A Fuga

Quando finalmente conseguiu entrar na cidade, mais uma caixa de mensagens se abriu na frente de Emma, que não sabia o que esperar agora.

===[Dicas]===

Dica 2: Cidades!

As cidades são centros populacionais cheios de NPCs e missões para serem feitas, que quase sempre são renovadas para garantir fontes de experiência para todos os tipos de jogadores!

Se não existir nenhuma recompensa sobre você, ou se não estiver no meio de uma batalha, você poderá entrar tranquilamente em uma cidade sem perigo.

Obrigado e bom jogo!

De: Administrador I.A.

Entendendo um pouco melhor sobre sua situação, ela seguiu seu caminho pela cidade, procurando alguma coisa interessante para fazer. Os olhares dos outros jogadores estavam todos direcionados para Emma, que não entendia o porquê de estar sendo observada. Ela tinha certeza que era impossível que eles soubessem quem ela era, já que as noticias do mundo real não chegavam nos mundos digitais criados pelo Re:Birth. Durante sua caminhada, ela foi abordada por uma mulher de vestido vermelho e um véu branco cobrindo o rosto, impossibilitando Emma de ver qualquer parte de seu rosto.

– Bem vinda à cidade de Hawic, senhorita! – A mulher disse.

– Eh… Oi? Quem é você? – A garota perguntou.

– Sou Wena, a chefe desta cidade! E você seria?

– Emma Adams. Sou nova nesse mundo.

– É um prazer conhece-la, senhorita Emma. Pelo que posso ver, você já é nível 2….. Gostaria de escolher a sua classe?

Apesar de não conhecer muito bem o sistema de classes em jogos de RPG, Emma sabia de algumas que estavam disponíveis. Enquanto pensava, um ponto de exclamação apareceu sobre a cabaça de Wena, indicando que tinha aparecido uma missão para ser feita. Ela apontou o seu dedo para o sinal, e a missão foi aceita.

===[Atualização de Missão]===

Missão: Conquistando sua Classe

Objetivo: Siga Wena até a Torre das Bençãos e conquiste sua classe

Recompensa: 200 de XP

===[Status de Missão]===

Classe adquirida: 0/1

Fechar aba(s) ?

– Muito bem. Me acompanhe, por favor. – Wena disse, virando-se e indo na direção oposta.

Sem dizer nada, Emma seguiu a mulher misteriosa, não pensando que ela poderia ser uma ameaça. Continuando a andar, ela viu que a cidade parecia maior por dentro, com várias casas e inúmeros cidadãos. Talvez os muros dessem uma impressão errada sobre o tamanho da cidade. Mas se era um lugar tão simples, por que haviam guardas reais protegendo aquele lugar? E a aparição do homem de nível 35 de armadura exuberante, o tal do Senhor Lionheart? Teria de ter algum motivo para um jogador de nível tão alto aparecer em uma cidade para jogadores de nível baixo. Esses questionamentos estavam atormentando a mente de Emma, que mal percebeu quando chegou na torre. Wena a parou antes que batesse o rosto na parede e abriu a porta para que ela entrasse.

Entrando na grande Torre, Emma ficou surpresa com a beleza de seu interior. Com decorações luxuosas e várias estantes de livros completamente preenchidas com livros daquele mundo. No meio da torre, um grande artefato com inscrições em uma língua na qual ela nunca tinha visto antes. Podia sentir uma grande energia emanando daquele lugar, uma aura que penetrava no corpo de Emma, que tremia com tal sensação.

– Pode ir, é só colocar a mão na runa do meio e estará feito. – Wena falou, guiando a garota.

Com um pouco de relutância, Emma encostou a palma de sua mão na runa, sentindo imediatamente uma sensação de queimação. Ela tentou retirar a mão, mas ela estava presa por algum tipo de força sobrenatural. Repentinamente, linhas de códigos criaram-se do braço de Emma, e se ramificaram até chegar à mão, finalmente sendo transmitidos para a runa. Em seguida, Emma sentiu a pele de seu pulso queimar por um breve momento, antes de enfim conseguir se soltar. Levantou sua mão, esperando ver uma marca de queimadura, mas a única coisa que viu foi uma tatuagem em seu pulso na forma de duas adagas. Uma caixa de mensagem apareceu na frente de Emma, assustando-a devido ao fato de já estar um pouco abalada.

===[Aviso]===

Parabéns, você conquistou a sua classe!

Fazendo um calculo básico com seus atributos e registros de combate anteriores, sua classe foi definida como: Assassina!

Um assassino é inteligente, ágil, e possui força suficiente para matar em poucos golpes, além de ser um especialista na arte da furtividade!

