existe motivo para eu me segurar em lhe perguntar isso, gostaria de saber como o jovenzinho Ariel acabou em tal lugar, afinal como alguém novo desse jeito poderia estar vagando dentre a floresta do desespero? ”

Sabendo que a história poderia demorar um pouco a ser contada, com um longo suspiro ele começou a contar todo seu caminho até agora, aos poucos a face do ancião que antes aparentava ser praticamente imutável, foi adquirindo compaixão, pena e entendimento da situação. Desde que avistou Ariel consciente pela primeira vez, ele viu um sentimento indescritível na face do garoto, mas agora ele entedia, sua expressão era de a de um garoto sem rumo e conhecimento do mundo.

“Bom acho que isso seja tudo que tenho a dizer, depois de matar muita gente, a única coisa que me agarrei de verdade foi a única lembrança totalmente clara dos meus pais, mesmo sem entender totalmente, a última frase que ouvi deles: “Sobreviva e mostre seu potencial ao mundo! ”

Após terminar de ouvir a história completa poderia se dizer que Kanri estava atônito, não pelo fato do caminho sofrido que Ariel passou, mas sim o que seus pais disseram enquanto eram mortos em sua frente. Que potencial era esse, que em seus últimos momentos de vida, seus pais preferiram menciona-lo ao invés de uma mensagem de amor a seu filho?

Sem pensar duas vezes, Kanri se adiantou: “O que acha de tornar-se meu primeiro discípulo? ”.

“Díscipulo? O que é isso? ”

“Ha! Ha! Ah! Deixe-me explicar direito, vou te ensinar tudo que é necessário para ser alguém de peso nesse mundo, jovem Ariel existem muitas coisas que você ainda vai vivenciar, pretendo lhe ensinar tudo que sei, ciências, geografia, história, além de outras coisas é claro! ”

“Outras coisas? ” Disse ele admirado pelas palavras do ancião.

“Coisas como… poder. Vou lhe ensinar a ser forte, de mente, corpo e alma meu jovem, por acaso já ouviu falar de magia e fortalecimento do corpo? ”

“Wow! Fortalecimento de corpo e magia podem me fazer forte? ” Ariel não podia conter sua excitação ao ouvir as palavras tentadoras de Kanri. Afinal ele pode ter tido uma vida muito sofrida, o fazendo amadurecer mais rápido, porém ainda era uma criança.

“É claro, mas tudo depende do seu esforço e determinação, devo lembrar você que esse caminho é longo e árduo, porém seu resultado é muito satisfatório.” Vendo que o sorriso inocente na face do garoto, Kanri soltou uma gargalhada.

“E então, aceita garoto? ”

Pensando bem, a resposta estava mais do que clara para Ariel, apesar de ter se esforçado tanto para poder se libertar, ele não sabia o que devia fazer. Mas agora ele recebeu uma oportunidade, uma que poderia transformar toda sua vida.

“Se eu puder ser poderoso como você diz eu aceito!.”

“Ótimo, bom deve demorar cerca de 2 dias até você melhorar completamente, até lá vou te dar todas as informações essenciais, que alguém que viveu isolado precisa saber.” Colocando a mão sobre a cabeça do garoto e entrando na casa, Kanri diz: “Venha, vamos começar.”

Ariel assente e entra pra dentro da casa, o ancião escolhe uma cadeira perto da cama onde Ariel dorme, e assim o jovem deita na cama pronto para escutar o que o velho tinha a dizer.

“Atualmente estamos no ano de 8992 do calendário Susou.”

O calendário Susou é predominante em quase todo mundo, apenas poucos lugares não usam ele.

“Pra ser mais preciso, essa montanha esta situada a poucos km de um pequeno vilarejo do país Moran, um dos 5 países deste continente. Atualmente a situação entre eles está pacifica, mas suspeito que não por muito tempo.” Conforme ele ia falando Ariel quase não piscava com medo de perder alguma parte da explicação. Segundo o que Kanri disse, a situação não estava nada boa entre os países, apesar de não ter existência de nenhuma guerra no continente, os países já estavam arrumando aliados e preparando seu poderio militar para o futuro. Parece que essa tensão começou devido a morte de alguém de suma importância de algum dos países.

“No continente Asui, além do país Moran em que está agora, os outros 4 países são: Casides, Zeóhs, Bartai e o país que teve alguém importante morto, Rusloan. Acredito que essa tensão vai resultar em uma guerra cerca de 5 ou 7 anos mais tarde.” Por algum motivo, Kanri parecia orgulhoso ao falar dos países.

