PTO: Capítulo 98


Capa PTO

Praise the Orc!

Autores: Lee Jungmin
Tradutor: Pyown

Templo do Deus Caído (1)

“Quem!”

“Vem lá!”

Os dois guardas gritaram, por sua vez, como se estivessem competindo em uma competição de intensidade.

“Temos uma permissão.”

Os guardas reviraram os olhos e olharam para a permissão. No papel, havia a assinatura do líder de Nameragon, Radet, autorizando o grupo de Crockta a entrar no Templo do Deus Caído.

Os guardas verificaram o conteúdo antes de olharem para a frente novamente. Então eles gritaram: “Ha!”

“Podem ir!”

Então, apenas suas pernas se moveram da entrada. Era como uma cena de um desenho animado. Seus movimentos eram remanescentes dos guardas orcs em Orcrox.

“Umm … muito bom.”

Crockta assentiu. Do ponto de vista de um gnomo, não era apenas bom. Tiyo também estava olhando para eles com olhos impressionados.

“Oh … Ohhh …!”  Tiyo olhou para eles e aplaudiu: “Vocês são verdadeiros soldados dot! Qual é os seus nomes?”

Os guardas olharam para o brilhante Tiyo e responderam novamente: “Guarnição de Nameragon! Soldado de terceira classe! A! Ru! Nan! Em serviço!”

“Guarnição de Nameragon! Soldado de primeira classe! Ta! Na! Du! Em serviço!”

“……!”

Os olhos de Tiyo se arregalaram.

Então, ele tomou uma postura ereta com seus calcanhares juntos e saudou animadamente: “Eu sou o líder da Guarnição dos Gnomos de Quantes, Ti! Yo! Saúdo sua postura em serviço dot ! Posso perdoar um soldado que falhou em uma operação, mas um soldado que falha no dever de guarda não pode ser perdoado!”

Eles não se agitaram no elogio de Tiyo em tudo. Tiyo bateu palmas mais uma vez.

“O futuro do Nameragon é brilhante dot! Mantenham-se alertas!”

Eles ainda mantiveram seus olhos em um ângulo de 45 graus.

Crockta passou pela entrada fortemente protegida do Templo do Deus Caído. O templo estava localizado no topo de uma colina. Eles tiveram que subir as escadas durante muito tempo, mesmo depois de passarem pela entrada. Estava localizado dentro de Nameragon, mas não havia visitantes, então parecia deserto.

“Esse é o lugar.”

Eles ficaram em frente a um templo. Não era pequeno. Era diferente do tipo de prédios que Crockta viu em Lorde Ancião. Havia um sentimento oriental.

Vinhas estavam subiam as paredes e a porta fechada. Crockta tocou-as. O pó acumulado apareceu na ponta dos dedos. Ele puxou a maçaneta da porta. A porta se abriu lentamente. A porta estava aberta e uma brisa fresca entrou.

“……!”

Antes de se deparar com o Templo do Deus Caído, ele lembrou o que Radet disse.

“Não sei por que você está indo para lá, mas, apesar de ser nomeado com algo relacionado a algum deus, é apenas um lugar abandonado com acesso limitado.”

No entanto, Crockta atualmente sentiu algo diferente. Ao abrir a porta do templo, um sentimento refrescante varreu seu corpo. Ele ouviu Tiyo e Anor respirando profundamente. Eles cheiraram o ar do templo.

“Bom.”

Estava escuro dentro do templo. Mas não parecia sinistro. Crockta entrou. Depois de alguns passos, Crockta sentiu algo chacoalhar.

Abaixo.

“……”

Era o cinto dele. A Boca do Demônio abriu lentamente os olhos. O cinto não mostrou nenhum movimento, mas como o mestre do Cinto do Demônio, ele sentiu que o demônio interior havia acordado.

Ele se lembrou quando conheceu o demônio. Ele testemunhou o vazio do mundo e ficou aterrorizado, então ele lutou contra o mundo. Ele engoliu os restos do mal que bloqueavam o continente norte. Pouco antes de deixar a Floresta Negra, ele havia dito algo desconhecido para Gushantimur.

