Pertences de Astroa (Parte 3)

“Desculpe a intromissão, jovem mestre.”

Nainiae estava mexendo com os pertences de Astroa na mesa, mas ela olhou para Riley, que estava deitado no sofá com as pernas balançando ao redor, e perguntou:

“Antes de começar, quero perguntar uma coisa a você.”
“O quê?”

Nainiae estava prestes a ensinar a Riley os fundamentos da magia, mas havia uma coisa que flutuava em sua mente que a deixava curiosa. Para resolver essa curiosidade, ela fez a pergunta.
Até agora, ela mal conseguia ajustar sua linguagem ao tom respeitoso. Ela estava se sentindo complicada, então ela começou a falar linguagem grosseira novamente.

“Por que eu?”

‘Por que ele me escolheu de todas as pessoas?’

A pergunta de Nainiae foi bastante vaga. Riley não conseguia descobrir o motivo por trás de sua pergunta. Ele inclinou a cabeça para o lado para mostrar que precisava de mais explicações.
Com sua voz sem confiança, Nainiae forneceu uma explicação suplementar.

“Eu posso ter alcançado a magia do Sexto Círculo em uma idade jovem, mas foi através do uso de drogas experimentais… Mesmo se você reivindicasse minha maestria mágica como meu ponto forte, eu não aprendi magia através do treinamento apropriado, então, diferente de outros Magos apropriados, será difícil ensinar alguém com eficiência. Além disso…”

Além disso, não tenho o rosto adequado para uma professora.

Ainda assim, Nainiae era uma garota de 18 anos. Em vez de dizer isso, ela engoliu aquelas palavras de volta e segurou firmemente as dobras de sua saia.

“De volta ao Castelo de Solia, se você poupou minha vida apenas para aprender magia comigo, você não precisava me escolher. Você poderia aprender de outra pessoa … ”

Não era certo se Riley sabia disso, mas a vida de Nainiae estava limitada a esse outono.
Essa foi a razão pela qual ela pensou que seria mais eficiente para ele encontrar outra pessoa se ele estivesse procurando por um professor para lhe dar aulas de magia. Foi a escolha lógica, não importa como ela olhou para isso.
No final, Nainiae estava se perguntando por que Riley a escolheu em vez de outros magos talentosos quando Nainiae teve um rosto horrível e pouca vida útil restante.

“Hum … eu preciso te dizer?”

Riley estava coçando a parte de trás da cabeça. Ele olhou para Nainiae e perguntou de volta.
Nainiae estava encarando uma expressão que dizia que tudo aquilo era um incômodo. Tendo olhado para o rosto de Riley, ela franziu a boca.
Nainiae finalmente percebeu que estava usando linguagem grosseira. Ela balançou a cabeça e respondeu em linguagem respeitosa,

“Ah… Não há necessidade de você explicar, jovem mestre. Não é absolutamente necessário. Não há necessidade de você me dizer…”

Sua voz soou como se ela pudesse entrar em colapso em um instante.
Nainiae estava procurando um objetivo ou significado em sua vida antes de sua morte. Ela decidiu investir o tempo restante que tinha em Riley, aquele que a procurou e lhe pediu para lhe ensinar magia.

‘Está certo.’

Essa foi a razão pela qual Nainiae estava de pé aqui neste momento.
Ela estava pretendendo fazer o que lhe foi dito.
Se Riley a elogiasse por seus esforços, isso a teria feito mais feliz.

“Coisas como razões são irrelevantes.”

Nainiae lembrou as palavras que Riley disse a ela em certa manhã em Solia.
Naquela hora, Nainiae perguntou a Riley qual era a razão pela qual Nainiae nunca foi reconhecida ou recompensada por seus esforços quando ela fez o melhor que pôde para atender às expectativas e pedidos dos outros. Recordando a resposta de Riley e sua solução, Nainiae estava agonizando sobre eles.

