iLivro

O Que Eu Queria Ouvir

 

“Você não venceu nada, seu covarde! Alguém interferiu em nosso duelo!”

“Do que você está falando? Você não foi forte o bastante para me manter no chão, e agora perdeu!”

Ele estava falando sério? Que babaca.

Que tipo de herói ficaria orgulhoso ao vencer um duelo contra alguém que portava apenas um escudo?!

“Sua amiguinha ali interferiu! Foi graças a ela que perdi meu equilíbrio!”

“Ha! Está tão desapontado que precisa fabricar mentiras?”

“Não é verdade, seu esquisito!”

Ele me ignorou e continuou agindo como o vencedor.

Mas… Mas ele tinha trapaceado! E agora isto… ARGH!

“Isso é verdade?”

A multidão virou-se em direção ao Motoyasu.

Era impossível dizer se eles acreditavam nele ou em mim. Eles apenas esperavam em silêncio.

“Por que acreditaríamos nas palavras de um criminoso?! Herói da Lança, a vitória é sua!”

Mas que crápula! O rei ignorou todas as dúvidas e todas as evidências e declarou Motoyasu o vencedor.

Justamente quando eu estava perto de vencer, ele me encarava de forma soberba e vulgar. É isso! Eu poderia ter vencido. Eu poderia ter vencido!

Parecia que a multidão também tinha suas dúvidas. Seus muitos olhos encaravam nós dois, mas nenhum deles tinha coragem o bastante para desafiar as palavras do rei.

Ele provavelmente os mataria se eles o fizessem.

O que é isso, um regime ditatorial?

“Oh, você foi tão bem Sr. Motoyasu!”

A raiz de todo o mal,aquela mulher, sorria inocentemente. Um mago a serviço do castelo correu até eles e curou as feridas do Motoyasu.

Eles apenas me ignoraram.

“Sim, minha filha. Malty fez uma escolha excelente com relação aos heróis.”

…Disse o rei colocando sua mão no ombro de Myne.

“O… O quê?!”

Myne era a filha do rei?!

“Sim, eu também fiquei surpreso. Eu jamais imaginaria que a princesa utilizaria um nome falso para infiltrar-se entre nós.”

“Mas, obviamente, foi tudo para proteger a paz do reino.”

…Então era isso.

Eu tinha achado estranho o fato de ela ter conseguido me estigmatizar como um criminoso sem sequer um mínimo de evidências.

A sorrateira princesa, com o intuito de alcançar o herói que ela desejava, havia sacrificado o herói mais fraco, eu, roubado seu dinheiro e convenceu seu pai a me denunciar. Era a forma perfeita de me incriminar.

Então, já que Motoyasu havia a salvado, ela usou isso como uma desculpa para tornar-se mais próxima dele do que as outras mulheres.

Agora tudo fazia sentido, até mesmo o fato de eu ter recebido mais dinheiro no início.

Ela queria o melhor equipamento para si mesma, e então ela se juntaria ao melhor herói.

Se apenas o Motoyasu começasse com equipamentos muito superiores aos de todos os outros heróis, até mesmo ele acharia suspeito e agiria com cautela.

Eles tinham pensado em tudo e não havia outra forma de descobrir esse esquema, que não fosse lhes perguntar diretamente é claro. Levando em consideração quão longe eles foram com este plano, eu não tinha razões para pensar que eles não tinham destruído todas as evidências. No fim, seria a palavra do ‘infame Herói do Escudo’ contra a do ‘Herói da Lança que salvou a princesa’.

Eles tinham programado tudo desde o começo. Era a armadilha perfeita.

E enquanto o ‘Sopro de Vento’ não fora poderoso o bastante para me ferir, ele conseguiu me desequilibrar. Isto sugere que quem quer que tenha o invocado era bem versado. Mais uma prova do envolvimento da princesa.

Também é por isso que eles tinham preparado um duelo tão unilateral quanto este desde o começo.