Agora, esse cara estava olhando novamente.

Os olhos tristes de Gordon apareceram na cabeça dele. Lorde Ancião. Que tipo de segredo estava escondendo? Era sua inútil ilusão ou realmente algo mais …

“O que você está fazendo?”

Tiyo de repente falou do lado de Crockta. Crockta virou a cabeça.

O pequeno gnomo podia ser visto. Ele parecia semelhante a uma criança, mas ele era completamente diferente de todas as crianças que Crockta conhecia. As sobrancelhas delicadas foram criadas por que sua expressão dizia que ele estava curioso sobre o comportamento imprevisível de Crockta.

“Você está surpreso?” Anor perguntou do outro lado.

Dessa vez ele olhou para Anor. As orelhas cortadas mostraram cicatrizes antiestéticas. Mas Anor não se preocupou em ocultá-las. Um elfo negro e humano, nascido e criado em perseguição, agora andando pelo mundo com seus companheiros. Não havia necessidade de investigar se ele era meio ou mestiço. Ele havia crescido como ‘Anor’.

O mundo que os cercou. O ar de Lorde Ancião, o céu de Lorde Ancião. Todas as coisas estavam conectadas. Ele não podia acreditar que esse era apenas um jogo bem feito.

As mortes que ele viu na frente dele não eram diferentes das tragédias do campo de batalha que ele viu na realidade. Ele queria encontrar a resposta aqui.

Crockta olhou para a frente. O espaço surpreendentemente limpo apesar de ser negligenciado por tanto tempo, e a escuridão além dele.

Ele caminhou em direção a ele.

 

***

Foi ouvido um cantarolar.

Estava escuro.

Pararam de andar. Tiyo agarrou o cabo do General enquanto Anor se movia atrás de Crockta. Era uma voz de um homem. Ele continuou cantarolando. Era um tom agradável como se estivesse fazendo uma tarefa agradável, como cortar as folhas de um bonsai ou fazer cerâmica.

O som interrompeu a escuridão serena.

“É suposto não haver ninguém aqui” sussurrou Tiyo.

Crockta assentiu. Não havia ninguém aqui de acordo com Radet. Havia apenas os guardas na entrada, e ninguém mais veio com eles. Para quem essa voz pertencia?

O cantarolar lentamente se aproximou. Uma luz surgiu.

“……!”

Um homem apareceu ao virar a esquina. A abordagem súbita fez com que o grupo de Crockta recuasse. Sua aparência era humana, mas não humana. Era difícil ver os detalhes devido à escuridão. Era semelhante ao demônio no cinto que Crockta viu no passado. A parte em que a boca deve ser movida na escuridão.

“───.”

Mais seguindo cantarolando. Crockta agarrou o cabo da grande espada antes de soltar novamente. A presença tinha as mãos cruzadas atrás das costas. Ele não parecia como um inimigo.

Chuckle.

Então ele pareceu rir.

“Olá, todos.”  Era a voz de um homem comum. No entanto, parecia lhe fazer cócegas com um toque estranhamente doce. “Bem-vindos ao Templo do Deus Caído.”

Ele colocou uma mão sobre o peito e curvou-se.

“Qual é a sua identidade dot?”  Tiyo perguntou. Ele ainda estava preocupado sobre se ele deveria apontar o General.

Então, o homem disse: “Como você está em um templo, suponho um administrador. Não está certo?”

“Radet disse que não havia ninguém aqui.”

“Radet?”

“O prefeito dot.

“Aha. Eu não conheço as circunstâncias do lado de fora.”  Ele sussurrou como se fosse uma piada. “Claro, não sou uma pessoa.”

Então ele lentamente recuou em um movimento estranho e deslizando. “Faz muito tempo que eu tive visitantes, então ligarei as luzes.”

Ele bateu palmas. Luzes fracas espalharam e o interior do templo tornou-se mais brilhante. Era um espaço limpo e branco. O interior era mais largo que o que parecia do lado de fora. A escuridão em torno da figura negra em frente a eles não foi perturbada pela luz.

