iLivro

Transporte por Carruagem

 

Alguns dias se passaram e o governador local nos presenteou com uma nova carruagem. Toda a vila se reuniu para presenciar o momento em que a recebemos, e houve uma festa em que todos nos aplaudiram.

“Muito obrigado.”

“Você fez tanto para nos ajudar. Nós apenas lamentamos não poder fazer mais por você.”

Os aldeões sorriam enquanto me ajudavam a carregar a carruagem com nossos pertences.

Eu não podia permitir que eles me mimassem, mesmo se eles quisessem. Ainda assim, eu precisava demonstrar a minha gratidão de forma sincera.

“Obrigado por dizer isso.”

“Você vai tentar trabalhar como mercador viajante? ”

“Sim.”

Eu não sabia se esse empreendimento seria bem sucedido ou não. Mas eu era sortudo o bastante para ter a Filo conosco, então parecia estupidez não colocá-la para trabalhar.

“Huh? Uma carruagem! ”

Filo estivera correndo por aí, brincando em sua forma humana, e ficou surpresa ao se deparar com a carruagem nova.

“Eu vou puxar isso? ”

Seus olhos resplandeciam com alegria.

“Exato. Você vai puxar essa coisa, e nós vamos viajar através do país inteiro.”

“Sério?! ”

Ela guinchou de entusiasmo.

Ela não percebia que teria que arrastar algo extremamente pesado? Eu não entendia o que era tão entusiasmante sobre isso…

“Então nós realmente faremos isto? ”

Murmurou Raphtalia, parecendo deprimida com a ideia.

Ela ainda não tinha controle sobre seu estômago maldisposto, então a ideia de viajar por carruagem não era muito atraente.

“Pode ser difícil no começo, mas você vai se acostumar.”
“Certo.”

Eu olhei para a Filo e a observei cuidadosamente.

“Filo, qual é o seu trabalho? ”

“Deixe-me ver… Eu devo puxar a carruagem para onde você me mandar ir, Mestre! ”

“Correto.”

“E se eu encontrar o Cara da Lança, eu devo chutá-lo.”

“Exatamente.”

“Essa última parte não é verdade! ” Disse Raphtalia, com seus braços cruzados, como se ela fosse corrigir tudo o que há de errado no mundo.

“O que foi? Por que está me olhando como se eu fosse esquisito? ”

Se nós víssemos o Motoyasu, Filo iria chutá-lo. O que havia de errado com isso?

Bem, eu não poderia cogitar todas as suas reclamações.

“Certo! Esse é o começo oficial de de nossas vidas como mercadores viajantes. Eu vou me esconder dentro da carruagem. Raphtalia, quando chegarmos à uma nova cidade, você começa a vender nosso produtos alí na frente.”

“Ah, tudo bem…”

Minha má reputação ainda estava muito viva no mundo além de Riyute. Se eu estivesse encarregado de fazer as vendas, nada seria comprado – afinal, quem negociaria com um criminoso? Fazia sentido confiar à Raphtalia este serviço.

Raphtalia era bonita, e tinha a personalidade certa para isso. Ela não seria tímida.

“Então, vamos partir? ”

“Ah, Herói.”

“Huh? O que foi? ”

“Por favor, leve isto…”

O governador me entregou um pedaço de pergaminho.

“O que é isso? ”

“É a fatura comercial de passagem que nós discutimos antes.”

“Ah, sim…”

Estando em posse da fatura de passagem, eu seria capaz de vender minhas mercadorias em diferentes cidades sem ter de pagar aos governadores locais nenhum tipo de tarifa. Tornaria a minha vida muito mais fácil. Se esses governadores realmente deveriam estar cobrando a passagem de Heróis pela sua cidade, bem, isso é outra estória.

Quero dizer, Motoyasu claramente pensava assim.

“Viaje com segurança.”

“Obrigado. Vamos tomar nosso rumo agora.”
“Espero que sejamos capazes de lhe auxiliar mais no futuro. Você fez muito por nós.”
“Não se esforcem demais.”
“Tudo bem! ”

E então nós deixamos Riyute para trás e iniciamos nossas novas vidas como mercadores viajantes.

