01 – Uma pequena história

(Nota: Está é a versão nova desta novel que foi reescrita)

Prólogo

– Eu Ambrogio, o Rei dos vampiros me curvo ao senhor!

– Eu Lycra, a rainha dos lobisomens me curvo ao senhor!

– Eu Paraclito, o rei dos espíritos me curvo ao senhor!

– Eu Samael, o Rei dos anjos me curvo ao senhor!

– Eu Diablo, o Rei dos demônios me curvo ao senhor!

– Eu Niniel, a rainha dos elfos me curvo ao senhor!

– Eu Lichie, o rei dos mortos me curvo ao senhor!

– Eu Atlas, o rei dos gigantes me curvo ao senhor!

– Eu Opala, a rainha dos seres marinhos me curvo ao senhor!

– Eu Édipo, o rei dos monstros me curvo ao senhor!

Todos eles estavam ajoelhados na minha frente, diferentes rostos, todos me olhavam com lindos sorrisos, após essas palavras a mensagem do sistema tocou.

[Conquista: Dominador Mundial]

[Prêmios: Titulo [Rei dos Reis] || Semente da Vida || Fragmento de alma || Esfera da criação]

[Classe: Senhor supremo evoluindo para O Senhor supremo]

Com o poder do titulo eu uni todos os ingredientes, do meu peito puxei o colar onde estava guardado a alma dela.

– Você está pronta? – Eu falei com o colar que emitiu um leve brilho. – Vou entender isso como um sim.

Indo para o centro do salão os diferentes Reis se reuniram ao meu redor em um circulo, com o levantar das minhas mãos um pequeno caixão de vidro surgiu, lá dentro estava uma pequena mulher, cabelos prateados, usando um vestido verde lindo, suas asas semitransparentes apenas aumentavam sua beleza.

Eu cuidadosamente abri o caixão de vidro com cuidado, os Reis começaram a reunir suas energias enviando seu poder para mim, a aura dentro desse salão poderia facilmente matar qualquer ser que se atrevesse a tentar ver o que ocorria ali dentro.

– Você não se lembrará de nós, mas ainda será você, espero que cuide de nós como sempre fazia… – Eu utilizei meu poder da morte para retirar a alma do colar e prender dentro do corpo, uma fada era um ser Semi-Espiritual então sua alma era tudo o que deveria ser curado, com meu poder sagrado na outra mão eu retirei todas as impurezas, então finalmente eu coloquei “Vida” em seu corpo…

Abrindo meus olhos eu vejo o rosto de um homem na minha frente, ele utilizava uma roupa completamente preta, seus olhos tinham varias cores diferentes que ficavam alternado entre preto, vermelho, branco e dourado, havia varias outras cores, mas essa eram as mais fortes e bonitas.

Ele tinham um sorriso brilhante em seu rosto, mesmo sorrindo seus belos olhos foram cobertos por lágrimas, levantando minha cabeça e olhando ao redor eu vi outras pessoas.

Um homem de pele pálida, olhos vermelhos brilhantes, parecia bem comportado e usava roupas de mordomo, junto com uma cartola preta, ele tinha um sorriso assustador que por algum motivo me trazia felicidade.

Ao seu lado estava uma pela mulher, sua pele morena e cabelos brancos brilhavam mesmo na escuridão, ela era uma cabeça maior que o homem pálido, tinha músculos fortes e usava apenas uma faixa para cobrir seus seios, sua aparência masculina estava sendo destruída por seu choro alto e o abanar da calda peluda que ela tinha.

Ao lado da mulher estava um ser enorme, ele era tão grande que a mulher parecia um dedo do lado dele, o estranho era o fato dele estar usando uma túnica de mago e estar com algo parecido um Grimorio em seu braço, ele tinha um rosto amigável e gentil.

Ao seu lado estava outro peso pesado, era bem menor mais deveria ainda ter mais de 7 metros, ele uma pele de coloração verde e um rosto bobo na cara, ele usava um conjunto completo de um tipo estranho de armadura todo vermelho, ele também tinha um enorme par de machados nas costas.