Eles sabiam que ele venceria, e também sabiam que a princesa poderia interferir a favor de Motoyasu se o vencedor ainda não estivesse claro.

Era simples. Tudo que aquela mulher precisava fazer era sussurrar no ouvido de Motoyasu:

“Aquela garota que acompanha o Herói do Escudo é uma escrava. Ele está a forçando a cooperar. Você precisa salvá-la.”

Era a oportunidade perfeita para criar uma imagem boa dela para seu futuro marido. Eles jamais deixariam uma oportunidade como esta escapar.

Se eles realmente acabassem se casando, então salvar a escrava do desonrado Herói do Escudo seria a forma perfeita de encerrar sua estória heroica.

Lendas nascem através do mal. Quanto mais maligno você for, melhor você será lembrado.

Como o passar dos tempos, eles seriam lembrados como os heróis que acabaram com o corrupto Herói do Escudo e salvaram uma garotinha. Eles teriam cantigas escritas em sua honra.

O rei era um babaca, e a princesa era ainda pior!

Espere um instante… A princesa era… Uma vadia?

Essa frase soou familiar para mim.

Mas de onde? Eu sabia que já tinha a visto antes.

…Então eu me lembrei.  Estava escrito em ‘Os Registros das Quatro Armas Celestiais‘.

A princesa do livro era uma vadia que desejava todos os heróis.

Se os heróis daqui são os mesmos do livro que eu li na biblioteca, então o livro deve estar conectado com este mundo de alguma forma, o que fazia sentido já que a princesa realmente era uma vadia.

Eu estava sendo preenchido por um ódio flamejante, ódio este que percorria o meu corpo poderosamente.

Meu escudo estava… pulsando.

 

 Escudo do Conjunto Amaldiçoado: requisitos atendidos.

 

 O ódio negro e abrasador absorveu meu escudo, e minha visão ficou distorcida.

“Certo, Sr. Motoyasu, a garota que o Herói do Escudo estava usando como escrava está lhe aguardando.”

As pessoas se dividiram, e Raphtalia estava junto com os sacerdotes do castelo. Eles estavam prestes a remover dela a maldição dos escravos.

Os magos seguravam uma bacia cheia de algum tipo de liquido desconhecido que eles esfregaram sobre a marca de escravo no peito dela.

No momento em que eles o fizeram, o ícone de escravo despareceu de meu campo de visão.

Isso tornava oficial: ela não era mais minha escrava.

O ódio ainda ardia, e ele tomou conta de mim.

O mundo todo ria de mim. Zombava de mim. Eles ficavam felizes quando eu sentia dor, quando eu era humilhado.

Sim, tudo o que eu enxergava eram sombras e sorrisos sombrios.

“Raphtalia!”

Motoyasu correu até ela.

Eles removeram a mordaça de sua boca, e enquanto Motoyasu se aproximava os olhos dela enchiam-se de lágrimas. Então ela virou-se para dizer algo a ele…

 

E lhe deu um tapa.

 

“S… Seu tolo!”

“… Huh?”

Motoyasu parecia confuso e atordoado.

“É óbvio que eu não perdoo sua covardia, mas quando foi que eu pedi sua ajuda?!”

“Mas Raphtalia… Ele… Ele estava abusando de você!”

“O Sr. Naofumi jamais me forçou a fazer nada que eu não quisesse. A maldição apenas me forçava a lutar quando eu estava com medo demais para fazer qualquer coisa!”

Eu me sentia tonto e não conseguia discernir exatamente o que todos estavam dizendo.

Não, eu podia ouvi-los. Mas não queria.

Eu só queria ir embora daqui.

Eu queria voltar para o meu próprio mundo.

“Mas isso não é certo!”

“O Sr. Naofumi não consegue atacar monstros, então ele precisa de alguém para ajudá-lo!”

“Esse alguém não precisa ser você! Ele vai lhe exaurir!”

“O Sr. Naofumi não deixou mostro algum me ferir, nem uma vez sequer! Quando eu ficava cansada ele sempre me deixava descansar!”

