Os Heróis

‘’Oh, uau… ’’

Eu ouvi o som de pessoas maravilhadas com alguma coisa e então, subitamente, eu estava acordado novamente.

Meus olhos não estavam prontos para se focar em qualquer coisa, mas eu os apontei para frente de qualquer forma. Havia homens em vestes, me encarando com admiração, aparentemente sem palavras.

“O que é tudo isso? ”

Eu me virei na direção da voz e encontrei três outras pessoas ali. Como eu, eles pareciam não saber o que estava acontecendo.

Eu cocei minha cabeça.

Eu estava na biblioteca apenas alguns momentos atrás, mas então… Por quê? E onde exatamente eu estou?

Eu virei minha cabeça para a direita e depois para a esquerda e descobri que estava em uma sala. As paredes eram feitas de pedra. É isto que eles chamam de ladrilho? De qualquer forma, eu não acho que estou em qualquer lugar que já estive antes. E certamente não estava na biblioteca.

Eu olhei para o chão. Estava coberto em padrões geométricos pintados com algum tipo de material fluorescente Tinha também algum tipo de altar. Parecia algo mágico, saído diretamente de uma história de fantasia.

Estávamos parados encima do altar.

Espere um instante, por que eu estava segurando um escudo?

Eu estava segurando um escudo. Era leve como uma pena, e encaixava perfeitamente na minha mão. No entanto, eu não conseguia entender por que eu estava o segurando, então eu tentei coloca-lo no chão, apenas para descobrir que eu era incapaz de fazê-lo. Era como se estivesse preso a mim.

“Onde nós estamos? ”

Justamente enquanto eu me perguntava a mesma coisa, o homem do meu lado, o que carregava consigo uma espada, perguntou aos homens de vestes.

“Oh Heróis! Por favor, salvem nosso mundo! ”

“O que?! ”

Nós quatro gritamos em unissonância.

“O que isto deveria significar? ”

Mas o apelo do homem em vestes pareceu familiar, como se eu já tivesse lido algo similar na internet.

“Há muitas complicações nessa situação, mas para oferecer uma resposta simples a sua pergunta, nós acabamos de completar nossa cerimônia anciã e invocamos vocês, Os Quatro Heróis.”

“Invocaram? ”

Sim, foi isso. Havia uma chance bem grande de isso ser algum tipo de travessura, mas não tinha nada de errado com pelo menos ouvi-los. Além do mais, é muito mais divertido cair em uma pegadinha do que planejar e executa-la em outra pessoa. Eu não me importo muito com esse tipo de coisa. Acho divertido.

“Nosso mundo está a beira da destruição. Heróis, por favor, nos emprestem suas forças! ” Disseram os homens, se curvando profundamente a nós.

‘’Bom, acho que não faria nenhum mal se-‘’ Eu comecei a responder, mas os outros três foram mais rápidos.

‘’Acho que não. ’’

‘’Eu concordo. ’’

‘’Podemos voltar para o nosso mundo, não é? Conversaremos sobre seus problemas depois disso. ’’

O que? Esses caras acham que está tudo bem falar assim com alguém? Alguém que estava tão desesperado que até se curvou a nós? Por que eles não podem guardar suas conclusões para depois que tivessem ouvido a maior parte da situação?

Eu encarei os três em silêncio, e logo os três estavam me olhando também. Por que eles estavam sorrindo? Podíamos sentir a tensão crescendo na sala.

Que babacas! Aposto que eles estavam felizes de estar aqui. Imagine se isso fosse verdade! Eles teriam a chance de ter aventuras em outro mundo. Seria como um sonho virando realidade! Claro, é clichê, mas não podíamos pelo menos ouvi-los?

O cara com a espada tem a idade de alguém que estaria ainda no ensino médio. Ele apontou sua espada para os homens em vestes e quase gritou “Vocês não sentem nem um pouco de culpa por invocar pessoas para o seu mundo sem pedir permissão? ”.

“Além do mais” começou o cara com o arco e as flechas “Mesmo se salvarmos vocês e trazermos paz para o seu mundo, vocês vão só nos enviar de volta para casa, não é? Isso soa como um trabalho qualquer, para mim.” Ele estava encarando os homens de vestes.

“Eu me pergunto o quanto vocês levaram em consideração a nossa opinião sobre esse assunto. Eu me pergunto como vocês farão valer a pena para nós. Dependendo do rumo que esta conversa tomar, mantenha em mente que podemos nos tornar inimigos do seu mundo.”

Então era isso. Era isso que eles queriam. Eles estão tentando, além de entender sua situação atual, conseguir uma recompensa. Bem, eles certamente são um grupo bem franco, além de confiante. Eu senti como se estivesse perdendo pra eles, de alguma forma.

