iLivro

Um Olho Para Ver Através das Pessoas

“Como devo dizer isso … parece que eu posso sentir um cheiro familiar?”

Basilisco, que estava sentado na frente de Riley, tinha um olhar sério no rosto enquanto olhava as costas de Rebethra.

“Cheiro?”

Riley, que estava sentado em uma pose relaxada, franziu as sobrancelhas.

Não foi por causa do que Basilisco disse. Era por causa dos olhos de Basilisco, que se tornaram afiados como os de uma cobra.

“Não tenho certeza?  De onde eu vejo, acho que seus olhos são mais estranhos?”

Com o dedo, Riley apontou para os olhos de Basilisco. Como se ele tivesse esquecido completamente, Basilisco voltou seus olhos transformados ao normal. Envergonhado, ele coçou a parte de trás da cabeça e olhou para Riley.

“Isso é… Como devo dizer… Um hábito?  Devo chamar isso de meu instinto … Quando aperto a mão de alguém que tem uma aura ruim, meus olhos ficam assim.”

“Comandante, por favor, espere.”

Rorona de repente entrou em cena.

“Você realmente não precisa explicar isso…”

“Não. Esse jovem mestre está bem. Se ele é alguém que o Sr. Ian reconhece, então seria errado da minha parte esconder isso. Além disso … Meu pai teria feito o mesmo.”

Riley inclinou a cabeça de um lado para o outro e murmurou.

“Hábito?  Instinto?”

Foi porque Riley se lembrou do que Rorona disse antes de chegarem a Rainfield.

‘A intuição de nosso comandante nunca esteve errada. Embora a habilidade seja limitada a algumas condições, na verdade, nosso comandante …’

Em relação à intuição, e considerando as condições que limitam a habilidade, Riley lembrou como ela desfez o fim da explicação.

“Você, por acaso…”

Riley estreitou os olhos e olhou para Basilisco. Basilisco mordeu um pouco os lábios e encarou Riley.

“Está certo. Eu… pareço um humano, mas não sou humano.”

Parecia que era muito preciso para Basilisco dizer isso.

Basilisco mordeu os lábios novamente e olhou para Riley. Os olhos de Basilisco estavam afiados novamente como quando ele estava olhando para Rebethra mais cedo.

“…”

Riley olhou fixamente para os olhos de Basilisco.

Os olhos do garoto estavam definitivamente bem além dos humanos.

“Eu sou o último sobrevivente dos Basiliscos … a existência que estava em dívida com o Herói Mercenário Sr. Ian durante a Grande Guerra.”

Basilisco trouxe o nome de Ian e continuou em um tom sério. Os olhos de Riley estavam cheios de interesse.

“Por Ian?”

Riley ficou intrigado com a existência que Ian salvou quando ele foi chamado de Herói Mercenário no passado.

“O nome Basilisco … não é um nome de alguém da nobreza?”

Riley dirigiu seu olhar para Rorona. Da última vez, ela estava insatisfeita com essa questão. Agora ela assentiu, desculpando-se.

“Por favor me perdoe. Eu não poderia contar sobre o nosso comandante naquela época. Como ele acabou de explicar… nosso comandante é o último dos Basiliscos.

Rorona explicou que também foi por causa da última vontade do ex-comandante. Ela disse que tinha feito isso para proteger o garoto chamado Nara, o último dos Basiliscos, do perigo.

“Demoraria um pouco para explicar sobre os Basiliscos em detalhes. Para dizer a você a parte mais relevante do momento, eles têm um olho para ver através das pessoas … Em outras palavras, eles podem detectar a natureza inata das pessoas.”

Nara apontou o dedo para os olhos dele. Para explicar sobre Basiliscos mais facilmente, ele olhou para Nainiae e perguntou:

“Existe uma coisa chamada tipo inato da magia, certo?”

Nainiae assentiu como a resposta. Nara explicou ainda mais.