“Me sigam.”

Ele se virou. Mas o grupo de Crockta não o seguiu.

Tiyo perguntou novamente: “Qual é o seu nome dot?”

“Meu nome.”  Ele parou de andar. Ele se virou e riu. Ele tocou o queixo e olhou para o nada, como se estivesse olhando através de velhas lembranças. “Meu nome … faz muito tempo desde que eu disse ele.”

Então ele riu novamente.

“Meu nome é Paimon. Tiyo.”

“……!”

Ele também chamou Crockta e Anor por sua vez. Ele já sabia sobre todos eles.

“Desde que vocês vieram ao templo, vocês não deveriam fazer uma oração? Gostaria de lhes mostrar. Vocês não precisam ser cautelosos.”

O grupo de Crockta trocou olhares. Então eles assentiram.

Eles não podiam dizer sua identidade, mas ele não parecia ser um inimigo. Crockta precisava saber mais sobre o Templo do Deus Caído.

Seguiram Paimon para dentro. O prédio parecia muito maior do que quando visto de fora. Eles não sabiam se realmente era tão grande, a construção estava torcida ou se havia algo que fazia o exterior parecer menor.

Havia pinturas e esculturas nas paredes. Elas eram delicadas e bonitas, mas estranhas de entender. Às vezes, elas eram pequenas e intrincadas, às vezes tão grandes que o grupo não conseguia adivinhar o que faziam parte.

“O deus caído caiu aqui, mas não era um deus que caiu.”

Então o homem falou. Seu tom era semelhante a quando estava cantarolando.

“Agora, esse é o último lugar eu suponho. É um lugar para honrá-lo.”

“……”

“Olhem em volta lentamente.”

Tiyo e Anor olharam ao redor. Continuaram as pinturas nas paredes e as esculturas. Elas eram obscuras, mas bonitas.

“Grande dot.”

“Eu nunca vi nada assim antes.”

Enquanto isso, Crockta continuava olhando para Paimon.

 

[Não pode ser determinado.]

 

Ele não conseguia entender Paimon com a Penetração do Coração e Alma. Isso significava que Paimon era mais forte do que ele ou um ser muito bizarro.

Eles entraram em uma nova sala dentro do templo. Havia um altar de pedra no centro da sala circular. Havia pedras queimadas e quebradas. Aos olhos de Crockta pareciam meteoritos.

Tiyo olhou para as pedras e ergueu o General.

“Hey, Paimon.”

“Sim.”

“Essas pedras, não são suspeitas?”

“Huhu.”

Paimon apenas riu. “Vou explicar agora corretamente. Você é esse tipo de pessoa.”

Tiyo ainda não acreditava em Paimon. Anor se escondeu atrás de Crockta novamente. “Radet definitivamente disse que não há nada no Templo do Deus Caído dot.”

Paimon assentiu. “Está certo.”

“O que você está dizendo dot?”

“Eles não teriam visto nada no Templo do Deus Caído.” Paimon se aproximou deles. Foi um único movimento deslizante. “Você também não poderia me conhecer se não fosse por ele.”

Ele estendeu a mão e apontou para Crockta.

“Eu?”

“Sim.”

“O que você quer dizer?”

“Não finja não saber.”

A figura negra riu novamente. As pontas dos dedos que estavam voltadas para o peito de Crockta levantaram-se lentamente, indo lentamente em direção a sua testa. O rosto de Crockta ficou duro. Ele estava apontando para o marca na testa de Crockta. Enquanto ele balançava a mão, a faixa vermelha em torno da testa de Crockta foi solta.

Era a estrela branca que indicava um usuário. A marca da maldição das estrelas.

Então o homem disse: “Apóstolo do deus caído.”

Os olhos de Crockta se arregalaram. O homem não disse maldição das estrelas, mas “apóstolo do deus caído.”

Isso significou…

No entanto, a ideia de Crockta não foi mais longe.

Paimon apontou para sua própria testa. Era brilhante. Na verdade, havia uma estrela branca em sua testa.

Comentários