iLivro

Um Caminho

 

Todas as crianças estavam reunidas no pátio e a expectativa crescia a cada momento, um segundo era como uma eternidade para eles. Neste momento eles eram o foco principal de todos, não apenas seus pais e familiares estavam lá, praticamente todos os habitantes da província Leão Azure estavam presentes.

Este não era um evento qualquer, se a habilidade despertada fosse poderosa o suficiente, honra e glória estavam garantidos em toda a província e rapidamente seu nome se espalharia pelo continente. Por outro lado, caso não seja agraciado pelos céus e não consiga despertar sua habilidade inata, apenas vergonha e desgraça estariam reservados para o futuro. Em um mundo onde os manipuladores de Shakti governam, ser uma pessoa comum não é nada fácil.

O pôr do sol estava próximo e todos estavam reunidos na área do evento, era um local abaixo do nível do solo de forma circular, dividia em três camadas, cada uma mais larga que a outra, dessa forma era possível suportar todos sem que alguém fosse impedido de ver o tão aguardado momento. Tanto as áreas inferiores, medianas e superiores estavam repletas de pessoas cada vez mais ansiosas, sendo fitados por centenas de milhares de olhares ao mesmo tempo, algumas crianças estavam encharcadas de suor tamanho era seu nervosismo.

Enquanto todos conversavam entusiasticamente, um homem se dirigia à frente do pátio onde as crianças estavam reunidas. Ele era o Patriarca da família Leão Azure. Um velho já de idade avançada tendo os seus 94 anos, quem o olhava logo ficava admirado, sua feição emitia um ar de bravura indescritível, usava um bigode e sua cabeça possuía cabelos apenas nas laterais os quais eram grandes e espetados para cima, apesar da idade, seu físico não era nem um pouco frágil, com grandes músculos extremamente torneados, seu corpo parecia ser mais resistente do que o mais puro aço. Se não fosse pelos cabelos brancos, seu condicionamento físico lhe deixara com a aparência de no máximo 50 anos, talvez nem isso.

Ao chegar à frente do pátio ele se virou para multidão iniciando o seu discurso, sua forte voz ressoou por todo o local, era uma voz grave e profunda que carregava uma pressão avassaladora dando aqueles que a ouviam o sentimento de que o portador dessa voz era um ser inigualável.

— Saudações a todos! Em breve testemunharemos mais um florescer da nova geração. Hoje, vocês deixam de ser crianças, para se tornarem leões e alguns leões se tornarão dragões entre os homens.

— Abracem suas habilidades! Treinem conforme suas naturezas e jamais percam o foco!

— Os leões são conhecidos por sua forte força de vontade e determinação inabalável, quando escolhem uma presa, outras dezenas podem passar em sua frente ainda mais perto do que a que foi escolhida e ainda assim, ele não muda o seu alvo.

— Almejem o topo, alcancem aquilo que sua geração passada não foi capaz de alcançar e conquistem o mundo!

— A honra e a glória de nossa família estão em suas mãos…

Enquanto continuava seu discurso de forma fervorosa, alguns elderes conversavam entre si.

— Humpf, tão fervoroso como sempre. — Disse o Quarto Elder

— Se ao menos as crianças deste ano fossem como as do ano passado tudo bem, mas as desse ano não valem nem o ar que está sendo gasto pelo Patriarca. — Disse o Nono Elder.

— Verdade, esta é uma das piores safras. Apenas alguns são filhos de linhagens promissoras, para ser sincero, apenas o filho do Duque do Norte e o filho do Terceiro Elder são os que realmente me interessam hoje. Disse o décimo primeiro elder.

— Besteira! O que um mestiço como aquele pode fazer? — Refutou o quarto elder.

— Ora Menodor, você não pode deixar que rancores pessoais atrapalhem seu julgamento, todos incluindo você, viram a habilidade que seu irmão mais velho Agláxis despertou a cinco anos atrás. Além de ser uma habilidade única em nossa família, se este garoto usa-la com sabedoria tenho certeza que será uma habilidade muito poderosa. — Disse o Décimo segundo Elder

— Diga o que quiser, mas nenhum deles será tão bom quanto meu filho de sangue puro. E quanto a Azemir, sendo ele o Terceiro Elder ou não, casar-se com um membro de outra família é inaceitável. Me diga, sendo ele o Terceiro Elder, quão bom exemplo ele deu para toda a nova geração?

— Minha bunda que você está realmente preocupado com isso Menodor. Admita, o que você não aceita é o fato de que Azemir recusou a mão de sua irmã quando foi proposta por seu falecido pai e pouco tempo depois assumiu o relacionamento entre ele e Zafiryel. Hehe devo dizer que não foi uma escolha ruim, a beleza de Zafiryel é realmente superior a de sua irmã. — Disse o quinto elder sem se importar com quem estava ao redor, deixando com que ouvissem.

