PTO: Capítulo 106


Capa PTO

Praise the Orc!

Autores: Lee Jungmin
Tradutor: Pyown

Grande Guerra do Norte (2)

Os inimigos atacaram sem parar contra os muros.

“Haaaah”

“Caska, não há tempo para respirar um suspiro de alívio.”

“Eu sei, eu sei.”

Ela voltou a amarrar sua corda. Seu trabalho era puxar continuamente a corda do arco e lançar projéteis até os muros colapsarem. Assim que ela perfurou a cabeça de um inimigo com uma flecha, ela dispararia uma nova flecha, proporcionando aos muros a possibilidade de durar um pouco mais.

Agora os inimigos estavam perto. Os muros tremiam violentamente.

A bola de fogo de um mago caiu no meio dos inimigos. No entanto, a magia do xamã orc impediu-a de causar danos. A bola de fogo se espalhou e se tornou centenas de pequenas faíscas, desaparecendo no ar.

Onde estava o xamã inimigo? Os olhos de Caska varreram o campo de batalha. Entre todos os orcs em armadura desgastada, ela descobriu um orc vestindo um manto.

“Mire no xamã.”

“Eu também farei isso.”

Caska e seu chefe apontaram suas flechas ao mesmo tempo. Parecia que os olhos do xamã estavam de frente para eles.

Ela apontou para seus olhos amarelos. Caska e os olhos do xamã se encontraram através da longa distância. Parecia que ele já sabia de tudo sobre ela. Náuseas surgiram em seu estômago vazio.

As pontas dos dedos de Caska soltaram a corda. Duas flechas voaram lado a lado, cortando o ar em direção à testa e aos olhos do inimigo. O cajado do xamã balançou uma vez. As flechas pararam em frente ao nariz do xamã e se viraram. A ponta de ferro das flechas olhou para eles antes de seguir sua própria trajetória. Então elas começaram a se mover nessa direção.

“Abaixe!”

Caska se ajoelhou. As flechas estavam voando de volta para eles.

Reversão.

Rattle.

Havia um som. Caska fechou os olhos. Seu ombro direito estava quente e ela podia sentir o cheiro de sangue. Seu corpo foi ferido de se jogar tão rápido.

Esse era um campo de batalha. A vida e a morte foram momentos fugazes.

Ela ergueu o corpo sem olhar para trás. Seus supervisores foram mudados muitas vezes, e o supervisor designado para ela hoje mais uma vez tornou-se um cadáver a seus pés.

“Morreu como um tolo.”

Ela puxou a corda do arco. O xamã não podia ser visto. A flecha tremia, com a ponta da flecha apontando para baixo.

Orcs estavam subindo pelos muros. Um orc estava pisando em uma escada. A escada era baixa e na verdade não se agarrava ao muro, mas eles não olhavam para trás e continuavam subindo os muros como formigas. No momento em que um dos orcs pisou na escada, outro seguiu atrás.

A flecha de Caska visou a cabeça do orc subindo. Ela manteve contato visual com o orc enquanto mirava.

Isso a fez sentir náusea. A flecha foi para baixo. O orc foi perfurado e caiu. Não, isso estava errado. O orc atrás dele subiu a escada novamente sem uma mudança de expressão.

Caska foi rápida. Ela carregou uma flecha novamente. Então ela atirou. O orc morreu. O orc posicionado atrás dele subiu a escada novamente. Mate e mate novamente, os soldados repetiram a mesma tarefa, como se fossem brinquedos. Não houve falhas repetidas.

“Caska! Você tem alguma flecha?” Perguntou seu colega.

Caska verificou sua aljava e descobriu que havia apenas duas flechas. Ela carregou uma das flechas. “Não.”

“Droga! O que você está fazendo?”

Caska apontou cuidadosamente a flecha enquanto ignorava a voz nos ouvidos. Ainda tinha duas flechas.

Ela estava procurando o xamã que matou seu chefe. Ela olhou em volta de todo o campo de batalha para matá-lo, mas todos os orcs pareciam o mesmo. Como esses caras detestáveis ​​reuniram esses números para se tornar um exército? Foi um feito muito difícil, mesmo que todas as espécies fossem todas guerreiras. Se todos os orcs carregavam uma arma, não eram uma espécie amaldiçoada?

“Bastardo sujo.”