Bônus de classe:

Dano em armas furtivas e de curto alcance: + 10%
Dano com adagas e punhais: + 20%
Dano com arcos e bestas: + 15%
Chance de acerto crítico quando oculto: + 25%
Movimentação: Corre 10% mais rápido, além do sons de seus passos se tornarem baixos
Furtividade: Nas sombras, torna-se -50% visível. O uso de mantos ocultará seu nível, enquanto máscaras ocultaram o seu nome, podendo ser substituído por um apelido.

Prosseguir para próxima aba: {>}

===[Aviso]===

Missão concluída

Recompensas:  200 XP

Prosseguir para próxima aba: {>}

Quando o fez, a mesma aura dourada que cobriu Emma na floresta surgiu outra vez, novamente cobrindo o corpo da garota.

===[Aviso]===

Parabéns, você subiu de nível!

Você adquiriu: 10 pontos de atributos para gastar. + 1 ponto de habilidade. + 1 item de classe.

Prosseguir para a aba de Status de Personagem? {>}

Antes que pudesse usar seus pontos de atributos e checar o que era o tal item adquirido, Wena distraiu Emma, fazendo as caixas de mensagem se fecharem automaticamente.

– Ei, o que tá fazendo? Eu ia ver minhas coisas! – Emma disse com um pouco de raiva.

– Relaxe, querida, primeiro vamos tomar um café, que tal? É por minha conta! – Wena ofereceu, dando um sorriso.

Emma não podia negar, estava com fome, e iria checar seus status depois, então não havia problema nenhum em descansar um pouco. A garota aceitou e seguiu Wena pelas ruas da cidade uma outra vez, mas não resistindo quando viu um ferreiro. Ela implorou para que Wena parasse, e assim o fez. Apesar de tudo, a jovem estava ansiosa para conseguir a sua primeira arma, e não queria deixar aquela oportunidade passar.

– Boa tarde senhorita! – O ferreiro disse alegremente, soltando um sorriso.

– Boa tarde…. Eu queria…. – Antes que pudesse pensar em algo, outra caixa de mensagens apareceu na frente da garota.

===[Dicas]===

Dica 3: Vendedores e o seu dinheiro!

No mundo de Yharag, há diversos tipos de vendedores, que variam desde ferreiros até alfaiates, que podem comprar e vender produtos dos mais diversos tipos!

Ligado diretamente ao sistema de compra e venda, o sistema monetário de Yharag é baseado em uma “Hierarquia de moedas”, que vão desde cobre até platina. Aqui vai uma breve tabela explicando o sistema de trocas.

10 moedas de cobre = Valem o mesmo que uma moeda de prata
10 moedas de prata = Valem o mesmo que uma moeda de ouro
10 moedas de ouro = Valem o mesmo que uma moeda de platina

Fechar aba(s)? {*}

Compreendendo como usar seu dinheiro, Emma estava pronta para finalmente usar ele de verdade.

– Qual a arma pra classe assassina mais barata que você tem pra mim? – A garota perguntou.

O NPC se virou e ficou mexendo em um monte de armas, até conseguir encontrar algo e mostra-lo para Emma.

– A mais barata é essa. – Ele disse, colocando uma adaga no balcão. – Custa 10 moedas de cobre.

Sem pensar muito, ela pegou as 10 moedas e colocou-as sobre o móvel, e logo depois pegou a arma, pegando-a para observa-la melhor. Alguns momentos depois, uma aba de avisos se abriu.

===[Dicas]===

Dica 4: Armas e Armaduras!

Como todo bom e velho jogo de RPG, o Re:Birth também lhe proporciona os items para combate!

Cada classe tem uma maestria com certo tipo de arma, sendo mais eficaz o uso destas. Não é restrito usar armas de outra classe, mas tenha em mente que o dano não sera o mesmo!

Já armaduras são quase todas as mesmas para todas as classes. No entanto, certos tipos de armadura beneficiam mais uma classe do que outra.

Fechar aba(s)?: {*}  

– Tem alguma armadura sobrando aí? Estou interessada em comprar. – Emma perguntou.

– Claro! – Mais rápido do que a última vez, o homem trouxe um par de luvas de couro novas. – Essas aqui eu faço pra você por 5 moedas de cobre, já que você comprou outro item comigo! – O ferreiro disse.

– Muito bem. – A garota disse, pegando os itens e os vestindo e depois pagando o ferreiro. – Obrigado! – Ela disse antes de retornar à seguir Wena

O homem apenas acenou para ela, que se distanciava cada vez mais.

Finalmente chegando ao “restaurante”, Wena pediu duas xícaras de café e dois bolos de frutas vermelhas para ambas, mas teve que esperar um pouco Emma, que tinha ido ver o mural de notícias ali perto. Ela se sentou à mesa junto com Wena, e logo avançou vorazmente sobre sua refeição.