— Você está cortejando a morte. — Disse Menodor. Enquanto caminhava em direção ao quinto elder, seus cabelos esvoaçavam, ao cerrar os punhos, pequenos lampejos podiam ser vistos ao seu redor.

— Humm, vejo que suas bolas cresceram. Tem certeza que quer fazer isso na presença do patriarca? — Disse de forma bem zombeteira e destemida enquanto olhava nos olhos de Menodor.

— Você… — Disse Menodor rangendo os dentes de raiva enquanto se virava para assistir à cerimônia.

— Perspicaz. — Pensou o Décimo segundo elder.

Com o sol emitindo seus brilhos finais, o período do crepúsculo estava próximo do fim. Ao terminar seu fervoroso discurso, o Patriarca Leão Azure inicia aos preparativos finais.

— Que entrem os membros da família Ária Sagrada! Exclamou o Patriarca.

Imediatamente doze membros, seis homens e seis mulheres, saltaram para o centro da área do evento. Todos vestiam um longo manto branco reluzente decorado com adornos em um tom de branco mais escuro. Todos usavam um longo capuz que tampava metade de sua face.

Após chegarem, os doze membros se dividiram nas bordas ao redor do pátio principal. Mantendo suas posições, com seus pés desenhavam símbolos no chão enquanto com suas mãos faziam o mesmo símbolo no ar. Quando terminaram, pilares de luz com o dobro da circunferência de seus corpos apareceram sob os pés de cada um erguendo-os a uma altura de vinte metros.

— Que lindo!

— Quanta sincronia!

— Como esperado da quarta família, realmente fazem jus ao título de família sagrada.
A multidão entrou em êxtase depois que os pilares de luz foram formados, realmente era uma visão muito bonita a noite.

Assim que os pilares se formaram, todos começaram a fazer selos de mãos e inúmeros feixes de luz saiam de seus corpos cada um indo em direção a uma criança, em um instante todas as crianças estavam envoltas em uma barreira protetiva além de outra enorme que protegia todo o pátio.

Os membros da Ária Sagrada são especializados em habilidades de cura e suporte, todo ano inúmeros membros são convocados por diversas famílias para serem responsáveis pela segurança do evento. Como o despertar é involuntário, é comum algumas crianças serem feridas ou até mesmo mortas por outras no momento em que despertam suas habilidades. Por isso, com o passar do tempo, os membros da Ária Sagrada especializados em técnicas de suporte defensivas, desenvolveram uma técnica em conjunto capaz de proteger cada criança individualmente durante a cerimônia.

Com os preparativos prontos, só lhes restavam aguardar. Não passando muito tempo, o sol não podia mais ser visto no horizonte, era noite.

Tensão e expectativa permeavam o ambiente, alguns se entreolhavam, outros cerravam os punhos, enquanto alguns simplesmente não conseguiam conter-se em seus lugares.

Ouve-se um grito vindo de uma das crianças, era o filho do Duque do Norte, em meio a gritos e contorções, protuberâncias podiam ser vistas em várias partes de seu corpo, logo em seguida com um alto som de estalo, dezenas de ossos saíram de seu corpo voando em várias direções a uma velocidade incrível, não eram ossos comuns, eles estavam repletos de eletricidade, mesmo após caírem no chão ainda chicoteavam para todos os lados. Sua roupa estava repleta de buracos, mas seu corpo permanecia intacto.

— Que incrível habilidade! — Exclamou o décimo segundo elder.

— Não disse? Estava certo em nutrir expectativas em torno deste garoto. — Disse o décimo primeiro elder.

— É assustador!

— Parece bem poderosa.

— Ainda bem que os membros da Ária Sagrada estão aqui. Só este garoto poderia ter matado dezenas de crianças. — Disse alguém entre a multidão.

— Heh… Como esperado de meu filho. — Disse o Duque.

Logo em seguida criança após criança começaram a despertar suas habilidades inatas. Algumas exerciam campos eletromagnéticos, outras simplesmente disparavam raios dos mais variados lugares do corpo, nada muito fora do normal foi visto. Como alguns haviam previsto a atração principal girava em torno do filho do Duque do Norte e Zorgnatron.

— Nosso filho está muito inquieto, mas ainda continua o mesmo, o que acha Azemir?

— Não sei, mas nem todas despertaram ainda, vamos aguardar. — Disse Azemir enquanto aumentava a força com que segurava a mão de sua esposa.

— Heh, maldito Azemir, espero que seu filho seja um completo inútil a partir de hoje. — Pensou Menodor enquanto olhava para os pais de Zorgnatron que estavam de mãos dadas com expressões aflitas em seus rostos. Como que percebendo o olhar de Menodor, Azemir direciona o olhar para área em que os elderes estavam reunidos e percebe o sorriso de Menodor enquanto o olhava. Azemir cerra os olhos em direção a Menodor e volta a prestar atenção em seu filho.