Ela encontrou o rosto do xamã. O xamã estava segurando seu cajado e murmurando alguma coisa. Ele tinha uma escolta para proteger seu corpo indefeso, mas havia espaço suficiente para que sua flecha penetrasse.

Ela apontou a flecha, esvaziou sua mente e sentiu o fluxo com seu corpo. Era como criar a cerâmica mais bonita. Assim como a mentalidade de um oleiro criando a bela curva, ela calmamente puxou a corda do arco.

Ela puxou a flecha para trás o mais longe possível porque imaginava que ela perfuraria o pescoço do orc. Como quando ela estava escolhendo o menu do jantar. A flecha deixou a corda do arco. E convergiu no alvo longe em um instante. A flecha perfurou um pescoço.

Caska murmurou: “Que irritante.”

Em um piscar de olhos, os olhos do xamã se arregalaram quando ele parou o encantamento e puxou o corpo de um guarda para ele. A flecha atingiu o soldado orc em vez do xamã. O fim da flecha perfurada parou logo antes do nariz do xamã orc.

Ela imediatamente tirou uma nova flecha. Ainda restava uma. A flecha voou para as costas do xamã como se fosse apontada para um inimigo que estava fugindo. Mas a velocidade do xamã aumentou bruscamente. Ele se moveu mais prontamente do que esperava.

Sua flecha pegou sua panturrilha. O xamã desabou no chão. Ele rastejou enquanto olhava para trás. Ela largou sua aljava vazia e tirou um punhal pendurado na cintura.

Ela pegou a cabeça do supervisor morto.

“O que você está fazendo, Caska?”

“Cale-se.”

O sangue se espalhou por todo o lado quando o cérebro explodiu. Ela cortou-o firmemente e tirou a flecha que tinha passado a sua cabeça. Estava quente. Ela colocou a flecha manchada de sangue em sua corda. O sangue quente do supervisor pintou sua bochecha quando ela puxou a flecha para trás. Ela podia sentir sangue na boca.

Caska soltou uma risada terrível.

“Realmente … irritante.”

Sua flecha dividiu o ar. Todo o resto era bobagem. Ela queria matar. Esse bastardo miserável, ela precisava se livrar dele. Mas o xamã murmurou alguma coisa e uma barreira se formou ao redor dele, fazendo com que a flecha dela ricocheteasse. A barreira colapsou do golpe. A flecha perdeu força e caiu no chão.

O xamã suspirou com alívio. Em poucos segundos, os outros soldados orcs o cercaram e se tornaram um escudo protetor.

Agora, ela não tinha mais flechas restantes. Caska riu novamente antes de chutar a grade do muro.

“Droga!”

“Caska.”

“Droga!”  Ela pegou a roupa de um colega. “Vou matá-lo, então me dê uma flecha.”

“Não.”

“Por que você não me dá uma flecha?” Ela gritou alto.

Os orcs subiam gradualmente os muros, mas há muito deixaram de prestar atenção. Havia uma estação de abastecimento carregando flechas longe, mas para elas ainda era longe.

“Não seja tola. Apenas use sua faca.”

“Eu não posso usar uma faca!”

“Não me importo.”

“Hah.”  Ela chutou os pés com raiva.

“Pare.” Um colega a segurou.

Caska olhou para o xamã com os olhos vermelhos. Ele estava sendo escoltado na parte traseira por soldados.

Esse xamã os incomodava desde os primeiros dias do cerco. Ele era o comandante realmente. Os guerreiros estavam sempre na frente lutando, enquanto o que julgava e dirigia a situação era o maldito xamã.

Naquele momento, ela viu alguma coisa. “O que é isso?”

Do norte, uma enorme grande espada brilhava sob o sol quente. Havia um orc carregando-a sobre seus ombros. Todo o seu corpo estava cheio de tatuagens primitivas.

“Alguém do Grande Clã.”

“Mas a aparência …”

A espada parecia mais com um mastro de bandeira do que uma arma. Ele encontrou o grupo do orc xamã. Eles gritaram para ele. O orc com a grande espada não respondeu e apenas levantou a grande espada do seu ombro.

Ela sentiu um arrepio horrível à visão do orc manejando um objeto tão pesado com apenas uma mão. Ela podia sentir isso. Ele não pertencia a nenhuma categoria que tinha visto antes. Uma nova espécie.

Naquele momento. A grande espada cortou o espaço horizontalmente. Os soldados, incluindo o xamã, foram divididos ao meio e seus corpos voaram pelo ar. Sangue e órgãos foram espalhados por todo o chão.