‘Eu… preciso dar um passo para trás e assistir…’

Riley disse isso a ela.
Ela não tinha certeza qual era a verdadeira intenção da resposta de Riley.
Ela apenas pensou que a única coisa que podia fazer agora era fazer exatamente isso e observar Riley de um passo atrás dele.
Essa foi a razão pela qual ela se decidiu a desistir de sua própria vida e dar tudo de si a Riley. Naquela hora, ela decidiu ajudá-lo e ensinar-lhe magia como ele desejava, e essa era a razão.

“… Na verdade, há um patife que é mais adequado para ensinar magia, mas…”

Riley estava mantendo silêncio até agora, mas ele finalmente abriu a boca.
Tendo ouvido suas palavras, Nainiae acordou de seus pensamentos inúteis.

“Eu tenho um amigo com quem tenho conversado por um bom tempo. Quando se trata de dar aulas de magia, esse patife seria mais adequado para o trabalho do que você. Esse amigo tem uma boca mais pesada que você também.”
“Jovem mestre, eu…”

Ela não tinha ideia de quem era esse “amigo patife”. Ela estava prestes a dizer que seus lábios são tão pesados, mas confundiu o final da frase.
Foi porque ela pensou em suas outras deficiências que não poderiam ser compensadas apenas com isso.

“Mas o problema é …”

Observando o rosto desapontado de Nainiae, Riley fez um sorriso e continuou enquanto balançava as pernas no braço do sofá.

“Aquele patife essencialmente disse ‘por cima do meu cadáver’ e teimosamente recusou.”

Nainiae deu um olhar vago para Riley.
Com uma expressão preguiçosa no rosto, Riley estava balançando as pernas. Ele continuou sua explicação com um olhar no rosto que dizia que achava o raciocínio desse amigo tão ridículo.

“Eu tentei pedir. Eu pedi, mas … aquele idiota disse isso, ‘Hey! Você já é um mestre espadachim. Se você aprendesse magia também em cima disso … Você está planejando dominar o mundo ou algo assim? e parecia muito aborrecido.”
“Entendo.”
“Eu disse a esse patife que estou com preguiça de fazer algo assim, mas esse idiota me disse para parar com as besteiras.”

Parecia que ele era muito próximo desse amigo.
Riley estava fazendo sons reprimidos enquanto ele murmurava sobre as conversas do passado. Os cantos de seus lábios estavam inclinados para cima. Havia um sorriso desenhado em seu rosto.

“…”

Porque aquele que ela estava servindo estava sorrindo, isso a fazia se sentir animada também.
Riley notou que Nainiae estava relaxando seu rosto. Levantou-se e sentou-se no sofá e continuou explicando a Nainiae.

“Bem, isso provavelmente não foi suficiente para explicar por que eu escolhi você, mas eu tenho uma razão específica.”
“Eu entendo.”
“Não vai ser tão agradável aprender sobre isso, então, o que eu  ‘estou dizendo’ é vamos pular isso. Você entende, certo?”

Nainiae notou que o olhar nos olhos de Riley mostrava emoção por um breve momento. Ela parou de perguntar. Em vez disso, ela abaixou a cabeça.

“…Sim.”

Ela imaginou que ela iria aprender a verdadeira razão quando a hora chegasse.
Mesmo que Riley não contasse a ela, ela achava que era certo para ela descobrir sozinha.
Quando se tratava de testar as questões, em vez de olhar para a resposta na seção suplementar ou nas suas costas, trabalhar muito para encontrar a resposta por conta própria era muito mais benéfico.

“Tudo bem. Então, com o que vamos começar? Pelo que ouvi, a primeira magia que você aprendeu foi ‘Luz’, o feitiço de tipo de magia de luz do Primeiro Círculo? ”

Voltando ao assunto principal, para começar a lição de magia, Riley bateu palmas uma vez e perguntou a Nainiae, que se tornou sua professora, embora por um breve momento.

“Sim. Eu ia explicar as coisas assumindo que você já é habilidoso no controle de mana… Tudo bem com você?”