“Você pode pensar nisso como algo assim. Eu poderia dizer que não olhamos para as pessoas através de sua aparência. Em vez disso, nós os vemos através da cor deles.”

“Cor?”

“Há pessoas que são vermelhas, azuis ou pretas. Eles são todos diferentes. Por exemplo, jovem mestre, você é branco … não, mais como a cor prateada. Srta. Nainiae, você tem a cor branca.”

“…”

Percebendo que a cor foi alterada no meio, Riley olhou para Nainiae.

“Hey. Vocês acreditam em mim?  O que eu estou dizendo?”

Nara, que acabou de revelar que ele não era humano, perguntou a Riley e Nainiae cuidadosamente.

“Bem, na situação agora, não é importante para mim acreditar ou não.”

Riley respondeu de maneira desinteressada.

Nainiae adicionou desajeitadamente

“Eu acredito em você.”

Nara estava preocupado que ele pudesse ser visto com ódio. Ele suspirou aliviado e continuou o que estava dizendo antes.

“De qualquer forma, sobre aquele homem que é um arcebispo… as costas dele fedem. Ele era roxo … e acho que seria melhor se você não se aproximasse dele.”

Tendo ouvido o conselho de Nara, Riley ainda manteve seu olhar desinteressado em seu rosto. Riley tomou um gole do chá.

“Eu já estou ciente.”

“O que?”

“Eu já sei. Aquele velho quer algo de mim.”

Surpreso, Basilisco piscou os olhos. E perguntou,

“Por acaso, Jovem mestre … Você tem algo parecido com …”

Achando a pergunta dele ridícula, Riley franziu o rosto. Riley interrompeu Nara.

“Você acha que eu sou o mesmo que você?”

“Nesse caso, como? ”

“Uma intuição.”

“Uma intuição?”

“Como devo colocar isso?  Experiência passada?  Eu vi desgraçados podres como ele inúmeras vezes. Estou farto deles. Bem, é algo assim.”

‘Eu tenho muita experiência da minha vida passada. Você acha que não posso distingui-los das pessoas boas?’

Riley pensou consigo mesmo por dentro. Riley colocou a perna em cima da outra e olhou para Nara.

“O que?”

Nara, que tinha a boca aberta, perguntou a Riley com um olhar confuso.

“Você sabe que ele não é bom, mas… você está deixando ele ser assim?  Embora você saiba o que aquele velhote está fazendo?”

Riley deu de ombros como se não fosse nada e disse:

“Está certo. Eu sei o que ele está fazendo, mas estou deixando.”

“… Apenas por que?”

“Ele esta me dando coisas boas por conta própria.”

Com um olhar relaxado, Riley dirigiu seus olhos para o presente que Rebethra deixou para trás.

“Eu não posso estripá-lo imediatamente só porque ele é um monstro. Aproveitar-se dele primeiro é a sabedoria para viver nesse mundo.”

Nara ainda achava tudo ridículo. Ele ainda tinha um olhar confuso no rosto. Nara finalmente percebeu porque a cor de Riley era prateada.

“Bem, os seres chamados Basiliscos são interessantes. Eu vou lidar com as coisas sobre Rebethra, então não se preocupe com isso. Por que você não está indo agora?”

Riley tomou um gole do chá e apreciou o sabor. Ele acenou com a mão como se estivesse pedindo para eles saírem.

“Jovem mestre, por favor, deixe-nos ir com você para Solia. Apenas até lá… Você por favor me deixaria ver o rosto do Sr. Ian uma vez? ”

Em resposta ao gesto de mão de Riley, Nara balançou a cabeça como se ele não pudesse deixar acabar assim. Ele implorou para Riley.

“Então, esse foi o objetivo?”

“Jovem mestre, por favor…”

Nara mordeu os lábios e baixou a cabeça. Desinteressado, Riley olhou para a cabeça do garoto. No final, Riley ainda não queria deixá-los acompanhá-lo de volta para Solia. Riley balançou a cabeça e disse:

“Não. Você não pode.”