Foi causado por um único ataque.

“Ah …”

A boca do colega ficou aberta. A expressão de Caska também congelou. O orc atravessou o horror que criou e se aproximou dos orcs atacando os muros.

A boca aberta de Caska gradualmente se transformou em um sorriso.

Toda vez que o orc balançava sua grande espada, mais orcs morreriam. Os orcs não se preocupavam com a retaguarda e se agarravam aos muros sem qualquer pensamento, além de disparar as armas de cerco em direção aos portões.

O orc com a grande espada estava caminhando atrás deles e derrubando todos os orcs. O sangue voava no ar toda vez que uma vida era tomada. Foi um golpe que as flechas não conseguiram lidar.

Um banquete de matança.

“Legal.” Os ombros de Caska tremiam quando ela riu. “Muito legal, esse orc …”

Kwaang!

Os portões romperam com um som. Orcs começaram a ser sugados de imediato para o portão. Os elfos negros bloquearam os inimigos com as lanças, mas foi como impedir uma maré vindo. Naquele momento,

“──────!”

Um enorme rugido foi ouvido. Os elfos negros e orcs viraram-se para a fonte do som. Foi um rugido irresistível que os fez esquecer que esse era um campo de batalha. Naquele momento, os ouvidos de todos nesse lugar ficaram chocados e zumbido os atingiu.

Ele disse aos orcs. “Calmahart, ele é um neófito.” (Nota: neófito significa pagão recém convertido)

Os rostos dos orcs mudaram no insulto para o grande chefe. Para eles, Calmahart era um ser divino. Ele era o líder que os tornaria governantes do norte, ou mesmo do mundo. Isso foi um insulto para o grande chefe. Além disso, veio de um orc em frente a um grande exército sozinho.

O orc continuou falando.

“Calmahart é uma mulherzinha e ele vai morrer pelas minhas mãos.”  Ele ergueu sua grande espada. Então ele sorriu. “Há alguma queixa?”

Os orcs se viraram.

“Esse cara louco!”

“O que você está fazendo?”

Os orcs levantaram suas armas. O cerco dos orcs em torno do portão e os muros afrouxaram.

“Há muitas queixas. Então …”  O orc com a grande espada ergueu a mão.

Então ele acenou.

“Venham.”

Os orcs perderam a paciência da sua provocação. Os orcs se viraram. Então eles se viraram e começaram a correr para o orc sozinho. Como um enxame de formigas escalando uma árvore, eles saltaram para ele. Ele estava prestes a ser cercado por numerosos orcs.

Era uma visão desesperada.

Naquele momento, o carrinho de abastecimento veio e deu flechas a Caska que estava assistindo. Caska agarrou reflexivamente as flechas antes de colocar rapidamente uma flecha no arco que tinha jogado no chão.

“O que você está fazendo?” Gritou Caska. “Apoiem-o! Recuperem suas mentes!”

Ela não se importava com quem era o líder. Eles morreram e ela viveu. Agora ela era a chefe desse lugar. Os elfos negros recuperaram suas mentes e começaram a disparar flechas.

O orc estava à beira de estar cercado.

Ela exclamou: “Não o deixem matá-lo! Atirem como loucos!”

Uma chuva de flechas envolveu o céu. Uma luz negra cobriu a Terra. Orcs caíram como dominó.

“Realmente não é uma piada …”  Caska sorriu e ela continuamente a atirar.

O sangue do seu chefe secou em seu rosto. O rosto sorridente continha a loucura do campo de batalha.

O colega dela perguntou: “Esse orc, ele não está morto?”

No momento, ele não podia ser visto. Ela não sabia por que um orc estava lutando contra outros orcs, ou porque ele veio sozinho.

“Ele não vai morrer” disse Caska com um sorriso. “Se ele não morrer e sobreviver à batalha …”

Ela podia ver a luz brilhante de sua espada se movendo entre os orcs. Orcs foram voando por todo o lugar. Caska tremia quando viu os olhos intensos do orc entre as fontes de sangue.

Ela declarou em um tom de riso. “Vou dar o meu primeiro beijo a esse orc.”

“Hey, hey.”

Sua flecha voou pelo ar e perfurou a cabeça de um soldado orc. Ela colocou outra flecha na corda e riu quando ela disse: “Sério.”

Comentários