– E então, Senhorita Emma, o que tem achado de minha cidade? – Wena perguntou.

– Ah…. Bem legal, eu acho. – Emma respondeu, terminando de engolir o último pedaço de seu bolo, seguido de uma golada no café.

– Que bom que tenha gostado. Mas desde hoje de manhã, tem sido meio difícil manter a animação para todos nós. – Wena falou, um pouco desanimada.

– Como assim? Aconteceu alguma coisa? – Emma questionou, curiosa.

Sem dizer nada, Wena fez surgir uma caixa de mensagens e a mostrou para Emma.

===[Aviso]===

Esta é uma mensagem que está sendo transmitida à todos os jogadores.

Ontem, dia 24 de março de 2025, a hacker que vazou o projeto Re:Birth, de alguma forma conseguiu adentrar o sistema do jogo. Não sabemos o que ela pode fazer, já que ela entrou de uma maneira desconhecida e inédita para todos os nossos cientistas.

 Seu nome é Emma Adams, então se virem alguma jogadora com este nome, trate dela imediatamente. Para garantir sua segurança, a morte completa do indivíduo sera permitida, na tentativa de matar a invasora. Tomem cuidado para não serem vítimas desse problema que nos assola.

Obrigado pela atenção.

De: Administração Governamental

Antes que pudesse reagir, Emma sentiu seu corpo ficar mais mole, caindo da cadeira direto no chão. Suas últimas memórias antes de desmaiar foi uma risada baixa, mas clara de Wena, que escondia o sorriso por debaixo do véu.

Finalmente acordada, Emma se viu presa em uma cruz numa sala iluminada por tochas. Ela vestia as mesmas roupas de sempre, mas estava sem sua arma e sem suas luvas. A janela mostrava uma paisagem escura, indicando que já deveria ter anoitecido. A porta do lugar se abriu, e de lá saiu uma figura conhecida. Wena, segurando uma lâmina na mão direita. Estava sem seu véu, então a garota pôde ver claramente o rosto sádico de sua captora.

– Que tipo de brincadeira é essa sua maníaca?! Me deixa sair daqui! – Emma disse, tentando se soltar das correntes que a prendiam.

– Você sabia, Emma? Uma única semente de yuvkra mergulhada em qualquer líquido é o bastante para derrubar alguém em instantes! – A mulher disse, fazendo um pequeno corte no rosto da garota e depois gargalhando de um jeito sádico.

– E eu pensando que você era só uma NPC ou uma jogadora comum! Na verdade você é só uma sádica doente! – Emma gritou, servindo apenas para provocar mais a sua agressora.

Wena deu um soco no rosto de Emma seguido por uma perfuração em sua mão, fazendo a jovem gritar de dor.

– Cale a boca seu verme inútil! Você é apenas um ser insignificante que não serve de nada para a nossa sociedade rica! É apenas uma invasora que tentou se misturar à gente! – Wena continuou a fazer inúmeros cortes na barriga de Emma, que por sua vez gritava de dor.

Quando se sentiu satisfeita, Wena colocou o punhal sobre uma mesinha e em seguida pegou um estranho artefato mágico.

– Agora, vamos ver o estrago dessa belezinha! – A mulher disse, se aproximando lentamente.

Antes que Emma pudesse ser mais ferida ainda, um estranho objeto atravessou a janela, criando uma nuvem de fumaça assim que encostou no chão, fazendo Wena recuar por um momento.

A garota sentiu suas mãos e pés sendo desamarrados e seu primeiro instinto foi correr para fora, pulando pela janela, acompanhada pela silhueta de alguém usando um manto que ela desconhecia. Por de baixo do capuz, Ela viu dois grandes olhos vermelhos e um par de chifres se projetando para fora da vestimenta. A estranha figura começou a correr, pulando daquela casa até o telhado da próxima. O primeiro instinto de Emma foi acompanha-la, pulando com toda a sua velocidade para o telhado.

 Enquanto corriam pela noite, os dois fugitivos estavam sendo caçados pelos soldados, que atiraram flechas contra eles para tentar pega-los, o que não serviu de nada. Quando chegaram ao último telhado, ambos pularam o muro da cidade. A pessoa rolou no chão, evitando uma queda feia, enquanto Emma, caiu diretamente no chão. Pensando que estava tudo acabado ali, o estranho salvador mais uma vez agiu, estendendo sua mão vermelha para Emma, que a pegou e voltou a correr junto com seu companheiro de fuga.

Emma percebeu tarde demais que ela nunca estaria segura naquele mundo, e que agora ela seria caçada por jogadores de toda aquela realidade. No entanto, nessa sua primeira fuga, ela sentiu a sensação que mais gostava de sentir, mas nunca havia provado dela de verdade. A liberdade.

Comentários