“N… Não… Ele não é o tipo de pessoa atenciosa que… Que você pensa que ele é.”

“Você tocaria em uma escrava suja e doente?”

“O quê?”

“O Sr. Naofumi fez muito por mim. Ele me alimentou toda vez que eu estava com fome. Quando eu estava doente ele preparou remédios para mim. E você? Você teria feito essas coisas?!”

“Mas é claro!”

“Então você precisa arranjar seus próprios escravos!”

“?!”

Raphtalia correu até mim.

“Me deixe em paz!”

Esse lugar era o inferno.

O mundo inteiro era feito de duplicidade e mal.

As mulheres, não… O mundo todo estava rindo de mim, me punindo, tentando me machucar.

Quando ela me tocou eu senti o ódio efervescer dentro de mim.

Ao perceber a forma que eu reagi, Raphtalia virou-se encarou o Motoyasu.

“Eu ouvi os boatos… De que o Sr. Naofumi forçou seus desejos em sua amiga, de que ele é o pior dos heróis.”

“Correto. Sim, ele é um criminoso! Você deveria saber disso, já que ele te transformou em uma escrava sexual também!”

“Como você pode dizer isso?! O Sr. Naofumi nunca me tocou, nunca! Nem mesmo uma vez!”

Ela segurou minha mão.

“Me solte!”

“Sr. Naofumi… O que eu posso fazer… Como eu posso ganhar sua confiança?”

“Me solte!”

Todos achavam que eu era desprezível. Eles me culpavam por tudo!

“Eu não fiz nada!”

Eu estava perdido em minha fúria, quando algo me cobriu.

“Sr. Naofumi por favor, por favor acalme-se. Deixe-me… Escute a mim. Permita que eu ganhe sua confiança.”

“Huh?”

“Se você só consegue confiar em um escravo, porque eles são incapazes de te ferir, então vamos voltar! Leve-me de volta para a tenda e eu receberei a maldição novamente.”

“Mentirosa! O que você quer de mim?”

O que é isso? O que é essa voz que abre seu caminho em direção ao meu coração?

“Não importa o que acontecer, eu vou acreditar em você. Eu acredito em você, Sr. Naofumi!”

“Cale-se! Você só quer me incriminar por alguma coisa qualquer!”

“Eu sei que você jamais faria aquilo do que eles lhe acusam. Você jamais se forçaria em alguém. Você não é esse tipo de pessoa.”

Essa foi a primeira vez que eu ouvi as palavras que eu queria escutar. A primeira vez desde que eu cheguei neste mundo.

Eu senti que as trevas ao meu redor estavam começando a ruir.

Eu senti bondade.

“O mundo todo pode lhe culpar ou lhe acusar, mas eu não. Eu direi de novo e de novo: você não fez nada.”

Eu abri meus olhos, e quando eu a vi ela não era mais uma garotinha. Ela era uma mulher de dezessete anos.

Eu sabia que ainda era Raphtalia. Era o rosto de Raphtalia, e ela era a garota mais bonita que eu já vi.

Seu cabelo tinha estado tão sujo, mas agora ali estava ele: longo e belo. Sua pele seca e rachada tinha mudado. Agora ela exibia um brilho saudável.

Ela costumava ser tão magra, mas agora tinha ganhado um pouco de peso e parecia vigorosa e energética.

Ela me encarava. Seus olhos tristes, que sempre mostrava sua rendição diante da vida e de suas monstruosidades, agora eram claros e cheios de vida.

Eu não sabia quem ela era.

“Sr. Naofumi, leve-me até a tenda. Vamos colocar a maldição novamente.”

“Qu… Quem é você?!”

“Huh? O que você está dizendo? Sou eu, Raphtalia.”

“Hahaha, não. Raphtalia é apenas uma garotinha.”

Essa moça afirmava ser Raphtalia, a garota que havia acabado de jurar que acreditaria em mim. Ela parecia confusa, e inclinou sua cabeça.

“Ah Sr. Naofumi, você está sempre me tratando como criança!”