 

A primeira coisa que tentamos foi a venda de medicamentos diversos.

Nós não tínhamos uma enorme coletânea preparada, então colocamos nossos preços abaixo do valor típico de mercado.

Começamos com medicamentos de cura e bebidas nutricionais. Ambos eram de qualidade levemente maior do que a maioria dos medicamentos e bebidas vendidos por aí, então coloquei seus preços acima de nossos outros produtos.

Então nós faríamos estoques de ervas e outros suprimentos e partiríamos para a próxima vila – e eu utilizaria o tempo gasto no caminho para misturar novos medicamentos.

A Filo era muito rápida então nós quase sempre alcançávamos a próxima cidade em um dia, porém houveram dias em que nós precisamos acampar em regiões selvagens. Em noites como esta nós pararíamos a carruagem, faríamos uma fogueira e jantaríamos sob a luz das estrelas.

“Mestre! Tem muito espaço livre perto de mim! Venha dormir comigo! ”

Nós havíamos terminado de comer, e Filo havia voltado à sua forma original e batia levemente no espaço ao seu lado no chão.

“Dormir com você é muito quente.”

Filo ainda queria dormir comigo todas as noites. Eu tinha mandado que ela não se transformasse em um monstro enquanto estivéssemos em uma estalagem, então ela aproveitava essas oportunidades quando estávamos acampados.

Bem, nós estávamos sozinhos, então não havia ninguém que pudesse se incomodar…

“Filo, você realmente gosta do Sr. Naofumi, não é? ”

“Sim! Eu gosto mais dele do que você, Irmã mais velha! ”

“Não me chame disso! ”

Ela se incomodou com o termo ‘Irmã mais velha’?

“Então do que eu deveria te chamar? ”
“Hm… Que tal ‘Mamãe’? Eu estava lá quando você saiu do seu ovo, e te conheço desde então! Parece apropriado, não acha? ”

“Não sei… Irmã mais velha! ”

Elas continuaram discutindo, como se fossem incapazes de decidirem se eram amigas ou inimigas.

Filo agia como uma criança, então ela era incapaz de evitar levar tudo à sério.

Na verdade, ela realmente era uma criança. Por isso ela agia como uma.

“Tudo bem, tudo bem, vocês duas deveriam ir para a cama. Quando o meu turno acabar, eu vou acordar vocês! ”

“Para de me tratar como uma criança! ”

“Sim! Sr. Naofumi, você me trata como criança também! ”

“Ah, oops. Eu sempre me esqueço do quão maturas vocês duas são.”

“Você não está falando sério! ”
“Sim, Mestre! Seu mentiroso! ”

Mas elas realmente eram como crianças. E eu já havia decidido que seria como um pai para elas.

“Eu quero te ajudar na vigília, Mestre! ”

Filo recolheu algumas pedras e começou a esfregá-las contra gramíneas aleatórias, uma cópia pouco precisa de minhas atividades com o almofariz e o pilão.

“Eca! Que cheiro estranho! ”
“Realmente.”

Se fosse possível produzir medicamentos a partir de gramas aleatórias, não seria uma atividade tão difícil, não é?

“Por que não está funcionando? ”

“Você pode aprender algumas coisas apenas observando, mas para outras é necessário um pouco mais de prática.”

“É por isso que você não pode puxar a carruagem? ”

“Por que eu teria que puxar a carruagem? ”
“Por que você e eu somos diferentes? ”

“Qual é o problema com sermos diferentes? ”

Igual uma criança… Ela perguntaria a primeira coisa a qual conseguisse pensar.

Se nós continuássemos respondendo um ao outro com perguntas, eventualmente ela ficaria confusa e seria obrigada a desistir.

“Argh… O Mestre é tão… Tão idiota! ”

“Quem você está chamando de idiota?! ”

Nós continuamos assim por um tempo, mas eu também fui capaz de terminar parte de meu trabalho.

Comentarios em TNY: Volume 2 Capítulo 11

Categorias