Riley não queria levar bagagem indesejada no caminho de volta para casa. Ele prontamente disse não.

“Jovem mestre, por favor.”

“Eu não quero.”

Nara implorou novamente, mas Riley se recusou de todo o coração. Ele fechou os olhos devagar, sinalizando que a conversa estava terminada.

“Eu não vou entrar no seu caminho. Por favor, permita-nos acompanhá-lo pelo menos.”

“…”

Se ele só queria ver Ian, ele só precisava visitar a mansão como convidado. Nara provavelmente estava fazendo isso para que ele não ficasse no lado errado de Riley.

“Se nós te perseguirmos, isso seria mais um inconveniente para você, não é mesmo?”

Seria mais do que apenas um inconveniente.

Riley poderia tirar a espada por sentir que seria inconveniente.

“Por favor … eu te imploro.”

Por causa de sua voz desesperada e olhar implorando em seu rosto, Riley se encolheu por muito tempo e perguntou a Nara,

“Ugh, apenas porque você precisa ver Ian tanto?”

Riley podia entender que Nara queria ver seu salvador, o Herói Mercenário, que salvou a espécie Basilisco. No entanto … Riley não conseguia entender por que Nara estava arriscando ter sua cabeça cortada.

“Isso é… meu pai…”

“… Aqui!”

Enquanto Nara estava terminando o final da frase, o dono do hotel trouxe o licor de arroz frio que Nara pediu e colocou-o na mesa antes de sair correndo para sair dali.

‘Bebida…’

Nainiae estreitou os olhos com cautela depois de ver a bebida.

Parecia que a lembrança da bebida desde o primeiro dia em Rainfield ainda estava clara.

“… Srta. Nainiae?”

Nara estava prestes a continuar falando sobre Ian, mas ele notou o olhar dela. Sentindo-se desconfortável, Nara chamou seu nome.

“Bebidas … são perigosas.”

“Ignore-á. Continue. E quanto ao seu pai?”

Riley, que estava se encolhendo, interrompeu a conversa. Graças a isso, Nara mal conseguiu desviar o olhar de Nainiae. Olhando para o licor de arroz na mesa, Nara continuou com um olhar amargo no rosto.

“Como um último pedido … Meu pai disse que queria ver o Sr. Ian.”

Nara murmurou com um olhar amargo. Ele olhou para trás para ver Isen. Isen assentiu como se entendesse o que ele estava perguntando, e trouxe a bolsa de couro que ele segurava em seus braços.

“O que é isso?”

Parecia que continha cinzas.

“São as cinzas dos ossos do meu pai.”

“…”

“Foi o seu testamento. Antes de morrer, ele disse que queria ver o Sr. Ian. Assim…”

Nara mordeu os lábios por um momento. Ele bebeu o licor de arroz e continuou com hesitação.

“Depois de mostrar isso ao Sr. Ian, planejo enterrar meu pai em um lugar ensolarado.”

Nara não podia parecer mais sério. Com esse olhar, Nara olhou para Riley.

“Para pagar nossas dívidas por salvar nossa espécie, e também para encontrar um bom lugar para enterrar os ossos de meu pai … por favor, permita-nos acompanhá-lo a Solia.”

Nara se curvou.

Rorona também baixou a cabeça. Com um olhar amargo no rosto, ela também acrescentou sua opinião sobre o assunto.

“Não pareceu uma boa ideia enterrar nosso ex-comandante em Rainfield. Chove incessantemente aqui…”

O homem era o pai de alguém.

Ele também era o comandante de alguém forte.

O desejo dos três mercenários era enterrar as cinzas dos ossos daquele homem em um local ensolarado. Tendo ouvido isso, Riley…

***

Era final do verão.