Ao lado dele estava uma armadura pesada, dentro dela eu só podia ver um infinito escuro, mesmo assim meu corpo se encheu de uma confiança sem fim.

Um do lado do outro estavam duas caras da mesma moeda, seus rostos eram idênticos, mas era apenas isso…

Cabelos pretos, um par de chifre que torciam em forma de uma coroa, uma cauda e roupas pretas que pareciam imitar a do homem no centro, ele parecia não ter mais de 15 anos, mesmo assim transmitia um Conforto sem fim.

Cabelos brancos, três pares de asas brancas bem organizadas, um sorriso leve, também com uma aparência jovem utilizava um colete estranho, ele transmitia uma seriedade confusa em comparação a copia contraria que estava ao seu lado.

Comemorando e gritando estava uma outra linda mulher, ela tinha uma beleza madura, suas orelhas eram compridas e sua pele era branca como a neve, seu vestido parecia ser eletrizante e a cada pulo de felicidade que ela fazia a eletricidade crepitava no salão.

Com um olhar serio e um rosto envergonhado estava um homem ancião, ele flutuava no ar e era um pouco translúcido, parecia que seu rosto clamava por um pedido de desculpas, meu único desejo ao Vê-lo era me levantar e dizer para ele que o perdoo, mesmo não sabendo o motivo.

A ultima pessoa era uma mulher, ela tinha uma cauda de peixe no lugar das pernas seus cabelos azuis se moviam como água, eu me sentia alegre em ver ela, ela também parecia querer me ver, já que eu não sabia se aquela poça de agua no chão era por causa da água que ela produzia naturalmente ou suas lágrimas.
Eu sentia vontade de ir lá, abraçar cada um deles e me deleitar com seu carinho, pedir perdão me desculpar e agradece-los mesmo não sabendo o motivo.

– Você está bem? – O homem na minha frente era o que mais me trazia esse sentimento, eu não consegui me segurar e respondi inconscientemente.

– Sim, meu mestre. – Ele me olhou com ainda mais felicidade, ergueu meu corpo da caixa cuidadosamente, com um movimento de mão luzes surgiram no salão, ele me levou até o final do salão, lá havia onze tronos organizados, cada um parecia ter similaridade com seu ocupante, os dois seres gigantes encolheram até uma altura em que pudessem se sentar neles.

Após todos se sentarem, o homem me colocou em seu ombro e sentou no trono central que era o mais simples feito de madeira normal, mesmo estando com todos eles, eu ainda sentia um sentimento de que algo estava faltando, algo não muita coisa.

Esse sentimento diminui assim que o homem ergueu suas mãos novamente, o portão que ficava na frente do salão se abriu, um grupo de pessoas com sobretudos pretos entrou no salão, seguidos de outro grupo com sobretudos laranja, outros diversos grupos entraram, as crianças corriam de um lado para o outro, todos eles tinham diferentes raças, de goblins a Orcs, de elfos a dragões, olhando no horizonte deu para ver a cabeça de um ser colossal parecido com uma tartaruga, ao seu lado havia outros três seres também colossais, um tigre voando, um estranho pássaro Azul flamejante e um enorme Animal marinho.

Todos gritavam para o céu parecendo felizes, mesmo nessa situação eu ainda sentia que faltavam alguma coisa.

– Você está feliz? – O homem perguntou vendo minha expressão magoada.

– Estou mestre, mas sinto que falta algo… – O homem balançou a cabeça e depois de alguns segundos deu de ombros.

– Eu posso lhe perguntar algo?

– Sim mestre! – Respondi rapidamente.

– Qual seu nome? – Uma pergunta tão simples e complicada ao mesmo tempo, na ultima vez foi inconsciente, mas desta eu decidi deixar meu corpo guiar, controlado pelo meu corpo comecei a rir.

– PuriPuriPuri meu nome é Puri mestre! – Assim que terminei o rosto dele suavizou como se um peso tivesse ido embora.

– Minha linda fada, deixe me contar uma pequena historia…

Comentários