Mais e mais crianças manifestavam suas habilidades recém despertadas e Zorgnatron estava cada vez mais ansioso. Por estar na primeira fila, a pressão que sentia vinda dos olhares de todos era ainda maior. Ofegante devido ao pânico, e presenciando mais e mais habilidades sendo despertas, já não conseguia conter-se em seu lugar.

— Marido! Disse Zafiryel enquanto lágrimas escorriam de seus olhos.

— Tenha fé, ainda não acabou. — Disse Azemir enquanto direcionava o olhar para Menodor que continuava a encara-lo. Raiva começou a crescer dentro de Azemir, apesar de se conter e não sair do lugar, abaixo de seus pés dois minúsculos buracos com mais de seiscentos metros de profundidade haviam se formado.

Para não cometer nenhuma besteira, ele havia descarregado toda energia negativa de seu corpo para o solo na região de seus pés, assim, além de ninguém perceber o ocorrido ele foi capaz de aliviar o estresse e se conter.

— Olhando para seus pais que o encaravam com um sorriso forçado no rosto, pânico começou a tomar conta de si. Em meio ao desespero, Zorgnatron começa a sentir uma forte pressão em sua cabeça, imediatamente para de andar e se concentra.

Sentindo sua boca molhada e um gosto de ferrugem, leva uma das mãos entre a boca e o nariz, ao sentir algo quente ele abre os olhos, era sangue. Zorgnatron arregala os olhos e um pânico maior que o anterior preenche todo o seu ser.

Sentindo-se um pouco zonzo começa a dar passos cambaleantes e uma quantidade de sangue ainda maior começa a sair de seu nariz, logo depois sentindo uma pressão ainda maior em sua cabeça, sangue começa a jorrar de seu nariz como se fosse uma fonte de água corrente.

— ZORG! — Gritou sua mãe ao ver o filho cair no chão cheio de sangue.
Imediatamente seu pai salta da plataforma quebrando a barreira principal feita pelos doze membros da Ária Sagrada em conjunto como se não fossem nada e em seguida quebrando a barreira individual que cercava seu filho.

— Azemir! O que pensa que está fazendo? — Exclamou o patriarca enquanto franzia o cenho.

Sem proferir qualquer palavra, lançando um olhar feroz em direção ao Patriarca, Azemir desaparece com seu filho nos braços. Ao olhar para o assento onde Azemir estava anteriormente, três lugares vazios podiam ser vistos. Sua esposa e seu outro filho também haviam saído.

— Insolência. — Pensou o patriarca.

— Isso não poderia ter sido melhor. — Disse Menodor com um largo sorriso no rosto.

Dois dias depois

— Como está nosso filho? — Perguntou Azemir a sua esposa.

— Não consigo entender, aparentemente ele está bem. Mas por algum motivo ele não acorda, o que acha meu pai? — Disse Zafiryel.

— Enquanto ele não acordar é difícil dizer com precisão o que pode ter acontecido, mas levando em consideração ao que aconteceu durante a cerimônia, acredito que ele não suportou a angustia e o estresse por não ser capaz de despertar sua habilidade inata e acabou entrando em colapso. — Disse Asdrael em um tom extremamente abatido enquanto acariciava sua barba com uma expressão triste olhando para o chão.

— Marido, se isso for verdade o que faremos?

— Faremos tudo o que pudermos para apoia-lo apenas isso, devemos esperar nosso filho acordar. Mas você sabe o quanto nosso filho é emotivo, se isso realmente tiver acontecido, ao acordar o que ele menos precisa ver são nossas expressões abatidas, quando ele acordar não deixem transparecer nenhum sinal de tristeza. Ele ainda não acordou então existem várias possibilidades. — Disse seu pai em um tom firme.

…humm… Mamãe… Papai…

— Irmão, você acordou! Disse Agláxis enquanto corria para o lado de seu irmão.

— Sim, o que aconteceu?

— Filho, você desmaiou e ficou desacordado por dois dias. Como você se sente? — Perguntou sua mãe, se esforçando para não mostrar uma expressão preocupada.

— Eu estou bem mãe, não se preocupe. Me sinto bem e estou normal…normal…

Ajoelhando-se na cama, com seus olhos arregalados e colando as mãos em sua cabeça, em meio ao desespero ele começa a gritar.

— MÃE EU ESTOU NORMAL MÃE! Eu estou normal! Normal! Me desculpe pai, eu envergonhei você, me desculpa, me desculpa…

— BASTA! — Gritou seu pai.

— Acalme-se agora meu filho, não vai lhe ajudar em nada entrar em desespero. Filho, preste atenção no que vou lhe dizer. Com habilidade ou sem habilidade, nós ainda vamos te amar, isso não vai mudar o fato de que você saiu de nós. Você é sangue de meu sangue e deve manter uma postura firme e forte, você está me ouvindo?