Sua voz… Soava idêntica à de Raphtalia.

Mas sua aparência era completamente diferente.

Não, impossível. Isso não fazia o menor sentido.

“Sr. Naofumi, deixe contar algo.”

“O quê?”

“Demi-humanos, nós… Quando nós somos jovens, nossos corpos crescem de acordo com nossos níveis. Então nós crescemos rapidamente enquanto aumentamos nossos níveis.”

“Huh?”

“Demi-humanos não funcionam como humanos. Essa é uma das razões pela qual algumas pessoas nos tratam como monstros.”

A garota que autoproclamava ser Raphtalia continuou falando.

“Claro, eu ainda… Quer dizer, eu acho que ainda não sou madura de um ponto de vista emocional, mas meu corpo amadureceu. Eu sou praticamente uma adulta.”

Ela me puxou para perto e… E enterrou meu rosto em seus volumosos seios enquanto falava.

“Por favor, acredite em mim. Eu acredito, eu SEI, que você nunca cometeu crime algum. Você me deu medicamentos, salvou minha vida e me ensinou tudo o que eu precisava para sobreviver. Você é o grande Herói do Escudo, e eu sou sua espada. Não importa o quão difícil seja o caminho, eu sempre irei te seguir.”

Eu… Eu queria tanto ouvir aquilo.

Raphtalia continuava jurando que lutaria ao meu lado.

“Se você não consegue acreditar em mim então, por favor, me transforme em uma escrava novamente. Eu quero ficar com você. Eu lhe seguirei!”

“Ugh…”

Ouvindo palavras tão gentis pela primeira vez, eu comecei a soluçar.

Eu tentei me convencer a parar, a me controlar. Mas eu não conseguia. As lágrimas não paravam.

Raphtalia me abraçou enquanto eu chorava.

“Motoyasu, você perdeu o duelo. Você quebrou as regras.”

“O quê?”

Ren e Itsuki disseram enquanto atravessavam a multidão.

“Nós vimos tudo lá de cima. Sua amiga atacou Naofumi pelas costas com magia de vento.”

“Não. Isso… Isso não é verdade!”

“O rei está em silêncio. Você sabe o que isso significa, não é?”

Motoyasu olhou ao redor para a multidão.

“Mas ele jogou monstros em mim!”

“Ele não tem como atacar. Temos que permitir pelo menos isso.”

“Mas… Mas ele concentrou seus ataques no meu rosto e na minha virilha!”

“Ele usou truques sujos após ser forçado a entrar em uma batalha em que ele sequer tinha a possibilidade de vencer.”

Motoyasu estava indignado com as palavras de Itsuki, mas logo cedeu.

“Parece que você está errado, pelo menos desta vez. Desista.”

“Droga… Isso não é justo… Quero dizer… Raphtalia deve ter passado por algum tipo de lavagem cerebral.”

“Como você pode dizer isso após ter presenciado a mesma cena que nós?”

“Ele tem razão.”

Isso estava começando a ficar desconcertante, então os heróis começaram a sair.

A multidão, por sua vez, retornou ao castelo.

“Isso foi desapontador.”

“Eu sei… Principalmente o resultado, para dizer o mínimo.”

Os dois últimos espectadores, aparentemente pouco impressionados, deram de ombros e começaram a sair. Nós dois ficamos sozinhos no jardim.

“Deve ter sido muito difícil para você. Eu não sabia. Por favor, compartilhe sua dor comigo.”

Graças a gentileza de sua voz, eu adormeci…

 

Eu dormi por uma hora, e Raphtalia me segurou o tempo todo.

Eu fiquei surpreso. Eu não tinha percebido o quanto ela tinha crescido.

Como eu pude não perceber? Eu estava… Muito estressado, provavelmente.

Eu estava estressado demais para perceber seu crescimento. Eu tinha mantido toda a minha concentração nos seu status e nos seus números que aumentavam.

Comentarios em TNY: Volume 1 Capítulo 23

Categorias