“Sim, bem, nós gostaríamos que vocês falassem com o rei. Ele irá discutir futuras compensações com vocês na sala do trono.”

Um dos homens em vestes, aparentemente o líder, se inclinou contra uma porta que parecia ser muito pesada até que ela se abriu, e então apontou o caminho que deveríamos seguir.

“Tanto faz.”

“Certo.”

“Eu não acho que vai fazer diferença com quem nós falarmos, mas tanto faz.”

Meus companheiros reclamaram enquanto deixavam a sala e prosseguiam na direção indicada. Eu não queria ficar sozinho, então os segui para fora.

Saímos da sala escurecida e passamos por uma entrada feita de pedra. Como eu deveria descrever? O ar parecia fresco… e não consigo pensar em nenhuma outra definição. Vocabulário nunca foi um ponto forte meu. Fomos capazes de observar por um instante uma janela, e quando o fizemos, a paisagem nos deixou sem folego.

As nuvens estavam altas, tão altas no céu quanto você poderia enxergar. Ali, abaixo de nós, uma cidade nascia e se espalhava a partir da edificação em que estávamos, com todas as casas se alinhando perfeitamente, muito parecidas com aquelas cidades europeias que você veria normalmente em um folheto de viagens. Eu queria parar por alguns instantes para absorver tudo, mas não havia tempo. Nós passamos apressados pela janela e atravessamos o corredor, e logo alcançamos a sala do trono.

“Huh, então esses garotos são os quatro Heróis Sagrados? ”

Um velho com aparência importante estava sentado no trono. Ele se inclinou para frente enquanto falava. Ele não causou uma boa primeira impressão, pelo menos pra mim. Não consigo tolerar pessoas condescendentes.

“Meu nome é Aultcray Melromarc XXXII, e eu governo essas terras. Heróis mostrem-me seus rostos! ”

Eu quase gritei pra fazê-lo calar a boca, mas me impedi bem a tempo. Eu acho que ele está em uma posição de autoridade, provavelmente algum tipo de rei.

“Agora, eu começarei com uma explicação. Esse país, não, este mundo inteiro está a beira da destruição! ”

Essa foi uma introdução bem magnificente. Os outros caras comigo falaram “Bom, acho que faz sentido, levanto em consideração que você chegaria ao ponto de nos chamar de outro mundo.”

“É, faz sentido.”

Vou tentar resumir a história do rei.

Havia uma profecia sobre o fim do mundo. Muitas ondas surgiriam, e elas banhariam o mundo, de novo e de novo, até que mais nada restasse. A não ser que as ondas, e a calamidade que as acompanhavam, fossem repelidas, o mundo estava condenado. A profecia era extremamente antiga, mas o momento que ela detalhava estava acontecendo agora, neste exato momento. Havia também uma enorme e antiga ampulheta que nos avisaria quando a hora chegasse. A ampulheta previa a chegada das ondas, e sua areia começou a cair cerca de um mês atrás. De acordo com as lendas, as ondas viriam em intervalos mensais.

No começo a maior parte dos cidadãos ridicularizava as lendas. No entanto, quando a areia da ampulheta terminou de cair. Uma fenda surgiu em Melromarc, uma fenda para outra dimensão. Criaturas assustadoras e terríveis rastejaram para fora dela em grandes quantias.

Na época, os cavaleiros do reino e alguns aventureiros foram capazes de repelir os avanços das criaturas, mas foi profetizado que a próxima onda seria ainda pior.

Se continuasse assim, o país estaria acabado, não tendo condições de se proteger contra o próximo desastre. Quase sem esperanças, o reino decidiu invocar heróis de outro mundo.

Isso resume a maior parte.

Ah, aparentemente a Arma Lendária que cada um de nós possuía permitia que entendêssemos  a língua deste outro mundo.

“Tudo bem”, disse um de meus companheiros. “Eu acho que entendo sua motivação. Mas isso significa que você está basicamente nos mandando ajudar? ”

“Isso parece muito bom… para você.”

“Eu concordo. Tudo isso parece muito egoísta para mim. Se seu mundo esta caminhando para a destruição, deixe que ele queime. Eu não entendo qual a nossa relação com isso.”

Eu podia ver, pelo risinho condescendente que ele teve dificuldades em esconder, que por dentro ele achava tudo aquilo muito legal.

Bem, era minha vez de falar. “Como eles disseram, não é nossa responsabilidade te ajudar. Se dedicarmos nosso tempo e vidas para trazer paz para seu reino ganharemos algo além de um ‘obrigado e até mais tarde’? Quer dizer, o que eu realmente quero saber é se há um meio de voltar para casa. Pode nos dizer algo sobre isso? ”

“Hmmm…” O rei disparou um olhar para um vassalo próximo. “Claro que estamos pensando em lhes recompensar por seus esforços.”