— Sim pai, eu compreendo. — Disse Zorgnatron.

Devido ao clima tenso ninguém percebeu, mas foi a primeira vez na vida que ele usou a palavra “compreendo”, ninguém ali tem o costume de usar essa palavra.

— Isso é bom. — Disse seu pai. — Agora que você se acalmou, não quero que tente fazer nada que possa requerer o uso do Shakti, pois caso você realmente não tenha desperto sua habilidade, isso pode mata-lo. Mas feche seus olhos, você não sente nada de diferente dentro de você?

Zorgnatron sentou-se na lateral da cama, fechou seus olhos e respirou profundamente.
— Infelizmente não meu pai. Sou um completo inútil.

Ao ver Zorgnatron referir a si mesmo como um inútil, ao lembrar das expectativas que nutriam em torno dele, todos os presentes tiveram dificuldades para conter suas emoções. Todos mantinham presos um nó na garganta, e sem conseguir se expressar, o silêncio predominava naquele naquele quarto.

Incomodado com o clima tenso, seu avô de forma apressada tenta quebrar o silêncio.
— Se for para ser um inútil, então que seja o maior dos inúteis…. Não pera, isso ficou estranho… — Raspou a garganta e começou de novo.

O que eu quis dizer é que meu neto não será um inútil qualquer, você pode não ser capaz de manipular o seu Shakti, mas e daí? Isso não quer dizer que você tenha de levar a vida de um humano comum, isso eu não permito! Mesmo dentre os menores você tem que ser o maior, tenho algumas pessoas tanto na Guilda tecnológica quanto na Associação dos Alquimistas que me devem um ou dois favores.

Se você estiver disposto ainda existe um caminho no qual você pode trilhar, me diga, entre a Guilda Tecnológica Ferro Negro e a Associação dos Alquimistas de Gaia, qual você prefere participar? É só dizer que partiremos amanhã.

Zorgnatron ficou estático por um momento, mas logo começou a pensar.

— Humm, pra falar a verdade aquele prédio ainda não saiu da minha cabeça, parece tão imponente. O que eu faria se se fosse para lá? Bom, com certeza envolveria o desenvolvimento de armas, armaduras e algo mais envolvendo a tecnologia, mas não faço ideia do que essa tecnologia iria abranger, como voltei pra casa faz pouco tempo ainda tem muita coisa que preciso conhecer.

— Por outro lado, a Associação dos Alquimistas de Gaia é mais fácil deduzir o que fazem, provavelmente irei aprender sobre a fabricação de pílulas e elixires usados em combates tanto para fortificação de suas habilidades, quanto para tratamento de feridos.

— Lidar com armas ou aprender alquimia. Bom a alquimia pode servir tanto para fortalecer o ataque quanto para curar e salvar vidas, levando em consideração a habilidade de cura da mamãe, acho que vou ajudar muito mais pessoas me tornando um alquimista do que indo para a guilda tecnológica. É, está decidido! — Pensou Zorgnatron.

— Vovô, quero fazer parte dos Alquimistas de Gaia. — Disse Zorgnatron de forma decidida.

— Bom, muito bom. De fato, a meu sangue em suas veias, mesmo que de forma limitada, ainda predominou as habilidades curativas e de suporte em sua decisão. Partiremos amanhã pela manhã.

— Espere meu pai, por favor nos dê pelo menos uma semana. Sei muito bem os fundamentos da associação, depois que meu filho entrar quase não poderei vê-lo, deixe-me aproveitar esses sete dias ao máximo por favor. — Disse Zafiryel enquanto liberava as lágrimas que havia contido com muita dificuldade.

— A filha. — Suspirou Asdrael. — Quanto mais eu demorar, mais difícil será para mim, mas tudo bem, como você só poderá vê-lo uma vez por ano irei conceder-lhe esse desejo.

O tempo passou, e logo sete dias haviam se passado, Azemir e Zafiryel deram tanto carinho quanto puderam dar a Zorgnatron, quanto a Agláxis, ele esteve estranho todo o tempo, ele sempre sonhara em fazer missões e lutar ao lado de seu irmão, era visível seu estado deprimido.

Ao partir, sua mãe deu-lhe um anel de fissura espacial branco, repleto de roupas, comidas e roupas de cama, era o suficiente para um ano inteiro. Seu pai também lhe presenteou com um anel de fissura espacial branco contendo um tele transportador de texto e trinta mil cristais da terra, com eles Zorgnatron poderia viver tranquilamente como um humano comum por um bom tempo.

Todos se despediram, de forma pesarosa todos se abraçaram e viram Zorgnatron partir.

Nove anos depois…

Comentarios em OSZ: Volume 1 Capítulo 4

Categorias