Mana
Um espadachim usou para aumentar o poder da espada.
Um assassino usou para esconder a sua presença.
Um arqueiro usou para aumentar o poder de perfuração da flecha.
Um invocador usou-a para invocar espíritos.
Um mago usou para lançar magia.
Nainiae estava perguntando se Riley sabia como lidar com o recurso necessário para um praticante habilidoso de uma disciplina.
Riley pegou uma caneta de pena que estava rolando em cima da mesa e pegou um pedaço de papel em branco que estava rolando no chão.

“Aqui.”

Riley escovou o papel com a parte emplumada da caneta.
Depois de um momento, a parte do papel onde a pena apenas roçou foi cortada como se uma faca tivesse passado por ela.
O papel cortado caiu no chão como se fosse uma folha caindo durante o outono. Nainiae assentiu como se entendesse. Ela continuou,

“Para usar magia, primeiro você precisa de algo chamado Círculo. É um ato de tecer mana e fazer um link para o coração. Se você pode fazer um link para o coração, isso é um círculo. Se você pode fazer seis, então esse é o Sexto Círculo.”
“Então, isso significa que você tem seis, certo?”
“Sim.”

Nainiae assentiu e levantou a palma da mão para a frente.
Foi para demonstrar ‘Luz’, a magia básica que Riley iria aprender e usar primeiro.

“Luz.”

Depois que ela recitou o feitiço, uma esfera flutuou em cima de sua palma branca.
A maneira como gradualmente se materializou parecia um vaga-lume, exceto que a cor estava contaminada na cor escura por causa do efeito colateral dos experimentos com drogas que foram feitos nela.

“Essa é a magia de Luz que todos os magos aprendem como o feitiço básico. É uma magia onde você flutua uma esfera de luz em cima da sua palma. Ele demonstra o milagre de suspender algo no ar ou fazer algo se materializar em um espaço vazio. Literalmente, são os fundamentos da magia.”

Nainiae explicou que todas as outras magias começam com o domínio do feitiço Luz. Ela deu o exemplo mais simples.

“O mais famoso para o qual você pode avançar a partir deste feitiço seria … uma Bola de Fogo.”
“Bola de Fogo?”
“Sim. Você provavelmente já viu ela antes.”

Nainiae colocou a esfera de luz em sua mão um pouco mais longe dela e começou a girar o círculo de mana que estava aglomerado perto do seu coração.

“Eu mostrarei a você passo a passo. Como devo explicar isso … Ah, primeiro, faça a magia de Luz flutuar em sua mão, mude a mana de acordo com a fórmula e injete-a na esfera. É assim que é. Dessa forma.”

Uma vez que ela terminou sua explicação, a luz do vaga-lume de cor escura começou a queimar com um crepitar de chama. Ela cresceu em tamanho e se tornou uma completa ‘Bola de Fogo’.

“Wow?”

Quando uma pequena esfera de luz se transformou em um grande pedaço de fogo, os olhos de Riley se arregalaram.
Parecia realmente misterioso.
Talvez tenha sido porque todo o processo foi explicado e demonstrado, mas pareceu diferente de como foi quando os experimentou em Solia.

“Para poder usar magia de Luz, primeiro …”

Nainiae abriu a boca enquanto apagava a chama em cima da palma da mão. Era porque havia algo que Riley tinha que saber como base antes de poder usar a magia de Luz.

“… Jovem mestre, eu preciso conhecer o seu tipo elemental.”
“Tipo elemental?”
“Sim. Tipo elemental. Fogo, água, vento, terra … e entre muitos outros, você precisa começar com o conhecimento do seu tipo elemental para que possa aprender o método da magia de Luz que se ajusta ao seu tipo elemental. Você tem que saber para que você também possa obter mais círculos de forma eficiente. Como devo dizer isso… É como dizer que você precisa ter uma base sólida.”

Riley estava inclinando a cabeça para os lados enquanto ouvia a explicação de Nainiae sobre o tipo elemental.