Os heróis, incluindo eu, ergueram seus punhos em celebração. Isso! Primeira fase da negociação: Completa.

“Naturalmente…” continuou o rei. “Eu fiz preparativo para lhes apoiar financeiramente, e também para providencia-los com o que quer que precisarem, em agradecimento por seus esforços em nosso nome.”

“Ah é? Bom. Contanto que você nos faça uma promessa, não acho que teremos problemas.”

“Não pense que você nos comprou. Contanto que não sejamos inimigos, vou lhe ajudar.”

“Concordo.”

“Eu também.”

Por que eles tinham que agir tão superiores o tempo todo? Pensem sobre onde nós estamos!   Vocês realmente querem se tornar inimigos do rei? Ainda assim, acho que foi melhor esclarecer todos os detalhes de uma vez do que perder tudo no futuro.

“Muito bem, Heróis. Digam-me seus nomes.”

Espere um instante – acabei de perceber algo. Isso tudo não é muito parecido com o livro que eu estava lendo na biblioteca? Os Registros Das Quatro Armas Celestiais?

Uma espada, uma lança, um arco… E sim, um escudo.

Até mesmo os quatro heróis eram os mesmos. Poderia eu de alguma forma ter sido arrastado para o mundo do livro? Eu estava começando a pensar nessas coisas quando o garoto com a espada, o Herói da Espada, deu um passo a frente e se apresentou.

“Meu nome é Ren Amaki. Eu tenho dezesseis anos e sou um estudante do ensino médio.”

O Herói da Espada, Ren Amaki. Ele era um cara bem atraente. Seu rosto era bonito, e ele era relativamente baixo, talvez um metro e sessenta. Se ele se vestisse como garota você poderia confundi-lo facilmente. Seu rosto era tão sereno. Seu cabelo era preto, e cortado curto. Seus olhos eram afiados, e sua pele branca. De forma geral, ele passava uma imagem bem descolada. Como a de um rápido e esguio espadachim.

“Certo, serei o próximo. Meu nome é Motoyasu Kitamura. Tenho 21 anos e sou um estudante de faculdade.”

O Herói da Lança, Motoyasu Kitamura. Ele passava a imagem de alguém gentil e despreocupado, como um irmão mais velho. Seu rosto era tão bonito quanto o de Ren, o tipo de cara que teria uma ou duas namoradas. Ele tinha por volta de um metro e setenta. Seu cabelo estava para trás em um rabo-de-cavalo. Eu geralmente não gosto de caras com rabo-de-cavalo, mas se encaixava bem nele. De forma geral ele passava a imagem de um cuidadoso irmão mais velho.

“Ok, minha vez. Sou Itsuki Kawasumi. Tenho 17 anos, e ainda estou no ensino médio.”

O Herói do Arco, Itsuki Kawasumi. Ele parecia calmo, o tipo de pessoa que você consegue imaginar tocando piano ou algo do tipo. Como explicar? Ele parecia o tipo de pessoa aparentemente vazia, e ainda assim ao mesmo tempo, aparentava ter um grande poder escondido. Tinha algo simplesmente indefinido sobre ele. Algo vago. Ele era o mais baixo de nós, provavelmente entre um metro e cinquenta e cinco. Seu estilo de cabelo era meio ondulado, como se tivesse feito permanente. Ele era como um suave irmão mais novo.

Aparentemente erámos todos japoneses, embora eu ficasse bem mais surpreso se visse um estrangeiro aqui.

Ah, já é minha vez?

“Acho que sou o último. Meu nome é Naofumi Iwatani. Tenho 20 anos, e sou um estudante de faculdade.”

O rei me encarou de forma condescendente. Calafrios percorreram minha espinha de cima a baixo.

“Certo. Ren, Motoyasu e Itsuki, correto? ”

“Vossa majestade, o senhor esqueceu-se de mim.’’

“Ah sim, me perdoe, Sr. Naofumi.’’

Então o velho era meio lento na absorção. Mas sabe… Eu já estava me sentindo deslocado antes. E agora ele se esquece de me incluir em uma lista tão curta?

“Certo, Heróis. Por favor, confirmem seus status, e façam uma avaliação objetiva de si mesmos.”

“Huh? ”

O que ele quis dizer com ‘status’?

“Com licença, mas como deveríamos nos avaliar? ” perguntou Itsuki.

Ren suspirou alto, como se não conseguisse se preocupar o bastante para explicar a nós. “Vocês estão me dizendo que nem mesmo um de vocês solucionou isso ainda? Vocês não perceberam no momento em que chegaram aqui? ”

Ah qual é, ele sabia de tudo. Como isso é possível? Acho que ele era algum tipo de gênio.

