Conversando sobre…Sangue?!

Com pouco menos de 1 hora de viagem com o barco, Verônica guiou o grupo para uma área afastada da cidade, uma região selvagem, representando a natureza com todo o seu poder. Dificilmente se encontrava algum canto que não estava preenchido com a beleza natural, encanto que as vezes poderia ser mortal para os desavisados que se aproximassem demais.

– Certo, pessoal, enfim chegamos! – A Dama de vermelho anunciou, espreguiçando-se lentamente, aproveitando cada momento.

– Tudo bem, e agora? Caçamos tudo o que vier pela frente? – Athert questionou, ainda um tanto desconfiado pelo fato de sua guia de viagem ser uma vampira.

– Eu até poderia confirmar essa sua suposição, no entanto, há certas coisas que preciso dizer para vocês antes que vocês saiam matando tudo o que veem pela frente. – Respondeu. Olhou para Athert com um sorriso convidativo, tentando ganhar a confiança do rapaz, mas falhando no fim.

– E o que seria? – Elron indagou. Coçou o pescoço. Algo o havia picado, mas foi lento demais para capturar ou mesmo matar o ser que o havia atacado.

– Bem, quando Charles Darwin elaborou a teoria da seleção natural, propôs que os mais adaptados sobreviveriam às constantes mudanças que ocorriam no planeta terra com o decorrer dos milhões de anos… – Ela começou a explicar, fugindo totalmente da pergunta segundo os pensamentos dos ladrões.

– O que a teoria da evolução tem a ver com a pergunta do Elron? – Emma perguntou, confusa. Apesar de parecer paciente, ela queria mesmo era estar degolando ou abrindo a barriga de alguma fera, pois queria subir de nível logo. Sentia-se insegura demais no meio daquele aguaçal úmido e lamacento. Conseguia sentir perfeitamente o suor a encharcando, dando uma sensação terrível de se sentir, mas inevitável por conta de suas roupas serem a única coisa que poderiam protege-la o mínimo possível.

– Se vocês me deixarem terminar, tudo estará interligado no fim, então permitam-me continuar. Bom, em resumo pra ficar mais rápido, os seres deste mundo seguem um padrão um tanto parecido, mas também diferente. Aqui, as criaturas caçam, comem, reproduzem-se, mas o final do ciclo é diferente, já que eles não morrem. E a parte da evolução tem a ver com o fato de que, conforme você vai ficando mais forte, os monstros mais fracos passam a te evitar, passando direto por você algumas vezes, por isso existem várias sub-regiões dentro das grandes áreas de caça para agradar à todo tipo de jogador, seja novato ou veterano. Se não me engano, aqui, no Pântano Esquecido, vai do nível 5 até o nível 30 para se subir de nível. Ah, e só explicando uma coisa, a idade dos monstros aqui não é contada em anos, mas em semanas ou meses, dependendo da criatura. 1 ano para um coelho é igual à 1 semana, enquanto 1 ano para um dragão é quase 6 meses, entretanto, os monstros pré-gerados ou spawnados já nascem com uma idade pré definida, pra estarem prontos pro combate.

– Uau, quanta informação. Tá anotando Athert? – Emma perguntou, virando seu olhar para o demônio, que devolveu o olhar. Ele cruzou os braços, fechando a cara.

– E desde quando eu virei um bloco de notas ambulante? – O garoto respondeu em tom agressivo. Não parecia estar muito feliz por estar ali.

– Desde que você é o Nerd do grupo, agora vê se grava essas informações caso algum de nós esqueça. 

– Eu já iria gravar naturalmente, mas seria bom se vocês fizessem o mesmo, né? Não sou cofre de informações…

– Tudo bem, espero que tenham ouvido tudo, pois não vou repetir. Agora, recomendo que não se separem muito nem se afastem muito daqui. Se aparecer qualquer coisa muito perigosa, o que eu duvido muito que aconteça, usem isto. – Ela retirou do bolso 4 pequenos frascos contendo sangue e os entregou pra cada um dos ladrões.

– Isso vai servir pra que? – Adrielyel perguntou. Tentou ao máximo esconder sua cara de nojo, mas não conseguiu. Desde sempre odiou sangue, e agora não seria diferente.

– Como vocês não são nem um pouco especialistas em sangue, vou explicar pra vocês. Esta maravilha em suas respectivas mãos é sangue de demônio, não me perguntem como eu consegui, acho que não vão querer saber. – A bruxa comentou, fazendo uma cara sádica brevemente, logo voltando ao normal. Athert recuou um pouco, sua confiança com Verônica diminuiu ainda mais. – Enfim, sangue de demônio é um líquido característico e bem diferente dos outros tipos de substâncias. Por se tratar do sangue de criaturas profanas e que tem o corpo mais quente que a maioria dos seres vivos, é um elemento mais denso e quente, com propriedades arcanas tão fortes que queima assim que entra em contato com matéria. Beber este refinado e exótico fluido ativa um buff “oculto” em vampiros, aumentando nossa agilidade em 20%, além de exalar um cheiro único que é capaz de ser identificado em distâncias relativamente grandes. Resumindo, é um coquetel molotov mágico e cheiroso!

– Se você não fosse uma vampira, eu me assustaria com a quantidade de informações que você tem sobre esse tipo de coisa. – Elron comentou, um tanto surpreso.

– Eu me assusto é pelo fato dela ter pesquisado sobre tudo isso… – Emma disse em resposta, não recuando como Athert fez anteriormente, muito menos desconfiando, só estava um pouco surpresa.

– Bom, crianças, agora que vocês sabem de todas essas coisas sobre o que podem ou não fazer, vão à caça! Subam alguns níveis!

Comentários