“Ariel, nesse mundo o poder individual vale muito, quanto mais forte você for, mais alto será seu lugar na sociedade. Através da meditação, treino físico, e feitiços você poderá se tornar forte. Atualmente os níveis de fortalecimento do corpo que existem são muitos, mas os que vou te dizer são os primeiros.”

“Primeiramente vem os 12 níveis, postos ou camadas da terra, e após o decimo segundo nível você adentra a primeira de 12 camadas do céu, porém esse é apenas o começa pra quem busca o caminho da imortalidade, o caminho de uma divindade.” Ao falar Kanri não poupava palavras e não podia esconder o sorriso em seu rosto.

“Senhor Kanri e o que vem  depois disso? ”Ariel ficava cada vez mais empolgado, e sua curiosidade de criança aparecia cada vez mais.

“Isso não tem necessidade de lhe ser dito agora. Quando você tiver se recuperado totalmente, vou dar início a seu treinamento, além de te ensinar a ler e escrever. Por hora sua condição já é suficiente para irmos ao vilarejo comprar algumas roupas e mantimentos.” Ouvindo isso Ariel estava realmente feliz, depois de anos sem relacionamentos de verdade, ele acabou de encontrar alguém que lhe tratava com um ser humano e que realmente se importava com ele.

E assim Kanri e Ariel partiram para o vilarejo perto da montanha, o nome dessa vila era Kotai. O que esse lugar tinha de diferente era que ele não pagava impostos a capital do país. Então ele não tinha relação com quem comandava a região, pouca gente tinha conhecimento dele, o que o tornava pacífico. Chegando ao local Kanri sinalizou em direção a uma mercearia na entrada da cidade.

Pouco antes de entrar Ariel viu algumas crianças e moças sussurrando e dando risadas endereçadas a ele. Incomodado ele falou: “ Por que elas estão rindo de mim? ” Depois de uma curta risada Kanri disse: ”Calma meu jovem elas não estão zombando de você, é que apesar de ainda ser uma criança você é bonito, isso provavelmente vai acontecer algumas vezes, então não se esquente com isso.” Depois de anos trancafiado em um pequeno espaço sem muito contato com gente de sua idade, muito menos garotas, ele não entendia o motivo disso, mas Ariel é realmente atraente, rosto bonito, com uma estatura média alta e ombros largos ele aparentava ser mais velho, além de seus olhos e cabelo negros na altura dos ombros.

Após poucos minutos os dois saíram carregando algumas peças de roupa, comida e outras substâncias.

“Uau! Por quê pegamos tanto coisa senhor Kanri? ” Ariel não podia evitar de se sentir confuso.

“Já que vamos passar meses sem sair da montanha é obvio que devemos levar algumas coisas não acha? ”

“Uhn? Meses como assim? ” Ele estava surpreso por ouvir isso, ele não sabia como seria esse processo para ficar forte.

“Para seu nível da terra de fortificação de corpo aumentar, a melhor maneira é a meditação, e isso melhora quando você está totalmente imerso no treinamento e sem contato com o exterior e sim em contato com a natureza.”

“Quando voltarmos a montanha vou testar sua aptidão com os elementos. Não faça perguntas sobre isso, irei te explicar ao chegarmos na montanha.” Ariel ficava surpreso a cada momento que Kanri falava sobre fortalecimento de corpos, existiam tantas informações sobre esse assunto que ele mal imaginava.

“Senhor Kanri, quantos anos o senhor tem? ” Essa era uma dúvida que vinha incomodando Ariel a algum tempo, esse ancião sabia de muita coisa, e provavelmente isso seriam anos de acumulo de experiência.

“Mmm! Acredito que esse ano faço 892 anos esse ano.” O jovem ficou em silêncio por um instante por realmente acreditar no que Kanri dizia, mas como ele poderia viver 892 anos?!

“Como pode alguém viver todo esse tempo ancião? ”

“Tudo isso é devido ao fortalecimento de corpo Ariel, conforme o tempo que medita na natureza, o tempo que absorve e usa o seu elemento e é claro quando aumenta suas camadas de fortalecimento de corpo, sua vida útil aumenta em grande quantidade.”

Após alguns minutos os dois tinha chegado à montanha, Ariel não podia conter sua excitação em começar a treinar e descobrir seu elemento. Assim Kanri se adiantou.

“É aqui que sua história começa garoto, vamos lá.”

Sim, esse é o pontapé do longo e árduo caminho que Ariel irá trilhar.

Comentarios em ODDA: Capítulo 1



15

Índice×