“Quer dizer, ” ele continuou. “Vocês não perceberam nenhum ícone estranho flutuando no canto do seu campo de visão? ”

“Huh? ”

Agora que ele disse… Se você olhasse vagamente, e focasse suavemente nas bordas do seu campo de visão, tinham pequenas marcas ali. Eu conseguia vê-las também.

“Só foque sua mente naquele ícone.”

Eu o fiz, e ouvi um leve bip, como se estivesse sentado na frente de um computador, e o ícone expandiu e tomou conta do meu campo de visão. Era como abrir um navegador na internet.

 

Naofumi Iwatani

Classe: Herói do Escudo (Nível 1)

Equipamento: Escudo Pequeno (Arma Lendária)

Roupas de outro mundo

Habilidades: Nenhuma

Magia: Nenhuma

Havia mais algumas coisas listadas, mas decidi ignora-las por enquanto. Então era isso que o rei queria dizer por ‘status’? Espere. O que diabos exatamente era isso? Eu me sentia como se estivesse em um jogo.

“Nível 1… Isso me deixa nervoso.”

“Bom argumento, nesse ritmo, quem sabe se vamos ser capazes de lutar.”

“O que é tudo isso? ”

“Essas coisas não existem em seu mundo, ó  Heróis? Vocês estão experimentando a

‘Magia de Status’. Todos nesse mundo conseguem usar.”

“Sério? ”

Eu estava impressionado devido ao fato de todos pareciam achar isso normal, essas expressões numéricas representando seu corpo real.

“E o que supostamente deveríamos fazer? Esses números parecem terrivelmente baixos.”

“Sim, bem. Vocês vão sair em uma jornada para melhor polir suas habilidades, e para fortalecer as Armas Lendárias que vocês possuem.”

“Fortalece-las? Você está me dizendo que essas coisas não são fortes desde o inicio? ”

“Correto. Os Heróis invocados devem melhorar suas Armas Lendárias por conta própria. Dessa forma eles se tornarão ainda mais fortes.”

Motoyasu estava girando sua lança e pensando. “Por que não simplesmente usamos outras armas enquanto essas vão melhorando? Parece uma ideia inteligente para mim.”

Aquilo de fato pareceu uma boa ideia. E eu estava preso a um escudo, nem mesmo uma arma de verdade. É melhor eu conseguir outra arma logo.

Ren se intrometeu para esclarecer. “Podemos resolver tudo isso mais tarde. Por enquanto, deveríamos focar em nos melhorarmos, do jeito que o rei nos pediu.”

 

Era tão emocionante! Éramos heróis invocados de outro mundo! Parecia com uma história de manga, mas qualquer otaku pularia sem pensar duas vezes em uma chance como essa. Meu coração batia forte no peito, e eu não conseguia me acalmar. Parecia que os outros heróis se sentiam de forma similar.

“Vamos formar uma equipe? Nós quatro? ”

“Esperem um momento, Heróis.”

“Hm? ”

Quando estávamos nos preparando para sair em nossa aventura, o rei falou novamente. “Vocês quatro devem sair separadamente, para recrutar seus próprios companheiros.”

“Qual é a razão para isso? ”

“De acordo com as lendas, ” ele começou, “As Armas Lendárias que vocês possuem irão interferir umas com as outras caso tentem formar uma equipe. Ambas suas armas e vocês só podem crescer quando separados um dos outros.”

“Não entendi muito bem, mas se ficarmos juntos, nossos níveis não vão aumentar, certo? ”

Huh? Nós quatro encontramos as instruções sobre nossas armas. Começamos a ler ao mesmo tempo.

Atenção: as Armas Lendárias e seus usuários vão sofrer efeitos adversos se lutarem todos juntos.

Cuidado: é preferível que os Heróis e suas armas sejam usados individualmente.

“Acho que é verdade  então…”

Mas por que tudo isso soava tanto como um jogo? Era como se eu tivesse sido transportado para dentro de um jogo. De qualquer forma, jogos não parecem tão reais, e haviam humanos de verdade vivendo aqui, então acho que ainda era a realidade, de um jeito ou de outro. Ainda assim, esse sistema não conseguia parar de me lembrar de um jogo.

As instruções nas armas tinham um grau elevado de detalhe e duração, mas não havia tempo o suficiente para lê-las agora.

“Então você acha que deveríamos sair e formar nossas próprias equipes? ”

“Vou tentar assegurar companheiros para todos vocês. Independentemente, a noite está chegando. Heróis, vocês deveriam passar a noite aqui e partir durante a manhã. Enquanto isso vou tentar lhes arranjar companheiros em uma vila próxima.”

“Muito obrigado.”

“Obrigado.”

Todos nós agradecemos o rei e fomos passar a noite em nossos quartos.

Comentarios em TNY: Volume 1 Capítulo 2



15

Índice×