Riley usou o espelho de mão para se comunicar com a mansão que ele estaria indo para casa hoje. Enquanto subia na carruagem, Riley estava se encolhendo.

“Ah, no final, vou voltar.”

“Não se preocupe muito. Quando você voltar, não será tão quente em Solia. Será outono em breve.”

Verificando a carruagem, Nainiae verificou cuidadosamente todos os itens necessários para a viagem de volta. Ela casualmente virou a cabeça e olhou para a carruagem dos mercenários Pedregulho Relâmpago.

“Srta. Nainiae, você está pronta?”

“Nós estamos prontos. E quanto a vocês?”

Tendo ouvido sua pergunta, Nara se sentou no topo da carruagem como se ele tivesse um tapete lá para ficar confortável. Ele sorriu e disse:

“Você já ouviu falar do velho ditado que diz que um mercenário despreparado é inútil?  É uma das declarações do Sr. Ian!  Estamos sempre prontos!  Apenas diga a palavra!”

Riley, que ainda estava de pé nos degraus da carruagem, olhou para a carruagem dos mercenários. Tendo ouvido as palavras de Nara, Riley se encolheu e reclamou.

“Droga … Aquele cara … aquele cara … Se ele encontrar Ian, eu acho que ele vai causar uma cena e tanto.”

“Eu também acho.”

Nainiae deu um sorriso e disse:

“Assim como o Sr. Ian diz:‘Oh, Jovem Mestre!’ e chora, acho que Nara dirá:“Oh, Sr. Ian!” e chorará.”

Riley estava agindo de forma indiferente e reclamando, mas ele era generoso sem conhecer limites. Percebendo isso em Riley, Nainiae veio a respeitar Riley ainda mais. Ela sorriu e murmurou:

“Eu acho que uma situação estranha se desdobrará quando eles se encontrarem.”

“Ugh, isso parece horrível. Nem sequer mencione isso.”

Riley balançou seu corpo como se uma das gotas de chuva atravessasse a capa de chuva e caísse em suas costas para lhe dar um calafrio. Ele correu para entrar na carruagem.

“Bem, então estaremos saindo lentamente.”

“Oh, tudo bem.”

Nainiae fechou a porta da carruagem depois que Riley entrou. Ela estava prestes a subir no banco de motorista. No entanto, ela de repente se encolheu e ficou petrificada.

“Srta. Nainiae?

“…”

Nainiae estava encolhendo os ombros com um rosto pálido, suando frio. Ela não foi capaz de responder a Nara.

“Srta. Nainiae!

Tendo percebido a voz chamando seu nome, ela rapidamente escondeu suas mãos e braços, que estavam tremendo, e respondeu:

“… Sim?!”

“Por que você está tão surpresa?  Você disse que estávamos prestes a ir, certo?

“Ah, sim … isso mesmo.”

Ela tentou fechar e abrir as mãos. Ela tentou massagear seus braços.

Seu corpo estava gritando através de tremores. Nainiae mal conseguiu acalmar seu corpo. Ela tentou arduamente sorrir e respondeu:

“Vamos ir agora. Eu vou liderar o caminho, então, por favor, me sigam.

“Não se preocupe!  Nossa Rorona já dirige carruagens há anos. Certo?

“Comandante. Se você quiser manter o espaço no topo da carruagem para si mesmo, não acha que seria uma boa idéia dizer as coisas de uma maneira mais agradável?

“Ah, eu entendi!  Entendi!”

Nainiae sorriu ao ouvi-los brigar e depois se afastou. Ela se sentou no banco de motorista. Finalmente capaz de esconder seu rosto dos outros, ela mordeu os lábios com força.

“…”

A dor estava se espalhando por todo o seu corpo. Através de seus lábios, que estavam firmemente fechados, havia uma corrente de sangue negro saindo dele.

‘… Só mais um pouco.’

Era final do verão.

O outono estava se aproximando rapidamente.

Comentarios em TLS: Capítulo 91

Categorias