“Qual é o seu tipo elemental?”
“Eu não tenho um em particular que me sirva.”
“Você não tem um?”
“Isso mesmo. Minha afinidade em relação a todos os elementos costumava ser alta, de modo que eles geralmente me servem independentemente do elemento. É por isso que não tenho um tipo elemental em particular.”

Com um rosto enrugado, Riley olhou para Nainiae como se ela fosse uma monstruosidade.

“Você está se gabando?”
“Não. Isso tudo por causa dos experimentos na Torre Mágica … Eu não estava tentando me gabar disso. Eu sinto muito.”

Suas afinidades eram altas em relação a todos os elementos por causa dos experimentos na Torre Mágica. Foi um resultado que foi realizado por causa de uma sorte substancial. No entanto, ao contrário de outros magos, sua mana foi esgotada mais rapidamente, e houve também o efeito colateral negativo de reduzir sua expectativa de vida. No final, não foi possível chamá-lo de resultado positivo.

“Entendo. Entendo. Eu não perguntarei mais, então por favor … Chega com esse olhar deprimido.”

Tsk

Riley estalou a língua e continuou:

“Então, como eu descubro? Esse tipo elemental?”
“Nós precisamos de uma ferramenta… Por acaso, você tem uma esfera de medição de mana nesta mansão?”
“…”

Quando ela mencionou a esfera de medição de mana, a que ele viu no primeiro andar da Torre Mágica, Riley deu um olhar vazio por um momento.

“Não. Não há nenhuma.”

Não havia razão para tal coisa estar na casa da nobreza da orgulhosa linhagem de espadachins.
Quando Riley balançou a cabeça e respondeu, Nainiae perguntou:

“Nesse caso, você foi medido?”
“Sim, eu fui…”

Naquela época, porque ele não queria revelar sua capacidade de mana em um lugar tão oficial, ele intencionalmente enganou a esfera para dar um resultado comum. Essa foi a razão pela qual ele confundiu o final da frase.

“Isso é… eu não fiz uma medição adequada.”
“Nesse caso…”

Sem saber o que fazer, Nainiae olhou para Riley com uma expressão preocupada.
Era porque ela não podia começar a ensiná-lo sem um resultado claro de medição.
Ela estava ensinando magia para seu jovem mestre que ela servia. Ela não tinha intenção de fazer isso de qualquer maneira. Ela começou a pensar muito sobre isso.

“Nesse caso, devemos voltar para a Torre Mágica e…”
“Não. Nós não devemos.”

“Conseguir a medição de mana novamente indo para a Torre Mágica?”

Riley cortou a ideia em um instante.
Na Torre Mágica, havia Peruda e outros observando. Além disso, acima de tudo, era um incômodo para ele.
Ele voltou apenas dois dias atrás. A ideia de voltar para Solia o fez se encolher.

“… Agora que chegou a isso…”

Riley se levantou do sofá e coçou a parte de trás de sua cabeça.

“Amanhã, acho que vou ter que passar na aldeia Iffa.”
“Uma aldeia?”
“Tenho que ir para descobrir essas coisas de qualquer maneira. Além disso, há algo mais, pessoal, que preciso verificar, então… acho que realmente acabou bem.”

Nainiae olhou para os pertences de Astroa que estavam arrumados.
Enquanto isso, Riley esticou-se largamente dobrando a parte superior do corpo para trás enquanto fazia um som ‘Uu!’.

“Diga a Sera com antecedência que parece que você terá que abandonar o treinamento de empregada amanhã.”
“Oque…?”
“Eu estou dizendo que você precisa limpar sua agenda para amanhã.”

Ele imaginou que poderia ir e verificar se o assunto que ele deixou para trás foi limpo corretamente.
Ele imaginou que poderia checar para que serviam os pertences de Astroa.
Ele também achou que poderia ir ver aquele patife também.
Então, Riley decidiu pisar novamente na aldeia Iffa, um lugar que ele não visitava fazia muito tempo.

Comentários